Kneel: Lies Seguir história

wistariahime Bely Shawty

Foi tudo uma armação. Meu pai não o encontrou na rua por acaso, ele não o trouxe pra essa casa pra ser criado por nós por pena dele. Apesar de não ter ajudado no plano, eu tampouco fiz algo quando descobri toda a verdade; Eu não poderia contar algo há ele, não me julgue, eu sei que foi egoísmo da minha parte. Mas, eu corria o risco de perde-lo, ou até pior, ele poderia me odiar pra sempre por algo que não foi nem culpa minha. Desde que ele chegou há esta casa eu me encontrei encantado por aqueles olhos negros como a noite que me jogaram um feitiço que não pude deter, aquele sorriso que me fazia estremecer até quando nem mesmo fosse por mim. Disfarçava meus ciúmes; mas as vezes era impossível. Ele era lindo demais, havia muita gente interesseira ao seu redor.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#jimin #bts #abo #jikook #Park-Jimin-Jeon-Jungkook
5
4680 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

Prólogo




100 anos a.C. (Século V)


  Inglaterra - Castelo Wolford 


Quinta-Feira 02:47 am




Apesar de ser madrugada ainda, a dor dos Senhores daquele Castelo já havia começado. A noite estava estava fria como se fosse inverno, parecia que a mãe natureza estava de luto também juntamente com eles, pela terceira vez eles perdem seu precioso herdeiro. A esposa do Sr. Wolford havia tentado engravidar muitas vezes, conseguiu com êxito só três vezes - depois de muitos cuidados e frustrações- , entretanto seu filho nunca vinha, nascia sempre frio como o gelo; branco como a neve; nascerá sempre sem vida. 




O Sr. Wolford não queria ir em busca de outra mulher pois amava a sua, então se vendo desesperado e sem saída foi em busca de uma bruxa muito conhecida na região , diziam que ela podia fazer qualquer coisa, até mesmo trazer os mortos a vida. Depois de duas semanas de buscas pela toca da bruxa, ele a encontrou, conversaram por poucos minutos. Mas nesse pouco tempo ele lhe contou sua história, o quanto queria e precisava de um herdeiro. Disse-lhe que estava disposto a fazer de tudo que estivesse ao seu alcance para conseguir seu sonhado filho, assim ela lhe disse que havia uma forma. Eles partiram dois dias depois, pois a feiticeira tinha que preparar, colher e buscar na mata tudo o que iria precisaria, só depois partiram em direção ao castelo. 


Quando eles chegaram a bruxa foi logo ver o estado da Sra. Wolford, ela disse que eles teriam que esperar ela se recuperar e quando a Sra. Wolford estivesse em seu período fértil lhe daria uma bebida. Quando o tempo certo chegou a bruxa entra no quarto da jovem senhora enquanto ela dormia e inseriu algo em sua corrente sanguínea.




Com o passar de dois meses, a Sra. Wolford se encontrará grávida outra vez, a bruxa disse que a criança víria, que ela não precisava se preocupar mais, pois todos os seus filhos seriam forte a partir daquele momento e lhe disse também que se precisassem de sua ajuda com algo - como ela suspeitava que iria acontecer, se tudo tivesse ocorrido como o planejado- era só chamá-la e assim ela partiu. Os anos se passaram e o jovem herdeiro cresceu forte e saudável,mas entretanto, todos percebiam como ele corria rápido, tinha um “perfume” próprio em sua pele e muita força pra uma criança tão pequeno. Quando completou seus quatorze anos, duas semanas depois caiu de dores, seu corpo ficou quente e ele sentia pontadas perto de seu órgão genital, gemia incansavelmente e havia “atacado” uma empregada e como ninguém sabia o que fazer, o Sr. Wolford foi em busca da bruxa.




Quando a encontrou explicou o que estava acontecendo com seu primogênito e ela lhe disse algo que o fizera tremer:




— Seu filho é um híbrido alfa, meu senhor, ele tem genes de lobo. E pelo o que me descreveu ele entrou no seu primeiro cio. - E o homem mais que espantado lhe respondeu.




 — Mas como!?- perguntou de olhos arregalados com a descoberta, ele parecia tremer. Depois continuou de forma incerta. — Isso… Isso de híbrido, não são só lendas?! - perguntava quase petrificado. Vendo o estado do homem, a mulher resolveu lhe tranquilizar. 




— Bem, seu filho é real. Não precisar ter medo. Ele ainda é seu filho, não irá lhe machucar. Você queria um herdeiro forte e que vingasse, e eu lhe dei. 




