Secret Potion Seguir história

vminsure jai oliveira

Taehyung queria ter um namorado perfeito e Jimin apenas desejava não ser apaixonado por seu melhor amigo. Ou onde Taehyung encontra um livro de feitiços na frente de sua casa e acha que seria uma ótima ideia usá-lo para conquistar Jungkook.


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#unrequitedlove #softjimin #blindnamjoon #transjungkook #bangtansonyeondan #mintae #minv #namjinkook #jinkook #namkook #vkook #taehyung #jimin #bts #taemin #vmin
11
4958 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quintas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Take a sip of my secret potion

Taehyung nunca foi um dos mais populares em sua escola, isso nunca lhe incomodou nem fez com que ele se sentisse inferior a outras pessoas, ele tinha tudo que precisava: seus pais, seu irmão e sua irmã mais novos, seu melhor amigo (Jimin) e suas notas até que eram aceitáveis; ele era um adolescente comum, para assim dizer. Mas, tudo começou quando ele chegou ao segundo ano do ensino médio e um aluno entrou para o grupo dos "populares" — Taehyung sempre odiou usar essa palavra.


Jeon Jungkook era o nome de quem vivia em sua cabeça. E bem, Jungkook não era exatamente popularzinho, ele apenas chamava atenção por causa de sua extrema beleza, sorriso de coelho e olhos com um brilho angélico. Não que Taehyung tenha reparado. Taehyung não teve problemas em lidar com a sua sexualidade, muito pelo contrário, seus pais eram praticamente hippies e quando ele fez dez anos; os dois deram uma aula sobre sexo e sexualidade. Que tipo de criança quer ouvir sobre essas coisas quando se tem dez anos de idade? Mas hoje em dia ele agradecia aos céus por ter pais desse jeito e ele ter sido aceito quando se descobriu gay. A confusão que Jungkook trazia para sua cabeça era completamente diferente, aquele garoto de olhos escuros e dentes grandes demais para seres humanos normais mexia com seu corpo de um jeito que ele não estava acostumado, Jimin dizia que havia duas opções para o que Taehyung estava sentido (a) desejo sexual (b) paixão e Taehyung até confessava que poderia ou não estar a fim de Jungkook sempre que começava a sorrir igual um bobo quando via o mais novo dar aquela risada gostosa que ele tinha durante o intervalo das aulas.


— Por que você não vai falar com ele, Taehyung? — Jimin disse cutucando o amigo que já estava parecendo uma menina apaixonada de filme adolescente americano.

— Não é tão fácil assim, meu caro, eu sou um simples Taehyung e ele é... O Jungkook. — Taehyung disse olhando de canto para Jimin, que continuava comendo seu sanduíche serenamente.

— Eu acho que você está sendo idiota e endeusando aquele menino demais, é simples: o máximo que você pode levar é um fora.

Depois de Jimin dizer isso, Taehyung o chutou por baixo da mesa, ele não achava que era idiota ter uma quedinha no ensino médio.

— Você fala isso, Jimin, mas ano passado você matava e morria pelo Yoongi, você só não faz mais isso porque ele já se formou.

Jimin revirou os olhos e jogou os papéis do sanduíche na lixeira ao lado da onde eles estavam. Ele não era louco por Min Yoongi, Jimin apenas achava que o mais velho era realmente muito bonito e conseguia ficar mais bonito ainda com os cabelos coloridos. E Jimin tinha olhos, se algo é bonito, deve ser apreciado e era por isso que ele não tirava os olhos de Taehyung.

— O que eu estou tentando dizer é pra você não cometer o mesmo erro que eu; não deixe a pessoa que você gosta escapar pelos seus dedos e acabar se apaixonando por outra pessoa que não é você. Agora vamos que o sinal tocou e agora é prova de biologia.

Jimin saiu puxando um Taehyung, que resmungava demais, pelo braço até a sala de aula. Jungkook já estava em seu lugar gravado, na carteira do meio do lado da janela. Taehyung tinha ouvido falar que ele era algum tipo de prodígio que era mais novo que havia pulado uma série, e Taehyung também havia ouvido de suas fontes que não devem ser reveladas — mas que se resumem ao jornalista da escola, Jung Hoseok, que sempre parece saber de tudo sobre todo mundo — que Jungkook não se envolvia com ninguém e sempre dizia não para meninas e meninos que pediam para ficar com ele e essa era a parte que Jimin não sabia, ou seja, não seria tão fácil assim conseguir conquistar Jeon Jungkook (mas o que os dois, Taehyung e Jimin sabiam, era que ninguém sabia de onde Jungkook havia aparecido).

Quando as aulas do dia terminaram, Jimin e Taehyung foram para a casa do Kim fazer o trabalho de Química que estava mais do que atrasado, apenas porque os dois enrolavam.

