Another Dream Seguir história

BeatrizPFT25

Tudo poderia ter sido diferente se as atitudes do passado também tivessem sido, assim talvez poderiam ter mudado o presente e o futuro. Tudo teria sido diferente se lhe tivessem dado outro sonho, talvez assim, as duas vezes em que Todoroki e Bakugou viram Midoriya não teriam sido tão dolorosas.


Fanfiction Anime/Mangá Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#Two-shot #deku-villain #deku-vilão #Sentimentos-Subentendidos #yaoi #deku #Bakugou-Katsuki #midoriya-izuku #Todoroki-Shouto #mha #bnha #my-hero-academia #boku-no-hero-academia
7
5.0mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo 1 - Primeira vez

Primeira vez

Todoroki Shouto corria em direção ao centro da U.S.J. a uma velocidade impressionante, após saber, de um dos vilões que tinha congelado, que o plano da liga dos vilões era o de matar All Might, não pensou duas vezes e começou a correr, mas essa não era a principal razão para correr de uma maneira tão intensa e até um pouco desesperada.

Assim que um portal apareceu perto da fonte no centro da U.S.J. e os vilões começaram a surgir um dos últimos membros do grupo chamou a atenção de Todoroki, que não podia acreditar no que via, mas antes que pudesse fazer algo ou tentar perceber o que realmente se passava ali o vilão que controlava o portal apareceu diante de si, e dos outros alunos da turma 1-A, e quando se apercebeu estava na zona de desmoronamento rodeado de vilões. Todoroki estava empenhado em descobrir a verdade, em saber o que realmente estava a acontecer ali, que rapidamente congelou os vilões da sua zona e foi a correr para o local onde os vilões estavam.

Ao chegar lá confirmou que não tinha sido impressão sua, realmente um dos vilões que tinha atravessado o portão era Midoriya Izuku, um rapaz que tinha conhecido antes de entrar na U.A. e que o ajudou a perceber que o poder que tinha herdado de seu pai era na verdade seu, que ele poderia usá-lo para tornar-se num herói que tanto ansiava ser.

Todoroki queria ir até ao rapaz e pedir satisfações, ele não podia acreditar ser a mesma pessoa que tinha conhecido, a pessoa que lhe deu forças para se tornar um herói estava ali à sua frente mas agora como um inimigo.

Desde do dia em que se encontraram, pela primeira e última vez, Todoroki foi profundamente grato a Midoriya, o sorriso e palavras dele tinham-no mudado e ajudado de uma maneira que nunca ninguém tinha antes conseguido. Todoroki desejava profundamente em poder reencontrá-lo mas não daquela forma, com ele do lado dos vilões a atacar a academia com o objetivo de assassinar o herói número um e símbolo da paz.

Todoroki olhava incrédulo para Midoriya que se encontrava sentando no ombro de uma criatura grande, que nunca tinha visto e que tinha o cérebro exposto, e estava tranquilamente a observar Aizawa lutar contra os outros vilões que tinham atravessado o portal para ali chegarem, ao seu lado estava a pessoa que controlava o portal, coberta do mesmo e apenas com uma parte que parecia metálica que se destacava e ainda um outro homem coberto por mãos por todo o corpo.

Antes que pudesse dizer alguma coisa ouviu uma voz irritada.

– Deku! – Era Bakugou que se aproximava de Midoriya e dos vilões que não estavam a lutar, ao seu lado estava Kirishima confuso por parecer que Bakugou conhecia um dos inimigos.

Midoriya sorriu ao ver Bakugou, e Bakugou ficou paralisado, não era o sorriso gentil ao qual estava habituado, era um sorriso macabro que o fez arrepiar, um sorriso que o Midoriya que ele conhecia jamais daria.

– Kacchan há quanto tempo. – Cumprimentou com tranquilidade.

– Deku seu maldito! O que estás a fazer aqui?! E ainda por cima do lado desses vilões de merda?! – Bakugou gritava deixando clara a sua irritação.

Todoroki permaneceu onde estava, longe da vista dos vilões e ouviu a conversa atentamente, ele também queria respostas às perguntas que Bakugou estava a fazer, para além da curiosidade por saber que Bakugou também conhecia Midoriya.

