A menina que chorava sangue e outras historias Seguir história

luccasmiguel

Depois do nascimento De Barbara e alguns dias depois da morte de seu marido ,Jessica se viu numa situação fora do normal. a onde coisas sobrenaturais iram tomar sua vida e dos demais que ficam perto dela. Além desse conto , o universo sombrio trará outras historias sombrias e perturbadoras.


Horror Para maiores de 18 apenas. © Todos direitos reservados

#contos-novelas #horror #terror #trash
Conto
0
3.5mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capitulo único.

I

1980 - Casa da família Morus.

A noite teria demorado em chegar, mas quando chegou presenciou o mais perfeito nascimento. A filha de Jessica Morus. Uma garotinha de olhos claros que lembrava o céu azul. Os gritos contínuos que Jessica dava ,chegava se ouvido de fora da casa. Que mãe ,não sentiria a dor do parto? creio que bem difícil segurar as contrações.Mulheres são muito guerreias em ambas partes. Principalmente Jessica que passou um período muito complicado antes de ter sua filha , Barbara. Além dos enjoou que teve , e as tonturas que seriam tão natural ela também passou por um momento difícil em sua vida. Seu marido Ronald teria falecido após o sexto mês de gestação ,num acidente de carro. Pobre de Jessica,teve que ir no enterro mesmo sabendo que não andava muito bem. Os parentes dele ,pediram que a calma e a fé fosse sua arma mais forte. Só esqueceram de pedir coragem. Mas uma irmã da igreja, a senhora Elizabeth sempre estava em sua casa para cuida - lá e sempre orar por ela e sua família. Não seria fácil, para ninguém assimilar uma tragédia dessas. Creio que o pai, ficaria muito feliz em saber que sua filha, nasceu com os olhos da mãe e ficou com a mesma cor de cabelos. Loiros e enrolados. De uma coisa, a mãe sabia e teria que fazer. Falar sobre como era o seu pai, dizer como ele era. Nisso pode ter certeza, Barbara entenderia. Mas só teria uma coisa que tornaria a vida dessa menina um tormento sem fim. O fato de Jessica ter confessado para Elizabeth que fez um pacto com as coisas ruins do outro mundo para trazer de volta o marido que tinha perdido para perto da filha. Com toda certeza, aquela senhora e amiga de cinquenta e seis anos resolveu ajudar com muita oração, e a perdoou pelo grande pecado que fez. Só que ela sabia que não seria fácil escapar desse pacto em que Jessica teria feito. Deus tinha que ser misericordioso para proteger a alma de suas filhas. Conhecida e apelidada por lisa, esta senhora de pele pouco enrugada e branca teria feito em uma noite, teria feito uma oração perto do berço de Barbara. Só que foi difícil de suportar o choro em que ela dava. Lisa poderia observar claramente e sentia a presença de um mal. Era triste saber que, este ser não estava perseguindo Jéssica, e sim sua filha. Elizabeth teve que recorrer diretamente a ela e dizer o que estava se passando. Teriam que acabar com isso logo ou guardar segredos. Quando lisa, chegou à varanda a onde se encontrava Jéssica sentada numa cadeira de balanço tricotando foi direto ao ponto.

-Jessica, só por Deus!Mas sua filha não vai sobreviver por muito tempo. O que foi que você fez?-perguntou.

- O que eu fiz? Acredito que estava fraca com minha fé, cansada de sofrer. E resolvi ir a aquela capela negra de meu tio Marcus. Sei que foi errado da minha parte, lisa. -Parou de tricotar. - Mas em breve Ronald ira voltar. -sorriu ,como se um alivio tomasse teu corpo.

Aquilo tudo estava errado, Lisa sabia que tinha que dar um jeito. Não poderia deixar que esse mal tomasse conta da menina recém nascida. Brincar com os mortos também não seria nada bom. Todos sabem que toda forma oculta existente pede um sacrifico ou precisa de um hospedeiro para começar com as malditas pragas antes de qual quer coisa voltar ou vir dos mortos. Não seria certo deixar a pobre garotinha sofrer pelas consequências da mãe. Lisa numa noite de sábado estava na casa dos Morus e se encontrava no quarto da menina tentando fazer uma oração. Jessica, não suportava ouvir aqueles choros. Lisa orava, e bebe chorava alto, mais tão alto que parecia que doía em Barbara. Mas lisa, não poderia parar, ela teria que pedir muito a Deus proteção. Tanto Jessica, quanto Lisa sabia que uma hora Ronald voltaria dos mortos. E com toda certeza, não seria nada agradável se deparar com um defunto. Marcus teria ido à casa de sua sobrinha para ver como Jessica e estava. Só que a confusão começou por ai. Lisa, não suportou ficar frente a frente com um bruxo e Marcus não suportava olhar para Elizabeth. Parecia que Deus e o diabo se cruzaram no olhar. Jessica desnorteia, teria ligado para Marcus sem lisa saber para pedir ajuda, mas a aquela senhora tentou fazer de tudo para que o próprio tio chegasse perto da menina. Só, que Barbara cessou choro quando o tio a colocou sobre os braços, mas quando Lisa chegava perto à pobre menina chorava. Marcus chegou a dizer cara a cara.

- Elizabeth, seria um grande favor se parasse de fazer suas orações perto da menina. - Disse Marcus com um olhar tenebroso. Aqueles olhos claros deles chegavam dar medo, parecia que a qual quer hora mudariam de cor.

-Não sossegarei até Deus livrar dela um mal que parece que a sufoca quando escuta uma oração!-Exclamou.

