Profano Seguir história

gabriel-regis- Gabriel Regis

''Queimem-me, tal como fizeram às bruxas, crucifiquem-me, tal como fizeram ao Messias. Rasguem minhas entranhas, mostrem ao mundo a minha podridão.''


Poesia Todo o público.
Conto
13
3628 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Profano

Queimem-me, tal como fizeram às bruxas,

crucifiquem-me, tal como fizeram ao Messias.

Rasguem minhas entranhas, 

mostrem ao mundo a minha podridão.

                                       

Arranquei meu olho esquerdo em troca de sabedoria,

rasguei meus pulsos para escrever essa poesia.

Bebam meu sangue, tornem-se sábios e lamentem em miséria.

                                                     

Ó, almas sujas, o que seria de vocês, porcos, sem esse santuário de mentiras?

Provei de todos os pecados do mundo 

e descobri que não há pecados, apenas pecadores que por vocês estão sendo julgados. 

Sou profano por questionar o inquestionável.

Sou profano por renegar aquilo que me foi forçado e por 

simpatizar com aquilo que me foi tirado.

                                                       

Vomitarei meu ódio no pátio do seu santuário,

Não me cansarei de atear fogo em seus quadros, tal como fizeram aos meus antepassados. 

Joguem-me ao mar, pois a morte é mais aconchegante do que a vida de escravo.


5 de Janeiro de 2019 às 16:08 4 Denunciar Insira 131
Fim

Conheça o autor

Gabriel Regis https://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=206184

Comentar algo

Publique!
Álisson Lima Álisson Lima
Muito bom, gostei de cada palavra selecionada, parabéns!
Black Black
Maravilhoso, gostei muito da sua escrita.
Lollys Mars Lollys Mars
É tão intenso e tão perfeito. Tudo colocado na medida certa. E o final! Tão célebre frase não poderia ter sido mais bem empregada. Parabéns pelo poema incrível e continue com o bom trabalho!
11 de Janeiro de 2019 às 10:02

~