Doces intenções Seguir história

darie

Naruto sorri doce, e qualquer que um olhasse para aquele sorriso acreditaria nas suas puras e bondosas intenções.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#Darie #todo-mundo-é-maior-de-idade #traição #lemon #yaoi #sasusaku #kakanaru #narusasu #naruto
0
4.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único


– Eu não acredito que ele me negou dois décimos! –o garoto loiro no auge dos seus dezesseis anos, reclama andando de um lado para o outro em frente aos amigos, que o ignoravam prontamente. – E vocês nem ligam! Eu estou sendo cruelmente injustiçado e você se agarrando ai, como se nada tivesse acontecendo!

  – Acalme-se, Naruto, são dois décimos, como você mesmo disse e não é como se essa fosse a primeira vez que você fica de recuperação em alguma matéria. – Sakura comenta em um gesto de descaso, sem se dar ao trabalho de tirar os olhos (e as mãos) de cima do namorado e melhor amigo de Naruto.

   – Mas é história! Eu sou craque em história e estamos no terceiro ano! – o garoto responde indignado, lançando a Sasuke seu melhor olhar de: “isso realmente está acontecendo?”

   – Se fosse tão bom assim teria passado direto e não estaria implorando por dois décimos as pessoas erradas, dobe. – Sasuke comenta irônico. No fundo, no fundo ele sentia pena do amigo, mas o sentimento estava enterrado embaixo de uma montanha de irritação causada pelo empata foda que Naruto estava sendo sem perceber. Ou talvez percebesse e só quisesse encher o saco. Vindo de Naruto nada o surpreenderia.

   – Não me culpe! – o loiro choraminga – É esse estagiário! Se ele fosse feio eu não passaria a aula inteira secando aquele corpitcho!

   – Essa é a sua melhor desculpa? – Naruto mostra a língua.

   – Mas, pera… como assim “as pessoas erradas”, teme? – o rapaz pergunta empurrando Sakura para o lado e sentando-se ao lado de Sasuke no banco extremamente pequeno daquele colégio.

   – Se precisa de pontos extras talvez devia pedir ao professor e não a gente. – o moreno responde como se fosse óbvio. E sinceramente, era sim.

   – Tipo eu ir lá e pedir ponto? Sozinho? Pra aquele tarado? E se ele pedir meu copinho em troca da minha nota? Não quero. Me nego. – Naruto reclama batendo o pé no chão com força, antes de se ergue e voltar a andar de um lado para o outro.

  – Fala como se não tivesse doido pra dar pro estagiário desde que ele pisou os pés na sala com aqueles livros pornô. – Sakura brinca sentando-se nos joelhos do namorado, de frente para o mesmo.

  – É diferente! Meu corpo lá é material de propina por acaso? NÃO! – Naruto queixa-se jogando-se ao lado dos amigos e deitando a cabeça no colo de Sakura, sem se importa o quão estranho a situação estava.

   – Você ao menos sabe o que é isso?

  – Sei! – o loiro responde. – Propina: substantivo feminino. Gratificação extra por serviço normal prestado a alguém; gorjeta, emolumento. Ou quantia que se oferece ou paga a alguém para induzi-lo a praticar atos ilícitos; suborno.
  – Nossa…

  – Mas o assunto não é esse, gente! Foco! – Naruto revolta-se.

  – Pelo amor de tudo que é mais sagrado nesse mundo e universo, vai logo falar com esse estagiário, criatura! – Sakura se zanga erguendo-se do colo do namorado e acertando um tapa na nuca do amigo.

  – Mas, Saki…

  – VAI LOGO!

  Naruto até pensa em protestar, mas a aura assassina ao redor da garota o faz repensar no assunto e ele começa a arrastar-se em direção a sala dos professores, talvez Kakashi ainda estivesse por lá.

   – Então, Sasuke-kun, onde estávamos mesmo? – Sakura pergunta voltando-se toda doce e sorridente para o rapaz, que faz uma anotação mental de nunca irritar a namorada.

%%%%

  Naruto bate de leve na porta da sala dos professores, esperando alguns segundos antes de abrir-la, dando de cara com a sala vazia. Mas também, fazia duas horas que as aulas tinham acabado. Só os casais e os rolezeiros ainda estavam no colégio. Suspirando, o garoto se prepara para ir embora quando uma mão toca seu ombro, fazendo-o segurar um grito e pular para longe do toque e, consequentemente, para dentro da sala.

  – Você se assusta muito fácil, garoto. – a voz conhecida do mais odiado e amado professor destrói as ilusões que Naruto tinha de ser morto por um assassino de filme de terror clichê. Graças a Deus.

