Witch Min Seguir história

marisaint Mari Saint

Não era mais um dia comum na vida de Yoongi: enfrentava um monstro bizarramente forte. E piorou quando avistou um inocente que não devia estar ali na linha de fogo. Parecia ser mais um dia na vida de Jimin: dormia embaixo de sua árvore favorita no terreno da biblioteca pública. Mas uma criatura medonha surgiu e estragou sua tarde sossegada. Uma pessoa montada numa vassoura, com roupas fashion e um chapéu brega contrastando, começou a enfrentar o monstro lançando... feitiços? [ - Fantasy Series - ]Ⓡ


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#magia #Mahou-Shounen #minimini #sugamin #yoonmin #jimin #parkjimin #suga #yoongi #minyoongi #bts #bangtanboys #bangtansonyeondan
Conto
0
3832 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Encantadoramente incomum; único


Cair da vassoura é um dos erros mais vergonhosos que uma bruxa pode cometer. Hoje, Yoongi o fez mais do que em toda sua experiência enfrentando monstros. Nasceu sabendo montar, aprendeu a voar antes de sair das fraudas e agora, no auge da juventude, despenca feito pernas de sapos num caldeirão. Está quebrando mais uma vez seu recorde de “pior bruxa” da família Min. O fato de ser um garoto que herdou os poderes que são tradicionalmente das fêmeas está perdendo diante da situação em que se encontra: estirado no chão como uma aranha esmagada.

Maldição, por que está tudo dando errado? Nunca enfrentou algo tão grande antes. Tem quase o tamanho dos prédios e uma fome maior que estes.

Genericamente, é um monstro. Alguns chamam de devorador ou demônio, mas o nome real é espectro das trevas. Surge através de portais abertos para a dimensão de Trevas ou no coração dos que se deixam dominar pelos sentimentos negativos.

O garoto suspeita que os estudantes na biblioteca tenham o criado, devido a proximidade dos exames mais temíveis de suas vidas. É compreensível, mas Yoongi nunca gerou um pontinho escuro sequer com os seus pensamentos mais pessimistas de não ser aprovado.

Gemeu ao se levantar. Se não tivesse a proteção do “uniforme” de bruxa, estaria completamente quebrado. A criatura tentava penetrar o escudo que conjurara sobre o edifício, conseguirá ter um tempinho para respirar e pensar. Como estão adormecidos pelo encanto, ninguém lá dentro está sentindo os estrondos, só o bruxa que quase vai ao chão novamente com este mini terremoto. Suspirou, recuperando o equilíbrio. Nenhum dos feitiços que lançou surtiu efeito. O que mais não tentou?

Limpou suas roupas pela milésima vez e notou um rasgo em sua capa vermelha. Mágico, receberá uma bronca ao chegar em casa. Isso se sobreviver ao monstro – o que é pouco provável. Estendeu o braço, chamando sua vassoura que caiu em algum lugar, subiu nela e alçou voo. Precisa continuar atacando.

Sacudiu a varinha e proferiu encantos. Os ramos das árvores da área expandiram e prenderam os seis tentáculos do espectro de couro escuro e muitos olhos, o arrastaram para o limite da bolha de espaço tempo criada pelo rapaz para que nada interferisse tanto na parte de fora quanto na de dentro. A ideia súbita que teve foi de atacar na região aparentemente mais vulnerável: a fétida cavidade bucal, cheia de presas afiadas com o triplo de seu tamanho. Invocou uma broca gigante e começou a enfiá-la, porém esta se quebrou. O ser polvoroso se soltou, chicoteou na direção de um Yoongi que se esquivava ligeiro. Improvisou feitiços de paralisia, atordoamento, ventania, jogava pedras enormes e nada. Já estava tão cansado que achou até ter visto um garoto atrás da pilastra da biblioteca observando tudo com os olhos arregalados.

Espera. O quê?

Não era sua imaginação, era mesmo uma pessoa acordada presenciando algo que jamais deveria ser descoberto por um comum.

Ah, mas que mágico.

Tem que adormecê-lo e coloca-lo na biblioteca antes que se fira. Como pude não o ter percebido? Ele apontou para algo e gritou. Yoongi olhou para atrás de si. O monstro das trevas jogou-lhe uma rajada pela boca que o atingiu em certeiro, o fazendo traçar uma parabólica e cair nos fundos numa árvore antiga e forte. Foi arranhado e ficou pendurado por alguns segundos até chegar ao gramado. Sua capa rasgou mais e, agora, sua meia sete oitavos também.

Culpa daquele idiota que devia estar dormindo.




