Surrender Seguir história

minseokbaek

Chanyeol e Baekhyun são competidores de racha em Hong Kong, conhecidos rivais na pista e quase empatados em números de vitórias. Chanyeol tinha uma a mais. Então Baekhyun propõe um desafio: o perdedor deverá ficar a dispor do outro por vinte e quatro horas. Nenhum dos dois imaginava que a intenção era a mesma desde o início, e ambos iriam correr atrás dos seus desejos.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#baekhyun #chanyeol #lemon #yaoi #lgbt #chanbaek #exo
Conto
55
5.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Baby, let the games begin

O cheiro da borracha dos pneus raspando no asfalto das pistas de Hong Kong era costumeiro para Byun Baekhyun. O fervor das torcidas e o roncar do motor faziam parte da sua vida há tanto tempo que ele nem conseguia abrir mão daquilo.


Escorado na porta do seu carro, o Byun assistia as primeiras corridas da noite acontecendo, apostando poucas vezes e esperando a sua vez.


As primeiras corridas eram de iniciantes, passando por desafios específicos até chegar na última e quase sempre mais importante: a corrida dos veteranos. O público ficava no aguardo para fazer as apostas mais altas, o percurso era mais longo, e os corredores já conheciam um ao outro.


E isso não é necessariamente uma coisa boa. Você conhece as técnicas do seu oponente, mas ele também conhece as suas, o que te obriga a inovar sempre. A sorte de Baekhyun era que "inovar" era sua especialidade. Ele era imbatível, foi um dos corredores que cresceram mais rápido, conquistando tanto dinheiro quanto fãs que eventualmente iam parar no seu quartinho em Kowloon.


Administrando tranquilamente a sua vida, convertendo dólares de Hong Kong para wons coreanos numa quantidade suficiente para passar despercebido - nunca se sabe quando seria necessário voltar para o país natal - Baekhyun era ouro.


Até a chegada de Park Chanyeol.


As notícias correram tão rápido quanto o Park acelerava nas pistas, Baekhyun foi avisado do garoto em ascensão em uma noite qualquer. Ele viu Park Chanyeol desbancar amigos seus, amigos que Baekhyun acreditava serem os melhores no ramo - abaixo apenas dele. Acompanhou as vitórias impressionantes de Chanyeol até que ele fosse cotado para a última corrida, finamente competindo consigo.


Foi uma das poucas vezes que Baekhyun ficou nervoso antes de dar partida. Sua reputação era tudo que ele tinha, e Park Chanyeol era uma ameaça.


Era claro o quanto a torcida estava dividida, o número de apostas em Chanyeol foi muito alto. Todo mundo gosta de uma carne nova ganhando espaço. E algumas pessoas apenas queriam participar do prazer de ver Byun Baekhyun cair - a fama também traz inimigos.


E Baekhyun perdeu. A raiva acumulou rapidamente em seu corpo. Sua primeira derrota numa corrida grande, algo que para muitos é o início do fim.


Park Chanyeol seria o seu declínio e Baekhyun não fazia ideia do quanto.


Perdoar a derrota foi mais fácil do que Baekhyun pensou. E não era culpa de Chanyeol, quem precisava se esforçar era ele (que um dia foi o garoto novato também). Passou horas fazendo melhorias no carro e sua confiança e agilidade lhe fizeram ganhar a corrida na segunda vez que competiram, primeira que falaram um com o outro.


Nada além de um "bom trabalho" e "nos vemos na próxima". O acordo silencioso e os olhos bem treinados analisando os corpos em pouca distância. Os dois sabiam o que diziam com os olhos. O tom quente dos cabelos rosados do Chanyeol chamou demais a atenção, Baekhyun não negaria. E Chanyeol talvez tivesse reparado demais no piercing labret que o Byun tinha, fingindo que não tinha achado aquilo mais sensual que o necessário.


A situação começou a ficar fora de série, Park e Byun tinham um número acirrado de vitórias, sendo a atração principal das noites de racha. As pessoas iam à loucura, o número das apostas aumentava cada vez mais. Ninguém nunca sabia qual dos dois iria ganhar na noite.


Empate atrás de empate e uma quantidade considerável de dinheiro no bolso. Um incentivo e tanto.


