letboli94 L.M. Oliveira

Um cientista psicopata, uma ex prostituta ambiciosa e um feiticeiro narcisista. Juntos, essas três figuras marginalizadas tentam sobreviver ao regime totalitário do império de Elysium, lugar onde máquinas e magia é algo comum, assim como a indiferença e a opressão. Essa obra não foi fiscalizada pelo departamento literário de Elysium, portanto, você pode correr o risco de ter sua casa invadida por um agente do governo. Mas o que seria da vida sem um pouco de riscos? Capa maravilhosa feita pela Michele Bran. História também disponível no Wattpad.


Fantasia Todo o público.

#magia #tarot #steampunk #nefilim #feiticeiros
2
4.9mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O Inventor

— Aquele é o Godric Fuller, Angie — disse um homen trajando um elegante terno marrom com um chapéu de coco da mesma cor— Ele é um acadêmico especialista na anatomia dos nefilins. Sua linha de pesquisa foi usada como base para o projeto do governo para a guerra contra Telesto.

O homem de aproximadamente trinta anos, com a barba bem desenhada conversava com uma garota muito mais nova do que ele chamada Angie. Com a cabeça, indicou para a jovem um homem de meia idade parrudo e rosto redondo perto da mesa de comida.

Angie, uma jovem de dezoito anos com cabelos loiros presos em um coque elegante, não pode conter a repulsa no seu rosto maquiado ao encarar aquele homem: os botões do seu terno cinza mal se fechavam e seu bigode grisalho permanecia sujo com as migalhas dos petiscos que havia devorado sem pudor algum. Também dava para notar seu corpo oscilando de um lado para o outro por causa do excesso de vinho:

— Esse é o projeto que pretende convocar os nefilins que vivem confinados nas favelas e nos campos para lutarem na guerra? — Questionou Angie ao seu acompanhante.

— Convocar é um eufemismo, minha querida. Você sabe muito bem que dizer não ao governo é sinônimo de morte para uma família inteira.

— Você está equivocado, Ivan — corrigiu a moça — O governo de Elysium sabe que a morte cria mártires. E um mártir junto com uma pessoa de excelente oratória são os combustíveis que movem uma rebelião. — Angie tomou um gole do seu vinho servido em uma taça dourada antes de continuar — Culpa e medo são as ferramentas necessárias para calar a voz de um povo. E eles sabem os melhores métodos para provocar esses sentimentos.

Ivan não respondeu o comentário de Angie. Concordava com ela em alguns pontos e tinha conhecimento que sua parceira sabia melhor do que ele das barbaridades que o governo fazia com os nefilins, afinal, ela cresceu nas favelas da capital e viveu no inferno desde a infância.

Foi nesse mesmo inferno que os dois se conheceram. O inventor viu muito potencial na garota de 14 anos magra e loira ao vê-la derrubando um homem duas vezes maior que seu peso. Nunca em sua vida ele teve a chance de testemunhar um nefilim usando seu poder.

Em anos nunca se sentiu tão vivo.

Pelo menos até o momento em que Angie falou "Queime" e o corpo do homem entrou em combustão sozinho. Ivan acabara de testemunhar algo que era considerado uma lenda.

Ele viu um milagre divino através de uma menina de aparência frágil. Ela comprovou que os poderes da arcana eram reais.

Por isso, o cientista não hesitou em tirá-la das ruas e subornar um médico para falsificar o histórico médico dela, evitando a perseguição do governo. No início, ele só a usaria para experimentos. Até abrir o corpo de Angie o cientista cogitou, mas ao ver a personalidade ambiciosa e maquiavélica da garota, tal ideia desapareceu da sua mente como os sonhos que tinha a noite.

Agora, quatro anos depois daquele encontro mesclado com vários golpes, os dois se encontravam naquele salão de festas da alta sociedade para executar uma parte crucial do plano deles. Angie passou a mão nos seus cabelos claros e arrumou seu longo vestido azul escuro com babados na ponta da saia antes de dizer em um tom de voz tão baixo que Ivan mal conseguiu ouvir:

— O senhor Fuller é um especialista em nefilins,e se ele me reconhecer?

Ivan notou que os olhos de Angie estavam mais azuis que o normal, mostrando que ela estava preocupada:

— As pesquisas do senhor Fuller indicam que é praticamente impossível reconhecer vocês sem realizar exames médicos. Isso se deve ao sangue humano que corre em suas veias. Sem falar que esse bastardo não resiste a uma mulher de rosto angelical, algo que você tem.