  – P-professor? Que susto! Pensei que era outra pessoa. – o loiro exclama aliviado tentando não encarar aquela pintinha adorável que o homem tinha no rosto.

  – Pensou que era quem? Um namoradinho? –Kakashi sorri cúmplice para o rapaz. – Você anda marcando suas transas na sala dos professores? Que pervertido!

  – N-não é-é nada disso! – o loiro se justifica sentindo o rosto corar violentamente.

  – Oh, sim, sim… então o que faz aqui, senhor Uzumaki? – o homem pergunta inclinando-se em direção ao aluno, fazendo-o recuar até bater o quadril na mesa no meio do cômodo.

  – Vim procurar o senhor. – Naruto murmura sentindo o corpo em que tanto babou colar-se ao seu. – Eu…

  – Você…? –Kakashi incentiva querendo ouvir o que o rapaz tinha para lhe dizer ao mesmo tempo queria ocupar aquela boquinha linda com algo mais… divertido. Mostra-lhe que os olhares sobre si não tinham passado despercebidos. – Vamos, Na-ru-to, o que quer de mim? Basta pedir.

  – E-eu… eu… é...hn… – o rapaz diz desconcertado pela aproximação repentina do professor que costumava espiar por entre as folhas de seus livro de história.

   – Calma, garoto. Respira e bota pra fora. – Kakashi recomenda lavando a destra até as costas do rapaz e fazendo pequenos círculos no local.

  Se Naruto já estava nervoso antes, agora sentia que seu coração ia sair pela boca. Puxa, mano, ali a sua frente, tocando-o como se fosse nada demais, estava o professor que o loiro tinha um crush desde que o vira pela primeira vez, uns seis meses e meio atrás. Ele estava surtando um pouco. Talvez muito. Bem, podem julgá-lo.

  – Eu queria pedir que o senhor arredonda minha nota. – o garoto pede sobre o olhar firme do mais velho e sentindo uma estranha compulsão por se explicar. – São só dois décimos.

  – Se são só dois décimos por que não os conseguiu de primeira?

  – Eu tive alguns problemas para me concentrar esse ano.

  – O que te tirou sua concentração, Naruto? –Kakashi pergunta se aproximando do jovem e colando seu corpo ao dele. – Acha que eu não via você me secando? Puff… você tem que aprender a ser discreto, garoto.

   – Eu sou... ha… discreto! – o loiro ofega ao sentir as mãos do homem apertarem sua cintura.

   – Não tenho certeza… você me parece bastante escandaloso… – Kakashi comenta colocando o garoto sentado sobre a mesa e rodeando as pernas dele ao redor de seu quadril, antes de colar seus lábios aos deles.

   Naruto pisca confuso antes de fechar os olhos e corresponder ao beijo que trocavam. Num impulso o garoto passa os braços ao redor dos ombros do professor e apertar suas pernas ao redor do quadril do mesmo, tentando a todo custo ter mais contato e aprofundar o ósculo. Logo a carícia se resumia a uma confusão de bocas, saliva e dentes, que vez ou outra se atritam arrancando pequenos gemidos de Naruto.

   Sentindo o ar rarear, Kakashi quebra o beijo  levando os lábios até o pescoço do loiro, marcando-o, mordiscando-o e distribuindo selares de leve, que faziam Naruto arfa e se contorcer, tentando conseguir mais contato com o corpo de seu professor. Em um movimento sem jeito e meio agoniado Naruto se livra da própria camisa e da do mais velho, jogando-as em algum lugar da sala. Kakashi faz um divertido com a garganta ao ver a pressa do garoto.

   – Alguém não tem paciência. – o prateado cantarola antes de circular o mamilo do jovem com a língua, provocando-o.

  – Foda-se. Ou melhor foda-me. – Naruto responde impaciente.

  A risada maliciosa que Kakashi solta em seguida faz com que o Uzumaki rosne baixinho, agoniado com tanta lentidão. Ele nunca tinha sido disso. Gostava de contato direto, brusco e sem enrolações.  Não tinha paciência para preliminares, mas Kakashi tinha, e fazia questão de mostrar o quanto ao marcá-lo lentamente, a boca indo de norte a sul em seu corpo, mordendo, chupando, beijando, levando Naruto ao limite sem ao menos tocar ‘nas partes importantes’.

   – Sensei… por favor…

   Kakashi abandona o mosaico que fazia na virilha alheia e se ergue, tomando os lábios de Naruto nos seus em firme e rápido, porém curto e logo ele deslizava a calça e a box pelas pernas morenas, deixando alguns selares de leve por toda a pele até livrar-se das peças de roupa e poder apreciar com mais liberdade sua obra de arte. Naruto estava com os fios loiros bagunçados, a pele levemente brilhante com o suor, a boca inchadinha e rosada, com manchas em vários tons de roxo e vermelho e o membro duro e gotejante. Um perfeito mosaico em homenagem ao desejo.

