Da tua Retina Seguir história

ayzu-saki Ayzu Saki

Aviso de imediato que essa não é uma história triste e depressiva, apesar de ser narrada por um cara que acabou de ficar cego e teve uma estranha experiência de quase morte. Essa é a história de uma cara que só acreditava no que poderia ver, e por isso, era cego sem saber. E de uma lista de experiências a se viver antes de uma sentença de viver no escuro. E de alguns amigos que vão ajuda-lo. E de todos os problemas em que eles vão se meter juntos. E tinha uma garota na história, porque sempre tem uma garota. Mas eu falo do meu fim, vou retornar ao começo de tudo isso. De como uma sentença de que nunca mais iria ver, me fez finalmente enxergar. [Em processo de edição no nyah e spirit]


Fanfiction Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#violência #estupro #deathfic #au #DeficiênciaVisual #Outroships #naruhina
9
5.0mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Emergir

Notas do Autor

Naruto não me pertence, mas o conteúdo e enredo da fanfic "Da tua retina" sim, então respeite.
A estória vai trabalhar algumas questões sobre existencialismo, nada muito profundo, mas espero que gostem de verdade. Eu meio que me inspirei em uma situação real para a estória. Há algum tempo recebi a notícia sobre a perda gradual da minha visão, mas nada tão severo quanto na do personagem, reversível e posso parar o processo através de cirurgia além de ter um tempo para isso, mas realmente pensei no que eu faria se fosse definitivo e concreto, e a partir daí comecei a "enxergar" as coisas com clareza.

............................

“Foi quando compreendi

Que nada me dariam do infinito que pedi,

–Que ergui mais alto o meu grito

E pedi mais infinito!”

- José Régio

Quando eu tinha oito anos de idade na rua onde eu morava tinha uma casa abandonada. E como toda casa abandonada em uma rua, logo todas as crianças da vizinhança a sentenciaram como lar de assombrações. Entrar nela era um teste de coragem, onde se provava que era homem corajoso e forte, que não tem medo de nada.

Sasuke e eu sempre entrávamos lá, e inventávamos aos outros que havíamos visto todo o tipo de coisas, corpos, gritos, sangue e tudo mais. Nós éramos os reis da rua e sempre desafiamos os garotos da rua debaixo a entrarem.

Minha mãe sempre avisava para não irmos lá, não que ela acreditasse em fantasmas, mas ela sempre me dizia que era perigoso, coisas de mãe, e eu nunca obedecia. Até que um dia choveu forte, e a piscina dos fundos da tal casa encheu. Sasuke e eu entramos pulando o muro junto com Sakura, que de vez em quando acompanhava a gente nessas.

Os garotos estavam lá também, e não sei bem como começou a confusão, provavelmente por minha culpa, sempre fui brigão e hiperativo. Só sei que a briga começou e eu cai naquela piscina cheia de lodo e sujeira. Eu fui até o fundo com o baque e fiquei com o pé preso nas linhas que haviam lá embaixo. Sasuke pulou para me salvar, mas ele não conseguia me soltar do fundo e Sakura acabou tendo que ir buscar ajuda.

Eu não sei quanto tempo fiquei lá, o ar foi sumindo e eu fui sufocando em uma estranha letargia, sem conseguir alcançar a superfície enquanto tudo sumia ao redor. Eu podia ver a luz por cima da água suja, sentir a mão de Sasuke que não iria me abandonar, enquanto ele subia para pegar ar e voltava, mas eu não conseguia sair. Não conseguia alcançar aquela luz e fui me entregando no escuro.

Até ser finalmente salvo.

Era exatamente como agora. Eu estava afundando no escuro, na letargia. Caindo e me afastando da superfície. Eu estava morrendo. E não era doloroso, só estranho. Será que era simples assim? Todo aquele mistério e suspense sobre a morte, e era apenas como entrar em um lago e nadar para o fundo e mais fundo, sendo acariciado pela água. Exatamente como o afogamento, onde momentos antes tudo que você sente é paz.

Talvez houvesse algo, um outro lado.

Talvez Hinata estivesse certa, e houvesse mesmo aquele lugar, do outro lado, bem no fundo desse lago. Eu acho que ela sempre esteve certa sobre tudo, e talvez morrer estivesse sendo assim, por que pude conhecê-la, e conhecer o mundo, e crescer em dois meses uma vida inteira. Eu iria sentir falta dela. E de Sasuke e Sakura. Da minha mãe.

E foi a voz dela que verberou agora alta e autoritária em mim.

– Volte agora! Naruto Uzumaki, obedeça a sua mãe!

