Meu Destinado Seguir história

chou-fly ChouFly ChouFly

Em um passeio à floresta, buscando esvaziar a mente, Jin Ling percebe que há uma flecha faltando. Sem saber ao certo o que havia acontecido, ele começa uma busca pelo perdido objeto. Porém, inesperadamente seu ciclo chega fazendo sua busca se tornar mais trabalhosa.


Fanfiction Anime/Mangá Todo o público.

#lemon #yaoi #HanGuang-Jun #Lan-Zan #Wei-WuXian #Mo-Xuanyu #The-Founder-Of-Diabolism #Mo-Dao-Zu-Shi #Lan-LingYi #Lan-Yuan #Jig-Ling #Hanguang-jun
Conto
0
4.3mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo único

Era impressionante o como a flecha conseguia cortar perfeitamente o ar, fazendo um ruído quase inexistente, atravessando a folhagem vivida da floresta e acertando a pequena maçã que, ousadamente, Maçãzinha desejava retirar da tora cortada. Novamente, levou os dedos calejados de tanto treinar para trás, buscando, ritmicamente, outra flecha para lançar. Era imparável, precisava sempre se sobressair para não receber outra advertência de seu superior. Suspirou ajustando-se e, novamente, soltando, com extrema cautela o fio de seu arco. Sentia, a cada dedilhar no objetivo, lançar de flecha, seu corpo e mente, em fim, relaxando. Havia sido uma semana cansativa, sempre cobrando-o mais e mais, impondo exorbitantes trabalhos sobre o jovem.

Olhou para o próximo alvo, buscando com os dedos uma outra fecha, tinha as contado antes de vir e havia pego junto bandeiras, de acordo com a dúzia de flechas. Não poderia ter acabado facilmente se não havia errado nenhum algo sequer. Resmungou virando-se e vendo um jovem No, porém não era um qualquer, era Mo XuanYu. O que ele fazia naquele local? Não estava com HanGuang-Jun, em seu clã Lan? Não, aquilo não lhe convinha, precisava encontrar sua flecha e finalizar o seu treinamento, antes de Jiang chegar. — Sentia até mesmo um arrepio caminhar pela sua espinha lembrando da última vez que não conseguiu cumprir os desejos do outro. — Apressou-se, então, buscando em suas memórias lembrar onde tinha colocado aquele objeto.

Jon continuou a caminhar, pisoteado, sem qualquer recebimento, as gramas e flores próximos dele. Estava irritado com o fato de ter perdido, ou até mesmo esquecido, a última flecha para o último alvo. Resmungou baixo olhando para alguns pontos, relacionados aos possíveis locais que poderia estar o dardo. Espantou, com a mão, as folhas esverdeadas, realmente, aquela floresta conseguia se manter verde e viva mesmo em tempos como aquele.

— Cadê essa merda? — Deixou escapar já estressado. Tinha se passado bastante tempo desde a vez que saiu para encontrar a flecha. Na verdade, nem mesmo ligava para aquilo, mas, orgulhoso, queria encontrar o objeto apenas para dizer que não o perdeu, nem esqueceu, para mostrar que conseguia cuidar de si mesmo.

Talvez aquela atitude derivasse dos tratos que recebia. Seu exigente tio não o perdoava em nenhum aspectos de sua vida, fazendo-o ir até os seus limites físicos e psicológicos, parecia estar sendo usado se tornar a pessoa que Jiang, em sua juventude, não conseguiu ser, senão repetindo os mesmos atos, abominamos, porém aprendidos e refletidos, pelos seus antepassados, por seus falecidos país. Compreendia até certo ponto aqueles tratamentos, no entanto, apenas poderia aceitar a bondade de seu tio, ao ceder-se para cuidar dele. Talvez, aquilo tudo não fosse o verdadeiro motivo de ser tratado daquela forma humilhante, mas sua aparência. Não importava a desculpa escolhida para o rebaixar, quando puder assumir o controle de toda a sua vida iria mostrar a todos que não precisava daquelas chantagens, desvantagens, ou, principalmente, mostraria a todos que, independente do que acontecia consigo ou de quem era Jin Ling, ainda tinha força e, se desejasse, conseguiria amedrontar um batalhão, exterminar, dizimar ele.