   Kakashi se ajoelha no chão, afasta as coxas do garoto e inclina a cabeça em direção ao pênis de Naruto, lambendo-o por todo comprimento antes de abocanhar a glande, soltando um pequeno gemido ao ter seus fios cinzas puxados por uma mão do garoto, que usara a outra como bode expiatório para evitar gemer/gritar alto e chamar atenção indesejada para aquela sala. Incentivado pelas reações alheias, Kakashi leva o pênis em sua boca mais fundo, sentindo-o tocar sua úvula e pulsar, tornando o gosto do pré-gozo mais forte, antes de voltar a subir serpenteando a língua por todo comprimento.

   Extasiado, Naruto gemia sem o mínimo pudor. Foda-se que alguém podia entrar pela porta que nenhum dos dois lembrara de trancar e foda-se mais ainda que eles estariam em uma enrascada se algum boato sobre isso saísse dessa sala. Mas como eu disse antes, Naruto não dava a mínima. Tudo que importava era o quão boa era a sensação de ter seu pênis tão bem acolhido pela boca do sensei enquanto as unhas do mesmo riscavam suas coxas.

  Kakashi arrasta os dedos pela pele de Naruto, indo até o joelho e voltando pela parte interna da coxa, massageando os testículos pesados e sentindo o membro do loiro pulsar antes de sua boca preenchida por gozo, que ele fez questão de engolir cada gota.

   – Delicioso. Quer provar? –o homem murmura sexy erguendo-se até Naruto, que em algum momento deitou-se sobre a mesa, e beijando-o de forma que pudesse cumprir seus prometido.

   – Sem preparação. – Naruto pede ao sentir os dedos de seu professor em sua entrada.

   – Vai doer mais seu não te preparar. – Kakashi franze a testa.

   – Só vem.

   E ele foi. O membro afundando lentamente no interior de Naruto, fazendo-o arquear-se e gemer em êxtase. O loiro abre a boca buscando pelo oxigênio, que parecia não entrar em seus pulmões enquanto arranhava as costas do professor, descontando um pouco do que sentia ao ser preenchido por aquele volume (que não era o maior que Naruto já acolheu, diga-se de passagem) grosso.

   As estocadas vieram em seguida. Firmes e fundas. Do jeito que o loiro gostava, sem delicadeza, surrando sua próstata, fazendo-o revirar os olhos e cravar as unhas nas costas do professor, que apenas gemia e o estocava com mais vontade. Logo ambos estavam inebriados em um ritmo próprio, centrados em atingir o ápice, que veio, arrancando, em um gemido estrangulado, o restante do fôlego que Naruto tinha.

  – Então, sobre a sua nota…

  – Você vai arredondar? – o loiro pergunta interrompendo a fala de Kakashi.

  – Vou pensar no seu caso, Sr.Uzumaki. – o aluno sorri um tanto convencido, sabendo que tinha conseguido os poucos décimos que precisava pra passar.

  – Obrigado, sensei. – um sorriso doce toma os lábios do garoto. – Mas, então… tem fôlego pra outra?

%%%%

   Naruto caminha devagar em direção a saída do colégio. Os chupões em seu corpo ardiam um pouco, lembrando-o do que fizera. Não que ele se sentisse culpado. Longe disso. Ele nunca se sentiria assim depois de uma boa transa. Na verdade Naruto estava se perguntando se devia colocar “corrupção” na sua lista de motivos para ir pro inferno.

   – Conseguiu seus dois décimos?

   – Oh, Sasuke… – o loiro murmura ao perceber o amigo encostado no muro perto do portão. – Ele disse que vai pensar no meu caso, mas de um jeito ou de outro eu conseguir o que queria.

   – E ele é bom…? –o moreno pergunta segurando a cintura de Naruto e colando os corpos.

   – Não melhor do que você. – o rapaz segreda no pé do ouvido do amigo, antes de mordiscar-lhe o lóbulo da orelha.

   _ Bom, bom… –o Uchiha murmura roçando de leve os lábios sobre os de Naruto antes de sorrir convencido e se afasta do outro. – Mas nós temos que ir agora. Sakura está nos esperando para uma maratona de Supernatural.

   – Ah, certo… –Naruto suspira tentando se recompor. – Então vamos logo, não posso desapontar a minha melhor amiga, né? – o loiro sorri doce e qualquer que um olhasse para aquele sorriso acreditaria nas suas puras e bondosas intenções.

4 de Novembro de 2018 às 15:21 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~