lil_cherry E. L

Está chovendo, meu carro parou no meio do nada e eu estou muito assustada. Trovões rasgam o céu, meu celular não pega sinal, QUE DROGA! Resolvo procurar ajuda, Procuro minha bolsa no banco de trás do carro, pego tudo que preciso que está dentro dele, abro o guarda chuva e saio... (oque será que vai acontecer?) ATENÇÃO AOS AVISOS! Essa história contém cenas extremamente detalhadas de estupro, violência e entre outras coisas. Por causa das regras devo lhes informar o significado do gênero e da palavra horror, para justificar o por quê detalhei tanto as cenas. TERROR/HORROR 1 — Terror ou horror é um gênero literário, cinematográfico ou musical, que está sempre muito ligado à fantasia e à ficção especulativa, e é criado com intuito de causar medo, aterrorizar. Também pode ser verificado na pintura, no desenho, nos filmes e fotografia. (fonte: wikipedia) (usando como fonte o bom e velho dicionário) 1 — horror substantivo masculino 1/2. forte impressão de repulsa, acompanhada ou não de arrepio, gerada pela percepção de algo ameaçador. 2/2. sentimento de nojo, de aversão, de ódio. *NÃO É APOLOGIA!* Boa Leitura♡


Fanfiction Horror teen Para maiores de 18 apenas. © Todos os direitos reservados

#amordoce #drama #morte #sangue #gore #fanfiction #tortura #295 #245 #227 #abuso
Conto
6
5.1mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A Casa

Está chovendo, meu carro parou no meio do nada e eu estou muito assustada. Trovões rasgam o céu, meu celular não pega sinal — QUE DROGA! — Resolvo sair e procurar ajuda, pego minha bolsa no banco de trás e coloco tudo que preciso que está dentro do carro, abro o guarda-chuva e saio... Sujei o all star de lama, pois o chão está coberto por ela — Merda! — Travo o carro e sigo em frente, a chuva é tão grossa que quase não vejo nada, andei bastante e estou cansada; uma ventania vem repentinamente e muda a direção da chuva levando meu guarda-chuva para longe. Corro tentando alcançá-lo porém caio e o vejo sumir — M.E.R.D.A! — Meu vestido está coberto de lama e estou ensopada, as roupas que tinham na bolsa estão no mesmo estado, sento e vasculho na esperança de algo ter sido salvo, mas tudo está completamente molhado — AI QUE DROGA! QUE FALTA DE SORTE! ERA SÓ O QUE ME FALTAVA! — Começo a chorar, mas me levanto logo porque eu não posso ficar chorando aqui sentada na lama o resto da noite né? Enquanto ando a chuva vai lavando meu vestido, abraço meu corpo pois estou congelando de frio e ando mais um pouco tremendo, chorando e fraquejando, até que:.

— Uma cas... — A frase morreu nos meus lábios assim que reparei direito.


Não podemos chamar aquilo de casa, parece mais um castelo em ruínas e me dá arrepios, mas olhando bem... não tenho opções, não vou achar um hotel cinco estrelas e, se eu ficar aqui fora, irei morrer de hipotermia, lá terei abrigo para amanhã continuar procurando ajuda, decidi seguir em frente; fui pisando no que me parecia ter sido um jardim algum dia, até chegar à porta — Será que mora alguém? — A aldrava é pesada e tem o formato de algo que parece um demônio com presas e uma cobra no lugar da língua, de forma que: para bater na porta tenho que pegar na cobra (OPA) — Credo. — Levanto a aldrava e a bato na porta... Na primeira batida ela se abre sozinha — What? Estou louca? Ou o quê? — Talvez de tão velha a porta não trave mais, cansada da chuva e da caminhada resolvo entrar.

