Princesinha sem reino Seguir história

jamegerea Jorge Giovani Vallejo López

Esta história do sonho de uma menina que quer ser uma princesa e em um livro encontra a maneira de alcançá-lo.


Conto Todo o público. © Atribución-NoComercial-SinDerivadas 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0)

#book #dormir #fantasia #orfanato #órfão #jamegerea #história #reino #princesinha
Conto
1
3.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Princesinha sem reino

Toda garota pode ser uma princesa,

independentemente de ter descendentes reais ou não.

 

Independentemente se seus pais são reis ou não.

Não importa se eles têm família ou não.

 

Todas as meninas podem ser princesas

com ou sem reino.

 

Todas as garotas são princesas.

Eles só precisam acreditar que são ...


No meio da noite ... Em uma cidade grande, há um grande prédio antigo que abriga um orfanato dentro; em seus vários andares há quartos onde as crianças descansam, uma grande sala de jantar, uma grande sala de estar serve como recepção, uma grande sala de jantar, salas de aula onde estudam e até mesmo um grande jardim nos fundos.

 

Em uma dessas grandes salas, algumas pequenas que descansavam de um longo dia dormiam; em uma das camas que estavam lá, uma pequena tenda feita com lençóis foi levantada acima da cama, mal iluminada por dentro.

 

Dentro, estava escondida uma pequena garota lendo um grande livro antigo, um livro de delicadas folhas amarelas, letras quase invisíveis, capa e verso usadas pela passagem do tempo e leitores que tinham ficado tão cativados com aquele livro.

Não importa isso; aquele, era um belo livro em cuja capa dificilmente se notava o desenho de um cavalheiro e uma princesa.

 

Página após página, folha após folha, o pequeno leu e leu, absorvido sem parar; mergulhando cada vez mais num mundo fantástico, único e diferente; um mundo cheio de princesas, príncipes, cavaleiros, dragões, bruxas e fadas.

 

Noite após noite, ele leu aquele velho livro cúmplice de muitas aventuras e desejos acompanhado pelo seu fiel ursinho de pelúcia, ao qual a menina segurava firmemente entre as pernas um pequeno abajur de bateria para que ela pudesse ler confortavelmente.


Não houve noite que não lesse aquele grande livro; ler, ler e ler sem parar, cada história e cada aventura a fez querer ler mais e mais, seus favoritos sem hesitação foram aquelas histórias em que os protagonistas eram princesas.

 

Esse livro tinha muitas histórias sobre princesas; daqueles em que a princesa tinha que ser salva de um monstro maligno, para onde eles tinham que salvar um ente querido sacrificando tudo o que tinham, não importando o que perdessem para sempre.

 

Ele leu e leu cada história até o fim, apenas interrompendo sua leitura quando já era meia-noite no grande relógio antigo de uma antiga torre próxima; que foi anunciado por um enorme sino de som grave que ecoou por toda a área da cidade.

 

Tão alto era o som daquela campainha que parecia que ela queria que todos a ouvissem tocando, especialmente aquele leitor inocente que ainda acorda não pretendia parar de imaginar.

 

Quando ela ouviu a campainha tocar, ela sabia que tinha que parar de ler e o livro junto com a lâmpada para se esconder; já que naquela época, com extrema pontualidade, a governanta que os guardava dava-lhe meia volta à meia-noite, tentando assegurar que todas as crianças estivessem dormindo pacificamente em suas camas; de modo que os novos dias descansaram e cheios de energia começaram.

 

Quando a governanta foi para aquela sala, a garotinha já guardara seu grande e inestimável tesouro debaixo do travesseiro, para que ninguém tirasse a roupa e pudesse desfrutar de mais uma noite de boa leitura, sonhando com aqueles lugares onde as princesas e crianças viviam. bravos cavaleiros com quem eu sonhara tanto.

 

Uma noite depois de tantas leituras, chego a uma página que chamou sua atenção; uma página na qual foi descrita como deveria ser uma verdadeira princesa e o que a tornava uma verdadeira princesa.

 

Com muita emoção, a menina leu cuidadosamente cada palavra, cada parágrafo, sem perder nenhum detalhe do que ela dizia; e porque ela também queria ser uma princesa.

 

Ela sabia que no fundo ela também era uma princesa, que seus pais eram reis que a deixaram lá como um bebê para protegê-la de qualquer mal que a ameaçasse; cuidar dela e nenhuma criatura horrível a machucaria.