Marcus fingiu não ter escutado o que lisa teria falado e logo voltou à menina no berço e se retirou do quarto. Ele foi conversar com Jessica sobre a volta de Ronald, Lisa ficou de canto ouvindo todo assunto e horrorizada com o que sua amiga estava fazendo. Lisa pensava na dor de sua amiga, se colocava no lugar. Perder alguém muito próximo faz doer tudo em nós. Mas lisa, não aceitava o fato dela ter mexido com coisas ruins. Não iria acabar bem, sempre alguma coisa do errado. Começando pela menina que depois de duas semanas mostrou sinais de seria uma cobaia para volta de Ronald. Afinal, aquela senhora sabia que não seria Ronald naquele corpo que acabará de sair de seu túmulo e perambular pela cidade até chegar ao lugar a onde foi sua casa. Pobre Barbara começou a chorar sangue. Lisa estava na quarta sentada numa cadeira lendo um livro nem percebeu o que estava acontecendo, para ela a presença divina apenas estava incomodando a menina. Mas quando se levantou devagar e olhou no berço, observou litros de sangue sair de seus olhos. Teu grito de misericórdia foi tão alto que acordou Jessica que quase dormia na varanda, esperando Ronald voltar.

II

Sangue e mais litros de sangue...

Barbara não chorava lágrimas, já era a oitava noite depois que descobriram isso. Era tanto sangue, que a própria bebe estava recusando o leite do peito de Jessica. Quando mãe foi perceber, a menina mamava sangue. Os mesmo que ela derramava diante os olhos, eram o que ela consumia. Lisa, horrorizada com tudo isso, não sabia mais o que fazer. Quanto mais orava, mas a menina chorava. Ela até pensou em parar de orar, para ver se sangue parece de sair. Mas quando Jessica falava de Ronald e que ele iria voltar da viagem, sai mais sangue, muito mais sangue. Para a visão de lisa era uma atrocidade o que ela tinha feito. Em vez de deixar as coisas do jeito que era para ser, não! Teve que buscar até de baixo da terra. As duas chegaram a discutir, mas logo fizeram as pazes, amigos nunca podem brigar. Mesmo sabendo que um é tão inconsequente no que faz. Pobre Barbara, mal sabia que era uma cobaia para um boneco do diabo.

III

Era aquilo mesmo que as pessoas estavam vendo? O cadáver de Ronald perambulando pelas ruas daquela pequena cidade. Realmente, o bicho estava solto. E seguindo rumo à casa de onde passou seu tempo quando era vivo. Finalmente a noite chegou, e com toda certeza Jessica estava sentada na varanda, em sua cadeira que balançava de vagar, bem de vagar e tricotando esperando aquele que ela jurava ser teu marido Ronald. Algumas pessoas já estavam relatando por ali que este cadáver teria matado Três jovens que praticava vandalismo. Um corpo podre não teria força para matar assim. Realmente o que estava vindo não era só um corpo muito menos Ronald. Se lisa não saísse da casa naquela noite para buscar algo em sua casa, teria partido para bem longe junto a Jessica. Sem delongas, e sem muita espera ele tinha chegado. Não falou nada, nem sequer quis trocar uma palavra. Chegou perto de Jessica que se levantou, chorando emocionada vendo aquele corpo em perfeito estado.

-Sua filha lhe espera amor. - Aquela foi sua ultimas palavras.

Ronald!Afinal, este homem que dizia ser ele na verdade não passava de um demônio que se aproveitou do ritual que ela fez para poder ficar no mundo terreno e produzir as mais terríveis atrocidades. Jessica só percebeu que alguma coisa estava errada, quando ele a beijou, e no beijo este bicho colou um parasita que a fez morrer de vagar vomitando tudo que tinha dentro de seu corpo até não restar mais nada. Foram sangue, órgãos que saíram pela boca. Barbara chorava, e sangue saia. Aquele ser chegando perto da menina, o pegou no colo e a garotinha parou de chorar imediatamente e logo sorriu. A sua primeira palavra foi: - PA. PA..Pai.-e ali não ficaram mais. Quando lisa chegou, não resistiu no que tinha visto e se desesperou caindo sobre o chão a onde se encontrava o corpo de Jessica. Sua suplicas eram de chamar atenção de todos da vizinhança da cidade de Waverly Hills. Marcus, o tio bruxo foi encontrado morto dias depois em sua casa. De sua boca, saia aranhas enormes de onde fez morada. O que dizia ser Ronald desapareceu com Barbara e Lisa não poderia dar queixa a policia sabia que seria muita loucura da parte dela dizer tudo que sabia. Algumas pessoas que moram naquela vizinhança sempre diziam em que a casa que Jessica morava, sua filha chorava, e portas batia sem parar. Um velhinho de oitenta anos chegou dizer que quando entrou na residência não aguentou a pressão negativa que sentiu e logo espalhou que a casa era mal-assombrada. Ninguém mais ouviu falar do paradeiro de Elizabeth. Depois da morte de Jessica que foi inexplicável para pericia dos homens, a única pessoa culpada e suspeita era Lisa a única amiga dela, que sumiu sem deixar rastro. A casa até hoje continua vazia. Mas Barbara dada como uma recém nascida morta. Ninguém acreditaria que tudo aconteceu por causa de um demônio. As autoridades não dariam credito a isso. Lamentável e triste saber que tem alguma coisa Solta na cidade ou vai saber sei lá a onde. Para todos da cidade que ouviu a historia, pensam que é uma lorota, e acaba deixando essas coisas sumir no poço do esquecimento.

7 de Março de 2019 às 01:24 0 Denunciar Insira 0
Continua…

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~