O que vejo não me anima, muita poeira e teias de aranha, móveis cobertos, janelas de vidro antigo que reluzem os relâmpagos. *BAM!* Eu olho para trás e no impulso eu caio sentada, a porta bateu com o vento — Okay. foi o vento, só o vento. O bom e velho vento, relaxa, um... dois... três. — Levanto e decido explorar aquele lugar; a sala é enorme, tem uma lareira e móveis grandes cobertos com panos empoeirados — Não tem televisão, quando deve ter sido construído? — Prossigo e vejo algo que parece um piano coberto, o descubro e — BINGO! Um piano. — Sento-me no banquinho de madeira boa e toco as teclas que estão bem desafinadas, resolvo subir as escadas. Vejo um quadro empoeirado e meio rasgado, passo a mão levantando a parte caída e percebo que se trata de um retrato pintado à mão, meu queixo cai, a moça retratada se parece absurdamente comigo. Ainda boquiaberta, com a outra mão eu levanto um pedaço da parte inferior do papel, tem algo escrito então me aproximo para ler... — "Para a minha amada e querida Mary Magdalaine". — Embaixo disso uma assinatura — "Dimitry". — Devem ter sido os antigos donos do castelo, mas é muito estranho ela se parecer comigo.

Ainda estou com frio, os degraus rangem a cada passo que dou, no segundo andar tem vários quartos e também uma biblioteca com livros muito empoeirados, peguei um deles e as folhas se desfizeram em minhas mãos — Que pena. — Vasculhei quartos vazios até que achei um com uma cama king size que tem a cabeceira de madeira e um lençol de seda coberto de poeira — Como tudo nesta casa. — Olho para trás de mim, vejo um guarda roupa e vou até ele, mas quando o abro a porta cai, por pouco não acertando o meu pé; meu grito assustado soou agourento pelo castelo vazio, quando olho para dentro vejo um vestido vitoriano — WOOL! é simplesmente perfeito. — Deve ter sido da moça do retrato. Saia balão e mangas, de cor vinho intenso com detalhes em preto e branco, parece ser a única coisa perfeitamente conservada aqui, eu o cheiro e ele tem cheiro de rosas — Que estranho. — Só ele está aqui nessa casa em ruínas e é a única coisa conservada e cheirosa.

Resolvo vesti-lo, tem um banheiro neste quarto com banheira e tudo — Com certeza este é o maior quarto que têm aqui. — O banheiro está imundo, não que esteja diferente do restante da casa, e não tem água. Então já que estou sozinha eu não necessito usar o banheiro, começo a tirar meu vestidinho molhado, espremo e estendo em uma cadeira — Deve secar até amanhã. — Tiro minhas roupas íntimas e faço o mesmo, visto o vestido que estava no guarda roupa — Droga! Tem espartilho, hmm... Eu acho que o deixarei assim. — O vestido pende no meu ombro, eu vou até uma penteadeira, ela é enorme e tem um espelho todo quebrado, me olhei nos fragmentos do espelho — Pareço uma princesa. — Ri com a ideia tola, espremi o cabelo e o prendi em coque, abri uma das gavetas e achei um colar de diamantes que combina com o vestido, o coloco e me olho novamente — Agora sim pareço uma princesa.

Tirei o lençol da cama e joguei no chão, depois as fronhas dos travesseiros também, a cama parece boa, sento e — Sim ela está. — Acho que dá para passar a noite, esse vestido me aquece... de repente tenho a impressão que estou sendo observada da porta, um arrepio percorre o meu corpo, eu olho para trás e — Nada, é só impressão. — Agora minha cabeça dói muito e eu estou ficando com um sono esquisito, parece que vou desmaiar, me deito na cama, bocejo e...

Acordo com o sol tocando minhas pálpebras fechadas, alguém bate à porta, eu abro os olhos assustada, me sento e meu queixo cai; o quarto antes em ruínas agora está lindo... Nada fora do lugar, nem um fio; A penteadeira antes com o espelho quebrado agora o exibe limpo e conservado, o lençol da cama está de volta, é vinho de um tom inexplicável e eu estou coberta com ele, a pessoa invade o quarto, é um rapaz com roupas vitorianas, ele têm cabelo castanho-acinzentado longo que chega até a cintura, sua beleza é divina — BABEI. — Ele se aproxima.

— O quê foi meu amor? Acontece-te algo?

— S-seu amor? — Ele levanta uma sobrancelha e me olha como se tivesse crescido outra cabeça em mim.

— Mary querida você está febril? — Pergunta tocando a minha testa docilmente.

— N-não é s-só que. — Ele espera que eu continue. — É que... — mas eu não consigo.

— Se sente mal querida? Quer que eu mande uma carta para o médico? — Carta? Oi? Coço cabeça, o quê está acontecendo aqui?

— N-não eu... eu estou bem, qual a data de hoje mesmo?

— 15 de outubro — Ele expressa preocupação.