Respirou fundo parando por alguns minutos, então se encostou no tronco de uma árvore sentindo seu dia feliz escapar de suas mãos. Apenas desejava descontar suas mágoas e cansaços em um passatempo, na sua válvula de escape. Porém, nem isso conseguia fazer corretamente. Rosnou lembrando de ver o jovem Mo passar no mesmo momento em que treinava, no momento em que apenas faltava uma flecha. Voltou para onde estava completamente alterado, se encontra-se o outro iria enchê-lo de socos e, enquanto isso, retomar sua dignidade. Ainda guardava mágoa do dia em que fora salvo, queria mostrar a Jiang que conseguia agir decentemente, havia perdido para um louco como o corta-mangas do clã Mo.

Passou a mão pelos cabelos negros organizando-os superficialmente. Precisava relaxar um pouco, estava realmente pensando em brigar com Mo XuanYu, sendo que ele estava sobre os cuidados de HanGuang-Jun? Era uma total brincadeira de mal gosto que sua mente estava pregando consigo. Respirou fundo, sentando-se na tora de árvore, onde, outrora, tinha uma maçã que um burro pegou e fugiu discretamente. Colocou as pernas juntas, passando os braços por elas, quase abraçando-as. Sua testa se encostava com os braços, sobre os joelhos, fazendo uma leve pressão. Murmurava xingamentos de diversos calões. Como sua vida conseguia se manter num círculo vicioso onde ele, inevitavelmente, acabava do dia sendo massacrado por alguma infelicidade? Talvez fosse algo impregnado no seu sangue. Desde o momento em que não conseguiu ter a confirmação de qual era a sua classe no clã, até aquele momento questionando-se de quando seria o momento em que mostraria-se ser um Alpha, prepotente, como seu tio Jiang ou, influente, como HanGuang-Jun conseguia ser. Até mesmo aceitava um cargo um tanto abaixo deles, apenas queria saber algo tão simples, se era um Alpha ou Beta?

Totalmente submerso nos seus densos questionamentos, que mais pareciam como uma crítica, destruindo-o de todas as forças, consumindo-o, cansado-o silenciosamente. Uma luta interna, incessante, onde ninguém além dele viam os buracos que estavam sendo criados no seu ser. Apertou com força o arco encolhendo-se.

— O que eu tenho que fazer para poder saber algo tão simples assim? Eu só vim nessa droga de treinamento para poder pensar e nem mesmo para isso estou servindo. — Declarou. Sentia-se intensamente sensível, rotineiramente, coisas assim não conseguiam lhe abalar, mas, naquele momento, parecia que estava tudo vindo à tona.

Ficou quieto, pensando naquele momento. Não conseguia fazer nada, além da estranha dor que começava a sentir sobre seu ventre. Para si era comum, mas a mesma estava começando a se tornar um incômodo. Fechou os olhos, buscava de concentrar para que ela parasse um pouco. Mas, mesmo com isso, não deixava de murmurar pragas para tudo e todos.

— O que estava acontecendo? — Questionou uma voz um tanto familiar atravessando as folhagens de um arbusto, busca algo que passou por ali e lhe chamou a atenção. Porém, antes mesmo de se aproximar muito o garoto paralisou parecendo se chocar com algo.

— Ei, por qual motivo você parou? — Questionou outra pessoa, não muito distante. O garoto, Lan JingYi, tapou o nariz andando para trás com uma cara de desagrado. — O que é isso? — Perguntou, mais para si que para outra pessoa. Apenas conseguiu encarar o garoto de roupas amareladas sentado na tora partida no meio. Parecia desolado. Porém, mesmo assim, não conseguia acreditar que o cheiro intenso vinha daquele menino. — O que há com ele?

— Vamos descobrir agora. — Murmurou andando rápido até Jin, abandonando a formalidade. — Está tudo bem com você? — Perguntou calmo. No entanto, quando virou um pouco do corpo do garoto, viu algumas lágrimas despencarem pelo seu rosto fazendo-o se agoniar com aquilo. — Hey, Jin RuLan, o que está acontecendo?

O outro nada disse, apenas segurou com força os pulsos de Lan Yuan, fazendo-o se espantar, mas não se afastar. O cheiro se intensificava, impregnando-se nas roupas dos jovens e os atordoado. Era um cheiro forte, costumeiramente, apenas Ômegas ou Alphas tinham isso, em seus ciclos de calor mensais.

Algo não estava correto naquilo. Lan Yuan e Lan JingYi eram Alphas, já haviam completado a maioridade, passado por todo o pesadelo e longo processo. Mas, Jin não parecia ter a mesma sintonia que eles, seu cheiro era intenso, no entanto, com um gosto mais doce e viciante, o deles não, o menino parecia estar ao ponto de morrer, segurava a mão do Lan como se sua vida dependesse daquilo.

— Jin… — Repetiu Yuan abaixando-se para ficar na altura do menino.

Porém, movido pelo orgulho, o mesmo empurrou o amigo, derrubando-o. Tentou levantar-se, mas suas pernas bambas o fizeram cair ajoelhado. Seu rosto, em segundos, estava frente a frente com a virilha cobertura de roupas. Estava muito vestida para o seu gosto. Engoliu seco, notava a sede que sua mente estava causando, o significado daquilo era simples, suas perguntas referentes a sua classe tinha tomado um resultado, mesmo não o aceitando. Engoliu seco, iria se levantar novamente e, como da última vez, cair quando JingYi lhe segurou, conseguia notar a força, com delicadeza, colocada naquele ato. Sentia-se estranhamente protegido, acomodou o nariz na dobra do pescoço de Lan Jing e sentiu-se mais quente, porém mais seguro. Os braços do garoto pareciam seguros.

— O cheiro dele está mais forte… — Sussurrou Yi a Yuan, ambos preocupados, estavam começando a sentir o efeito afrodisíaco que era ficar próximo de um ômega em seu ciclo mensal. Yi segurança com certa força a cintura do outro, sentindo o mesmo passar o nariz pelo seu pescoço, tirando arfares, fazendo-o sentir a necessidade de dominação. — Precisamos levar ele até Jiang ou a HanGuang-Jun urgentemente.

— Sim, mas, o problema é que estamos muito longe de qualquer seita. — Relembrou Yuan. — Levaria um bom tempo daqui para lá. E, imagino que Jin não iria receber isso de braços abertos.

— Hum… — Murmurou o ômega. Sentia seu ventre clamar por um nó. Lógico, um ser inferior precisava desesperadamente de alguém para dominar sua pessoa. Sua vida apenas declinava para a escuridão da qual tentava escapar. — Me…-Me levem logo para alguma seita. — Disse entre longas pausas puxando o ar.

Yuan estava preocupado, na verdade, um pouco de seu instinto já lhe impulsionava a querer tomar o jovem, mas não faria ou diria algo assim. Notava que seu irmão, ao mesmo que buscava se livrar do menino, sentia a necessidade de estar com ele, demarcando-o com o próprio cheiro. Segurou Jin, deixando-o no estilo noiva — Na sua mente, era o mais confortável que poderia aquela posição — , trocando vez ou outra com Yi.

Haviam dado apenas alguns passos quando começaram a ver os instintos de Jin começarem a aparecer. O garoto sentia-se desconfortavelmente quente, fazendo-o terem mais dificuldade de carregar ele. Além do calor, as atitudes e, acima de tudo, o cheiro atordoante do Ômega começavam a incomodar os Alphas, precisavam constantemente parar para respirar algo não poluído pelo aroma adocicado do menino, fazendo-o ficar sozinho — Causando uma sensação devastadora de perda, que resultava em sua essência sendo expandida para encontrar um, ou os seus donos. Jin rosnou ao perceber os dois segundos que tinham se passado longe dos garotos, estavam cuidado dele que fizessem corretamente.