 

Mas o que eles não sabiam era que a governanta era uma bruxa má; tão rigorosa que ele a repreendia de vez em quando e punia-a por coisas que não tinham sentido, tão mal que ele não permitia que ela procurasse seus pais além dos grandes bares que guardavam aquele orfanato.


 Com cada palavra que leu, estava cada vez mais convencida de que era uma princesa.

 

Mas o que ela precisava para ser uma princesa?


•         As princesas viviam em um castelo.

 

Ela havia sido abrigada naquele orfanato cuja aparência lembrava um antigo castelo; Na verdade, aquele lugar não era um orfanato, pensou ele; mas um lugar onde reis de todo o mundo escondiam seus filhos daqueles malvados que queriam prejudicá-los.


Depois de pensar por um momento, sua leitura continuou.

 

• Uma princesa tem cabelos longos e cabelos bonitos..

 

Sujeite seu cabelo com a mão, acariciando-o com cuidado; e depois de um momento ela disse a si mesma que tinha, o cabelo dela era de princesa.

 

•  Uma voz feliz como a canção do robin e bonita como a de um rouxinol.

 

Por um momento, ela pensou e se perguntou como era a voz dele, naquele orfanato havia um coral no qual todas as crianças participavam; a moça procurava em suas lembranças os elogios que haviam feito lembrando que lhe haviam dito que ela tinha uma voz bonita, não era a mais bonita do coro, mas era uma voz linda que ela tinha.

 

• A pele da voz suave e suave como um pêssego.

 

Ele acariciou seu braço e seu rosto cuidadosamente, olhou para suas mãos e com um sorriso disse a si mesmo que sua pele era muito macia.

 

•  Um olhar sereno, cativante e virtuoso.

 

Ela precisava olhar para os próprios olhos, mas não precisava; porque ele sabia que seu olhar era o de uma princesa.

 

• Seus pais são reis.

 

De que ela estava completamente segura.

 

Ela estava animada com o que acabara de ler desde que se convencera de que era uma princesa; Ela levantou-se por um momento, fechando os olhos pensando que a única coisa que precisava para ser uma princesa era um grande vestido; que com grande esforço e imaginação foi feito com as folhas de sua cama.


Um diadema que ela guardava em uma caixa de sapatos debaixo da cama, funcionava como uma tiara para mostrar sua realeza; finalmente ela fez um pequeno rabo de cavalo com uma liga que usava como pulseira, porque ela também tinha visto no livro e em outras partes algumas princesas com rabos de cavalo.

 

Então ela logo fechou os olhos e se imaginou como uma princesa; Mesmo com os olhos fechados, eu respiro profundamente e quero ser uma princesa.

 

E no momento de abri-los, o orfanato de repente se tornou um grande e belo castelo com paredes brancas, grandes colunas e piso de mármore branco brilhante; aquelas velhas janelas com cortinas horríveis, agora eram belos vitrais nos quais a luz entrava e através deles se via um lindo céu azul salpicado de grandes nuvens brancas como o algodão que cruzava o céu naquela época.

 

Aquela sala enorme em que ele dormia se tornou o quarto de uma princesa.

Sua cama era agora a cama mais acolhedora e grandiosa do mundo; ela saltou ao descobrir que era algo que ela nunca havia sentido antes. Os lençóis e colchas de cor creme tão grandes e grossos que bastavam para protegê-lo completamente do frio; que, observando-os com cuidado, descobriu que eram finamente bordados com imagens à realeza da menininha.

 

As paredes eram de uma cor branca resplandecente, as molduras das portas tinham acabamentos em roxo, enquanto os vitrais em suas molduras tinham um acabamento dourado. Cortinas de veludo e um grande tapete rosa davam o toque final que faltava àquele lugar.

 

Seu vestido feito de lençóis tornou-se um grande e majestoso vestido cor de melão, em seus cabelos a liga foi transformada em um refinado laço de fita e o diadema em uma linda tiara que combinava e coroava lindamente esta princesinha.

 

Ela saiu da cama e caminhou por todo o tapete sentindo com os pés descalços a grande suavidade e algumas cócegas que isso lhe causou, a sensação de que se sentia muito agradável, já que nunca antes andara em um tapete tão grosso e macio.