— Nós dois vamos ter que nos virar para almoçar porque a minha mãe está trabalhando e você sabe o que ela sempre diz “Não deixo comida pronta porque não quero filho meu dependendo de ninguém”. — Taehyung suspirou e acabou tropeçando num embrulho jogado na frente da porta de sua casa. 


Jimin agachou e pegou o embrulho, ele estava todo enrolado com jornal e tinha o nome de Taehyung escrito com uma letra enorme.


PARA KIM TAEHYUNG

Frágil, tomar cuidado


— É pra você. — Jimin murmurou entregando o pacote para Taehyung.


Os dois entraram na casa de Taehyung, que franziu a testa revirando o pacote sem entender muito bem o que era aquilo.


— Mas eu não pedi nada do correio, o que diabos pode ser isso?


— Você só vai descobrir se abrir.


— Uh, eu não comprei nada, não deve ser importante, abro isso amanhã. Vamos terminar o trabalho de química antes.


Jimin assentiu e os dois foram para o quarto de Taehyung terminar de fazer o trabalho.


®


Na tarde seguinte, Jimin foi para a casa de Taehyung depois da aula, porque Taehyung havia dito que só iria abrir aquele pacote com Jimin ao seu lado. O Kim havia deixado o pacote em cima da mesa de centro e no momento que entraram na casa, Taehyung o pegou.


Jimin deixou sua mochila jogada no chão da sala de estar e sentou no sofá, Taehyung fez o mesmo, sentando ao lado de Jimin. O Kim rasgou o embrulho e viu que era um livro, ele tinha a aparência um pouco velha, mas no momento que seus dedos encostaram nele, o livro se tornou novo.


Taehyung e Jimin se entreolharam confusos. O livro não tinha título e não marcava o nome do autor, na primeira página havia alguns desenhos rupestres e símbolos aleatórios. Uma luz começou a ser irradiada pelo livro e as páginas se moviam sozinhas, Taehyung soltou o livro e levantou do sofá assustado, e ele continuou no ar sozinho, até que parou na metade das páginas e o livro caiu no chão.


— Mas… que merda foi essa? — Jimin disse com os olhos arregalados se afastando do livro — Quem te mandou isso, Taehyung? Tinha algum remetente?


Taehyung mordeu o interior de sua bochecha e se ajoelhou na frente do livro, lendo a página que havia parado. Taehyung não podia nem negar que era um curioso nato e não era como se aquele livro fosse fazer algo de ruim para ele, era apenas um livro, afinal. Jimin olhou para o embrulho jogado no chão e não havia remetendo nenhum.


— Taehyung…? — Jimin perguntou abraçado com o cachorro de Taehyung, o que seria uma cena engraçada, porque o cachorro da família Kim era de porte grande e Jimin não era lá uma das maiores pessoas do mundo, mas Taehyung costumava dizer que seu coração compensava a altura.


— Venha ver isso, Jimin… É incrível. — Taehyung murmurou pegando o livro em suas mãos novamente.


Jimin trocou um olhar cúmplice com Albert, o cachorro, e foi até o lado de Taehyung. Ele não confiava naquele livro, mas confiava em Taehyung e, Jimin sempre poderia sair correndo pela porta da frente se algo acontecesse.


— É um livro de feitiços, Jimin… Aqui está dizendo que eu posso realizar qualquer coisa que eu quiser! Isso é uma maravilha!


Taehyung parecia animado demais e lia o feitiço sem parar. O livro estava todo escrito numa letra cursiva caprichada e completamente simétrica, sem erro algum nas palavras.


— Você vai me ajudar, certo, Jiminie? Aqui está dizendo que precisa de mais de uma pessoa para dar certo.


Jimin hesitou por um momento e mordeu seu lábio inferior, ele estava com um pouco o de medo de onde aquilo poderia chegar e apreensivo porque Taehyung se animava demais com algo que havia aparecido do nada em sua frente.


— Por favor, Jimin-ah, isso vai me ajudar a conquistar o Jungkook e você pode pedir para conseguir o Yoongi-hyung! Não é isso que você quer?


Taehyung fez uma expressão de cachorrinho fofo, ele sabia que Jimin não conseguia resistir àquilo. Jimin suspirou.


— ‘Tá, ‘tá bem. — Jimin disse desistindo de sair correndo pela porta da frente gritando pela sua mãe. O que ele não faria por aquele garoto com sorriso estranho e exagerado?


Taehyung fez um gesto de comemoração e arrastou Jimin até o seu quarto, os dois arrastaram as coisas de Taehyung para o canto do quarto, — eles precisam de espaço para realizar o feitiço.


Os dois sentaram no chão, um de frente para o outro, com as pernas cruzadas e o livro entre eles. O quarto estava escuro e a única luz existente, era a que saia do livro.