— E não é só o rosto — riu Angie antes de se afastar do seu acompanhante e atravessar o salão para se encontrar com o homem parrudo que agora se encontrava perto da janela.

Ivan foi para perto a uma das paredes do salão, onde podia observar Angie conversando com o senhor Fuller com certa discrição. A garota era muito talentosa na arte do amor, algo de se esperar de uma ex-prostituta.

Notando que passou tempo demais parado no mesmo lugar, Ivan rumou para a mesa de bebidas com a intenção de evitar suspeitas. Enquanto servia vinho, observou a quantidade de mulheres vestidas com saias bufantes e homens com ternos de várias cores. Em cima do palco, um gramofone conectado a um computador antigo tocava uma canção sobre a saudade que um homem sentia da sua terra natal. O inventor sabia que a geringonça funcionava graças aos conhecimento em alquimia e magia que os feiticeiros forneceram ao se aliarem aos humanos na guerra de Tétis, encerrada há vinte anos.

Ao lado do palco, um rapaz de pele clara, cabelos castanhos e traços femininos olhava para a mesa de bebidas com um sorriso nos lábios. Trajava um terno preto com um colete vinho por cima da sua camisa branca. Seu olhar coincidiu com o de Ivan e foi sustentado por um tempo. Aquele foi o sinal necessário para o jovem se aproximar sem tirar os olhos do inventor:

— Meu nome é Demetrius Blackwell — disse o rapaz encarando Ivan com muita intensidade.

— Ivan Hart — O inventor o encarou com a mesma intensidade sem se sentir intimidado.

— Muito prazer, senhor Hart — Os olhos castanhos de Demetrius permaneciam fixos nos acinzentados de Ivan — Notei que tomou duas taças de vinho com certa expressão de tédio.

— É tão evidente, senhor Blackwell? Espero que isso não o tenha ofendido.

— De forma alguma. Essa festa está um tédio. — Demetrius bebeu o líquido em sua taça — Sem falar que meu acompanhante também me deixou por uma companhia mais interessante.

Ivan arqueou as sobrancelhas e deu uma pequena risada antes de se aproximar do ouvido de Demetrius e dizer:

— Se me permite, senhor Blackwell, mas discordo do que disse a respeito do senhor não ser uma companhia interessante. Estou me divertindo muito ao te ver roubando minha carteira e meu anel usando sua magia.

O sorriso de Demetrius morreu. Ivan colocou a mão no bolso do rapaz e se afastou mostrando uma carteira de couro preta e um anel com uma grande pedra de rubi:

— Meu caro feiticeiro, talvez você consiga usar seus truques baratos para enganar alguns velhos reprimidos e bêbados nessa festa, mas não a mim — disse Ivan ao colocar seu anel e carteira em seu devido lugar.

— Senhor Hart, posso não ter as melhores habilidades para enganar um humano que conviveu desde sempre com o sobrenatural como você, mas aprendi a usar feitiços que ampliam a minha audição a um raio de seiscentos metros.

Os olhos de Ivan procuraram Angie, que caminhava em direção a saída com um senhor Fuller com dificuldades em andar em linha reta por causa do excesso de vinho. A jovem loira olhou para trás e assentiu com a cabeça para o seu parceiro, indicando que o plano podia continuar:

— Me alegra saber que o senhor está aperfeiçoando seus poderes. Geralmente com sua idade muitos feiticeiros se conformam e não procuram aprender novos feitiços — Ivan fez um sinal com seu chapéu, indicando que a conversa estava encerrada — Com licença.

O inventor deu apenas alguns passos antes de sentir Demetrius tocar nos seus ombros e falar no seu ouvido com um tom de voz firme:

— Para um inventor de renome, você é bem lento, senhor Hart. Escutei claramente a preocupação da senhorita Blouse com relação a sua identidade ser descoberta — Demetrius ouviu a respiração de Ivan acelerar e deu um sorriso sádico antes de continuar — Se depender do meu parceiro, a polícia já deve ter conhecimento de que a dama que acompanha o senhor Fuller é uma abominação que planeja destruir sua pesquisa.

Ivan olhou para o feiticeiro com certo espanto e depois olhou para um grupo de policiais, trajando seus sobretudos azuis, indo em direção a saída.

Sem olhar para trás, o inventor seguiu os guardas, torcendo para que eles não fossem atrás de Angie.

28 de Setembro de 2018 às 00:55 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo A Ex-prostituta

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas