Papai Babão | myg x pjm Seguir história

miyosin Anne (miyosin)

Park Jimin descobriu estar grávido recentemente e isso o fez temer demais seu marido. Quer dizer, sabia que Min Yoongi jamais o machucaria, — mesmo que algumas de suas paranóias dissessem ao contrário — mas o que seu marido acharia disso sendo que o mesmo não queria ter filhos? ABO | YOONMIN | Jimin!Ômega | Yoongi!Alfa | MPreg | Fluffy


Fanfiction Para maiores de 18 apenas.

#mpreg #papais #Yoongi-Alfa #jimin-ômega #yoonmin #Yoongialfa #papai #miyosin #Jiminômega #gravidez-masculina #gravidez #fluffy #abo
4
4573 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O lance da caixa de sapato

CAPÍTULO ÚNICO


Yoongi gostaria de dizer “não” para Jimin. O problema era que, por trás de seus semblantes fechados rotineiramente, havia aquele sentimento bobo por Park Jimin que o fazia ficar de joelhos perante ao ômega, mesmo sendo o alfa.

Min Yoongi não gostava de estereótipos, mas sabia reconhecer que eram um casal, “do tipo certo”, para a sociedade. Ele era o alfa marrento e intimidador, enquanto Park Jimin era o ômega mais fofo e gentil que já conhecera. Entretanto, Yoongi realmente não ligava, tanto que interiormente pagava pau para o casal Kim, sendo Namjoon o alfa e Seokjin o ômega, e Namjoon o mais bobão e babão de todos, ainda mais depois que Seokjin engravidou.

Filhotes. Está aí algo que o Min nunca sentiu vontade de ter, mesmo tendo um ômega com o sonho de ser papai. O alfa simplesmente não queria problemas e crianças sempre davam um jeito de inventar algo. Ele gostava de preservar a paz em seu lar e estava realmente satisfeito com o seu Jimin, tanto que mesmo sendo alfa, não ligava para sua linhagem.

Park Jimin era bastante sonhador. Perdera as contas de quantas vezes se imaginou, ainda quando namorava seu alfa, como seria quando se casassem e tivessem filhos. Este último era realmente um sonho seu. Em sua mente deveria ser mais do que incrível ter um ser tão pequeno e frágil, completamente dependente de si, chamando-o de papai. Seria lindo, essa era a verdade. Contudo, havia tentando convencer seu marido de diversas formas sobre isso, mas este estava irredutível: não queria filhotes.

O problema, na verdade, era que Jimin descobriu estar grávido recentemente e isso o fez temer demais seu marido. Quer dizer, sabia que Min Yoongi jamais levantaria a mão para si, entretanto, poderia ser agredido verbalmente, mesmo que isso também nunca tivesse acontecido, mas se fosse o caso de ira extrema, seria assim. E Jimin não aguentaria ouvir tudo que o esperava quando revelasse que estava grávido. Ele não havia planejado isso, não gostaria de trair a opinião e confiança de seu marido, mas ali estava ele, na única situação que não era aprovada por seu alfa. E estava com medo, não negava.

Como falaria que engravidou? Como falaria que aguardava uma criança se desenvolver dentro de si? Como poderia olhar para a cara de Min Yoongi, sabendo que este não queria — de maneira nenhuma — descendentes?

Ele seria abandonado, é o que sua mente dizia. Mesmo que seu coração dissesse que o amor que tinham impediria qualquer intriga do tipo, seu lado mais paranóico já conseguia imaginar diversas cenas onde Yoongi o expulsava de sua vida.

Se assustou quando a porta de casa fora aberta. Olhou rapidamente o relógio, percebendo que já estava no horário de seu marido chegar.

— Jimin? — chamou.

O ômega, todo acanhado, saiu do bolinho de cobertas que estava e pôs os pezinhos no chão gelado, indo até o Min que ainda o procurava. O mais velho logo o avistou e veio em sua direção, envolvendo-o em um abraço e enchendo seu pescoço com selinhos inocentes. Jimin sorriu bobo e só o apertou ainda mais o abraço, escondendo que no fundo temia as reações do alfa em relação a sua gravidez.


. . .


Eu não acredito! — exclamou Seokjin. — Isso é sério, bebê?