Tentou se levantar, mas voltou ao chão. Sentia o membro latejando em conjunto com o lubrificante que escorria entre suas pernas. A dor parecia começar dominar. Não queria ceder aos seus instintos animalescos, iria lutar contra aquilo até chegar ao ápice e, mesmo lá, não iria deixar ser dominado totalmente. Resmungou com a pontada aguda, fazendo-o arregalar os olhos e segurar com força a grama. Aquilo era insuportável. Tentou novamente se equilibrar em pé, escorregando devido a fraqueza, estava sendo mais complicado do que imaginou. Sentia o gosto de sua liberdade escapar pela sua mão, no entanto, não deixou seu orgulho e voltou a tentar se levantar sentindo outra pontada o fazer voltar para o chão.

Em sua mente, chamar por um Alpha parecia o melhor caminho, mas sua personalidade orgulhosa o impedia de deixar aquela palavra escapar por sua úmida de saliva e brilhante, avermelhada, boca. Rosnou frustrado, sentindo o membro pulsar por debaixo das vestes. Caminhou uma das mãos, desiste, por debaixo de sua roupa massageando levemente ali. Pequenos, fracos, gemidos ecoavam, melodicamente. Sua outra mão caminhava até a área que tanto clamava por atenção, não tinha ninguém para vê-lo ter o orgulho quebrado por conta de um ciclo. Lágrimas escorriam juntos com os soluços sôfregos de alguém necessitado. Não prestava atenção em nada além dos desejos puramente luxuriosos.

— Eu preciso de mais… — Murmurou começando a estocar seus dedos em sua entrada e a mexer eles lentamente. — Cadê aqueles dois idiotas? — Sussurrou movendo a mão em seu membro com movimentos mais rápidos. Aquilo não era o suficiente para acabar com a sua necessidade, porém, talvez, fosse para dar a ele um pouco mais de tempo antes das convulsões chegarem com mais intensidade. O pré-gozo escorria pela glande de seu pênis, continuava a mover as mãos enquanto penatrava os dedos mais profundamente.

Uma movimentação estranha entre as folhas o fez encarar sensualmente o local, suspirava sem parar de mexer suas mãos, fazendo o seu cheiro propagar loucamente. Olhou para o lado sentindo um cheiro diferente do comum, mas arriscou chamar por este. Quem sabe fosse alguém a sua altura. Seus olhos se arregalaram ao notar que não era um Alpha conhecido, mas alguém de má índole, movida pelo seu cheiro viciante. Tentou andar, mas suas pernas não ajudavam, se arrastou tirando uma risada do homem, que se aproximou segurando seus cabelos com extrema violência.

— Aonde pensa que está indo? — Sussurrou rudemente, posicionando-se propositalmente entre suas pernas. O homem segurava com força sua cintura, prendendo-o.

— Me larga. — Rosnou tentando se livrar daqueles toques imundos. Debatia-se, até mesmo conseguiu dar um chute no estômago do cara e desprender-de por alguns minutos, logo depois sentindo o incômodo da pontada no ventre lhe fazer voltar ao chão, fraco e indefeso. — Não se aproxime de mim. — rugiu ameaçador. No entanto o outro nada disse, apenas sorriu e se aproximou soltando o laço de sua roupa. — Saia de perto! — Gritou e, desesperado, arrastava-se pelo chão tentando fugir, mesmo com os instintos o impulsionando a desistir.

— Oh, pobre ômega, está louco por um pouco de amor, não, é? — Falou com uma doçura doentia. Começava a retirar as pessoas de roupa, despindo-se, enquanto encarava o rosto marcado por lágrimas do outro. — Irei lhe ajudar.

— Não! — Rosnou.

— A primeira coisa que vou ensinar é a parar de rosnar para mim. Aprenderá a ser submisso, como um bom ômega deve ser.

