Eu escolho você! Seguir história

arielo Arielo K

Após uma grande decepção amorosa, Bra resolve desistir de encontrar um grande amor, porém seu desejo de ser mãe fala mais alto e a faz tomar uma atitude um tanto drástica. Quais serão as conseqüências de seu ato? O que será que ela fez? Será que Trunks conseguirá ajudar a irmã de alguma forma?


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#trubra #trunks-bra #romance #drama #gravidez #incesto #bra #trunks #dragonball #dbz
2
3.9mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quintas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

A solução!


Trinta e quatro anos tinham se passado desde o término do torneio dos doze universos, nesse meio tempo muitas coisas aconteceram, no entanto a terra desfrutava de um tempo de paz, porém isso não os deixava sossegados, tanto que alguns continuaram treinando.


Os filhos de Vegeta e Bulma tomaram a frente dos negócios, trabalhando na corporação cápsula, ambos alavancando a venda de produtos e criação de novas invenções, dando muito orgulho para sua mãe, que completava naquele ano setenta e quatro anos.


No entanto, nem tudo eram flores na vida de alguns, como era o caso de Bra, que quando completou os seus 30 anos passou por uma grande decepção amorosa, no dia que pegou o seu marido Goten em flagrante com uma amante. Após aquele fatídico dia a azulada parou de acreditar no amor e mergulhou de cabeça no trabalho.


Atualmente Bra tinha 34 anos e fazia quatro anos que estava sozinha, mas seu desejo de ser mãe continuou a perseguindo, tanto que resolveu que teria uma criança sem ter um companheiro, apenas escolheria uma pessoa aleatória e engravidaria, não queria ter compromisso, já tinha decidido que ela criaria sozinha, o bebê que por ventura geraria.  


Os dias foram passando e Bra se planejava, mas nunca tinha coragem de sair pela noite e escolher um qualquer para ser o pai de seu filho, então começou a pesquisar sites de encontros e teve alguns, mas sem sucesso, nenhum daqueles pretendes era o que ela procurava.


Enquanto isso, Trunks vivia um casamento aparentemente feliz com Marron, os dois tinham duas filhas, uma de 15 anos e outra de 17 anos, que já freqüentavam a universidade. Apesar de ter sua família, o arroxeado se preocupava com a irmã e nunca deixou de ser próximo a ela. O que ele não gostava, ás vezes, era sua esposa ser desrespeitosa com Bra, não sabia o motivo que levava Marron criticá-la tanto. Algumas vezes, ele presenciou sua esposa alfinetando sua irmã com insinuações mesquinhas, o que já os fez perder a paciência com ela diversas vezes. Tirando esses desentendimentos, ele podia dizer que eles se davam bem e eram cúmplices.


**&**


Nesse momento, no apartamento de Trunks, ele e Marron tomavam o café da manhã, quando de repente, o celular do arroxeado tocou, o fazendo se levantar da mesa para atender ao ver que era Bra.


- Bom dia, Bra! O que houve? – Pediu preocupado o arroxeado, pois nunca recebia telefonema de sua irmã àquela hora da manhã, geralmente conversavam na empresa.


- Bom dia, Trunks! Liguei para avisar que vou chegar hoje atrasada no trabalho, pois marquei para ir ao médico e nem tinha me tocado que era justo no dia que teria reunião com o diretor financeiro da empresa. Você poderia fazer essa reunião no meu lugar? Sei que é chato, que você não gosta muito do Sr. Taleshi, mas me quebra esse galho hoje, se caso não der, eu posso desmarcar o médico...


- Não tem problema, Bra! Eu faço a reunião, mesmo não suportando o nosso diretor financeiro, eu vou ter que aprender a suportá-lo – Murmurou o arroxeado caminhado até a sala, deixando sua esposa sozinha terminando de tomar café. Fato que não deixou Marron nada contente.


- Muito obrigado irmão! – Agradeceu a azulada mais aliviada, pois detestava cancelar reuniões importantes ou faltá-las.


- Disponha! Mas mudando de assunto, você está doente para ir ao médico? – Pediu preocupado.


- Só posso lhe dizer que é um assunto importante, e que quando eu voltar do médico eu te conto! Pode ser?


- Claro! Eu vou esperar! Agora vou voltar para mesa terminar meu café, antes que Marron brigue comigo! Até depois Bra, te amo! – Despediu-se o empresário com um sorriso.


- Até depois, Trunks! Também te amo – Sussurrou a azulada antes de encerrar a ligação.


Após desligar o celular, o arroxeado caminhou em direção a cozinha, onde voltou acomodar-se próximo a sua consorte, que o encarava com cara de poucos amigos.


- O que sua irmã queria?


- Assuntos relacionados à corporação cápsula – Respondeu evasivo o empresário já sentindo o clima pesar.


- Ela não podia esperar você chegar à empresa para conversar não? Ela gosta de atrapalhar nosso sossego! Isso sim! A Bra é uma folgada – Vociferou a loira irritada.


- Não, não podia esperar, pois era algo importante. E discordo de você, minha irmã não é folgada. Já estou cansado de sua birra com Bra, o que ela te fez? – Questionou sério encarando sua esposa, que bufou e se levantou da mesa irritada.


- Quer saber a verdade? Eu não vou com a cara de sua querida irmãzinha, a presença dela me irrita, a atenção que você dá a ela, me deixa furiosa – Confessou a filha de Kuririn exasperada.


- Então, você tem ciúmes do amor que tenho por Bra! Isso é ridículo Marron, ela é minha irmã! Estou cansado dessas brigas, vou terminar de comer na empresa, não suporto discutir logo cedo! – Replicou Trunks sério se levantando da mesa e caminhando até a sala.


- Você é um insensível Trunks Briefs! – Bufou Marron enraivada antes de marchar em direção a escada que levava até os quartos.


Depois de ficar sozinho no recinto, o arroxeado suspirou desgostoso, pois eles sempre brigavam quando o assunto envolvia Bra, porém agora ele finalmente entendeu o motivo daquilo, sua esposa tinha ciúmes dele, da forma carinhosa que ele tratava a irmã. Aquilo chegava a ser ridículo e triste ao mesmo tempo, no entanto não adiantava discutir, então pegou sua pasta de cima do sofá e abriu a porta do apartamento e saiu.


**&**


Nesse mesmo instante, Bra estacionou o seu porche em frente a Clinica San Victory, que era uma renomada e conceituada policlínica da capital do oeste especializada em inseminação artificial e fertilização em vitro. A azulada estava ansiosa para falar pessoalmente com o Dr.Fukishimany, que tinha conversado por telefone no dia anterior. Então desceu ligeiramente de seu veiculo e em passos rápidos entrou no estabelecimento e se dirigiu a recepção, onde uma moça de cabelos esverdeados mexia no computador compenetrada.


- Bom dia! Com licença! Eu tenho uma consulta com o Dr. Fukishimany. É aqui que se aguarda? – Pediu Bra séria.


- Bom dia! Não, a senhorita pode subir essa escada a sua direita, o consultório dele é todo o andar superior!


- Obrigado!


E assim, Bra subiu uma escadaria como foi instruída e logo avistou o consultório do médico, o ambiente era bem requintado e moderno. Ao se aproximar da onde ficavam algumas portas, ela foi atendida por uma ruiva, que lhe mandou entrar na sala do Dr. Fukishimany, pois ele já a aguardava.


Quando ingressou no recinto indicado, a azulada foi recepcionada por um senhor de meia idade, que tinha um sorriso gentil e acolhedor.


- Olá, senhorita Briefs! Preparada para esse grande passo na sua vida? Sente-se, por favor! – Gesticulou Akeshi atencioso.


Bra acomodou-se numa cadeira de camurça preta que ficava de frente ao médico e ela não pode deixar de reparar que a decoração do local predominava duas cores, preta e branca, móveis pretos, tapete e parede nas cores brancas, além de vários quadros que retratavam paisagens de flores e lagos. 


- Claro que sim, doutor! Como conversamos ontem por telefone, eu refleti! Dei uma olhada na lista das características, idade, e escolaridade dos doadores anônimos de esperma, porém tive uma idéia um tanto peculiar e queria saber se seria possível! – Declarou a azulada pensativa.


- Você tem em mente alguém que não está na lista?


-

Continua

-

26 de Dezembro de 2018 às 20:32 0 Denunciar Insira 2
Leia o próximo capítulo Uma surpresa um tanto inesperada!

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!