— Uh, a gente não precisa de mais alguma coisa? Velas? Um rato morto? — Jimin perguntou olhando para Taehyung que havia agarrado suas mãos.


— Não, Jimin, isso não é bruxaria. — Taehyung murmurou e leu novamente as palavras do livro. — É magia.


Taehyung começou a falar o feitiço em voz alta e Jimin se sentiu um pouco perdido, mas sem medo.


Eu quero ser conhecido, ficar bonito e… — Jimin o interrompeu.


— Você não precisa disso, Taehyung, você já é lindo!


— Jimin! Não atrapalhe o feitiço.


E Jimin calou a boca, ficando com um bico nos lábios. Taehyung continuou falando o feitiço até chegar no desejo final.


— Eu quero que nós dois, eu e o Jimin, consigamos namorados perfeitos, que sejam o amor de nossas vidas. — Taehyung disse de olhos fechados e o livro se fechou. — Pronto… Agora é só esperar, pelo menos eu acho.


— Achei que você iria pedir pelo Jungkook, Tae. — Jimin disse olhando para Taehyung que estava levantando do chão e levando o livro consigo.


— Mas eu pedi por Jungkook, ele é perfeito, Jimin.


Jimin respirou fundo, negando com a cabeça e levantou do chão logo em seguida. Observou Taehyung guardar o livro em seu guarda-roupas e ficar observando suas roupas.


— Eu preciso mudar as minhas roupas, essas bonecas aqui parecem roupas do século passado, não que eu ache que as roupas do século XX eram feias. — Taehyung disse num suspiro e apontando para suas próprias roupas. — Nós vamos para o shopping.


— Com que dinheiro, Taehyung? — Jimin disse franzindo a testa.


— Lembra daquela fábrica que meu pai processou? — Jimin assentiu — Ele ganhou o caso e meus pais acham que dinheiro demais na conta só faz com que as pessoas fiquem malucas e blá-blá-blá, em resumo, ele dividiu com todo mundo aquele dinheiro e disse “Usem para o que vocês quiserem”, o meu ainda está guardado.


O pai de Taehyung era um advogado e trabalhava numa pequena empresa ambientalista que tinha como objetivo procurar e processar todas as empresas que faziam despejo de resíduos de maneira ilegal no meio ambiente.


— Eu sinceramente não entendo a sua família, Taehyung.


Jimin levantou da cama de Taehyung e mandou uma mensagem para sua mãe, dizendo que chegaria mais tarde em casa porque seu amigo maluco estava tendo uma crise de idiotice. A sra. Park apenas deu risada e falou para o filho agradecer por ter um amigo tão legal.


— Somos apenas deboístas. — Taehyung passou o braço ao redor dos ombros de Jimin. — Agora vamos para o shopping, eu poderia até comprar pela Internet, mas não acredito nesses sites on-line. 


Eles pegaram o ônibus até o shopping da cidade e passaram praticamente a tarde inteira procurando roupas para Taehyung, porque ele não era exatamente a pessoa mais decidida do mundo e sempre achava que poderia ter alguma coisa mais bonita e mais barata em outra loja, provavelmente Jimin e Taehyung não poderiam nem pisar na maior parte das lojas do shopping depois daquele dia.


Depois de Taehyung ter se decidido em algumas roupas, ele e Jimin foram para a praça de alimentação porque estavam famintos, enquanto comiam hambúrgueres com batata frita e usavam o refill de refrigerante do Burger King o máximo que conseguiam, Taehyung avistou um salão do outro lado da praça de alimentação, — isso porque estava de óculos, se não estivesse, não estaria vendo nem Jimin na sua frente.


— Tive uma ideia, — Taehyung disse com um sorriso maléfico entre seus lábios e Jimin já soube que não viria coisa boa — vamos!


Taehyung saiu correndo e deixou todas as sacolas para Jimin carregar; Jimin contou até três para não surtar com Taehyung, pegou as sacolas e foi atrás do amigo, que já estava na metade do caminho. Jimin não entendia porque Taehyung tinha que ser tão agitado o tempo todo, às vezes, Jimin não conseguia nem mesmo acompanhar aquele ritmo.


— Por que demorou tanto? — Taehyung perguntou parado na frente de um salão unissex, ele tinha as mãos apoiadas na cintura.


— Porque você deixou todas as suas coisas para eu carregar, Taehyung, e ainda não disse qual foi a ideia que teve. — Jimin disse enquanto entregava metade das sacolas de volta para Taehyung.


— Ah, foi mal, eu nem percebi. — Taehyung deu um sorriso de lado, como forma de desculpa. — Eu vou pintar meu cabelo, estou num humor de mudanças. O que você acha?


— Eu acho que você é maluco, Taehyung.


Mas Taehyung já estava dentro do salão, conversando com uma das atendentes. Jimin balançou a cabeça e entrou no salão, deixou as sacolas num canto junto com as outras e caminhou até onde Taehyung estava.


