Desejo meio amargo Seguir história

lethwen

O sorriso tomou os lábios da mulher ao ver a xícara de café cheia do companheiro. Talvez o café não estivesse adoçado, mas amargo, como ela gostava. E ele, bom, era o sabor favorito dele, quando doce nos lábios dela.


Conto Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#romance #capítulo-único #original
Conto
2
3.6mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Notas da autora: Conto para o São Valentin 2019.


Capítulo Único.

Desejo meio amargo.


Ela rolou sobre o lençol de cetim em coloração bege. O quarto estava escuro, um breu noturno e refrescante, abafado pelo vapor que surgia do banheiro. A mulher não conteve o sorriso ao se lembrar de mais uma noite de sexta-feira, no qual lhe proporcionou uma paixão intangível, bem como uma prata que não reluz.


A voz dócil dela se misturava majestosamente com os grunhidos roucos dele. Suavemente, o ar exalava o perfume de homem urbano, mais forte que a simples existência e tão frio como o gelo. O aroma adocicado da amante era um pedido silencioso para deleita-la, como uma implicância ingênua, ou talvez a urgência de ser contemplada pelo dono dos olhos verdes que causavam calafrios na pele macia e feminina.


Na primeira noite em que trocaram olhares sem intenções no bar, ela descobriu que desejava desvendá-lo. A troca de palavras, alguns sorrisos cordiais e o fascínio que ela sentia aquecê-la, pareciam mais sossegos quando o tom em rouquidão dele denunciaram o seu próprio desejo.


Ele era um predador, um amante protetor e possessivo.

A imperfeição que vicia.


Naquele instante ela teve a certeza de que gostaria de libertar a mulher presa em si, ao se jogar no abismo que eram os lábios dele, os mesmos que formavam um sorriso sacana. Não foi difícil passar de garota curiosa a amante daquele homem, de vê-lo apoiado nos lençóis, sem a imagem formal, tão condizente com um documento de identidade.


Ela sentou na cama, arrepiando-se quando o assoalho frio acariciou a pontos dos dedos dos pés. As mãos acariciaram o roupão branco que ela usou para cobrir a pele nua, pincelada com vestígios de um desejo vital do amante, contrastando perfeitamente com os longos cabelos negros.


Aquela relação não era mais do que convencional, no entanto, a mistura de shampoo masculino e sabonete a fizeram desejar mais. Era uma vingança crua, doce e perfeita por ter se viciado na essência daquele homem, perdido em sua ducha pós-sexo. Ela precisava dele ao menos uma outra vez. Com os dedos entre os cabelos, formou-se um coque casual.


A voz gutural era uma ordem, e ela estava se tornando uma mulher que girava em torno do desejo dele. Embora estivesse enfeitiçada pelas promessas de um ápice devastador que a fazia estremecer, a amante sabia que ele pagaria um bom preço por tê-lo desvendado.


Ele era a amargura em pele de lobo. O olhar tomado pela obsessão materialista de fazê-la uma de suas conquistas pessoais, a deixava sem chão. Era o tipo de encarada escurecedora, tomando-a em sua indecência pessoal.


Ele não era do tipo que sorria para agradar, mas fazia questão de levá-la a um conto de fadas ao sorrir diante de suas piadas sem graça. Ela sabia que ele se demorava ao olhá-la, perdido em seu olhar, ocultando uma chama indecente.


Os beijos ternos e serenos pelo amanhecer eram um segredo deles, e a forma que ele sussurrava promessas indecentes com o nome dela, eram delirantes.


Ele preferia os sabores afrodisíacos e doces, e ela os amargos. Ela respirou profundamente, extasiada com o cheiro de café, biscoitos e acompanhamentos na mesa de canto.


O sorriso tomou os lábios da mulher ao ver a xícara de café cheia do companheiro. Talvez o café não estivesse adoçado, mas amargo, como ela gostava. E ele, bom, era o sabor favorito dele, quando doce nos lábios dela.

14 de Fevereiro de 2019 às 22:00 0 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Vanessa Uma garota apaixonada por cada livro que coleciona. Viciada em romances adultos, poesias e poemas. Adoro ler frases e colecioná-las para me inspirar. Sou protecionista dos animais desde que me conheço por gente.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~