Odiava ardentemente aquele esteriótipo de que um ômega deveria ser submisso aos outros. Cuspido no rosto do outro chutando-o e conseguindo um pouco de adrenalina para fugir, se apoiava com dificuldade nas árvores, galhos e naquilo que estivesse na sua frente. Andava num ritmo lento se comparado com o do Alpha atrás de si, complemente irritado com o seu comportamento. Engoliu seco, então se apressou, seu arco, poderia ter o usado, mas, no momento de pânico, havia o deixado no chão. A espada, que esqueceu junto do arco quando estava tentando abafar suas necessidades primitivas de reprodução. Olhou para trás não encontrando o homem, suspirou e sentiu um par de mãos segurarem o seu ombro. Seus olhos se arregalaram, então estendeu a mão largando um tapa na pessoa a sua frente.

— Vejo que está melhor. — Falou sarcasticamente Yi apertando o seu ombro direito. A mão livre passou pelo rosto marcado. Logo viu o menino abraçar ele e, consecutivamente, Yuan. — Ei… — Vira o corpo do Ômega tremer enquanto o seu cheiro saia mais forte.

— Por…-Por favor… Me ajudem. — Falou em um fio de voz. Seu orgulho era esmagado pelo pânico e pela necessidade. — Pra favor. — Gritou finalmente encarando os garotos nos olhos.

Um arrepio repentino passou pelos corpos do presentes, apitando em suas mentes Destinado. Entretanto, aquele momento foi cortado com um homem chamando o ômega. Jin apertou com força os Alphas, tremendo-se. Ambos seguraram o menor com força, acolhendo-o.

— Ômega, já me trocou? Você é rápido, nem ao menos pudemos nos divertir. — Zombou de aproximando.

Rapidamente as espadas foram retiradas da bainha e erguidas até o pescoço do homem, ameaçando-o, não ligavam se estariam cometendo um problema fazendo aquilo, apenas protegeriam a vida do seu destinado, custasse o que custasse. Jin encarou as faces sérias de seus parceiros apertando-se entre os braços deles.

— Afaste-se. — Falou Yuan autoritário. Encarava o homem nos olhos, mostrando não estar brincando. — Agora. — Ditou.

— Tsc. Isso vai ter volta, ômega idiota. — Rosnou o outro, que vendo o perigo escolheu partir. — Esses idiotas do clã Lan estão em todos os locais. — Resmungou entre rosnados.

Yuan encarou Jin, segurando-o com mais delicadeza. Estava surpreso com o fato do seu destinado estar tão perto deles, mas nunca tinham reparado naquilo. Yi suspirou então, finalmente, falou. — Precisamos levar ele para algum local, estamos perto de uma pequena vila… Só alguns dias de distância.

— Vocês não vão conseguir me levar até lá. — Disse Jin sentindo as contrações se tornarem mais violentas. — Por favor, me tomem agora. — Implorou. As lágrimas escorriam pelo seu rosto.

Yuan abriu a boca e levantou o queixo de Jin para encarar o garoto.  — Você…-Você tem certeza do que deseja? — Perguntou um pouco perdido. Seu lobo interior grunia pedido para satisfazer o outro. Igualmente acontecia com Yi olhando o lábios rosados do ômega.

— Sim. — Sussurou, mais para si que para os outros. — Eu quero. — Falou encarando-os com firmeza, entretanto sua face firme foi substituída por uma de dor ao receber outra pontada.

Yuan sorriu encarando o garoto e o puxou, possessivamente, pela cintura beijando-o. Yi, não ficando para trás, mas, sim, atrás, roçou os lábios ao redor do pescoço de Jin Ling, fazendo-o agarrar os ombros de Yuan e soltar um prazeroso gemido necessitado. Resmungou sentindo-se completamente tomado pelos dois alphas.

Lan JingYi apertou o quadril de Jin contra o seu enquanto o outro passeava as mãos pelos cabelos sedosos do menino, puxando-o para beijos apaixonantes, pouco ligando para a falta de ar. Yuan soltou um baixo rosnado próximo ao ouvido do Ômega fazendo-o gemer. Depois de deixar o lábios do menor, passou a descer os beijos, mordidas e lambidas para o pescoço enquanto o outro Lan subia até a boca do menor, fazendo-o ter diversas sensação ao menos tempo.