 

Ando devagar até a grande porta, abrindo-a com muita emoção, descobrindo que o grande corredor que levava àquela grande sala de recepção sempre fria e fria agora estava cheio de música e alegria; Naquela época, era uma grande sala onde uma dança era realizada, uma grande festa de máscaras a esperava.

 

O pequeno caminho através dos tapetes daquele corredor até onde a festa estava, feliz porque naquela festa todas as crianças do orfanato vestidas como príncipes e princesas eram.

 

Cada uma de suas amigas estava com seus pais que, como ela imaginara, eram reis e rainhas de diferentes partes do mundo. Os pais abraçaram seus filhos com muito amor e carinho; todos os meninos e meninas tinham encontrado seus pais a quem eles igualmente abraçavam com força e felicidade; ela estava feliz com o que estava acontecendo, no entanto; ela ainda não tinha visto o seu povo, então ela começou a procurá-los entre a multidão.


Eu procurei e procurei em todos os lugares desejando o mais rápido possível encontrar seus pais, eu estava ansioso para ver como eles eram os maiores reis de todos os tempos, eu queria conhecer aquelas pessoas maravilhosas que eram seus pais.

 

Quando, de repente; Do fundo da sala, surgiu uma voz doce que a chamou pelo nome. A voz doce de uma mulher que chamou a criança, que logo foi acompanhada pela voz grossa de um homem que também o chamava dizendo "filha".

 

A menina foi desenhada um grande sorriso de felicidade em seu rosto, seu coração estava cheio de emoção e sem pensar muito, ela correu rapidamente fazendo o seu caminho através da multidão com a firme intenção de conhecer seus pais, sem que nada pudesse impedi-la e Não havia nada para impedi-lo de conhecê-los.

 

Mas pouco antes de chegar onde estavam, algo aconteceu.

 

De repente as luzes se apagaram assustando os presentes; na sala grande, você podia ouvir alguns gritos das crianças assustadas e os pais tentando acalmá-los, o pequeno ficou parado em seu lugar na expectativa do que aconteceria.

 

As grandes portas da entrada e as janelas se abriram violentamente atingidas por fortes rajadas de vento vindas do exterior que entraram com tal impulso que quase derrubam todos os presentes e destroem os vitrais.

 

O medo estava apenas começando a tomar conta da garota, quando, em um início corajoso, ela continuou a caminho de seus pais, determinados a conhecê-los a todo custo, sem que nada a impedisse.

 

Mas pouco antes de ela chegar com os pais, uma grande e imponente bruxa entrou na porta; que caminhava calmamente observando todos com seus escuros olhos negros, negros como a mais profunda escuridão; aquela bruxa foi seguida por várias sombras que rapidamente começaram a perseguir todos na sala.

 

A garota estava assustada com o que estava vendo, mas mesmo assim a menina continuou com sua tentativa de chegar onde seus pais estavam.

 

No entanto ... Pouco antes de chegar e apenas a poucos passos de finalmente ver seus pais; Uma sombra horrível estava na frente dela, impedindo-a de conhecê-los.

 

A garotinha estava apavorada de ter a temível sombra à sua frente, ela recuou lentamente enquanto se virava observando com horror as sombras tomarem conta de todo o lugar, transformando aquele lugar lindo em um horrendo prédio escuro de cor preta.


Aquele lugar mágico estava voltando a ser o orfanato em que ela vivia, as sombras se fundiam com as coisas que tocavam; Em breve, num piscar de olhos, todos os presentes com as sombras haviam desaparecido.

 

 Infelizmente seus pais também foram embora. A garotinha olhou para isso e começou a chorar desconsoladamente, já que agora ela nunca conheceria seus pais.

 

Esse forte desejo que existia em seu coração não poderia cumprir o que lhe causou grande aflição; enquanto ela chorava e chorava lentamente a grande bruxa com grandes passos que raciocinavam por toda parte, ela se aproximou até finalmente finalmente terminar; a pequena logo percebeu que alguém estava atrás dela, levantou lentamente os olhos, observando pouco a pouco para ser mais aterrorizante do que jamais vira.

 

Dándose cuenta que aquella horrible bruja era su institutriz que en un movimiento inesperado la intento sujetar con unas grandes y huesudas manos, pero la pequeña hábilmente logro evitarlo al rodar hacia un costado comenzando inmediatamente a correr; la bruja la comenzó a perseguir.