— Do ano de...?

— 1860 querida, estás realmente bem?

— 1860! WHAT A FUCK! Como foi que vim parar aqui? será que é um sonho? Santo Deus! — Belisco-me. — Aii! definitivamente eu não estou sonhando, merda!

— AGORA CHEGA MARY! VOCÊ NÃO ESTÁ BEM! — Sem saber direito o que fazer, resolvi entrar nessa.

— Não querido, eu estou bem, é que tive um sonho e acordei meio confusa — Toquei seu rosto suavemente e ele me deu um beijo afetuoso.

— Vamos, o café está servido...

— Sim. — Me levanto e percebo que o vestido ainda está sem amarrar.

— Quer ajuda, querida?

— É-é s-sim — Ele se aproxima puxa a fita do espartilho e o prende, chega perto do meu pescoço e deposita um beijo, isso é estranho, mas é sexy.

— Pronto, linda como sempre.

— Obrigado.
Ele me toma pelo braço e descemos as escadas, tudo aqui é muito bonito e bem conservado, tento disfarçar minha cara de surpresa, chegamos à cozinha, tomamos café — Que por sinal estava delicioso. — Eu não falei nada, pois ainda estava tentando entender como tudo isso era possível, o rapaz me observava com atenção, finalmente pus os pontos nos ''i" — Se aquela moça do retrato é a Mary Magdalaine e eu me pareço com ela, esse rapaz me chamou de Mary à pouco, eu devo ter voltado no tempo, mas como? Ele então deve ser o Dimitry, só saberei se tentar.

— Dimitry? — Ele levanta seus olhos e os direciona do café à mim.

— Sim? — Bingo! é ele.

— Estou satisfeita, posso me retirar?

— Sim querida e se arrume, por favor, iremos fazer um piquenique.

— Sim — Me levanto e vou para o quarto, que coisa estranha. Tomo banho, me ajeito e desço, agora uso outro vestido vitoriano azul bebê, ainda estou usando o mesmo colar, gostei muito dele e seus diamantes combinam com tudo.

— LINDA COMO SEMPRE! — Ouvi Dimitry dizer, ele está sentado ao piano, deve estar se preparando para tocar, desço as escadas e vou até ele.

— Me acompanha?

— Oh! não, eu não... — Ela devia saber cantar, mas eu não, não posso deixar que ele perceba que sou eu — Estou tão ansiosa para o nosso passeio que não consigo pensar em mais nada, querido... não quero cantar agora.

— Oh! Então... Vamos — Ele me estende o braço e saímos, fizemos o piquenique observando a paisagem, a pesar de que o Dimitry é um estranho para mim, o mais estranho é que foi um ótimo piquenique, até que uma criada veio correndo em nossa direção.

— É uma carta para os senhores! — Ela disse ofegante. — O selo é da senhora sua mãe senhor Dimitry. — Ele paralisou.

— Mas ela nunca manda cartas, sempre vem, será que aconteceu algo? — Falou hesitante em pegar a carta.

— Dê-me aqui — Não sei se seria correto pegar a carta, mas ele parecia com medo do que poderia estar escrito, já que aqui sou sua mulher e ele foi tão gentil e amoroso comigo eu decidi abrir e ler, o fiz em silêncio.

Querido filho.

Querida nora.

Mando esta carta a vocês e espero que chegue à tempo...

Ontem me senti muito indisposta e mandei chamar o médico para me examinar, estou doente e ele disse que não tem cura, realmente me esforço muito para escrever-lhe esta carta, estou piorando a cada minuto e não sei quanto tempo me resta.

Querido, dê-me o prazer de vê-los uma ultima vez, antes que eu me vá.

Com prestígio:

Cordélia

Sua querida mãe. — OMG! Meu rosto não consegue esconder a minha preocupação.

— Mary você está pálida, o quê diz a carta?

— Dimitry, A sua mãe... — Eu começo a vacilar nas palavras. — Ela... Ela está doente, diz que não sabe quanto, mas, mas... Acha que o tempo que lhe sobra é pouco, e que... Que quer lhe ver antes de partir — Meus olhos enchem de lágrimas, porque eu tenho que voltar no tempo logo nesta data? Logo eu tão emotiva.