O segurou para que não caísse devido ao prazer que lhe dominava. O cheiro forte que Jin liberava os provocava mais ainda. Soltavam rosnados baixos, marcando território sobre o garoto, além de o causar arrepios.

— O que você quer, Jin? — Questionou LingYi acomodado suas mãos no membro do garoto, fazendo-o se encolher em prazer. — Me diz o que você quer. — Comentou mordendo com leveza a nuca do mais novo.

— Hum… — Murmurou lutando para não contar. Sabia que iriam lhe provocar, mas o seu orgulho martelava para mantê-lo sobre controle. O que não funcionou, já que Yuan, notando aquilo, passou a masturbar o menor em conjunto com o outro Lan. — Ah… Yuan… — Chamou apertando o ombro do outro. — Por favor, LingYi, me ajudem.

— O que você quer que façamos? — Perguntou Lan Yuan provocando-o.

— Eu...-Eu quero vocês.

— Como? — Perguntou LingYi passando a penetrar um dedo em Jin, fazendo-o estremecer.

— Assim… — Murmurou mexendo a cintura sentindo os dedos irem cada vez mais profundos em si. — Dentro de mim… — Disse sem sequer prestar atenção naquilo que pronunciava. Os desejos o consumiam completamente e confundiam suas palavras e ações.

— Bom garoto. — Sussurrou Yuan beijando-o antes de atacar seus mamilos, com a mão livre apertava o outro fazendo o ômega gemer e implorar por mais. Masturbando Jin conseguiu fazê-lo gozar em suas vestes. O pequeno amoleceu soltando um belo suspiro. Então, rapidamente, a posição mudou. Yuan tinha o garoto encaixado em sua cintura, enquanto seus lábios, sôfregos, suspiravam sobre as vestes de LingYi.

— O que acha de ajudar a gente também? — Perguntou LingYi segurando os cabelos desgrenhados do Ômega. Este apenas sorriu e aproximou-se levantando a sua roupa, o que, inevitavelmente, espantou o Alpha, mas não o fez recuar.

Jin chupava sem qualquer pudor o outro, sendo delicado para não machucar com os dentes. Enquanto isso, era acariciando pelos Alphas, que se aproveitavam daquele momento. Atrás dele, Yuan preparava o membro para penetrar seu ômega, masturbava-os sem pensar nas consequências. Deixou um beijo estalar na nuca do menino, fazendo-o gemer abafado pelo que tinha na boca.

— Posso colocar? — Questionou, ainda duvidava que poderia estar fazendo aquilo. Jin nunca perderia a postura, mas naquele momento aquilo nem sequer parecia valer. Os olhos do menino o encararam descrente no que acabou de escutar, porém escutou a confirmação que desejava. Yuan segurou com firmeza a cintura do garoto e, vendo aquilo, Yi selou os lábios do menor, desceu provocando o pescoço menor, indo para os seus mamilos com a língua. Estavam tentando criar uma distração.

Lentamente Yuan ia tentando adentrar, fazendo de tudo para não machucar seu ômega. O menor soltou um gemido de dor, mas as distração o fazia se desconcentrar. Jin apertou os ombros de Yi e resmungou ao sentir-se totalmente cheio, aquilo realmente doía. Fechou os olhos tomado pelo incómodo. Yuan selou os lábios do menor e Yi, não muito para trás, fez o mesmo trocando repetitivamente com o Lan.

O Alpha deu a primeira estocada fazendo o menor gritar com a dor latente. Yuan se recolheu um pouco, mas, voltou a se mover ao notar o menor mexer a cintura buscando mais contato. Assim, Jin voltou a ser provocado pela boca do menino, fazendo-o inserir completamente o membro em sua boca, estocando conforme o ritmo e limite de Jin.

— Hum… — Murmurou o menor encarando Yi enquanto sentia o mesmo quase chegar ao ápice apenas naquilo, porém foi impedido pelo maior, que trocou de posição com o irmão.