 

Enquanto a garota fugia, ela podia ver como ainda havia alguns dos lacaios sombrios da bruxa, que pouco a pouco se fundiram com as poucas coisas que estavam desaparecendo junto com o castelo, deixando apenas o grande salão vazio.

 

A menina assustada fugia da grande bruxa que a perseguia; Atravessando o grande salão, subiu habilmente as grandes escadas, subindo os degraus de dois em dois; mas a bruxa não parecia se importar que a menininha estivesse fugindo, já que ela simplesmente andava muito depressa.

 

Logo, de longe, o som do relógio que anunciava como de costume à meia-noite começou a ser ouvido; aquele som de sinos ressoou por todo o edifício.

 

A menininha correu e correu até chegar ao quarto, que ainda permanecia como um quarto de princesa; no entanto, quando os sinos foram ouvidos, este foi o quarto do orfanato; a menina subiu em sua cama e se cobriu com seus cobertores, esperando que a bruxa não a encontrasse.

 

Ela segurou seu livro firmemente junto com seu ursinho de pelúcia, fechou os olhos e tremeu de medo que ela implorasse para deixar a bruxa e deixá-la sozinha. De repente, ouviu-se o som de passos distantes vindo do corredor, a porta do quarto se abriu lentamente com um guincho assustador e esmagador, seguido imediatamente pelo som dos passos ressonantes que se aproximavam da criança.

 

Mais e mais perto eles escutaram até ...

Eles pararam ao lado da cama da menina.

 

Um grande e terrível calafrio cruzou o corpo da garota devido ao medo de que ela sentisse, segurando seu livro e seu brinquedo de pelúcia com toda sua força enquanto esperava com medo pelo que parecia inevitável.


O último toque do relógio foi ouvido à distância e então o cobertor voou pelo ar, expondo a menininha que estava enroscada de medo, até que ela sentiu algumas mãos segurando-a e fazendo-a gritar bem alto e abrir a porta. Instantaneamente, e ao fazê-lo, ele não viu a bruxa, mas sua governanta.

 

Quem ficou terrivelmente alarmado por causa dos gritos que a menina estava dando e que foram ouvidos por todo o lugar assustando os outros, já que o pequeno estava dormindo e aparentemente teve um pesadelo.

 

A garotinha, vendo-a atentamente, percebeu que a governanta estava realmente preocupada com ela; que rapidamente a abraçou perguntando se ela estava bem, eu checo a temperatura, a pressão, o corpo e os olhos dela também.

 

A princesinha ficou maravilhada com a reação do seu cuidador, que o abraçou sentindo grande calma e ternura por parte dela; a governanta perguntou-lhe se estava bem, se nada lhe acontecesse, se nada doía, o que havia de errado com ela; talvez ele tivesse tido um pesadelo.

 

A menina com lágrimas no rosto respondeu que nada estava acontecendo com ela, ela não tinha nada.

Assim, ao perceber que tudo tinha sido um sonho, o pequeno sentiu uma mistura de sentimentos entre o pesar, o pesar, a amargura, a tristeza e a melancolia, mas; Eu também senti alegria.

 

Ela estava triste por causa de seu sonho quebrado de ser uma princesa que aparentemente não era; mas alegria porque quem acreditava era uma bruxa destemida e medrosa que só queria machucá-la, era o contrário.

 

Até hoje ele continua lendo aquele livro antigo todas as noites antes de ir dormir, mas agora ele não o faz sozinho; desde que ela ainda é acompanhada por sua lâmpada fiel e seu amado ursinho de pelúcia, só agora.

Ela também é acompanhada por seus amigos e companheiros do orfanato, bem como por sua governanta, que lê essas lindas histórias noite após noite dando a cada uma das garotas belos sonhos.

 

Em que eles são as princesas de seu próprio reino, as heroínas de sua própria aventura e aqueles que um dia terão suas próprias princesinhas.

30 de Janeiro de 2019 às 04:18 0 Denunciar Insira 120
Fim

Conheça o autor

Jorge Giovani Vallejo López Aproximadamente desde los 14 años inicie a escribir algunos cuentos propios, me encantan las historias de fantasía, acción y aventura; más aun me gusta escribir con una bella melodia alimentando mi imaginación.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~