Mas naquela noite era diferente. Chanyeol tinha vencido duas corridas seguidas: uma que o empatou com Baekhyun e outra que o ultrapassou. Os boatos já haviam começado, Baekhyun sentia os olhares sobre ele.


Muita gente esperava que ele perdesse de novo. E de novo. E de novo. Mas qualquer um que conhecesse Baekhyun saberia que ele não desistiria tão rápido. E não só da corrida.


Um carro conhecido chegou perto de onde ele estava, sendo estacionado. Baekhyun levantou o canto do lábio observando Park Chanyeol sair do veículo. O outro notou o contato visual rapidamente. Levantou uma sobrancelha, porque o desafio era instalado.


O comportamento dos dois era dessa forma desde sempre. Poucas palavras trocadas e muitos olhares a distância. Porque Chanyeol poderia até a achar que Baekhyun era um pouco prepotente, mas tinha plena certeza de que ele era muito gostoso. Principalmente com aquele piercing que pedia sua atenção, o mullet que lhe era único, a maldita jaqueta jeans por cima da camiseta e a calça marcando suas coxas grossas.


Chanyeol desceu os olhos pelo corpo antes de sorrir minimamente e se virar, procurando por Jackson na multidão, deixando Baekhyun apertando os pulsos para controlar a vontade de puxar o colarinho da camisa daquele cara alto para os infernos e morder seus lábios cheios. Era no mínimo esquisito. Ele faria isso se fosse outra pessoa, como já fez.


Quantas vezes Baekhyun desceu do carro depois de uma vitória e puxou um homem ou mulher que já estava de olho desde o início da madrugada, tomando os lábios para si numa comemoração exagerada? Por que não podia fazer o mesmo agora? Poderia dizer que era porque Chanyeol era seu oponente, mas Zhang Yixing também era.


E Baekhyun passou três noites rolando no cobertor do Zhang porque simplesmente não cansava do seu pau.


No fim das contas, não tinha explicação, Baekhyun não sabia o que o segurava. Talvez fosse os olhos do Park queimando a sua pele, talvez ele só gostasse de torturar a si mesmo, mas apenas observou Chanyeol lhe dar as costas e seguir seu caminho, não movendo um dedo para se pôr atrás dele.


Chanyeol avistou Jackson há poucos metros dele, seguindo aquela direção. O Wang era seu melhor amigo e boa parte da razão por estar naquelas corridas. Já havia se aposentado das pistas, só pisava no acelerador em ocasiões especiais, e seu papel ali passou a ser comandar as corridas e as apostas. Jackson era a maior segurança de Chanyeol - ninguém mexia com o protegido do Wang.


— E aí, Chanyeol! - o chinês o cumprimentou rapidamente. — Seu nome tá saturado de tanto que já escutei hoje, cara.


— Pra mim tá ótimo. - Chanyeol relaxou o corpo, apoiando numa pilha de engradados vazios. Desviou os olhos para garotas que o encaravam sem nenhum rastro de vergonha, esperando que elas não fossem tão novas quanto pareciam. Suas orbes rolaram, ele não suportava mais ser abordado por aquelas meninas. Já rejeitou tanta proposta que já era até chamado de fracote.


Bom, que se dane. Chanyeol não queria nada daquilo. Se alguém lhe aparecesse com um piercing no lábio ele poderia até considerar a possibilidade, sabendo que seu tesão naquele tipo de acessório não o deixaria resistir.


A culpa disso todo mundo sabe bem de quem é. Principalmente Jackson, que jamais perdia a piada pra cima do amigo.


— Já viu o labret hoje? Tá tão gostoso que até eu pegava.


— Você é podre, Wang.


— Eu sei, felizmente não nego. E você não respondeu minha pergunta, gracinha.


— Já vi, inferno. Pode mudar de assunto, por favor? Minha frustração diária já bateu a cota hoje. Vamos falar de números.


Jackson riu, balançando a cabeça negativamente, mas não voltou ao tópico. Mesmo usando o apelido carinhoso para referenciar o Byun, não era interessante que alguém desconfiasse daquilo, todo mundo achava que Chanyeol odiava Baekhyun profundamente - e admiravam isso.