– Não acredito que me estás a fazer uma pergunta dessas! Logo tu que sempre me conheceste melhor que ninguém Kacchan, sempre me disseste que eu não poderia ser um herói! E estavas certo. – Ao dizer isso Midoriya riu, um riso sarcástico que surpreendeu tanto Todoroki como Bakugou.

– Desde crianças tu sempre insistias em dizer que ias ser um herói, mesmo sendo inútil e sem teres peculiaridade continuavas a querer igualar-te ao All Might! Então como é que alguém como tu se tornou um vilão? – Bakugou não conseguia acreditar no que via, aquele era realmente o Midoriya que um dia conheceu?

– Eu estava farto de ouvir sempre as mesmas palavras. – Começou Midoriya a falar inclinando o rosto um pouco para baixo lembrando-se do passado, sem desfazer aquele sorriso macabro. – Tu não podes ser um herói. – Midoriya repetiu aquelas palavras que ouvira durante toda a sua vida vezes e vezes sem conta enquanto começou a rir sarcástico. – Os professores, os vizinhos, os colegas de turma, a minha mãe e até tu Kacchan, sempre a dizerem que eu não podia ser um herói, todos diziam sempre o mesmo, mas eu não queria desistir, no fundo queria provar que estavam errados e que eu poderia realmente me tornar um herói, mas foi então que encontrei o All Might, e sabes o que ele disse Kacchan? Que sem poder eu não me poderia tornar um herói, que era bom sonhar mas que eu tinha de ser realista, até o All Might me disse aquilo. – Midoriya então com um salto desceu de cima da criatura. – Mas nesse dia encontrei alguém. – Midoriya levou as mãos ao rosto e pressionou um pouco. – Alguém que me disse que eu podia ser um vilão. – Ao ouvir tudo aquilo Bakugou e Todoroki arregalaram os olhos.

Bakugou não sabia o que dizer ao ouvir aquelas palavras e nesse momento o corpo de Todoroki moveu-se sozinho e ficou alguns metros de frente a Midoriya.

– É mentira! – Gritou incrédulo. – Tu não podes ser um vilão! Tu ajudaste-me! – A cada frase que Todoroki gritava dava um passo em direção a Midoriya.

A pessoa coberta por mãos começou a rir, um riso alto que atraí-o a atenção dos que não estavam a lutar.

– Isto não é estranho Kurogiri? – Perguntou o homem tentando controlar o riso. – Um herói que foi ajudado por um vilão isto não é engraçado? – Perguntou pondo uma mão no ombro de Midoriya e parando de rir.

– Eu estudei sobre ti Todoroki Shouto. – Midoriya falava com uma cara séria. – O filho do herói número dois que tinha como objetivo ser um herói e formar-se na academia U.A., eu tinha muitas esperanças depositadas em ti, mas descobri que querias rejeitar o poder do teu pai, e isso seria mau, eu não me iria sentir satisfeito ao matar-se quando fosses um herói profissional se só usasses metade do teu poder. – Explicou Midoriya voltando a sorrir, aquele sorriso sinistro que arrepiou Todoroki e Bakugou. – O nosso encontro foi pura coincidência mas pensei que poderia fazer de alguma maneira que usasses todo o teu poder, e pelos vistos consegui.

Todoroki encarava Midoriya sem reação, ele só o tinha ajudado para o matar? Aquele não podia ser um Midoriya que falou consigo com um sorriso gentil e caloroso. Todoroki abaixou a cabeça derrotado, só queria chorar e nem sabia exatamente a razão, sentiu-se traído e usado, ele pensou que quando reencontrasse Midoriya eles poderia ser amigos, mas pelos vistos, estava enganado.

– O que fizeram com o Deku? – Perguntou Bakugou soltando algumas explosões, indicando que a qualquer momento estaria disposto a iniciar uma luta.

– O que fizemos com o Midoriya Izuku? – Perguntou ironicamente o homem do portal. – Simplesmente demos-lhe outro sonho, as suas capacidades de dedução, observação e avaliação são do mais alto nível, o hobbie que ele tinha de observar heróis era algo maravilho, ele conseguia saber as fraquezas deles após os observar por alguns minutos, essa habilidade dele era algo que ninguém tinha tido a capacidade de perceber, então quando ele estava prestes a desistir nós dissemos que ele poderia ser um vilão, ele podia usar as suas capacidades para nos informar sobre as fraquezas dos inimigos e não só, ele acabou por se mostrar um estratega nato, a liga dos vilões ficou muito satisfeita com o ter do nosso lado. – Explicou com um tom de satisfação.

