Até que o feitiço acabe Seguir história

jikookause Lu

Jungkook é um jovem bruxo que tenta equilibrar sua vida normal com a sobrenatural, e obviamente também tentando manter seu segredo. Correndo o risco de repetir de ano, Jungkook decide usar um instrumento mágico proibido, uma certa caneta mágica, onde a ordem que fosse escrita por ela, faria o leitor fazer exatamente o que o escritor lhe pedisse. Então após uma ideia de seu melhor amigo Yoongi, Jeon decide encantar seu professor mais incontestável, tentando fazer o mesmo ter mais apreço por si e por fim o persuadir a mudar suas notas. Porém, por causa da maldita distração que sempre foi sua fiel companheira, Jungkook acaba se confundindo e dando o bilhete mágico à Park Jimin, um aluno de sua escola que Jeon sequer conhecia.



Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#taegi #YoonkookBrotp #jungkook #jimin #Feitiços #magia #yaoi #bangtan-boys #bts #kookmin #jikook
57
5348 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo - Quem eu sou

Jungkook's POV


O que garotos de dezessete anos fazem numa tarde ensolarada e tediosa?


Era essa a pergunta que eu me fazia enquanto observava o teto branco e sem graça do meu quarto, deixando a minha melancolia embalar meus pensamentos e imaginando as coisas que as pessoas "normais" deveriam estar fazendo naquele instante.


Talvez estejam jogando videogames, praticando algum esporte, saindo com os amigos, curtindo o tempo com algum namorado ou namorada, ou apenas estudando mesmo, e minha mãe diz que eu deveria estar fazendo coisas assim também.


Mas como?


Primeiramente que eu nunca fui bom em videogames, lembrar dos controles certos, decorar jogadas e ter paciência para passar de níveis nunca foi o meu forte, tudo graças ao senhor transtorno do déficit de atenção com hiperatividade — ou simplesmente TDAH — que me acompanha desde minha infância, ou seja, não é como se eu não tentasse gostar de jogos como a maioria dos adolescentes da minha idade, eu apenas não consigo os jogar da maneira certa por muito tempo porque nem tenho paciência para aprender, o tédio me consome rapidamente, talvez ainda não tenha encontrado um jogo que me cativou o bastante.


Ainda me lembro de quando eu tinha somente cinco anos e minha mãe foi chamada na minha escolinha para conversar com a professora, e foi naquela troca de diálogo com a moça que me dava aulas que minha mãe soube que eu poderia sofrer desse tal transtorno, o que soou como algo realmente assustador na época, principalmente para mim que era somente uma criança que achava estar sendo atormentada por algum monstro de nome estranho, e infelizmente esse tal "monstro" me acompanha até hoje, mesmo que já esteja controlado.


Esse é o motivo pelo qual não costumo praticar esportes, meu jeito distraído, hiperativo e também talvez por eu ter até um pouco de dificuldade para seguir regras não são bem compreendidas pelos membros dos times ou grupos em que já joguei junto, realmente não tenho vocação para esportes em equipe e tão pouco vontade de fazer algo sozinho, admito que sou sedentário e não me importo com isso.


Mas não é como se fosse algo tão complicado assim ou que me atrapalhe em tudo, eu levo uma vida normal e hoje em dia o transtorno é bem controlado, depois de passar por psicopedagogos, psicólogos e psiquiatras os sintomas mais fortes foram sumindo periodicamente, porém ainda tenho bastante impulsividade, ansiedade e costumo ser bem desatento e estabanado, mas aí já não sei se é por causa do TDAH ou se é apenas a minha personalidade avoada que me faz assim, meu melhor amigo costuma me dizer que é um pouco dos dois, porém com 70% da minha personalidade, já que ele acha que eu já era alguém distraído antes mesmo de desenvolver algo.


E falando no sujeito, esse tal amigo se chama Min Yoongi, nos conhecemos na escola primária e Yoongi era aquele típico garoto encrenqueiro que arruma briga até com as cadeiras da sala, porém eu achava engraçado o seu jeito, já que ele batia de frente com meninos bem mais altos e até mais velhos do ele e mesmo assim os assustava, Yoongi com sua pele leitosa, bochechas grandes e olhos felinos não parecia colocar medo, mas era só abrir a boca que até um adulto sentiria medo.


Claro que ele não gostou de saber que eu ria baixinho cada vez que ele ia iniciar alguma discussão, alguns alunos maldosos espalharam que eu tirava sarro do Min e o mesmo veio tirar satisfações comigo, porém eu simplesmente não entendi na hora que ele havia vindo arrumar briga, eu achei que ele queria fazer uma nova amizade e logo o ofereci metade do meu lanche do dia, Yoongi achou graça do meu jeito e começou a se sentar perto de mim no intervalo, principalmente depois de saber que eu os passava sozinho, e nossa amizade se estendeu desde então.