Conversaram por pouco tempo, já que Jackson tinha corridas para anunciar, deixando Chanyeol. O chinês se direcionou ao centro da pista, não antes de avistar a bunda avantajada de Oh Sehun e apertar a carne por cima da calça jeans, sendo rapidamente xingado pelo outro.


Chanyeol riu alto, indo para ao lado do coreano para observar. Seus olhos correram pelas pessoas, e não foi difícil notar Baekhyun ali. Ele estava ao lado de Wu Yifan, que era alto demais para passar despercebido. Grunhiu baixinho. O filho da mãe era gostoso até respirando.


Com o microfone improvisado em mãos, Jackson passou a anunciar as corridas ao tempo em que instala a euforia no público. Ele era bom nisso. E também era bom em administrar dinheiro e evitar todo e qualquer problema, lidando bem com todas as apostas ganhadas e perdidas.


A hora da corrida final chegou mais rápido do que Chanyeol pensou, o fazendo ir até o carro e se posicionar no lugar que conquistou: o primeiro. O carro de Baekhyun estava ao seu lado, centímetros mais atrás.


Baekhyun saiu do carro subitamente, o que fez Jackson parar de falar. Ele se aproximou do chinês sem uma expressão definida no rosto, causando confusão no restante das pessoas. Chanyeol tinha o cenho franzido, vendo Baekhyun falar algo para o amigo. Jackson estrategicamente abaixou o microfone no momento.


— Eu quero fazer uma aposta. - Jackson levantou as sobrancelhas.


— Você não pode apostar as corridas que participa, achei que sabia disso, Byun.


— Eu não disse que queria apostar dinheiro. - o sorriso malicioso de Baekhyun chamou a atenção de Jackson. — Quero apostar o Chanyeol. E quero tornar isso oficial.


Jackson piscou, um pouco atordoado. Era aquilo mesmo? Sua expressão suavizou para um sorrisinho divertido, a realização finalmente dando às caras. Baekhyun lhe confidenciou o que não poderia ir à público, e ele sabia o que tinha que fazer com aquilo.


Entretenimento.


— Então. - pigarreou. — Park Chanyeol, temos um desafio.


Um momento de silêncio tomou conta do lugar, que voltou a ser preenchido por gritos e assobios quando Chanyeol desceu do próprio veículo e caminhou até os outros dois.


— Qual a proposta? - o mais alto perguntou. Dinheiro? Sempre dinheiro.


— Vinte e quatro horas. - Baekhyun deu um sorriso debochado, encarando Chanyeol por alguns segundos, voltando a olhar para Jackson. — Preciso de alguém para uns serviços, sabe como é.


Algumas pessoas riram, com a convicção de que Baekhyun queria fazer Chanyeol de capacho por um dia.


— Que tipo de serviço? - Chanyeol cruzou os braços, não muito seguro daquela proposta esquisita.


Baekhyun inclinou o corpo levemente para a frente, levantando o rosto para Chanyeol e fazendo o maior perder um pouco a pose.


— É segredo.


Chanyeol pensou por algum tempo, sabendo que todo mundo esperava a sua resposta para dar continuidade à corrida. Seria ridículo se negasse, então apenas estendeu a mão direita para que Baekhyun e a apertasse e firmasse o desafio como aceito.


O menor apertou a mão grande, passando a língua pelo lábio pensando em como seria ter aquela mesma palma sobre sua bunda. Tentador.


Com um sorrisinho satisfeito no rosto, Baekhyun caminhou de volta para seu carro, sabendo que quase todos os presentes o acompanhavam com o olhar.


Chanyeol soltou a respiração quando o outro chegou a 20 passos de distância de si. Ele precisava mesmo vencer aquela corrida. Primeiro porque sabe-se lá o que Baekhyun queria com aquilo, talvez fosse uma ameaça declarada mesmo ou o mais velho estava só tirando com sua cara - ele não pretendia parar para descobrir.


O importante era que: se vencesse, teria Baekhyun fazendo o que ele quisesse por um dia inteiro. E ele queria que Baekhyun fizesse várias coisas. Muitas.


Nenhuma delas envolvia dinheiro, e quase todas envolviam uma cama.


