Oculto e singular Seguir história

J
Jasmim Diogo


Bem, tenho o costume de me fechar às vezes. E a melancolia me envolve como se ela pudesse ser plena. Por isso decidi escrever este conto meio lírico. Porque eu quero conseguir enxergar o amor. Aquele onipresente e sutil.


Poesia Todo o público.
Conto
0
843 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Simpatizo com a melancolia

Eu me tranquei. Como se sofresse. Mas não conheço a dor. O amor é mais forte, se esguelha em todo canto.


No "filho da puta" dito por  um amigo. Aquele que ri pra te confortar. Pra te ajustar


Nada me encanta mais do que o ocultismo do amor.

O brilho no olhar quando você abre espaço para alguém passar.

O obrigada susurrado pra você.

O olhar do seu cachorrinho pedindo comida. 

Quando alguém para para lhe fazer carinho.

O jeito que as trepadeiras sustentam umas as outras.

Ou como as pilastras erguem os galhos.

O sorriso do atendente do kalzone ou a conversa gentil da gerente.

A voz doce da moça da padaria.

Como o vento coça os seus cabelos e as árvores deixam seu cheiro em todo canto.

Tem a forma dos poemas de te impactar. Ou o jeito que a dor cura. E o ar fresco faz bem.

E se você olhar pro horizonte vai ver os prédios serem a luz das ruas. Ou as estrelas escondendo os perigos da noite

17 de Janeiro de 2019 às 19:58 2 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Junio Salles Junio Salles
Parabéns, muito bom
17 de Janeiro de 2019 às 14:00

~