Bebê era apenas um apelido carinhoso que Kim Seokjin havia posto em Park Jimin. Este último era tão fofo e adorável, tão apertável e amável, que quando Seokjin pôs os olhos nele logo quis o tratar como a coisinha mais preciosa do mundo. Jimin era um bolinho, apesar do Kim saber das garras dele quando precisava mostrar.

A primeira e única vez que Seokjin, e até mesmo Namjoon — que na época ainda era seu namorado — havia visto a garra do Park fora quando foram o visitar. Eles conheciam Yoongi, eram como irmãos mais velhos para este, e como o Min estava bastante nervoso em relação a pedir Park Jimin em namoro, lá foi o casal Kim com ele.

Naquele dia conheceram Park Minji, uma beta extremamente doce que zelava pelo bem estar do filho, como qualquer mãe, e tinha se encantado pelo semblante doce de Min Yoongi — o que fora motivo de piadas por um tempo no grupo. Entretanto também havia um lado ruim na família Park, este que ninguém imaginava, até que prestes a saborearem do jantar feito pela patriarca, a porta da frente da casa é praticamente arrombada e entra um alfa bêbado gritando com os anfitriões da residência. Min Yoongi avançou de imediato no homem quando este tentou tocar em Jimin, entretanto, a senhora Park estava por perto e o homem então avançou nela. Como se estivesse despertado, Jimin saiu dos braços do Min e empurrou o bêbado e gritou, como poucos ômegas faziam, e desafiou o alfa bêbado até mesmo a enfrentá-lo em uma briga. O homem saiu aos resmungos, e só apenas quando o susto abaixou, fora que o casal Kim e o Min descobriram que aquele alfa bêbado era o pai de Park Jimin.

Ah, que por muito tempo Park Jimin ainda sofreu com aquela situação. Até que, infelizmente, quando em um dia Jimin estava na casa de seu namorado, seu pai invadiu sua casa e bateu em sua mãe como nunca antes, dizendo palavras horríveis. A sorte era que Namjoon estava com a prima e havia passado na rua quando ouviu o grito e identificou sendo da senhora Park. Como não havia muitos vizinhos e as casas eram afastadas, foi com muita sorte que Namjoon conseguiu ligar para a polícia, e esta apareceu a tempo de prender o ex-marido de Minji e, finalmente, dar um pouco de ar para aquela família.

Jimin passou quase duas semanas se martirizando por não estar naquele momento e se recusou sair do hospital enquanto sua mãe estivesse sendo tratada e observada. Foram três dias, e se Jimin não conseguia cuidar de si, focado em cuidar de sua mãe, Min Yoongi estava ao seu lado todo o tempo disponível, dando todo o suporte que seu amado precisava no momento.

— Shiu — pediu o menor. — Fale mais baixo, por favor, ninguém sabe! — segredou.

— Estou sendo o primeiro? — os olhos do Kim brilharam. — Ai, que honra, assim você me mata do coração, bebê.

Jimin já estava todo vermelhinho e encolhido na cadeira. Estavam quase ao meio da praça de alimentação do shopping, e enquanto o menor se servia de apenas um milk shake, Kim Seokjin não fazia cerimônias em pedir um lanche grande da melhor lanchonete do local.

— Eu queria contar para minha omma primeiro, mas — deu de ombros. — ela está viajando e não queria que ela ficasse muito histérica estando longe.

— Ah, mas ela volta na próxima semana, não é? — questionou, Jimin assentiu. — Então não precisa a infartar agora mesmo — riu — Meu bebê 'tá carregando outro bebê — secou uma lágrima falsa. — Essas crianças crescem tão rápido!

— Para, Jin! — pediu envergonhado. — Não sou literalmente um bebê.

— É sim — sorriu sapeca. — E tenho certeza que se eu te desse um bombom agora você iria concordar.

Contra isso Jimin não tinha argumentos, era verdade afinal, se não fosse para assuntos sérios, sua opinião era rapidamente comprada por algum doce gostoso.

— Viu? Um bebê. — concluiu ao que o outro apenas abaixava a cabeça, ainda mais tímido, se possível.

Seokjin mordeu três pedaços de seu lanche antes de prosseguir a conversa. Ele tinha fome, oras.

— E como irá contar para o Yoongi então? — animou-se. — Irá fazer alguma surpresa, tipo, entregar uma caixa de sapato com os sapatinhos de bebê dentro?

Apesar de sua mente já estar arquitetando várias formas divertidas que o Park poderia usar para anunciar que estava grávido, este não parecia animado, tanto que apenas suspirou e fez um bico, olhando para um ponto qualquer, parecendo chateado.

— O que foi?

— Eu — começou. Sabia que podia contar com o Kim para qualquer coisa, então prosseguiu — tenho medo da reação do Yoon.

— E por quê? — arqueou uma sobrancelha.

— Ele não gosta de crianças — suspirou, confessando. — E eu já tentei mudar a opinião dele, mas ele sempre dizia que era melhor não, que não se importava com descendentes ou coisas assim. Ele até mesmo acha que crianças só trazem problemas.

Se Yoongi estivesse ao lado de Seokjin naquele instante, com certeza seria enforcado pelo mais velho só por ter feito uma criaturinha tão fofa como Park Jimin ficar todo tristinho como estava.

— Não sei, eu — choramingou. — não queria que o Yoon rejeitasse minha gravidez.

— Está usando drogas? — arregalou os olhos. Jimin o acompanhou, mas assustado com a pergunta e logo balançando a cabeça em negação. — Aquele açúcar azedo pode ser um saco e falar super mal de uma criança, porque sei que aquele ali é sangue ruim nessas horas, mas tenho certeza que ele jamais te negaria.

— Você acha?

— Certeza, bebê, só trabalho com fatos — balançou as mãos. — Aquele ali pode ser mais duro que pedra, mas quando se trata de você, fica mais mole que maria-mole.

O Park apenas sorriu grandemente, mostrando seu eye smile que conseguia derreter qualquer um, principalmente Min Yoongi.

— Vai por mim — disse — o lance da caixa de sapatos é um arraso.

Dito e feito. Mais tarde, no mesmo dia, lá estava Park Jimin, tremendo sentado no sofá da sala, encarando a caixinha decorada com vários adesivos fofos e que dentro tinha um belo de sapatinhos de bebê na cor branca — que simboliza a dúvida sobre o sexo da criança, afinal ainda não tinha como saber.

Min Yoongi demorou uma hora há mais para chegar em casa naquele dia, graças ao trânsito horroroso que estava nas ruas. Havia passado apenas estresse antes de chegar em casa, mas quando chegou e viu o seu amado todo encolhido no sofá, dormindo como um anjo, foi como se tivesse tido todas as suas forças revigoradas. Era por aquilo que batalhava todo dia, para poder ver seu marido bem e seguro.

Uma caixa extravagante em sua opinião lhe chamou a atenção. Aquilo claramente era uma obra de Jimin, visto o tanto de adesivos de ursinhos e cubinhos de açúcares com carinha havia sido ali colado. Curioso, abriu a caixa, surpreendendo-se com o sapatinho de bebê ali dentro, mas recebendo o choque mesmo da notícia apenas ao ver que na tampa estava escrito “parabéns” com aquela letra linda que Min já conhecia.

Seus olhos de imediato marejaram. Yoongi agachou-se de frente para seu anjinho e o encheu de beijos na face para acordá-lo. Jimin abriu os olhos e encarou o marido completamente sonolento, antes de arregalar os olhos ao que percebia os olhos marejados do mesmo.

— Dormindo agora, amor? — questionou, sorrindo pequeno, porém já era o suficiente para o coraçãozinho do Park saltar dentro do peito. Pegou os sapatinhos e os balançou na frente do amado, rindo ao que este saltava em seu pescoço todo bobo e alegre pela reação positiva do marido. — Tenho certeza que ainda não contou para sua mãe — riu sapeca. — Que tal ligarmos para ela em?

— Yoon! — riu. — Você sabe como minha mãe é, ela vai pirar!

— Exatamente!

Pabo.

O Min puxou o menor em seus braços para um beijo apaixonado, pois era assim que ele se sentia, apaixonado, como se fosse a primeira vez que tivesse visto Jimin. Ele estava completamente bobo com a notícia, e de uma coisa já tinha certeza: ele seria mais babão que Namjoon.

14 de Setembro de 2018 às 12:05 0 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

Anne (miyosin) FICWRITER//spirit&wattpad//ji.kook.min #0 jm stan ARMY// JM!uke&JK!seme forever// MIYOSIN in your area o(^ . ^)o

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~