E desde então, ele é basicamente a única pessoa que chamo de amigo, nunca fui muito de socializar, tanto que estou no último ano do ensino médio e tenho apenas ele em minha "panelinha", e sinceramente isso nunca me incomodou, sei que não me daria bem em um grupo grande de colegas, tenho particularidades que poucos entenderiam, normalmente sou tido como “o estranho”, o emo gótico ou o caladão esquisito, mas isso não me chateia, afinal eu não devo nada para ninguém e também não me importo com a opinião daqueles abutres.


Não, espera! Existe um alguém com quem me importo sim.


Aquele que me faz suspirar como uma garotinha de dorama, aquele que me deixa nervoso mesmo nem estando próximo à mim, aquele que me faz sorrir apenas o vendo sorrir, aquele que olho de longe fantasiando nossa vida juntos, aquele que me tem mas eu não o tenho, e Kim Namjoon é o seu nome.


Namjoon é o meu crush desde o fim do ano letivo do ano passado, ou seja, eu gosto dele há mais ou menos seis meses, mas não é um gostar tipo: "estou apaixonado e acho que deveríamos nos casar" — até porque acredito que só podemos gostar realmente quando conhecemos melhor a pessoa — apenas tenho interesse em sua pessoa, acho que poderíamos ser um pelo par, porém ele sequer deve saber o meu nome, mesmo que estudemos na mesma sala, pois quem notaria o esquisitão de capuz no fundo da sala sentado ao lado de um cara mal encarado de cabelos verdes? Ninguém, e é por isso que sei que não tenho a menor chance com o cara popular que Namjoon é.


E ainda mais por eu ser tido como “burro” por um certo professor e por alguns alunos, Namjoon é do tipo de aluno que tira nota máxima apenas por estar presente na sala, seu QI alto com certeza fazem o par perfeito com sua expressão séria e rosto bonito, ele nunca que se interessaria por alguém como eu.


Mas por que sou tido como alguém desprovido de inteligência?


Bem, meu déficit de atenção não me ajuda em nada quando se trata de coisas que eu não gosto e que meu interesse é nulo, principalmente nas matérias exatas, minhas notas estão sempre despencando e tudo piora quando são as matérias do professor Jung Hoseok.


Acho que todos os alunos do ensino médio o amam, — mesmo que sua área seja Matemática e Física — menos eu, pois ele pega muito no meu pé, e às vezes chama minha atenção até na frente da sala toda, isso além de constrangedor, faz minha vontade de entender sua matéria se tornar ainda mais nula, mas eu tento me esforçar para aprender, afinal se não tirar notas azuis no próximo bimestre, possivelmente vou ter que repetir de ano.


Eu sei que até o momento está apenas parecendo que sou um adolescente normal com alguns probleminhas comuns para essa idade, mas tem algo que me diferencia de todos, que com toda a certeza me faz até especial diante a esses outros, — ou é o que minha mãe costuma falar — e que acaba me fazendo ser realmente alguém estranho, mesmo que eles não saibam o que é isso que me diferencia tanto.


Bem, eu sou um bruxo.


Não, eu não estou bebendo, usando drogas ou lendo muito Harry Potter, você está lendo corretamente.


Descobri o que minha mãe queria dizer com a frase: "nós somos diferentes deles, Jungkook" que tanto costumava me dizer quando tinha mais ou menos treze anos de idade, ela me contou quem nós éramos, o que eu trazia em minhas veias e todo o poder que eu poderia despertar em mim mesmo, naquele dia eu fiquei completamente surpreso e encantado, ela parecia realmente orgulhosa em estar começando a passar sua herança mágica ao seu primeiro e único filho e eu queria ser motivo desse orgulho também.


Porém eu não imaginava que o meu maior medo se tornaria temer ser um fracasso nisso tudo.


Eu sou descendente — por parte materna — de respeitados e renomados bruxos do mundo, meus bisavós e tataravós fizeram história na feitiçaria e eu queria ser como eles, afinal como eu poderia não me espelhar nessas pessoas que tanto revolucionaram o mundo mágico e são tão conhecidos? Porém logo nos meus primeiros dias de aprendizado eu notei que não levava jeito algum para isso, decepcionando minha mãe e possivelmente toda a minha família, mas eu juro que venho tentando melhorar a cada dia que passa, me empenho demais nisso.


Afinal minha mãe é uma bruxa de grau cinco e eu quero chegar onde ela chegou e ser tão especial quanto ela é, pois quero lhe causar orgulho.


Para ninguém ficar confuso, saibam que existem seis graus no mundo mágico, no primeiro grau estão aqueles que acabaram de descobrir ou ainda não, e sequer usaram seus poderes ainda. No segundo grupo estão aqueles que começaram a aprender, que estão no início do treinamento e é nesse grau que eu estou.


Depois vem o terceiro grau, que são aqueles que já estão aprendendo há um bom tempo e se mostram capazes de lidar bem com tudo isso, mas ainda não tem a “licença” completa para poder usar todos os seus poderes livremente. O quarto grau estão os bruxos formados, eles já podem exercer seus poderes e recebem os “instrumentos” necessários para isso, é o grau onde estão grande parte dos bruxos adultos do mundo.