Suas pernas estavam, uma levantada, sobre o ombro de Yi e, a outra abaixada, fixa no chão. Os lábios de Jin roçavam com os de Yuan, desciam até o membro deste, que, com delicadeza deixava Jin fazer como bem entendesse, diferente do outro Lan que queria dominar o ato. Sentiu novamente algo adentrar sua entrada, fazendo soltar um gemido de dor, as lágrimas escorriam pelo seu rosto fazendo Yuan beijar cada uma enquanto Yi estocava, mordendo o corpo do menor, beijando-o e lambendo este.

O menino, novamente, tinha deleitado-de daquilo, deixando o pré-gozo escorrer pelo seu pênis. Nem mesmo conseguia sentir a perna, fazendo os Alphas mudarem de posição. Logo o menor estava sentado sobre o colo de um deles, escaneando o rosto do seu destinado, do seu Alpha. Yuan penetrou, junto de Yi, Jin.

— Acalme-se. — Pediu o Alpha abaixo, segurando o queixo do menino e beijando-o. As lágrimas que escorriam pelo rosto do menor apenas o embelzavam. Voltou a morder o ombro deste deixando mais e mais marcas sobre a pele branca do menino. — Mexa-se, Jin. — Ditou segurando sua cintura e proporcionando ajuda ao menor. Yi estocava o ômega enquanto este cavalgava sobre os dois membros eretos. — Bom… — Sussurrou segurando a carne do parceiro com força e puxando-o um pouco para baixo e para cima, acompanhando o seu ritmo surrealista.

Sentiam-se no ápice, trocando várias vezes as posições, fazendo o menor ter orgasmos. Socaram mais algumas vezes sentindo o pequeno se cansar sobre eles. Então, finalmente, o nó se fez. Todos se sentiam incomodados, eram dois membros num local apertado, um competido com o outro por espaço, amassando-os, mas, ao mesmo tempo conseguia causar mais prazer a eles. Jin era quem mais sofria precisando aguetar dois nós se expandindo no seu interior, porém, conseguia aguentar. Apertou-se ao redor do corpo do Alphas sentindo-se prensarem as presas sobre cada lado de sua nuca, mordendo-a, fazendo-o tremer e desmaiar com a dor e o cansaço.

Acordou sentindo a luz a acertando seu rosto com força. Tentou virar-se, mas haviam pesos sobre sua cintura fazendo-o ficar no mesmo lugar. Abriu os olhos irritado, então viu Lan JingYi e Lan Yuan, adormecidos, o abraçando com possessividade. Encarou o ambiente onde estavam, não reconhecendo-o totalmente.

Estava sem roupas, na verdade, estavam. O que tinha acontecido para estarem ali e, principalmente, para estar cheio de marcas. Encarou o espelho retangular preso na parede vendo sua imagem acabada, caminhou o olhar debaixo para cima notando marcas sobre sua nuca, além das outras roxas e vermelhas em todos os lugares. Um remexer o fez despertar dos seus pensamentos. Viu Yuan levantar-se e selar os lábios sobre seu pescoço perguntando se estava tudo bem e desejando-o um bom dia.

— Que merda está acontecendo? — Questionou confuso. Mas antes de ter sua pergunta respondida Yi levantou-se parecendo chateado e lhe puxou para um beijo rápido. Arregalou os olhos, mas se deixou levar, sentia-se confortável nos braços deles.

— Finalmente acordou. — Comentou Mo XuanYu aparecendo na porta com uma bandeja. — Não precisam de preocupar comigo, não sou ameaça para o ômega de vocês. — Brincou deixando a verdade percorrer em cada frase sua. — Sou marcado se não se lembram.

— Ômega? Que história é essa?

— Você ficou adormecido por durante dois dias Jin, não consegue se lembrar? — Questionou Yuan um pouco ansioso com a resposta.

— Achei que tivesse sido apenas um sonho. — Murmurou. Sentia-se devastado com aquela informação. Lágrimas de desgosto escorriam pelo seu rosto. Não queria ser um ômega fraco, nem conseguiu fugir do homem que tentou abusar dele.