Sentindo o corpo elétrico, voltou ao próprio carro. Jackson estava se controlando para não rir alto, porque ele tinha notado tudo. Sabia o que Baekhyun queria, sabia que Chanyeol não fazia ideia. Era só muito engraçado presenciar aquilo.


Apertando o volante e com os pés prontos para acelerar, Chanyeol audaciosamente olhou para o lado, testemunhando a mordida no lábio e o sorriso convencido que Baekhyun lhe lançou quando percebeu que estava sendo observado.


Talvez o mais velho planejasse acabar com a vida de Chanyeol, como ele poderia saber? Já soube de histórias de muitas mortes para não ficar preocupado.


Ouvindo a contagem familiar, os dois olharam pra frente. E confiante como nunca, Baekhyun passou a marcha e pisou fundo.


O pneu arrastando pela pista e a velocidade que cortava o vento só não foram mais protagonistas do que a adrenalina que tomava conta dos corpos, sem contar o nervosismo de Chanyeol causado pelo medo de perder. Talvez isso tenha sido sua ruína.


A linha de chegada estava pronta para recebê-los, quase juntos. Foram segundos. Eles escutaram a euforia do público, e os mais desatentos procuravam saber qual dos dois havia vencido daquela vez.


Não foi difícil ter a resposta.


Baekhyun.


***


Chanyeol nunca demonstraria, mas estava assustado. Seguia Baekhyun pelas ruas de Hong Kong com não só o pé, mas o corpo todo atrás. Ele poderia desviar do caminho e fugir como um coiote assustado, mas ele sabia que teria que pagar a Baekhyun pelo desafio perdido e algum momento, a menos que fugisse para sempre.


Estava tão perdido em seu devaneio que quase ultrapassou Baekhyun, não percebendo que ele já havia estacionado. Talvez fosse seu sexto sentido o mandando correr.


Onde estavam exatamente? Chanyeol não sabia. A rua mal iluminada também não ajudava. Baekhyun o levou para um lugar escuro e vazio. Ele já tinha certeza que iria morrer.


Observou o moreno descer do carro e tomou coragem para fazer o mesmo.


Baekhyun soltou uma risada quando olhou para Chanyeol.


— Você parece tão assustado... Está com medo de mim, bebê?


Chanyeol piscou, atordoado. Bom, estava. Estava com medo pra caralho. Mas fechou a expressão imediatamente e negou com a cabeça.


— Claro que não, você é um convencido irritante. Pode me dizer o que exatamente estamos fazendo aqui?


Baekhyun sorriu, passando a língua pelo lábio inferior logo depois, e Chanyeol sentiu o baixo ventre esquentar assim que viu aquele maldito piercing brilhar com a saliva, tendo que se convencer de que não era uma boa hora para sentir tesão.


Só que na verdade, era a hora perfeita.


Baekhyun aproximou alguns passos e Chanyeol teve que controlar o ímpeto de recuar. O menor estava a poucos centímetros de si, lhe fazendo abaixar a cabeça para encará-lo.


— Tenho um favor para pedir a você, Chanyeol.


— Precisava de 24 horas do meu tempo pra pedir um favor? - Chanyeol levantou uma sobrancelha, decidindo se portar mais corajoso.


— Eu pediria mais que vinte e quatro horas se pudesse. - Chanyeol não conseguiu distinguir muito bem se a malícia no sorriso de Baekhyun era sexual ou malígna, de fato.


— E qual é o favor? Fala de uma vez, seu tempo já está contando.


Baekhyun esticou suas mãos hábeis, espalmando-as no peitoral de Chanyeol e deslizando para cima, até chegar nos ombros largos. Cedeu um pouco o tronco de Chanyeol para que pudesse alcançar seu ouvido.


Chanyeol engoliu em seco com o toque repentino e a aproximação. As mãos de Baekhyun ainda estavam em seus ombros, apertando levemente seus músculos. A respiração dele chegou em sua pele e Chanyeol fechou os olhos e mordeu o interior da boca, irritado consigo mesmo pelas suas respostas corporais. Mas não conseguiu lidar muito bem depois que a voz de Baekhyun soou em seu ouvido.


Ele não tinha dúvidas sobre teor sexual daquele sussurro, e não tinha como ter.