— Seu namorado? Que sorte! Ele é muito fofo. — A atendente de cabelos coloridos disse olhando para Jimin e sorrindo, ela não parecia ter mais de vinte e cinco anos.


— Não, ele não é meu namorado, ele é meu melhor amigo — Taehyung murmurou apertando as bochechas de Jimin —, mas eu concordo que ele é fofo.


Depois disso a moça — que aparentemente se chamava Solji — levou Taehyung para o outro lado do salão para ele descolorir o cabelo, Taehyung havia feito a maldade de não contar para Jimin que cor iria pintar o cabelo e ainda fez o menor esperar, não que Jimin fosse ir embora e deixar Taehyung sozinho no salão; ele era um amigo muito bom para fazer isso. Taehyung agradecia por ter Park Jimin como seu melhor amigo.


Jimin ficou pelo tempo todo que Taehyung pintava o cabelo jogando coisas aleatórias em seu celular, por sorte ele estava sentado ao lado de uma tomada e havia trazido o carregador de seu celular consigo.


— Jimin?


— Hm? — Jimin respondeu sem tirar os olhos do jogo em seu celular, ele estava quase passando de fase no Candy Crush.


— O que você achou? — Taehyung perguntou sentando ao lado do amigo, que tirou os olhos do celular e olhou para Taehyung.


Ele estava com os cabelos vermelhos e um sorriso nos lábios, seu óculos quadrado estava pendurado em sua camiseta e, apesar do sorriso, Taehyung tinha uma feição curiosa, como se estivesse esperando pela aprovação de Jimin, a opinião de seu melhor amigo era importante. Jimin estava boquiaberto, sem acreditar que Taehyung pudesse ficar mais bonito do que já era naturalmente.


Jimin começou a balbuciar alguma coisa para responder o que Taehyung havia lhe perguntado, mas não conseguiu formar uma frase que fizesse sentido.


— Você odiou, não é? — Taehyung perguntou fazendo um biquinho -adorável-.


— Não! Uau… Não! Taehyung, você… você está lindo. — Jimin disse gaguejando e os olhos de Taehyung brilharam.


— Você acha que Jungkook vai gostar?


E de novo Taehyung falando sobre aquele garoto.


— Eu acho que nós deveríamos ir embora. — Jimin respondeu ficando com uma expressão fechada e saiu andando logo em seguida.


Taehyung não entendeu porque Jimin ficou chateado consigo, afinal, não tinha sido ele mesmo que disse para Taehyung conquistar Jungkook? Mas Jimin sempre foi um pouco confuso demais. Taehyung balançou a cabeça e seguiu o amigo, depois de pegar o resto de suas sacolas.


— Jimin, por que você ficou chateado? — Taehyung perguntou quando sentou ao lado de Jimin no ponto de ônibus. — Foi por que eu falei do Jungkook?


O garoto estava com os fones de ouvido, mas sem ouvir música nenhuma; era uma mania de Jimin para manter as pessoas afastadas, mas para o azar dele Taehyung sabia.


— Eu só estou cansado, tá bem? Acordei cedo e você me fez rodar o shopping inteiro. — Jimin fez uma careta. — Eu só quero tomar um banho e hibernar sábado e domingo inteiros.


Taehyung pensou em lembrar Jimin que eles tinham um relatório para entregar segunda-feira e nenhum dos dois havia feito ainda, ou seja, nada de hibernar no final de semana, mas Taehyung achou melhor não deixar Jimin mais irritado. E Taehyung sabia que ele estava assim não só por causa de cansaço, tinha algo por trás e Taehyung iria descobrir.


Quando chegaram a casa de Taehyung, a senhora Kim, mãe de Taehyung, já estava em casa e convidou Jimin para jantar com eles, o que já era comum, afinal, eles eram amigos há alguns anos. Depois do jantar, Jimin foi para casa, Taehyung pegou seu celular e ligou para Hoseok.


Taehyung? Por que diabos você está me ligando a essa hora? Aliás, quem é que faz ligações no século XXI? Mensagens existem por uma razão, sabia?


— Ah, cala a boca, hyung, eu preciso da sua ajuda.


Ugh, eu odeio você, Taehyung, só vem atrás de mim quando precisa de alguma coisa e o Jimin não está disponível! Eu tenho mais o que fazer, ok? E o que é que você quer dessa vez?


Jung Hoseok era desse jeito, ele reclamava, mas fazia do mesmo jeito. Algumas pessoas da escola costumavam dizer que ele havia pegado esse seu de seu ex-parceiro do jornal da escola, Min Yoongi. 

28 de Junho de 2018 às 22:48 0 Denunciar Insira 3
Leia o próximo capítulo I'll make you fall in love

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!