Foi naquele tom de mãe, que minha mãe usa tão bem. O tom que não admite outra coisa se não obediência. Que diz que você vai estar enrascado se não fizer o que foi dito.

Claro que eu obedeci.

Foi como ser puxado de volta. E eu fui vendo a superfície cada vez mais perto.

– Volte para mim, nesse momento mocinho!

A voz dela cortou no ultimo nome em um soluço, e foi quando eu consegui chegar a superfície. Os barulhos me tomaram, bips, pessoas falando, e a voz da minha mãe, sempre me chamando e me chamando.

– Ele acordou. - Ouvi uma voz que eu conhecia, era Itachi. Eu devia estar no hospital então.

Senti minhas pálpebras sendo abertas e senti a luz, mas não vi nada. E foi aí que lembrei que não poderia ver. Mas pude sentir. Pude sentir os braços me rodeando forte e o senti o cheiro doce e calmante da minha mãe. Podia imaginar seu rosto agora, choroso, os cabelos vermelhos sangue talvez presos em um coque que ela sempre usava nos últimos tempos deixando a sua face madura e bonita à mostra o que fazia com que eu tivesse que espantar os urubus ao redor dela.

E naquele momento eu queria poder vê-la, e era como se pudesse, em minha mente, fazer isso.

Ouvi uma fungada em meu ouvido:

- Okaeri meu Anjo. - Ela sussurrou com a voz embargada.

Ergui minha mãe, pesada e senti que puxava fios e agulhas no caminho. Alguém me ajudou e a coloquei em seu cabelo.

– Tadaima. - Murmurei rouco.

Continuei ouvindo seu choro, até que ela começou a me xingar pelo susto depois que ouviu Itachi dizendo que eu iria sobreviver depois da parada cardíaca. Ao que parece, naqueles dois dias que agora eu sabia ter passado desacordado, eu havia passado por três, e nas três foi a voz autoritária da minha mãe que me trouxe de volta deixando os médicos com cara de trouxa.

Afinal, ninguém pode explicar o poder de uma mãe sobre um filho.

Itachi fez mais exames por um longo tempo agora que eu estava finalmente estável. E ouvi outros que eu não conhecia a voz, exceto por Kakashi.

Minha mãe não saiu de perto de mim, eu sabia que ninguém a tiraria dali sem o risco de perder a cabeça.

– Como se sente?

A pergunta de Kakashi talvez fosse idiota, diante de toda a situação e ouvi minha mãe expressar isso. Quase ri ao imaginar o rosto sem graça dele, mas eu sabia que ele não perguntava por isso. Afinal eu havia quase morrido, depois de passar dias nas mãos de um lunático abusador. Não havia como estar bem realmente.

Ele perguntava por que depois de dois meses da notícia que mudou minha vida, eu finalmente estava cego, totalmente. E meses antes, isso teria acabado comigo, como no começo a simples notícia de que ia acontecer quase acabou, mas não agora. Não depois de tudo que vivi esses dois meses.

Depois dela.

Ela me ensinou como ser forte. Depois de tudo que Sasuke fez por mim também, eu não podia me entregar ao desespero como se fosse o fim do mundo...

Ok. Você não deve estar entendendo nada do que estou falando, mas vai entender. Quando eu começar a contar como tudo isso teve início. Porém aviso de imediato que essa não é uma história triste e depressiva, apesar de ser narrada por um cara que acabou de ficar cego e teve uma estranha experiência de quase morte.

Essa é a história de uma cara que só acreditava no que poderia ver, e por isso, era cego sem saber.

E de uma lista de experiências a se viver antes de uma sentença de viver no escuro.

E de alguns amigos que vão ajuda-lo.

E de todos os problemas em que eles vão se meter juntos.

E tinha uma garota na história, por que sempre tem uma garota.

Mas eu falo do meu fim, vou retornar ao começo de tudo isso. De como uma sentença de que nunca mais iria ver, me fez finalmente enxergar.

12 de Agosto de 2018 às 01:23 3 Denunciar Insira 2
Leia o próximo capítulo Beco sem saída

Comentar algo

Publique!
Nathy Maki Nathy Maki
Ai que eu lembrei de Por lugares incríveis com essa comparação com o lago e os olhos já encheram d'água T.T Sinto que vou chorar muito no fim já. Aliás, é a última historia que falta sua pra ler \0/ Vamo que vamo!
2 de Fevereiro de 2019 às 16:24
Machadorisos . Machadorisos .
Expectativa a mil. Segura minha mão pq sei que vou sofrer até o fim!
17 de Setembro de 2018 às 23:39

  • Ayzu Saki Ayzu Saki
    Vamos que vamos 27 de Setembro de 2018 às 08:45
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 19 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!