— Me foder, Chanyeol. Esse é o favor.


Como?


— O-O quê? - o maior questionou, vergonhosamente gaguejando quando Baekhyun esfregou o corpo no seu. Já se sentia endurecer, não tinha muito o que fazer sobre aquilo.


— Foder. Comer, trepar. - Baekhyun mordeu o lóbulo de sua orelha e o metal frio da argola presa no lábio do menor arrastou levemente pela pele sensível de Chanyeol. O mais alto soltou um suspiro involuntário. — Quero dar pra você desde a primeira corrida. Quero rebolar em você a noite toda.


Chanyeol arfou, segurando a cintura baixa de Baekhyun. O menor ainda forçava o corpo sobre o seu como uma necessidade vital.


— Você pode fazer esse favor pra mim, Chanyeol?


Baekhyun arrastou a ponta da língua pelo pescoço de Chanyeol, deixando um rastro molhado na pele, lhe dando um beijo leve na região em seguida. Chanyeol respirou fundo.


— Posso.


— Então faça.


Chanyeol virou o rosto e mirou os lábios de Baekhyun quase imediatamente. Hesitou por alguns segundos, mas Baekhyun levantou o canto de um dos lábios e enfiou os dedos nos cabelos coloridos de Chanyeol. O mais alto aproximou o rosto e seus lábios tocaram os de Baekhyun, que estava morrendo de antecipação.


Os lábios de Chanyeol quase imploravam uma mordida, a carne saliente e levemente avermelhada era uma tentação. Mas iria deixar que ele se situasse primeiro.


Queria beijar o corpo inteiro daquele homem maravilhoso, suas mãos coçavam para tocar todas as partes. Ainda tinha a memória da primeira corrida em que o viu, com parte da peitoral exposto devido à camisa audaciosamente aberta até a metade. Queria chupar aquela pele, morder aqueles mamilos. Mas ele já tinha se controlado esse tempo todo, um minuto a mais, um a menos...


Chanyeol passou a língua quente no lábio de Baekhyun e quis morrer assim que tocou o maldito labret, gelado, provocante. Se Baekhyun apenas soubesse o quanto Chanyeol apreciava aquilo, talvez provocasse com mais gosto.


Ignorando a calma, Baekhyun partiu os lábios e invadiu a boca de Chanyeol com a sua língua, puxando os fios de cabelo presos entre seus dedos.


As surpresas nunca acabariam para Chanyeol, foi o que ele pensou quando sentiu o incomum metal durante o beijo. Baekhyun tinha um piercing no freio da lingua também. Era bom, bom demais, uma sensação nova e excitante. Suas mãos urgentes apertaram a cintura de Baekhyun para descontar a emoção. A boca do moreno era tudo o que ele poderia querer.


Não conseguiu evitar o pensamento de ter aqueles lábios envolvendo seu membro necessitado, o interior quente da boca de Baekhyun engolindo todo o seu comprimento. Sentiu uma fisgada no baixo ventre: ele precisava foder aquela boca.


Chanyeol não tinha para onde correr - e não exatamente queria - do corpo de Baekhyun sobre o seu. Estava preso entre o menor e a porta do seu carro. As pernas de Baekhyun estavam entre as suas, a mão livre do moreno deslizava pela lateral do seu corpo até os seus quadris, quando ele esticou o braço e alcançou sua bunda.


Baekhyun apertou a carne com vontade, forçando o quadril de Chanyeol contra seu corpo. Sentiu o início da ereção do maior quase automaticamente, contribuindo para a sua própria situação.


Maldito. Tão gostoso. Chanyeol era um crime. E Baekhyun felizmente nunca foi de seguir a lei.


Chanyeol ofegou quando os lábios se separaram e Baekhyun mordiscou o seu queixo, trilhando um caminho até o pescoço.


— Onde você pretende receber o favor, Baekhyun?


— Depende de como você quer me pagar, bebê.


Chanyeol semi cerrou os olhos, tanto pelas mordidas que Baekhyun distribuía em sua pele, quanto por estar pensando na proposta. Suas mãos alcançaram a bunda de Baekhyun, uma em cada banda. Roçou a pélvis do menor em si enquanto o segurava pelos glúteos.


— Eu poderia te foder agora mesmo, mas prefiro que você tenha apoio pra essas coxas gostosas.


— Hm, por quê?


— Não pretendo te deixar com forças suficientes pra conseguir ficar em pé. E eu quero olhar pra essa sua cara todas as vezes que você gozar.


— No plural?


— Você não conhece o favor que pediu.


Baekhyun sorriu, satisfeito com a resposta. O prazer de finalmente puxar Chanyeol pelo colarinho foi indescritível, e sobre puxar o lábio do maior com os dentes ele nem sabe o que dizer.


Seguido por Chanyeol, Baekhyun subiu as escadas do seu prédio até o quinto andar onde morava. Era um lixo de construção, mas ele não ligava para beleza. Ao menos o interior do seu quarto/sala/cozinha era minimamente aceitável e ele lidava bem com aquilo.


Antes mesmo de colocar a chave na fechadura, Chanyeol envolveu seu com um braço e o puxou para si. Baekhyun foi totalmente encoxado e o volume que preencha a calça de Chanyeol foi pressionado contra seu quadril. Os lábios chegaram à orelha de Baekhyun e a cartilagem foi mordida levemente.


— O que é essa pressa agora? - Baekhyun soltou uma risadinha.


A porta foi aberta e Baekhyun arrastou Chanyeol para dentro, o empurrando contra a madeira logo depois.


— Temos um dia inteiro pela frente.


Chanyeol sorriu, puxando o menor para outro beijo. Chupou a língua quente de Baekhyun antes de deixá-lo invadir sua boca novamente, colando os corpos.


A mão do moreno ousou tocar a pele por baixo da camiseta de Chanyeol, lhe dando uma onda de arrepios com o choque térmico. Baekhyun apertou a epiderme quente, querendo aproveitar daquele corpo. Subiu a palma, arrastando o tecido com ele.


Chanyeol suspirou quando Baekhyun puxou a pele do seu pescoço com os dentes, levantando os braços quando o menor se afastou para lhe tirar a camisa.


Alguns segundos foram necessários para que Baekhyun admirasse o tronco de Chanyeol finalmente ao alcance dos seus dedos. O corpo definido pelas horas que o maior perdia em exercícios provocou um sorriso malicioso no Byun, que não demorou para espalmar as mãos na pele exposta e deslizar a palma por tudo o que pôde. Os lábios experientes chuparam do pescoço até o mamilo esquerdo pequeno do maior, onde Baekhyun deixou uma mordida significante.


Chanyeol soltou um gemido baixinho com o novo estímulo e segurou Baekhyun pelo quadril com mais firmeza, arfando a cada novo movimento do menor. Baekhyun buscou espaço na calça jeans de Chanyeol, enfiando as mãos na parte traseira e segurando a bunda de Chanyeol com vigor, sem parar de lhe chupar a pele.


Chanyeol tinha uma perna entre as de Baekhyun e sentia o membro do menor ocupar a calça apertada, roçando em sua coxa. Soltou um gemido com um leve resquício de dor quando Baekhyun mordeu seu mamilo direito com mais força


Segurou os cabelos escuros com uma das mãos para levantar a cabeça de Baekhyun e descontar o tesão acumulado por aquele contato com os lábios grudados nos dele.


Puxava o cabelo do menor, o deixando chupar sua língua deliciosamente.


Que inferno. Irresistível.


Odiou a camisa de botões de Baekhyun pelo trabalho que teve de tirá-la, mas seu coração bateu mais rápido antes mesmo de deslizar o tecido pelos braços do mais velho. Aquilo era impossível. Ele estava em um delírio. Baekhyun não podia ter piercings nos mamilos.


Parece que perfurações corporais eram a sina de Baekhyun. E a morte lenta e dolorosa de Chanyeol. Antes que o maior pudesse tocar o mais novo local preferido, Baekhyun se aproximou para beijá-lo novamente.


Baekhyun era habilidoso, algo comprovado pela facilidade que teve de descer as mãos até o cinto de Chanyeol e desafivelar o acessório. Chanyeol mal tinha segurado o corpo do menor colado ao seu, e ele já havia se afastado novamente.


O couro escuro e pesado do cinto tocou a nuca de Chanyeol e Baekhyun segurava as duas pontas do objeto que envolvia o maior. O puxou por ali, forçando o corpo para baixo até que a cabeça de Chanyeol estivesse entre a curva do seu pescoço.


— Isso foi interessante. - Chanyeol disse, sua voz rouca invadindo os sentidos de Baekhyun.


— Tem mais de onde veio.


Baekhyun mordeu o ombro próximo do maior enquanto lidava com a fivela do cinto sem realmente enxergar o que fazia, mas conseguiu fechar o acessório de uma vez. Chanyeol nunca tinha feito aquilo antes.


Tinha - o próprio - cinto ao redor do pescoço como uma coleira, e aquilo era mais excitante do que achou que seria.


— Não achei que você tivesse esse tipo de fetiche, Byun.


— Ficou muito bom em você, Park. - Baekhyun sorriu, empurrando Chanyeol contra a porta novamente. — Deveria usar mais vezes.


Baekhyun segurou a ponta solta do cinto para trazer o rosto de Chanyeol para si e selou os lábios rapidamente, descendo o toque com a língua e os dentes pelo tronco exposto do mais alto. Com os joelhos devidamente apoiados no chão, Baekhyun desabotoou a calça de Chanyeol, a forçando para baixo junto com a boxer escura, arrastando as unhas curtas pela pele leitosa.

Chanyeol levantou os pés para que Baekhyun pudesse tirar totalmente as peças e gemeu em urgência ao sentir a mão do menor sobre seu membro duro.


Baekhyun massageou o comprimento, encarando Chanyeol enquanto aproximava o rosto lentamente. Passou o polegar pela glande inchada e Chanyeol encolheu o abdômen por reflexo, prendendo um gemido na garganta.


Baekhyun notou a tentativa de auto controle e repetiu o ato, ao mesmo tempo em que chupou um dos testículos de Chanyeol. O mais alto grunhiu baixinho.


— Geme pra mim, Chanyeol. - Baekhyun distribuiu selos por todo o membro do outro, arrastando os lábios sobre a pele sensível. — Geme meu nome.


— Porra, Byun. - Chanyeol soltou, respirando fundo quando a língua quente de Baekhyun correu pelo seu pau. — Não fala isso.


Baekhyun era uma tortura. Envolveu a glande com os lábios por segundos, circundando a região com a ponta da língua. Chanyeol soltou um gemido arrastado e quase entrou em desespero quando o menor se afastou de novo.


Massageou os testículos e se esticou entre as pernas de Chanyeol, voltando a lhe chupar as bolas, avançando lentamente até o períneo.


Chanyeol contorcia o corpo, agradecendo por estar encostado na porta. Gemeu alto quando Baekhyun tocou o períneo sensível com a língua, escorregando saliva para a sua entrada.


Puta merda. O que estava acontecendo? Baekhyun era bom demais pra ser verdade.


Chanyeol precisava de ar. Suas mãos buscavam qualquer apoio na madeira e ele ofegava pesadamente. Os lábios de Baekhyun envolviam seu membro mais uma vez, a cada segundo mais fundo, até estar quase inteiro na boca do mais velho, que segurava a base que não alcançava com a mão.


Baekhyun tinha um grande incômodo nas calças apertadas, morrendo por uma atenção. Ele poderia aguentar mais um pouco, alimentado com o gosto forte do pré gozo que Chanyeol expelia.


A voz grossa do mais alto cortava o ar enquanto ele gemia inconstância, e isso excitava Baekhyun ainda mais. E quando a mão larga do outro fechou entre seus cabelos, Baekhyun gemeu contra o pau do outro.


Chanyeol empurrou o quadril pra frente, investindo pela primeira vez na boca de Baekhyun. A surpresa foi Baekhyun ter esperado por mais, puxando-o para a frente.


Com o sinal verde, Chanyeol ajeitou os dedos nos fios escuros de Baekhyun e voltou a investir contra a boca quente e molhada, rolando os olhos com o prazer que o atingia. Tocava o início da garganta do Byun, ouvia seus gemidos curtos e descompassados.


Meu Deus.


