u15499956501549995650 Ingrid Corrêa

Rudolph Miller, um escravo inglês discriminado por sua classe e cor, é forçado a lutar em nome das forças britânicas contra a Birmânia. Porém, após a invasão das tropas inimigas, ele se viu preso mais uma vez e fadado a mais sofrimento. Em uma noite, uma chance de fuga aparece e ele a agarra com todas as suas forças. Entretanto, Rudolph não fazia ideia que aquela decisão atrairia diversos imprevistos.


De Época Para maiores de 18 apenas.

#romance #terror #drama #gore #erótico #nudez #295 #vampirismo
4
4.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Terças-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo


Maio de 1825


No ano anterior iniciou-se uma grande guerra. Ninguém sabe ao certo como começou, mas em um momento a Inglaterra estava crescendo e no outro ela estava enviando jovens para a guerra. Muitos foram forçados a abandonar suas famílias em prol de cumprir o seu dever com o estado.

Após alguns meses de guerra, os birmaneses descobriram diversas bases hospitalares dos ingleses e as atacaram. Com esse grande ataque, diversos médicos e enfermeiros foram perdidos levando os ingleses a optarem por uma estratégia diferente e arriscada. Eles decidiram transferir pequenos grupos de militantes para novos postos médicos escondidos na densa floresta da Índia. Nestes grupos, os militares possuíam o básico conhecimento de medicina e suas técnicas, para assim atuarem no posto.

Entre esses jovens se destacava Rudolph, seu físico era digno de um soldado, porém sua habilidade médica e sua rápida solução de problemas teriam lhe concedido a vaga de enfermeiro.

        Rudolph era um homem alto e corpulento, também possuía características afrodescendentes para a surpresa de muitos militares ingleses, pois a Inglaterra ainda possuía a prática escravista, logo Rudolph ao mesmo tempo que salvava vidas também era alvo de repúdio de terceiros.

**

        A base a qual Rudolph fora transferido se localizava próximo aos pés do Himalaia, o que lhes favorecia além de uma densa floresta para ser seu escudo, também pequenas cavernas. A base consistia em construções reduzidas, para diminuir sua identificação pelas tropas de busca birmanesas. Havia três locais externos e um interno. Na parte externa havia duas torres mescladas com as grandes árvores da própria floresta e uma pequena cabana para o descanso dos serviçais. Na parte interna havia subdivisões: uma delas sendo a enfermaria, outra o local de descanso dos soldados e uma ala separada para os militares de maiores patentes e uma última subdivisão que seria uma rota de fuga caso um ataque repentino ocorresse.

        Os dias eram tão caóticos quanto as noites, militantes feridos eram trazidos em alta quantidade do exterior da floresta para o interior, causando uma grande comoção em todas as bases ali escondidas.

- Os militantes das torres reportaram que um novo grupo de militares feridos está vindo em nossa direção, senhor. – Um soldado loiro disse ao se encontrar com o Sargento.

- Avise a enfermaria e mande os outros militantes ficarem atentos. – Respondeu o Sargento.

        Conforme fora ordenado, o militar a caminho da enfermaria informou a os outros soldados sobre a chegada dos feridos e seguiu seu rumo. Ao chegar, ele avisou ao responsável pelo local que logo passou a informação para o restante.

        Quando a notícia chegou, ao mesmo tempo chegaram os feridos. Havia pelo menos vinte e cinco feridos em uma única leva. Logo, iniciou-se a comoção. Rudolph ficou encarregado de posicionar os feridos nas macas improvisadas. Enquanto ele carregava um dos pacientes no ombro, um médico o empurrou fazendo-o tropeçar, em seguida veio um enfermeiro, segurou o paciente e disse:

- Sua incompetência é de se espantar.

        Rudolph se limitou a soltar um suspiro e foi para fora da enfermaria para checar se havia mais algum paciente. Porém, um alto estrondo ecoou por toda a caverna.

- OS BIRMANESES ESTÃO ATACANDO! – Berrou um militar antes de ser atingido por uma bala e cair agonizando no chão.

        Rudolph correu para dentro da enfermaria e o caos havia dobrado, médicos corriam com pacientes nos ombros e alguns feridos eram abandonados. Rudolph agarrou dois pacientes e os carregou pelo ombro até a saída traseira da caverna, entretanto, os birmaneses não estavam entrando somente pela porta da frente, mas também pela rota de fuga. Logo, tanto Rudolph como outros cinco militares se encontravam cercados, existia vários birmaneses com as armas apontadas para eles, não havia escapatória. Um birmanês saiu do meio dos soldados e disse:

- Quero que prendam todos eles, com exceção dos dois feridos que o negro carrega. Não precisamos de carcaças.

**

12 de Fevereiro de 2019 às 18:45 1 Denunciar Insira Seguir história
122
Leia o próximo capítulo Capítulo I

Comentar algo

Publique!
Amanda Luna De Carvalho Amanda Luna De Carvalho
Olá, tudo bem? Faço parte do Sistema de Verificação e venho lhe parabenizar pela Verificação da sua história. Bem, a trama nos envolve de um modo até mesmo assustador, pelo fato de estar narrando a maioria dos horrores que qualquer guerra traz consigo. A tortura de Rudolph é mostrada com um entretom bem doloroso e consegue deixar aquela torcida para que consiga escapar daquele terror. Preciso dizer que tudo que Rudolph vivenciou naquele momento pavoroso me fez sentir uma certa angústia. Nenhum ser humano que nunca vivenciou tal experiência terá poder de sentir aquilo que alguém passou num instante como esse, mas ao notarmos os detalhes de como Rudolph estava lidando com aquilo, temos a empatia de torcermos para que sobreviva à tudo aquilo e tenha um destino melhor, apesar do que terminaria se transformando depois. A coerência está ótima e a estrutura dá para assimilar bem todos os impactos que o enredo causa no leitor. O cenário mostrado com todo aquele caos, causa um choque muito grande, fazendo a pessoa sentir como os personagens podem ser monstruosos num momento de conflito. A gramática está razoavelmente boa, mas consegui perceber alguns pequenos lapsos de tempos verbais. Por exemplo: Rudolph não sabe quanto tempo se passou, mas pareciam que tinham se passado horas por conta de quanto tempo ele permaneceu perdido. — Seria mais indicado colocar "sabia". Mesmo um romance histórico sendo difícil em toda sua pesquisa, me senti compenetrada na leitura, assimilando bastante e dando a impressão de entrar dentro do que estava acontecendo ali, ainda mais com a surpresa dos próximos capítulos. Com isso, continue a escrever esse gênero literário, pois a história é realmente muito interessante e bem coerente ao que quer passar. Até mais!
May 09, 2020, 15:29
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 10 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!