Sentindo aquela tristeza os Alphas de agoniaram com a cena. Se aproximaram do menino tentando alegrar ele de todas as formas possíveis, até mesmo perguntavam o que tinha acontecido, se estava doendo ou, pior, se tinha desgastado deles. Não queriam que seu destinado tivesse algum problema relacionado aos Alphas por sua atitude imprudente.

O jovem Mo suspirou compreendendo a situação. — Ah, para de drama. Você não vai morrer por ser um ômega. — Jogou fazendo todos encararem o outro. Yi rosnou desgastando do tom e, principalmente, do conteúdo na fala.

— Eu…-Eu sou um inútil ômega. — Gritou frustrado. Seus planos não incluíam ser daquela classe tão fraca. Os Alphas se espantaram.

— Você não é inútil. — Comentou Yuan beijando a marca e lambendo-a. Deixava o seu cheiro impregnante no ômega.

— Eu sou um ômega… — Murmurou para si.

XuanYu riu daquilo. Nunca, em toda a sua vida, mesmo quando era Wei WuXian ficava nessa frescura toda. Jin lhe encarou com ódio no olhar. — E o que tem de errado em ser um ômega?

— Nunca houve nenhum ômega forte, ou que comandasse algo e, principalmente, nunca houve um ômega cultivador. Por qual motivo eu não ficaria abalado sendo um nojento ômega?

— Bem, Wei WuXian era ômega, não foi ele um dos mais importantes cultivadores, mesmo tendo “declinado” para o cultivo de artes demoníacas, mas foi forte. — Disse relembrando dos bons tempos. — Só acho que está sendo frescura sua. Deveria quebrar o estereótipo de “Ômega fraco, submisso” e agir como tal. — Zombou. — Bem. Quem decide se deseja ser um perdedor que todos pregam ou fazer a diferença é você. — Comentou estrategicamente. — Eu e HanGuang-Jun vamos sair. Resolvam-se.

— Idiota… Mo XuanYu… — Murmurou irritado. Detestava escutar lição de moral. Já não bastava o seu tio fazendo o que bem compreendia com ele? Então viu os dois Alphas, próximos, o afagando, calados. — E agora?

— E agora? — Questionou um distraído Yi, que acariciava o ventre do menor com uma grande satisfação.

— Agora nós caminhamos juntos. — Respondeu Yuan abraçando a cintura do menor e colocando o nariz sobre o pescoço deste. — Como XuanYu falou, você pode escolher fazer a diferença. Você não é fraco apenas por ser ômega, pelo contrário é forte por ter aguentado tanto todos esses anos.

— Certo… — Sussurrou pensativo.

— Estaremos ao seu lado, Jin Ling. — Disse LingYi o empurrando lentamente para voltar a se deitar. — Principalmente, agora. — Comentou com certa animação na voz.

— O que aconteceu nessas uma semana que eu estava em meu ciclo? — Perguntou mudando de assunto. Logo viu um sorriso se estampar nos rostos de cada um dos Alphas.

— Podemos fazer você lembrar. — Brincou LingYi tomando seu pescoço.

— A propósito, sua flecha estava comigo. — Falou Mo XuanYu entrando no quarto, porém ao se deparar com a cena que estava rolando preferiu deixar o assunto para mais tarde. Encarou Lan Zan soltando um sorriso brincalhão. — Que bom que deu a ideia de sairmos daqui, né?

— Sim… — Murmurou dando um selar no menor. — Wei WuXian. — Sussurrou de forma melódica.

— Vamos? Conheço um local com comida apimentada muito boa.


13 de Dezembro de 2018 às 01:55 0 Denunciar Insira 1
Continua…

Conheça o autor

ChouFly ChouFly "Be a wolf, be free!" Me chamo Chou, mas pode me chamar do que desejar. Adoro escrever, principalmente minha história interativa, pintar. Sou amante de histórias, mangas e animes, principalmente, Yaoi. Costumo escutar músicas enquanto escrevo — Podendo muito bem mudar o enredo completamente apenas por causa do ritmo. — , gosto de Rock, Pop, Eletrônicas.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~