— Prepare a carruagem! Mary e eu partiremos ainda hoje! — Dimitry adentra comigo na casa, então tudo embaça por um breve momento e as palavras saem da minha boca sem meu comando, meu corpo também não é mais comandado por mim.

— Querido — Abracei meu corpo ao seu braço. — Vai dar tempo, tente tranquilizar-se.

— Mary eu a amo tanto, não posso deixar de me despedir — Disse com lágrimas nos olhos.
Arrumamos malões com algumas roupas e pusemos na carruagem, então partimos, eu olhava constantemente para a janela, porém permaneci de mãos dadas com o Dimitry tentando lhe passar tranquilidade silenciosamente, chegamos assim que o sol estava se pondo e entramos com tudo no casarão.

— CRIADOS! AS MINHAS MALAS! — Dimitry disse correndo em direção ás escadas para ir ao quarto de sua mãe, cumprimentei os criados e o segui com a graça de uma verdadeira dama, minha sogra estava deitada em sua cama.

— Mãe... — Dimitry senta na cama e a toca levemente, ela abre os olhos, sua voz está arrastada.

— Querido... Você... Veio...

— Sim mamãe, como poderia não vir?

— Amo-te tanto meu filho — Ela tosse e põe a mão na boca, quando a afasta do rosto está respingada de sangue.

— MÃE! NÃO! — Dimitry se desespera, eu me aproximo limpando-a com um lenço que estava no criado mudo.

— Calma meu bem...

— Mary — Minha sogra me chama.

— Oi querida, estou aqui — Ela sempre foi uma ótima sogra, eu a amo como mãe, sentei-me na cama e apertei sua mão.

— Cuide... Do Dimmy... Pra mim... Como... Você... Tem... Feito.

— Não se esforce minha sogra — Ouço Dimitry chorar. — Eu farei sim, cuidarei dele com todo o meu amor, a senhora pode ir em paz.

— ELA NÃO VAI À LUGAR NENHUM! — Dimitry gritou tão alto que eu saltei da cama onde estava sentada. — ELA NÃO VAI MORRER!

— Dim... — Ele me interrompe.

— CALA A BOCA MARY! EU VOU... EU VOU CURAR ELA!

— Querido estás blefando... — Ele nunca gritou assim comigo antes. — Tenha calma, já é a hora dela, ela não vai se agradar de ter sua ultima lembrança assim.

— Eu. Vou. Cura-la. — Ele me ignorou. — Eu ouvi há alguns dias atrás que uma bruxa que mora nas redondezas pode me transformar em vampiro, eu me transformarei e voltarei para transformar minha mãe em vampira, assim ela será eterna também.

— Dimit... — Ele saiu porta à fora. — Não! — Chorei de preocupação e a mãe dele fez o mesmo.

— Ele não podia... ''tosse'' ... Ter ido... ''tosse'' ... Eu vou morrer sem vê-lo Mary... — As lágrimas corriam como riacho em seu rosto.

O sol se pôs e a noite caiu, o relógio marcava 10 horas, Cordélia dormiu a maior parte do tempo tentando se poupar para a volta do filho, só acordava para saber se ele havia chegado e voltava a repousar, eu andei de um lado para o outro rezando por Dimitry, rezando pela sua volta o tempo todo, até que Cordélia gemeu e eu corri em sua direção.

— MARY! — Com um grito agudo pôs a mão no coração, deve estar com muita dor. — MARY! — Ela agoniza na cama e eu começo a chorar. — DIMITRY! AAAAAAHHH!

— Santo Deus! — Tento segura-la, acabo a abraçando, enquanto ela se debate em meus braços.

— DIMITRY! DIMITRY! NÃO MARY! O DIMMY! QUERO VÊ-LO! EU AMO! AAAAAH!

— Vá em paz minha querida sogra... — Estou profundamente abalada com aquela cena.

— DIMITRY!

— Se acalme para partir em paz e... Vá com Deus querida segunda mãe. — Ela me olha nos olhos, seu corpo está trêmulo.

— Mary... Ajude-o a passar por isso AAAAAH! Ele NÃO VAI AGUENTAR A DOR MARY! Cuide dele... — Sua voz foi vacilando. — Diga que eu o amo... — E então seu corpo sessou a tremedeira, seus olhos se arregalaram e ela parou de respirar, pus o ouvido em seu peito... nenhum rastro de batimento.

— OOH! CORDÉLIA! — A abracei forte e me sacudi para frente e para traz chorando. — NÃÃÃÃO, NÃO! NÃO! — Ouvi a porta se escancarar.

— MÃE! — Olhei para trás, Dimitry tem as roupas ensanguentadas, os olhos cheios de lágrimas e... presas na boca, NÃO! Merda, ele fez isso. — MÃE! MÃÃE! — Ele corre e a toma de meus braços, eu me afasto; ele a morde na tentativa tola de passar seu veneno para ela.

— Não tem mais volta Dim, ela mandou dizer que te ama. — Chorei mais ainda.

— Eu ouvi seus gritos quando estava vindo e MEU DEUS MARY! NÃO DEU TEMPO! EU SOU UM FRACASSO! — Fui em sua direção o abracei e ele se ajoelhou me levando junto a si, o deitei na saia do meu vestido e choramos, ele estava inconformado. — NÃO, MAMÃE! Eu não quero mais sentir isso... Uma parte de mim não quer, eu vou seguir essa parte Mary.

— Mas Dimit... — Ele fechou os olhos e quando os abriu o tom vermelho sangue estava mais forte em sua íris.

— Mary... — Ele inala forte, eu me arrepio de medo, de repente ele me puxa e meu coração acelera, saímos da casa e a chuva começou a cair, atravessamos o jardim, meu vestido vai pesando cada vez mais por causa da chuva, eu tropeço e caio. — Vamos Mary. — Tentei levantar, mas está muito pesado, ele me carrega como se não fosse nada e como um raio parte em direção à nossa casa, menos de dois minutos depois chegamos. Vampiros são rápidos, meu coração palpita como um tambor, estou com medo. — PARE COM ISSO MARY!

— O quê? — Falei assustada.

— Seu coração... Seu cheiro... Você exala medo, querida e este cheiro é delicioso, seu sangue está fervendo eu consigo ouvir, estou sentindo tudo, muito mais forte que antes, você deveria se transformar também — Entramos em casa sujos e molhados.

— Não querido — Lágrimas escorrem no meu rosto. — Não quero me transformar nisso — Ele se aproxima e lambe a lágrima que escorreu. — Venha, vou tirar essa roupa de você e fazê-la mudar de ideia — COMO ASSIM ELE CONSEGUE PENSAR EM SEXO?

— DIMITRY A SUA MÃE ACABOU DE MORRER ME SOLTA. — Ele continua a me levar ao quarto. — ME SOLTE AGORA! — ele me solta.

— Não ligo mais para os fatos Mary, você não sabe como estou me sentindo, ou melhor, como não estou sentindo — Ele se aproxima, me vira de costas e abre o espartilho do vestido, estou tão triste pela sua mãe, mas... — ele beija meu pescoço. — Não consigo resistir a ele.

— Dim... — Ele deixa o vestido cair eu me viro e olho em seus olhos.

Ele se aproxima devagar, me beija com paixão, mas não demora a acelerar o ritmo, me prensa na parede e morde minha boca — AI! — Estou sangrando e a respiração do Dimitry acelera, ele está com os olhos fixos na minha boca, onde eu pus a mão para estancar o sangue, mas não adiantou de nada porque o sangue continua escorrendo rápido; ele se aproxima de novo ainda com a respiração alterada e me beija sugando meus lábios... tento me soltar inutilmente, começo a chorar, ele me solta, beija meu pescoço e em seguida me morde, suas presas rasgam minha carne e eu grito batendo em seu peito pois quero que ele me solte, ele para de novo e me joga na cama, eu ainda estou sangrando e tento fugir engatinhando para o outro lado, mas ele me puxa pelas pernas com força e me beija suavemente enquanto me segura com uma mão firme quase quebrando minha perna e usa a outra para tirar sua roupa. O meu sangue escorre muito rápido enquanto ele se ajoelha na cama, olhando bem para ele eu percebo que este não é mais o Dimitry que um dia foi o meu amor, parece um monstro e na verdade agora ele é um monstro; tudo nele me dá medo e mesmo que eu continue batendo nele com meus punhos fechados implorando para que ele pare, Dimitry me senta de frente em seu colo e me força a fazer movimentos de sobe e desce para esfregar nossas partes íntimas, estou com vontade de vomitar e me arrepio forte. Nunca me senti assim antes, com tanto medo de alguém que a algumas horas atrás era o meu amor "aah! ele não me solta QUE PORRA!" não demora para ele me penetrar e acelerar as coisas, já estou incomodada com a nova dor, a força dele é sobrenatural; ele aperta minha cintura e acontece o que eu estava temendo, uma costela minha se parte com um barulho surdo, a dor é cruciante.

