Além da Muralha Seguir história

jessica-oliveira1557141741 Jessica Oliveira

Maisie sempre morou em Hanover, um colônia cercada por muralhas, ela é mandada para fora como punição por seus crimes, lá ela terá que lutar por sete dias, se sobreviver poderá voltar. Um homem Misterioso aparece em seus sonhos sempre nas horas em que ela mais precisa. O que Maisie não sabia era que esse homem era de outro mundo o mundo dos feéricos.


Fantasia Para maiores de 18 apenas.

#fantasia #Traicao #amizade #romance #magia #Feérico
0
3046 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Segundas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Pega

- Sussurrando bem baixinho eu chamo minha irmã. Nella acorde. - Nella por favor acorde logo. Mas ela não acordou, peguei minha irmã mais nova pelos ombros e dei uma chacoalhada.

- Droga Maisie o que você está fazendo? Onde você estava? Mamãe ficou acordada até tarde te esperando ela estava muito preocupada.

Nella levantou da sua cama que ficava no lado esquerdo do nosso quarto. Ela estava com uma camisola, que eu havia roubado a pouco mais de uma semana, minha irmã era linda, ela é tão alta quanto eu, tem olhos castanhos com pintinhas verdes e sardas no rosto seu cabelo é loiro claro até ombros. Ela sentou numa cadeira que havia enfrente a mesinha.

- Depois eu falo com a mamãe deixa ela descansar mais um pouco.

- Me conte o que aconteceu com você, Nella pediu.

Como iria explicar para minha irmã, que talvez essa seja a última noite que passamos juntas.

Nella estava com a expressão que me arrancaria a cabeça se eu não falasse logo.

- Eu não sei como aconteceu, foi tudo muito rápido, eu estava no BarBargs, sentada na bancada do bar, tinha dois homens atrás de mim, sentados de costas para mim, um deles o mais velho estava com a carteira quase toda para fora do bolso da calça.

- Deuses Maisie o que você fez?

- Antes de sair de casa ouvi mamãe se queixando para a Bolinha que não teria dinheiro o suficiente para pagar as contas, como se nossa cadela pudesse sair e fazer alguma coisa pra ajudar, ela estava muito preocupada eu só queria ajudar, então sai bem cedo e fiz o que tinha que fazer, eu não me orgulho Nella do que fiz mas faria tudo de novo para não deixar nenhum de vocês passar fome e frio.

- E a indenização que ganhamos pela morte do papai não está ajudando? Nella perguntou.

-Faz tempo que esse dinheiro não tem dado conta de todas nossas despesas.

Papai morreu a dois anos, foi contaminado em um vazamento de gás na usina, desde então estamos recebendo uma indenização pela morte dele. Mamãe faz pães e tortinhas para vender mas quando não vende nada as coisas se complicam, por isso passai a roubar, roupas, calçados e as vezes até comida.

- Nella se eu for mandada para fora da muralha, você vai precisar ajudar mamãe cuidar das coisas, Aidan ajudará vocês duas, ele é um grande amigo e sempre nos ajudou depois que papai morreu, saiba que pode contar com ele se acontecer alguma coisa.

-Por que você está falando isso, você está em casa agora ninguém te pegou.

-O homem do BarBargs era um passificador, devia estar lá depois que o turno acabou, quando fui pegar a carteira dele o amigo dele segurou pulso eu nao sabia o que fazer tentei correr mas ele me segurou com força e acabou arrancando minha pulseira de identificação, consegui me livrar dele mas não peguei minha pulseira de volta.

Nella estava apavorada, começou a chorar, seu rosto delicado estava ficando vermelho inchado. - Você não pode ser mandada para fora da muralha não vai conseguir sobreviver, ninguém sobrevive la fora, vamos fugir, sair daqui ir para bem longe.

- E vamos para onde? Estamos cercados por essa maldita muralhada nao tem para onde ir, a única coisa que eu peço pra você Nella e que cuide da mamãe você é mais forte que ela, vocês iram sobreviver sem mim.