A bruxa lhe explicou tudo o que deveria saber sobre seu primogênito, lhe disse que seus outros filhos também eram híbridos, eles poderiam ser alfa, ômega ou beta. Ele tentou lembrar bem de suas palavras com relação a … seus filhos:




 — Lembre-se de uma coisa, por serem híbridos sentem com mais intensidade. Então, tome cuidado com as palavras, elas podem ferir mais do que machucados. 




O homem ainda sem acreditar direito voltou pra casa, logo procurou um bela mulher para seu primogênito ter seu… primeiro cio. 




∆~∆ | ∆~∆




  Os Alfa são verdadeiros líderes, eles são muito fortes, não gostam de receber ordens e possuem um temperamento um tanto quanto “forte e espontâneo”. Eles gostam de ter tudo sob controle, além de serem extremamente possessivos e são super protetores quando se trará de seus parceiros sempre, acima de tudo está o seu Ômega, Beta ou Humano sem sombra de dúvidas, são mais importantes do que a própria vida deles. O cheiro de um alfa é forte, você pode senti-lo de longe, não precisa ser híbrido para perceber isso, além deles terem uma audição muito boa e um olfato ainda melhor. O Primeiro cio acontece aos seus quatorze/quinze anos, acontecem de três em três meses e duram cerca de três à quatro dias e não precisam necessariamente passar com alguém, há não ser que tenha ou seja marcado. Será neste período de cio que ele marcara seu ou sua parceira, só assim que se pode criar a ligação onde um pode sentir o que o outro sente. Ômegas quando são marcados por Alfas se tornam quase submissos, e não podem ficar muito tempo longe do mesmo , isso é perigoso, pode levar até a morte, eles ficam fracos e sensíveis, adoecem rápido.  E quando  um Alfa marca um Ômega ou um Beta a marca só fica permanente se o mesmo permitir, se o Ômega ou Beta não estiver de acordo a marca some em 24 horas, se o mesmo permitir a marca se torna o símbolo da ligação deles, e só some quando o mesmo morre. Sendo assim, o Alfa pode procurar outro Ômega, Beta ou Humano. Mas a marca quando feita em um humano, o mesmo não tem escolha, ficará marcado. 




Os Ômega são gentis e muito determinados, são extremamente manhoso e precisam de carinho, mas não se engane, quando estão irritados ou magoados são vingativos ao extremo. Apesar de serem frágeis, não gostam de receber ordem, e só abaixam a cabeça pra alfas ou seus parceiros na vida. Se magoam com uma facilidade gigante, então cuidado. O cheiro de um ômega só pode ser sentido de muito perto, a casos raros onde se pode sentir de longe - quando são ômega de sangue raro -, geralmente seu cheiro  é  doce e quando abraçam alguém seu perfume natural fica na pessoa, isso só muda quando o mesmo é marcado. Donos de uma visão de da inveja a qualquer pessoa, podem enxergar coisas de muito longe e se ficarem concentrados podem ouvir coisas distantes também. O cio de um ômega começa aos quinze anos, ocorrem de dois a dois meses no período de cinco à seis dias. Quando é um ômega que marca seu parceiro a ligação é ainda maior porque se alfas são possessivos e ciumentos,  os ômegas são muito piores, na ligação criada por esse eles podem sentir até mesmo as mesmas dores. A marca de um ômega em um Alfa ou Beta só ficará permanente se os mesmo permitir, quanto a humanos, eles também não têm escolha. E a marca não some depois que eles morrem e o Ômega acaba definhando. 


Os Beta não possuem um cheiro muito forte, pode-se dizer que é moderado. Betas não possuem uma audição, olfato ou visão espetaculares , mas são donos de um paladar esplêndido e correm extremamente rápido. Não possuem muita paciência, eles não gostam de coisas lentas e fazem suas coisas rapidamente, na maioria das vezes sinceros, odeiam mentiras e são capazes de perceber com muita facilidade se alguém está mentindo ou não. Muitos betas não possuem cio e aqueles que possuem só entram no cio aos 16 anos, duram cerca de uma semana e só ocorrem de quatro a quatro meses. Eles podem engravidar, mas não é algo muito apreciado, pois a maioria das vezes a gravidez é de risco e a possibilidade do beta morrer na hora do parto é muito grande. Quando um beta marca alguém essa ligação faz com que os amantes se sintam como se fossem um só, e os dois devem se relacionar pelo menos uma vez por semana. Caso contrário os dois passam a sentir falta um do outro e começam a sentir dores, assim como isso ocorre tambémmaravilhosolfa e um ômega. 




E mais uma coisa importantíssima sobre a marca, quando um híbrido faz a marca em um humano ele mudará os seus genes assim que criarem a ligação. Então o humano passaram a ser metade híbrido, ele terá cio e ficará forte. Mas veja bem essa transformação só irá ocorrer se o híbrido for de sangue puro, ele deve ter três gerações anteriores de híbridos - pais, avós e bisavós - para assim ser. 




 ∆~∆ | ∆~∆






Com o passar do tempo os híbridos foram aceitos na sociedade. Por terem se originalizado em uma longa linhagem da alta sociedade os híbridos já eram respeitados, até porque eles estavam no topo da hierarquia. Ninguém poderia dizer qualquer coisa contra eles, não podiam sofrer qualquer tipo de humilhação pois haviam leis que proibiam isso, e até hoje em dia existem.




Com o passar das décadas os boatos e mais boatos se espalharam sobre como era maravilhoso para um  humano passar um cio com um Híbrido, principalmente com os ômega. Eles eram os mais cobiçados pois não se satisfaziam tão facilmente e já os alfas eram os que curtiam sadomasoquismo, aqueles que queriam um sexo mais bruto. Já que era muito difícil um humano conquistar um híbrido, pois segundo os mesmos os humanos não amavam de verdade e puramente, eles não entregavam o seu coração, não como nquetempos antigos, então se fecharam para os humanos e passaram a se entregar aos da mesma espécie. Era rara as vezes que se via um humano e híbrido, como não podiam ter os híbridos por bem - na base da conquista - Mas nem todos os humanos gostaram de saber que entre eles seres “estranhos e com necessidades estranhas” viviam ali consigo. Então juntaram o útil ao agradável e assim os híbridos passam a ser sequestrados, vendidos, mortos e escravizados - sendo usados como brinquedos sexuais- , entretanto não durou para sempre essa “caça aos híbridos”  que ocorreu no século XV. 




Os híbridos são muito admirados por serem na maioria das vezes inteligentes e perspicazes. Apesar de tantas coisas trágicas terem terem acontecido, o interesse pelos híbridos só ficou maior, poisimportantes tantas lutas e quase entrarem risco de extinção por causa das milhares de mortes que ocorreram durante tanto tempo, isso só serviu pra mostrar o quanto os híbridos são fortes e corajosos. 


 


Mas mesmo depois de tanto tempo os híbridos ainda são vendidos para servir de objetos sexuais no mercado do tráfico de pessoas e híbridos. Na maioria das vezes são ômegas jovens, apesar de terem sido criadas severas leis que proíbam esse ato horrível, ainda não é possível controlar a situação. A venda de um híbrido pode chegar a valer milhões de dólares, pois com o passar dos anos os híbridos preferiram não se relacionarem mais com humanos. Só em casos de pertencerem ao mesmo nível social, e sendo de total confiança da família. 




Os humanos passam a quase idolatrar os híbridos. Surgiram boatos que que os mesmos eram cercados de sorte, pois tudo que tentam fazer na maioria das vezes dá certo - apesar de que muitas pessoas só acreditavam que eram conquistas de esforços, persistência, perseverança e determinação vinda dos híbridos - e aquele que estivesse ao lado de um híbrido teria a mesma sorte . 


E os híbridos estão em praticamente todos os setores importantes da alta sociedade, são os melhores juízes, advogados, empresários, políticos, policiais, capitães, pilotos entre muitos outras profissões de alto poder. Entretanto o que os da tal magnitude na sociedade e estarem na famílias mais antigas e ricas do mundo. 




P.O.V’s Autora ON


Seul , Mansão Park


Terça-feira - 06:10 AM




Era muito cedo ainda mais a Senhora Park não conseguia dormir direito, ela estava claramente preocupada com algo e esse algo tinha nome e iria ter seu sobrenome. Ela estava receosa quanto a chegado do menininho adotado por ela e seu marido. Estava imaginando como seu filho Jungkook iria receber a notícia. Ela não queria que ele rejeitasse o novo membro, temia que ele sentisse ciúmes ou não aceitasse um Irmão, ele nunca havia pedido por um em seus nove anos, nunca nem sequer havia comentado algo a respeito. Esperava com sinceridade que Jungkook não menosprezasse o mais novo com a sua chegada repentina, até porque era de uma hora pra outra ele não estava esperando por isso, e essa dúvida se o pequeno que iria chegar a tarde seria ou não bem vindo estava lhe tirando o sono a semana toda.