— AAH! DIMITRY! PARA!

As lágrimas não param de correr pelo meu rosto, ele parece não me ouvir e continua a estocar com toda sua força que já está me rasgando, meu sexo dói como nunca; tento protestar mais, mas estou exausta e ele não parece notar. Então beija meu pescoço e novamente me morde sugando mais do meu sangue, eu não sei quanto mais eu tenho para ele beber; estou ficando muito faca, enxergando borrões e meu coração bate apertado — Dimitry. — Minha voz fraqueja. — Eu não vou aguentar...

— Pare... — Ele não me ouve. Então a dor cessa, meu coração para e eu não vejo mais nada, não tem dor, não tem nada, eu morri.


— Aaaaaah! — Eu me sento rapidamente e quando abro os olhos, estou na mansão velha, abandonada e aos pedaços, o quê será que me levou à aquele lugar?

— Se divertiu? — A voz vem de um canto escuro do quarto, à quanto tempo estive fora? Pareceu um dia, mas ainda é noite, que estranho, meu corpo arrepia.

— Q-Quem está ai? — Devo estar drogada pela lama da estrada ou sei lá, por que o Dimitry da lembrança acaba de sair da escuridão, os olhos frios e o rosto pálido, sério, fixo em mim.

— Você parece muito com ela, sabe... Eu sinto a falta dela, não queria ter feito o que fiz, eu a amava, mas sabe... É... seja-lá-qual-for-seu-nome, os vampiros são demônios, eu não sabia e até hoje não sei controlar os impulsos, vontades, sentimentos e coisas similares, ela era incrível, pena que se foi... — Ele começa a andar pelo quarto, eu olho para a porta pensando na melhor maneira de fugir, pois eu sei, ele vai me matar... — Não faça essa cara querida. Você não vai durar muito tempo aqui — Em um impulso tentei correr, mas caí, estou com os pés amarrados à cama por uma corrente grossa. — Olha — Ele tira do bolso uma chave, ajoelha na minha frente, balança perto do meu rosto e diz. — Esse é o seu passe de saída meu bem, e adivinha? — Ele arremessa a chave pela janela.

— OOPS! caiu. AHAHAHAHAHA — A risada dele me faz arrepiar de medo então começo a chorar.

— Por favor, Dimitry — As lágrimas correm como rio em minha face. — Deixe-me ir, não tive a intenção de invadir ou ofender, por favor, eu imploro... — A expressão dele muda de diversão sádica por ter jogado a chave fora para algo que julguei ser surpresa.

— Ofender? Invadir? Sim você invadiu, mas te ver com o vestido dela... O vestido favorito dela, eu o guardei com tanto carinho... — Ele analisa o vestido em meu corpo. — E você se parece tanto que, não levo como ofensa.

—Então a chave era só brincadeira? Você vai me deixar ir? — A esperança se acende em mim.

— HAHAHAHA! não querida, você vai ficar, vai ficar comigo Mary, dessa vez você não vai morrer, eu não vou deixar.

— E-eu não sou a Mary — Toda esperança que tinha se desfez e voltei a chorar. — não sei onde estou, meu carro parou e... e... — Do que adianta me explicar mesmo? ele me olha seriamente de novo, eu não consigo parar de chorar. Ele chega perto de mim, toca minha testa docilmente, com um brilho doentio nos olhos.

— Mary querida você está febril? — Não, ESSA FRASE NÃO! EU NÃO SOU ELA.

— Eu não estou febril — Choro mais forte, como se fosse possível. — E eu NÃO SOU ELA! Dimitry por favor, Dimitry! Deixe-me ir!

— Se sente mal querida? Quer que eu mande uma carta para o médico? — A expressão dele não muda, sério e frio.

— Eu não estou doente Dimitry, eu só... Eu só quero ir embora — Começo a soluçar.