Meu coração parecia que ia se partir, minha garganta ardia mas eu tinha que ser forte por elas não podia me deixar abalar na frente dela por mais que isso estivesse me matando por dentro.

- Volte a dormir Nella, eu vou conversar com a mamãe agora.

- Você realmente acha que vou conseguir dormir depois de tudo isso que me contou? Vou fazer um chá pra nós três provavelmente ninguém irá dormir tão cedo nessa casa.

***

Entrei no quarto da minha mãe, estava escuro, não tinha muitos móveis dentro do quarto, havia uma cama de casal uma mesinha com uma lamparina e um roupeiro que nós três usávamos, a cama era de madeira maciça, meu pai havia feito como presente de casamento para mamãe foi o primeiro móvel da casa, minha mãe estava deitada de costas para a porta, ela dorme agora onde antes meu pai dormia.

- Mamãe precisamos conversar. Minha mãe se sentou e virou para mim. - Sempre me achei muito parecida com ela tanto na aparência quanto nos sentimentos, temos os olhos da mesma cor, de mel mais puxado para o vermelho,- meu pai dizia que poderíamos derreter ferro com os olhos quando estamos bravas, minha mãe é mais baixa que eu e é tão magra quanto eu, nosso cabelo é preto como a noite, diferente de Nella que é loira igual ao papai.

-Onde você estava Maisie? Fiquei acordada um bom tempo te esperando. - Eu estava fora tentando conseguir dinheiro pra ajudar nas contas. -Retirei do bolso várias moedas de prata e um anel simples mas que talvez valesse alguma coisa e entreguei a minha mãe.

- Aconteceu uma coisa muito ruim hoje mamãe, eu sei que deveria ser mais responsav…

Um estou ensurdecedor de madeira se partindo veio da entregada de casa, minha irmã começou a gritar, deixei minha mãe no quarto e sai correndo para a entrada, meu coração pulava dentro de peito parecia que ia sair pela boca, de um lado da sala estava minha irmã com os olhos arregalados e do outro lado estavam os dois guardas que eu desesperadamente tentei roubar, atrás deles no piso de madeira estava nossa porta da entrada tava quebrada no chão.

Minha mãe apareceu do outro lado do cômodo segurando uma vassoura na mão como se fosse uma arma.

- O que vocês querem de nós? - minha mãe exigiu saber.

O guarda mais velho era meio rechonchudo e estava com uma expressão de raiva perguntou para minhã mãe. - Nós viemos atrás dela, ele apontou o dedo indicador em minhã direção, ele continuou falando. - Ela tentou me roubar hoje mais cedo no bar.

Minha mãe estava apavorada ela olhou para mim e depois para o guarda e falou, - Eu sinto muito isso não irá se repetir, por favor não levem ela eu só tenho minhas duas filhas elas são tudo para mim.

Eu não sabia se devia me explicar ou deixar minha mãe tentar resolver mas o guarda mais novo começou a falar. - Sua filha é uma ladra, sabes se lá quantas pessoas ela já roubou, ela deve pagar pelos seus atos.

Minha mãe começou a implorar. - Mas ela é só uma criança não vai conseguir sobreviver fora das muralhas, eu faço o que vocês quiserem.

O guarda gordo falou. - Sua filha cometeu um crime e deve pagar, levaremos ela agora, você pode ver ela amanhã pela manhã.

Olhei para minha mãe e minha irmã, nós três estávamos chorando,eu disse para elas; - Eu vou ficar bem eu sei me virar, procure pelo Aidan amanhã de manhã ele irá ajudar vocês, eu amo vocês não se esqueçam disse.

Minha mãe e irmã concordaram, elas estavam em choque, nem interferiram quando os guardas me levaram para fora de casa.


6 de Maio de 2019 às 11:42 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo Despedida

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!