Os dois últimos graus são os mais cobiçados e difíceis de chegar, no quinto grau são aqueles que estão acima da média, são realmente preparados, responsáveis e diferenciados, ele recebem um “instrumento”, um presente especial, ao chegarem nesse nível. Já no sexto grau estão nossos líderes, conselheiros e também aqueles que fizeram história por revolucionar algo no mundo da magia com suas criações.


E pra não ficar dúvidas de que tipos de “instrumentos” são esses vou explicar direitinho quais existem:


Eles são basicamente cinco instrumentos básicos e mais três especiais. Os que todo bruxo pode ter e recebem durante seu treinamento inicial são: a varinha, um livro com feitiços permitidos, uma pedra da cura, uma joia especial que carregamos em anéis ou colares e por último uma vassoura, que eu ainda não sei usar muito bem, e como a minha é de iniciante, ela é mais fraca e não sobe muito alto, também solta um arco-íris estranho pela ponta quando tento levantar voo com ela — tenho certeza que isso é obra do meu tio — mas deixa isso pra lá.


Os outros três são designados apenas para bruxos especiais, como a minha mãe, quando ela chegou no grau cinco, recebeu uma caneta de pena, a mesma tem uma função especial, o poder dela é escrever apenas ordens, por exemplo: se eu escrever com essa caneta num papel dizendo quero que o leitor desse bilhete faça o meu dever de casa, a pessoa irá fazer sem discutir, estando enfeitiçada após ler, ela acha que deve fazer o que eu lhe pedi, mesmo não entender bem o porquê ela quer tanto obedecer a ordem que lhe foi dada pelo texto do bilhete.


Como a caneta mexe com a mente humana — a mesma não funciona com bruxos — ela tem o uso estritamente restrito e só pode ser usada em casos realmente críticos, tanto que minha mãe guarda essa caneta à sete chaves.


Os últimos dois instrumentos são o livro com os encantamentos proibidos e uma varinha especial, que é capaz de desfazer qualquer feitiço lançado, não importando qual tipo seja, porém esses dois ficam apenas nas mãos dos líderes, já que são de extrema importância e não podem cair na mão de pessoas despreparadas ou com más intenções.


Mas bem, vamos voltar para mim e o meu problema, o déficit nunca me ajudou na hora de decorar palavras mágicas e lançar feitiços, pois admito que não me aplico realmente ou presto 100% de atenção, e essa minha distração com magia já me fez errar demais e irritar minha professora de bruxaria — que é a minha mãe — e mesmo que ela não diga com todas as palavras, eu sei que ela fica realmente muito triste quando me vê falhado em alguma coisa.


E sim meus caros amigos fãs de história de bruxos e fantasia, lamento os informar, mas não existe Hogwarts, os bruxos da vida real são ensinados pelos seus próprios pais ou tutores legais, infelizmente não existe nenhuma escola de bruxaria com toda aquela diversidade de atividades e aventuras.


Podem estar se perguntando se o meu pai também é um bruxo ou se lida bem com isso, pois então, ele já se casou com minha mãe sabendo o que ela era e também que os filhos deles poderiam nascer sendo bruxos, mas ele sempre aceitou isso muito bem, e mesmo que hoje em dia eles estejam divorciados, meu pai ainda é bem presente em minha vida, mesmo que seja através de ligações telefônicas e webcam, pois ele é um historiador e vive pelo mundo, nossos encontros pessoalmente são raros, mas ele faz de tudo para estar presente.


Atualmente eu moro com minha mãe e o meu tio, não que o irmão de minha progenitora realmente more aqui em casa, na realidade ele tem sua moradia própria, porém após a morte precoce de sua esposa causada por um acidente de carro, meu tio prefere passar mais tempo aqui, já que a casa dele trás muitas lembranças de minha tia, eu não reclamo dele viver lá em casa, afinal meu tio também me ajuda quando tenho problemas nos ensinamentos de feitiçaria.


Meus avôs e meus pais desejam que eu me torne um grande bruxo, pois dizem que eu tenho aptidão para isso, eles querem que eu seja o novo “grande Jeon” e que possa levar a história da família para outras gerações, mas sinceramente, eu gostaria de ser apenas um jovem normal com timidez para falar com o crush, com problemas de notas baixas e com um professor resmungão, e não um bruxo no qual a família despeja tantas esperanças no futuro dele.


Não é como se eu odiasse ser um bruxo, amo minha família e os dons que fui abençoado com, sei que sou sortudo por tudo que tenho, mas sinto que esse poder não é para mim, não sou o suficiente para tudo isso e antes de ser o que eles querem que eu seja, eu gostaria de saber quem sou.


15 de Julho de 2018 às 23:15 0 Denunciar Insira 8
Leia o próximo capítulo O que poderia dar errado?

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!