— AGORA CHEGA MARY VOCÊ NÃO ESTÁ BEM! VOCÊ NÃO VAI A LUGAR NENHUM QUERIDA ACALME-SE! — Ele me beija, eu não retribuo, porém ele continua, eu me debato, NÃO EU NÃO O QUERO!

— ME SOLTA AGORA! — Ele para, porém me puxa e me põe em pé, se aproxima e puxa a fita do espartilho mas não consegue tirar.

— Quer ajuda querida?

— Me solte Dimitry! — Ele rasga o vestido, eu tento bater nele, mas ele segura minhas mãos com tamanha força que se eu me mover eu tenho certeza que as quebro, então sinto suas presas rasgando a carne do meu pescoço — AAAAH! — e continua.

— Senti saudades do seu sangue Mary...

Então me joga na cama, amarra meus pulsos para cima enquanto eu tento inutilmente me soltar debatendo o corpo, depois que me amarra ele começa a passar a mão do meu rosto até minha barriga e desce para o meu sexo, eu não quero isso, me contorço mais, chorando e gritando — CALE A BOCA! NÃO SABE QUE MEUS OUVIDOS SÃO SENSÍVEIS? — Fechei os olhos e gritei com toda a minha força a fim de fazê-lo parar, até que: *BUM!* Eu sinto uma dor imensa na boca, ela se enche de água e eu quase me engasgo, quando viro a cabeça o máximo que pude por estar com os braços pra cima, eu cuspo e percebo, não é água e sim sangue. Minha cabeça lateja, junto com o sangue existem quatro dentes meus — MERDA! — Não para de sangrar! Eu não consigo parar de urrar de dor, o sangue se acumula na minha boca rapidamente e eu começo a tossir para tentar cuspi-lo, mas acabo me engasgando, metade daquela merda começa a sair pelo meu nariz enquanto Dimitry continua a mexer em minha vagina, meu choro não tem como cessar, esperneio em vão, essa sensação é insuportável, ele enfia a mão em minha vagina, não quero viver depois disso, eu grito mais alto, ele tem mãos enormes — Não! NÃO!

— AAAAAAAH SOL... "Tosse" SOLTE-ME "choro e tosse" AAAAAAAARRRR! NÃO! "tosse" ISSO DOI DIMITRY "choro" PARE! "choro" PARE POR "tosse" FAVOR!

— Ah querida eu te amo tanto — Ele coloca mais a mão, consigo senti-lo no útero. — Esperei tanto por isso — e então morde meu pescoço, tem sangue meu por toda a cama, corpo e rosto do Dimitry, eu me debato, mas estou perdendo as forças, ele solta meu pulso e quebra a corrente do meu pé, eu sinto um grande vazio entre as pernas, não consigo ficar em pé, mas continuo a cuspir sangue na cama, ele me puxa pela perna e me arrasta, eu caio da cama e bato de cara no chão, ouço os ossos do meu nariz se partirem, eu grito, mas estou totalmente rouca, minha voz quase não sai e o sangue jorra de mim até o chão deixando um rastro pelo quarto.

Quando passamos pela porta eu uso o resto de minhas forças para tentar me segurar. Dimitry me puxa, porém quando percebe que agarrei a porta ele puxa mais forte, eu sinto minhas unhas saindo lentamente da carne, então ele puxa com toda sua força e minhas unhas saem, oito unhas de uma vez, eu não sinto mais meu corpo. Ele me arrasta pela escada a baixo, — retiro o que disse. — eu sinto meu corpo, sinto dores por todo o meu corpo, meu rosto vai batendo e o sangue tingindo o carpete, no pé da escada ele me solta e me vira de frente... Estou fraca e meu coração bate apertado como o da Mary, porém eu sinto muito mais dores por todo meu corpo, ele enfia o pau em mim e eu não sinto nada. — Pudera, ele me laçou ao máximo. — Dimitry continua metendo em mim e parece gostar, eu fecho meus olhos e me pergunto o quê fiz para merecer isso, em uma prece silenciosa peço perdão à Deus pelas vezes que pequei e imploro que ele me receba, creio que no céu não tenha estupradores, nem muito menos vampiros, mas no inferno sim; E eu não quero ir para onde tem mais monstros como este.

Então eu fecho meus olhos, não quero mais vê-lo fazer isso, acho que quase não tenho mais sangue no corpo, olho para a minha mão ensanguentada e sem unhas jogada no chão e então meu coração cessa, em fim acabou a dor.