Como já estava acordada ela procurou por uma roupa confortável, não iria sair de casa naquele dia, já pronta foi a cozinha. 


— Bom dia! - entrou dizendo para a cozinheira, o motorista e a governanta que estavam na cozinha. — Sra. Lee, não precisa ir acordar o Jungkook , eu mesma irei fazer isso já que estou acordada, eu quase não estou ficando com ele. - falava para a governanta.


 — Certo senhora, o menino vai ficar contente. - a governanta assentiu, abrindo um sorriso leve, sabia que a senhora Park amava seu filho mas por causa das aulas extras de idioma que ele estava tendo nos horários livres, ela quase não o via. 


— Sim, eu não faço isso há um bom tempo. - disse sorrindo de leve, às vezes sentia falta de ver seu filho acordando pela manhã, ele ficava tão fofo dormindo. 


— Gostaria de dizer que o quarto que a senhora me pediu para arrumar já está pronto, eu troquei os lençóis, limpei os móveis e também arrumei aquelas roupas no closet como havia me pedido.


 — Obrigada, você sempre sendo competente Soora. 




Se retirou da cozinha a passos curtos, subiu as escadas em direção ao quarto do filho, chegando lá como já esperava ele ainda se encontrava dormindo. Ele era tão lindo, mesmo sendo tão novo já se via que quando crescesse iria ficar um homem dos sonhos de qualquer mulher - ou homem - ele iria partir muitos corações, tinha certeza disso. Decidiu parar de velar o sono do filho e acorda o mesmo se não ele iria se atrasar para a escola.




 — Jungkook, quer do hora de acordar, meu amor. - disse baixinho perto de seu ouvido enquanto alisava as madeixas macias do menino.


 — O-omma?! - falava sonolento. — A senhora que veio me acordar? - abriu um sorriso lindo ao dizer aquilo. 


— Sim meu amor, a mamãe acordou cedo e decidiu que iria mimar o bebê dela hoje.


— Não sou bebê. - o pequeno disse fazendo biquinho. 


— Agora levante se não vai se atrasar para a escola. - a jovem mulher falava enquando abria as cortinas do quarto. — Se arrume, vou estar esperando com seu pai na mesa para tomarmos nosso café. - chegou perto do filho e lhe deu um beijo na bochecha. — Desça rápido bebê. 


— Omma, eu não sou bebê.- Bufou fazendo biquinho. — Eu já tenho 9 anos. - disse se levantando e indo para seu closet, logo voltou ao quarto com a mochila escolar. 


— Se você diz, mas mesmo que cresça ainda vai ser meu bebê. - alisava o rosto do filho enquanto dizia isso.  — E antes que eu me esqueça, seu pai e eu temos uma novidade, ou tenho que dizer surpresa, pra você. - falava meia receosa.


 — Isso tem alguma coisa haver com o quarto que foi arrumado ontem. - o menino disse direto, analisando a mãe, estava curioso pra saber do que se tratava. Quando ele perguntou a governanta o porquê de estar arrumando um quarto de visitas, a mesma não lhe disse nada, só disse que logo seus pais iriam lhe dizer.


 — Vamos ter visita? - sua mãe negou com a cabeca. — Alguém que eu goste omma? - dessa vez ela deu de ombros. — Vamos me diga. - falava ansioso. 


— Você está muito curioso querido, espere até chegar pela tarde. - a mulher esperava quê eles virassem amigos.  -  Ele já vai estar aqui quando você chegar. 


— Ele? - ficou imaginando quem poderia ser. 


Só esperava que fosse algum de seus primos -da alta sociedade- que estivesse indo passar alguns dias com ele. 


— Ora não fique pensando muito sobre isso, vamos se arrume, irei esperar lá embaixo. - Lhe deu outro beijo na testa dessa vez e saiu. 


O menino se arrumou depressa, e logo desceu, tomou seu café com os pais como de costume. Sua mãe iria ficar em casa e seu pai iria o levar para a escola e depois iria partir para a empresa, ele era o dono da maior empresa de tecnologia avançada do país. As empresas Park’s TEC estavam por toda a Coréia e por todos os principais países mundo. Os Park eram Bilionários mas ele não era metidinho, nem nariz em pé pois seus pais o educaram muito bem, eles lhe ensinaram a ser uma pessoa humilde e gentil. Jungkook sentia orgulho em dizer que fazia parte daquela família e que um dia tudo aquilo seria dele. 




Jungkook foi deixado na escola, seu pai foi para o trabalho e a Senhora Park ficou em casa. O dia passou rápido e o menininho de bochechas rechonchudas já havia chegado, ele havia encantado a todos. O Sr. Park chegou mais cedo para receber o menor. Apesar de ter passado pouquíssimo tempo com ele já estava maravilhado, sabia que ele iria ser um ótimo filho, que lhe traria muito orgulho. O pequeno estava na sala de jogos e brinquedos brincando com uma empregada enquanto o Sr. e a Sra. Park estavam no escritório da casa conversando. 




— Fique tranquila, sei que jungkook vai gostar dele. - dizia HanGuk a sua esposa tentando a convence-lá de que não tinha com o que se preocupar. — Você vai ver, ele vai amar ter um irmão mais novo.


 — Querido e se for ao contrário ? E se ele não gostar? Se ele implicar com ele? - estava realmente preoculpada. 


—  Relaxe. - disse seu marido. 


— Não quero ver eles brigando pela casa. Hanggie, ele pode não querer aceita-lo. - suspirou. — Estou aflita pela chegada dele da aula.


 — O que ele faz hoje a tarde? 


— Natação. Ele já deveria ter chegado. - respondeu, enquanto se perdia em seus pensamentos, andava de um lado pro outro dentro do escritório de Hanguk. 


— É verdade, ele já deveria está em casa. Eu me encarreguei de pedi pro  Seungho o trazer ao escritório quando fosse buscar ele,  já devem est...- foi interrompido por batidas que foram ouvidas na porta. - Entre. 


— Senhor Park, o menino Jungkook está em casa, eu o trouxe como me pediu. - falou o motorista.  


— Obrigado Seungho, pode ir. - o motorista assentiu se retirando e o menino Jungkook entrou na sala. 


— Mandou me chamar? E então onde está o hóspede? - o menino falava afoito, estava muito curioso.  Passou o dia todo pensando em quem poderia ser a visita.


 — Querido venha conosco, precisa conhecer alguém. - começou a senhora Park. — Eu gostaria muito que vocês se dessem bem, porque ele vai ficar conosco nessa casa por um bom tempo e ele é diferente de nós então mais cuidado meu amor. 


 — Appa de quem estão falando!? Como assim diferente !? Não entendi. - perguntou perdido, se tinha que condestru, não sabia de quem se tratava, obviamente então todas as suas teorias tinham ido por água abaixo. 


— Filho eu o encontrei na frente de nossa casa a duas semanas. - começou seu pai lhe explicando com calma. — Fiquei com pena dele, estava frio lá fora então ele disse que não tinha pra onde ir, conversei um pouco com ele e logo me encantei pelo mesmo. Ele é um doce de menino, ele é um híbrido, apesar de ser muito pequeno é esperto e inteligente, sua mãe concordou comigo então resolvemos o adotar. - Jungkook ouvia tudo calado sem comentar nada, e não tinha expressão no seu rosto. 




Eles andaram até a sala de jogos e chegando lá avistaram um serzinho pequeno brincando sozinho com um quebra cabeça gigante, ele estava tão distraído que nem viu na hora que os três se aproximaram do mesmo. Quando se deu conta eles estavam a um metro dele, se levantou as peças quase caido, arrumou a roupa que estava um pouco desarrumada por estar deitado no chão. Colocou as mãozinhas em suas costas e de forma tímida fez reverência aos Park logo se apresentando ao irmão que ainda não conhecia.


 — O-olá, eu sou o Ji-jimin. - disse tímido, intercalando o olhar entre o chão e o moreno a sua frente.


— Continue Jimin, não seja tímido. Não é preciso. - incentivou o seu pai. 


 — Tenho 4 anos , sou um híbrido ômega e sou seu… Seu irmão mais novo agora, espero que goste do Jimin. - disse tudo que tinha ensaiado a semana toda. O pequeno desejava de coração que o moreno gostasse de si, pois ele assim que colocou seus olhos em uma foto que seus pais haviam lhe mostrado o maior, ele já tinha se encantado. 


Depois que Jimin se apresentou ninguém falou nada estavam esperando a reação do menino Jungkook. Ele pareceu perdido em seus pensamentos, ele avaliou o pequeno de cima a baixo e depois de certo tempo calado se pronunciou.  




- Eu não sou seu irmão. 





29 de Junho de 2018 às 21:57 0 Denunciar Insira 1
Leia o próximo capítulo Sabor Menta

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!