– Mas até mesmo sem peculiaridade já conseguiu matar alguns heróis, isso não é incrível? – Perguntou o homem coberto de mãos rindo novamente.

– Matar? – Perguntou Bakugou incrédulo.

– Mas não te preocupes Kacchan, eu ainda não te vou matar, eu só mato heróis profissionais. – Disse Midoriya com um sorriso, um sorriso gentil que fez Bakugou arregalar os olhos, aquele era o sorriso do Midoriya que ele conhecia. – Quando te tornares um herói profissional, ai a história já é outra. – Ao dizer isso o sorriso, antes gentil, tornou-se sádico e Bakugou arrepiou-se novamente.

– Qual é o vosso objetivo ao virem até aqui? – Perguntou Kirishima, ao ver que Bakugou encarava Midoriya sem reação e Todoroki permanecia de cabeça baixa.

– Eu só vi aqui observar o All Might de perto. – Comentou Midoriya voltando a ficar com a cara séria. – A liga quer matá-lo e eu apesar de o ter observado de longe por tanto tempo realmente não sei de nenhuma fraqueza, preciso de mais informações, e quando soube que ele estaria a dar aulas na U.A. que melhor momento tinha para o observar senão aqui?

– Mas o All Might não está aqui! – Respondeu Kirishima com a intenção de os fazer desistir.

– Será que ele virá se matarmos alguns estudantes? – Perguntou o homem das mãos dando um passo em direção aos estudantes. – Nomu ataca! – Ao dizer isso a criatura começou a mover-se em direção aos alunos mas antes que os pudesse alcançar Aizawa apareceu entre eles.

– Saiam daqui! – Gritou Aizawa usando as suas fitas para afastar os estudantes.

Quando os estudantes olharam para trás viram que os outros vilões já estavam derrotados, os únicos que estavam em pé era o Nomu, o homem do portão, o homem das mãos e Midoriya.

O grito de Aizawa fez os estudantes olharam para ele, não sabiam como tinha acontecido, mas Aizawa estava no chão coberto de sangue com o Nomu por cima dele, tinha um dos braços partidos e o outro parecia que se tinha começado a desfazer.

Os estudantes queriam ajudar, não conseguiam ver o seu professor naquele estado por os ter defendido, então decidiram que não iriam fugir, mas quando o homem das mãos se apercebeu disso correu na sua direção, estava a poucos passos deles quando um barulho forte chamou a atenção de todos para a porta da U.S.J., All Might estava lá e não estava com o seu costumeiro sorriso no rosto.

– Ele veio. – Comentou o homem das mãos voltando para perto de Midoriya.

Tudo o que aconteceu depois foi muito rápido, All Might tinha pegado no Aizawa, que estava inconsciente, e nos alunos e afastou-os um pouco dizendo para levarem Aizawa e irem para um sítio seguro. O tempo dos estudantes acabarem de subir as escadas para a porta da U.S.J. foi o suficiente para All Might derrotar Nomu, atirando-o com um soco para fora da U.S.J. e quando All Might ia avançar para os três vilões que estavam em pé o homem do portal fez com que desaparecessem. All Might foi ajudar o resto dos alunos, mas ninguém tinha ficado ferido, apenas os professores, mas não estavam em estado crítico.

Depois do encontro com Midoriya, Bakugou começou a sentir arrependimentos pela forma como o tinha tratado no passado, questionava-se se ele tivesse tido um comportamento diferente talvez Midoriya não teria ido para o lado dos vilões e agora não seria um inimigo, pensou no momento em que se tornasse um herói profissional e se encontrasse com Midoriya novamente, será que Midoriya realmente teria a intenção de o matar?

Os pensamentos de Todoroki não estavam muito diferentes, só conseguia pensar no Midoriya, ele estava confuso, o que ele faria se voltassem a encontrar-se? Teriam de lutar? Todoroki não se via capaz de lutar contra alguém que considerava tão importante para ele, mesmo ele sendo um vilão.

9 de Setembro de 2018 às 18:02 0 Denunciar Insira 2
Leia o próximo capítulo Capítulo 2 - Segunda vez

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!