20 de Janeiro de 2019 às 01:49 11 Denunciar Insira Seguir história
123
Leia o próximo capítulo Epílogo

Comentar algo

Publique!
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Olá! Escrevo-lhe por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para verificar o cumprimento das Regras comunitárias e ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se você não quiser verificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através de Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada "Em revisão" pelos seguintes apontamentos retirados dela: Obs.: sua história foi analisada após sua resposta à mensagem de quebra de regras e agora ela se enquadra nos padrões do Inkspired (e gostei bastante do epílogo da história). 1)Pontuação: uso de vírgula para unir frases que deveriam estar separadas por ponto, como em "para longe, corro" em vez de "para longe. Corro"; falta de vírgula antes de conjunção adversativa; falta de vírgula para separar interjeição da frase; "e se eu ficar aqui fora irei morrer" em vez de "e, se eu ficar aqui fora, irei morrer" 2)Acentuação: "alcança-lo" em vez de "alcançá-lo" 3)Outros: "oque" em vez de "o que"; confusão com o uso dos porquês, como em "o por quê" em vez de "o porquê"; uso de dupla pontuação, como em "DROGA!."; falta de letra maiúscula no início de frase, como em "enquanto ando" em vez de "Enquanto ando"; uso de dois tempos verbais na narrativa, como "era" - no pretérito - e "levanta" - no presente. Sua história foi alterada de "Horror" para "Fanfiction" por conter personagens de Amor Doce. Também aconselho que acrescente tags de avisos de abuso e horror na história. Observação: os apontamentos acima são apenas exemplos retirados de sua obra, há mais o que ser revisado. Aconselho que procure um revisor; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, e os revisores do Inkspired, quando contratados, fazem uma correção aprofundada e profissional, realizada por revisores capacitados e experientes. Caso se interesse, o serviço de Correção editorial e de estilo também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Também disponibilizamos o serviço de beta readers, que fazem uma análise detalhada de pontos específicos da história (como enredo e construção de personagens) e a enviam através de um comentário privado. Além disso, também temos o blog Tecendo Histórias, que dá dicas sobre construção narrativa e poética, e o blog Esquadrão da Revisão, que dá dicas de português. Confira! Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
July 07, 2020, 15:16

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Verdade, isso acontece mesmo! Você pode pedir algum beta que conheça, pode procurar um nos grupos do face (inclusive do Inkspired) ou pode contratar o serviço de revisão editorial do Inkspired. Lembrando que a revisão não é obrigatória, mas ajudaria sua história a alcançar um melhor status no site. July 07, 2020, 18:30
  • E. L E. L
    não sou premium :/ July 07, 2020, 19:07
Rafael Reis Rafael Reis
Começa em um estilo até meio conto adolescente e depois bum! Terror xD, bacana, parabéns pelo conto, me arrepiou aqui de medo =o
September 06, 2019, 23:10

  • E. L E. L
    Obrigado por ler e que bom que gostou <3 September 15, 2019, 00:54
Billy Who Billy Who
Olá! Gostei bastante embora em alguns momentos se torna um pouco confusa a narrativa com tantos travessões, acredito que seja culpa da formatação... Outra coisa foi as frases em letra maiúscula, MAAAASSS tem autores que gostam desse estilo, portanto dou minha opinião pessoal, não significa que esteja dizendo estar errado. Enfim, gostei do clímax e a ambientação, os sentimentos de suspense estão bem presentes também. Gostei.
July 22, 2019, 15:04

  • E. L E. L
    Obrigado pela crítica ♡obrigado por ler ♡ e acho que sim sobre os travessões, por que eu escrevi no word e depois colei aqui, mesmo tendo revisado muitissimo no word ainda sim aqui vem de forma errada, já tentei separar por aqui também e não consegui, pode ser bug do site, por eu ter escrito em primeira pessoa, tive que escrever falas e pensamentos, se eu não usasse travessão seriam parênteses, eu acho menos legal visualmente. Mas muito obrigado mesmo ♡♡♡♡♡ July 22, 2019, 16:11
LB Lilá Brown
MACABRAMENTE PERFEITA! Eu amei! ♡♡♡
January 22, 2019, 01:01

  • E. L E. L
    Obrigadooo ♡♡♡♡ July 22, 2019, 16:11
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!