⊰ ✭ ⊱




A brisa estava ótima, a temperatura amena e a sombra da árvore grande o bastante para acolhe-lo. Jimin estava em paz. Como sempre, estudou por uma hora e foi para seu lugar favorito tirar um cochilo: atrás da biblioteca. Ele sabe que devia se matar de estudar como os outros e conseguir entrar numa universidade boa, mas sua vontade de aproveitar o tempo que não terá depois que se formar é maior.

Havia pego no sono há poucos minutos quando um barulho o acordou. Um som como os de filmes de monstros gigantes devoradores de gente ressoou. Só poderia ser um sonho, não é? Uma criatura bizarra com tentáculos e múltiplos olhos berrava golpeando algo. Jimin ficou paralisado de medo.

O que diabo é isso?

Estava em um pesadelo bem viajado. Nem se lembra da última vez que assistiu um filme deste tipo. E sonhar com ele é ridículo. Mas a cada estrondo e brado tudo parecia real demais. Não me diga que estão filmando e nem se certificaram se a área estava vazia?

Um dos enormes tentáculos quase o esmagou. Pode ver a morte em couro negro e seco perto o bastante para se convencer de que não estava tendo um pesadelo ou que se tratava de algo falso. É real, sua vida quase por um fio foi muito real. Correu de onde estava para não ter mais o risco de morrer.

Outro tentáculo caiu, arrebentou um duto de água. O bicho se retraiu com o ato e partiu para a frente da construção. Jimin começou a se direcionar para fora dali, mas uma mosquinha que sobrevoava o troço esquisito chamou sua atenção. Era uma pessoa de capa vermelha.

O Superman existe mesmo! Seu queixo caiu.

No entanto, não voava por conta própria, estava em cima de algo. Não socava o monstro com os punhos – lançava e fazia surgir coisas – e nem sua roupa era azul. Outro herói? E numa vassoura? O que está acontecendo?

Viu-o ser um minúsculo saco de pancadas para a criatura e, nestas vezes, conseguiu descobrir que era um garoto da sua idade, usando roupas descoladas e um chapéu grande e feio que em nada combinava. Teve de correr para a frente do terreno, a luta o estava alcançando. Porém o monstro o acompanhou inconscientemente. A coluna que escolheu para se esconder era vulnerável, se saísse seria visto. Teria de esperar pela morte certa. Mas o garoto da capa vermelha ressurgiu e enlaçou o polvo bizarro com as árvores que se esticaram e uma broca brotou no ar.

Aquilo era demais! Mesmo depois de apanhar feito um bife de quinta categoria, seus gestos eram determinados, ele brilhava aos raios de sol que não pareciam ser do sol. Tão mágico. Jimin não percebeu a criatura se soltando, distraiu-se com a figura majestosa aos seus olhos. E quando estes entraram em contato com os do garoto mágico, se deu conta da realidade. A expressão que lhe foi feita era de pavor. Notou ao fundo o polvo de petróleo abrir sua boca assustadora e uma luz dentro dela. Apontou e gritou para que o outro a visse e escapasse, porém demorou muito. O raio reto feito lazer o acertou e o lançou longe, para onde havia acordado e se deparado com tudo isto.

Foi até lá ver o menino. Estava estirado, ofegando pesado.

– Ei, você ‘tá bem? – perguntou, contido.

– Eu... pareço bem por acaso? – rebateu soprado, sem se mexer.

– Pelo menos está vivo – falou, tentando amenizar.

– Mas quase que não, por sua culpa – elevou um pouco a voz e semicerrou as pálpebras.

– Minha culpa? O que eu fiz? – refez todas as suas ações mentalmente para encontrar algo que tenha atrapalhado o outro.

– Não devia estar aqui, para início de conversa, urgh – grunhiu ao se sentar.

Jimin se perdeu em pensamentos o fitando. A capa vermelha rasgada, o pescoço pálido com uma gargantilha preta e um triangulo pendurado, camisa listrada preta e branca, short – SHORT!!! – cós alto preto, as coxas branquelas a mostra, meias pretas acima do joelho também rasgadas e coturnos também pretas cano alto. Que tipo de roupa é esta para se enfrentar monstros? O chapéu velho – que outrora parecia fora de contexto – completava o visual dando um chame especial, além de combinar muito bem com os cabelos cor de bronze lustrado e o rostinho belo e delicado que com certeza não é de qualquer pessoa que não tenha a ver com magia.

Ele é inacreditavelmente lindo. Que não seja um sonho, por favor. Eu não quero acordar disto.

Pigarreou, recobrando a postura que não tinha desde o início.

– Eu tentei sair daqui, mas você e aquele bicho me embarreiraram.

– ‘Tá bom, que seja – sacudiu o pulso, desinteressado. – Vá para um lugar seguro – se levantou, cambaleando.

Ver seu estado precário e o monstro ainda firme e forte batendo na biblioteca, deu um estalo no cérebro de Jimin.

– Hum... Feiticeiro-ssi, eu posso te ajudar – falou, com cuidado.

– Bruxa – corrigiu-o. – Sou bruxa.

– Mas você é um garoto – estranhou.

– É, e daí? É só um título – alisou um pedaço de madeira polido, encarando o outro.

– Poderia tê-lo adaptado – sugeriu, comprimindo os lábios.

– Não tenho tempo para isto – franziu o cenho. – E não quero a sua ajuda. Se eu, com magia, não estou conseguindo, imagina você? – olhou-o de cima a baixo, os orbes escuros analíticos.

– Eu tenho algo útil a dizer – se apressou. – Quando o duto estourou, ele tocou na água e não gostou – piscou, esperando ser compreendido.

O que recebeu fez seu coração falhar. Os pequenos lábios corados se entreabriram, os olhinhos ficaram levemente vesgos. A expressão mais fofa que teve a honra de visualizar em toda a sua vida.

– Água – disse baixo. – Não lembro se já usei algum feitiço deste tipo, mas se está falando que ele não gostou...

Esticou o braço e Jimin não entendeu.

– Tem alguma coisa... AH, NÃO!! – exclamou, quando três pedaços de madeira, que antes eram uma vassoura, pararam diante dele. – Eu não tenho mesmo tempo para isso.

Vasculhou a área com as írises inquietas até apontar a provável varinha. Um galho grosso de árvore planou e o garoto mágico subiu nele como se fosse um skate. Rumou indo de encontro ao monstro, deixando um Jimin pasmo e encantado sem o uso de qualquer magia.




⊰ ✭ ⊱




O garoto de cabelos castanhos e rosto muito vermelho a princípio o atrapalhou, entretanto, agora, deu-lhe uma informação muito preciosa. Vai dar certo, pensou, otimista.

Os olhos do espectro o notaram antes dos tentáculos, teve dificuldade de esquivar, já que está sem sua vassoura companheira. Se afastou um pouco, começou o encanto de invocação de nuvens. Estas apareceram carregadas e logo choveu sobre o ser de trevas.

Ele se contorceu e chiou. Está funcionando! Mas não pareceu desconfortável, pois seu tamanho aumentou.

Não, não, não. Foi chicoteado para longe, bateu na parede da bolha e caiu pela... Não está mais contando. Socou a grama molhada praguejando de todas as formas o acastanhado que – de novo – o atrapalhou. É um idiota mesmo!

Como que a água o fez mal naquela hora? Deve ser esgoto e algo o feriu. Mas o único mal cheiro vem da criatura e o duto rompido está ao seu lado. É água mesmo e está... Com um fio perto.

Eletricidade. Energia foi conduzida, machucando o espectro.

Retiro tudo de mal que eu pensei sobre você, bonitinho.

Precisa usar o feitiço certo e adeus demônio maldito.

Chamou o galho e foi até a gigantesca criatura negra. Lançou encantos de água para atraí-la para o ponto certo e conseguiu com mais eficiência do que imaginava. Teve de se concentrar ao desviar dos tentáculos e sair ileso. Com muito custo, chegou onde queria. Desceu do ramo e preparou a magia elétrica. O espectro veio para cima e Yoongi quase perdeu o foco, porém estava terminado. O fio levitou e soltou uma rajada poderosa em um dos olhos do devorador. O bruxa ficou cego. O grito estridente e alto se juntou num combo de ferimento de batalha, ensurdecendo o rapaz.

O clarão se manteve até o urro cessar. Yoongi caiu de joelhos, exausto. Chacoalhou a cabeça para recuperar os sentidos. O espectro se foi. Acabou.

Marchou para onde se encontrava sua despedaçada vassoura. O acastanhado o aguardava animado e ainda vermelho.

– Foi incrível! Tipo, você é incrível. Nossa, que incrível – falou rápido, quase se atropelando.

O outro apenas assentiu e sentou diante de sua pobre amiga. Agora tem tempo para restaura-la.

– Cara, magia é real. Nem dá pra acreditar – comentou.

– Hum... Obrigado pela ajuda. Você não falou exatamente o certo, mas ajudou – deu o braço a torcer.

– Ah, é. Vi que você fez diferente do que eu tinha falado. Mas está tudo bem agora e é isto que importa, não é? – sorriu pequeno.

Yoongi ficou quieto, reunindo a madeira. Terá de apagar a memória dele, só que é injusto. Pela primeira vez precisou de ajuda e teve. A cada dia os devoradores tem aparecido mais fortes, precisará de auxilio, mesmo que este tenha sido por acaso. Além do mais, ele não quer fritar o cérebro desse garoto de bom coração. Sua magia para essa área não é boa, então, é melhor não tentar. Talvez, se quebrar uma regrinha e abrir exceção para ele, seja o melhor. A vida de bruxa combatedor de criaturas malignas é muito solitário e dolorosa. Algo nesse castanho, de pele avermelhada de vergonha, olhos levemente caídos, brilhantes e curiosos, era incomum.

– Min Yoongi – disparou.

– O quê? – entortou a cabeça, confuso.

– Meu nome: Min Yoongi – repetiu.

– Ah – passou a língua pelos grossos lábios. – Park Jimin – penteou os cabelos com os dedos, estava nervoso. – Você estuda em um colégio de magia ou...

– Em um padrão, como você – arqueou a sobrancelha, risonho.

– E qual é o seu colégio? – parecia querer rir a qualquer momento, mas se continha.

– Universidade, já saí do colegial – continuou a consertar a vassoura.

– Você é mais velho que eu? Com essa carinha? – estreitou o olhar. E foi a vez do bruxa corar. – Está usando uma poção de rejuvenescimento?

– Não – negou como se fosse um absurdo. – Não preciso disso. É tudo natural.

– Deve ser porque você tem poderes. Olha me passa ela, vou precisar.

– Quer ficar com cara de neném? Você já é um bebê – afirmou e o outro corou tanto que parecia uma pimentinha.

– Eu não ia usar agora – disse, constrangido. – Só daqui a uns anos.

– Ainda assim não daria certo – Yoongi estava na última parte da vassoura. – A poção apodreceria e só te mataria.

– Então, – mordeu o lábio inferior de leve – devemos manter contato para quando for preciso.

O mais velho o encarou ao terminar o que fazia. Recebeu mesmo um flerte dele? Sorriu de lado, pronto para devolver.

– Tem razão – pôs-se de pé.

– E podemos ver melhor isto numa lanchonete aqui perto – insinuou, cauteloso.

– Concordo – está cansado, mas por que não resistir mais um pouco?

Jimin sorriu absurdamente largo e radiante. O que estava contendo foi extravasado neste ato. Simplesmente, lindo.

Yoongi riscou no gramado um arco com símbolos diversos que foram sumindo aos poucos. Bateu a varinha duas vezes no antebraço, seu corpo brilhou, o “uniforme” sumiu dando lugar a roupa casual que usava. Porém, na opinião de Jimin, era bastante descolada. Calça justa preta com desenho de pentagrama nas coxas, tênis de marca branco, camisa azul e um casaco bem irônico: atrás tinha uma estampa de fogueira com os dizeres “Burn the Witch”.

– Aquele era o tipo de roupa que você tem que usar quando encontra monstros? – continuou admirando cada detalhe do mais velho.

– Sim. Por incrível que pareça, me protege. E eu ainda fiz umas modificações no visual – falou, olhando para sua magia se desfazendo no terreno.

– Você tem um ótimo gosto, hyung – as írises cintilaram mais e Yoongi teve de desviar para não se constranger.

Segurou a varinha pelas pontas e a achatou até parecer um grampo. Colocou-a na camisa sobre o peito, como se fosse um broche.

– Vamos? – subiu na vassoura. Jimin fez o mesmo, não muito seguro. – Se agarra em mim.

O mais novo envolveu a cintura magra. O coração disparou e o rosto esquentou, acabou enterrando-o nas costas do outro. Yoongi teve de fingir que estava tudo bem, enquanto sua temperatura subia.

Alçaram voo. Todo o estrago causado pelo confronto voltava ao que era antes, a proteção da biblioteca dissolvia, as pessoas lá dentro acordavam e a bolha se abria. Ao atravessa-la, Yoongi se deparou com o colorido pôr do sol. Sorriu contente. O dia pode ter começado horrível, mas estava terminando de forma maravilhosa.

29 de Dezembro de 2018 às 16:52 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Mari Saint ☼ Taekook ♒; Ascendente: Ships Flop; Lua: Minjoon; Mercúrio: Yoonseok; Vênus: Vmin; Marte: Hopekook; Júpiter: Sope; Saturno: MinV; Urano: Vkook; Netuno: Hopegi; Plutão: Namkook; Quíron: 2seok; Lilith: Yoonmin; Nodo: Jihope; Roda da fortuna: Taegi; Vertex: Taejoon; Meio do céu: Namseok (Fonte: meu mapa astral)

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~