Se isso era apenas o começo, ele derretia só de imaginar como seria foder a bunda de Baekhyun. O pensamento o deixou sem forças, o corpo se contorceu com os espasmos e arrepios.


Baekhyun sugou seu membro, o tirando da boca em um estalo. Chanyeol podia respirar novamente, mesmo morrendo pra gozar logo de cara.


Ele conseguiria segurar até a próxima rodada, mas Baekhyun não estava satisfeito ainda, e continuou a felação. Com as mãos nos testículos, deslizava os dedos pela fenda baixa de Chanyeol, mantendo o movimento de vai e vem.


— B-Baek aah... - Chanyeol rolou os olhos. — Espe- interrompeu a si mesmo com um gemido alto, porque Baekhyun tinha ido longe demais agora.


O maldito piercing no freio tocou a pele de Chanyeol quando o mais velho arrastou as costas da língua por ali, por milésimos de segundos.


Porra.


Chanyeol não segurou mais, se desfazendo na boca de Baekhyun. O jato forte descia pela garganta, saía pelos cantos dos lábios. O baixo ventre do próprio Byun estava queimando e exigindo um toque qualquer enquanto o pau de Chanyeol era bem cuidado por si.


Chanyeol arfou, relaxando as costas contra a madeira. Tinha visto estrelas.


— Eu tentei avisar. - sussurrou, um pouco mole. Baekhyun levantou, limpando a sujeira feita em sua boca. Sorriu para Chanyeol.


Usou o cinto para lhe alcançar os lábios num beijo desengonçado, o guiando até o cama.


Chanyeol era uma bagunça, mas quando Baekhyun o jogou contra o colchão, o trouxe junto e tomou os lábios finos para si de novo, e de novo.


O beijou até conseguir virar o corpo e trocar as posições. Admirou Baekhyun um instante, lambendo os lábios e se curvando sobre ele. Chupou a pele do pescoço fino e recebeu um suspiro de Baekhyun em seu ouvido.


— Por que tantos piercings? - o mais novo perguntou, tocando o mamilo direito de Baekhyun pela primeira vez.


— Eu gosto, você não?


Ahh, Chanyeol gostava sim. Ele não fazia ideia do quanto.


Chanyeol murmurrou uma resposta positiva, descendo os lábios para a clavícula exposta do outro. Ele queria tanto sugar aquele mamilo, até doía.


As mãos desciam para o cós da calça enquanto ele descia os beijos pelo peitoral, abrindo rapidamente o botão e o zíper, forçando o tecido para baixo. Baekhyun ofegou baixinho, sentindo o contato da peça em seu membro duro. A boxer molhada pelo pré-gozo era uma ótima visão para Chanyeol.


Tirou a boxer rapidamente, passando a masturbar Baekhyun de forma lenta ao tempo que lambia o mamilo do menor. A língua brincava com as bolinhas de metal das pontas do piercing e os dedos espalhavam o líquido viscoso pelo falo. Baekhyun gemia longo e alto, o corpo tremulando em resposta aos estímulos.


Chanyeol passou para o outro mamilo, chupando a pouca carne com vontade e deixando uma mordida rápida no local.


O cinto mal preso no pescoço foi repentinamente puxado e Chanyeol estava de frente para Baekhyun agora, um pouco estupefato.


O menor mordeu seus lábios e esfregou os corpos, soltando um suspiro ao roçar no pau quase duro pela segunda vez na noite.


— Sem morder, Chanyeol. Ou eu faço disso uma coleira de verdade.


— Injusto. - Chanyeol reclamou, mas talvez tenha pensado na ideia com interesse.


Baekhyun riu levemente, sentindo Chanyeol sugar seu lábio inferior logo depois.


Virou Baekhyun na cama e segurou o corpo pelo quadril, inclinando o rosto para beijar e chupar os glúteos fartos do mais velho.


Espalmou as mãos em cada banda para separá-las e deixar a fenda livre. Baekhyun agarrou o lençol barato e quis gritar quando a língua de Chanyeol circulou sua entrada.


— Mmm aah, conti-inua.


Chanyeol concordou, afinal de contas era ele quem devia favores ali. Pressionou a língua contra a entrada de Baekhyun, chupou os arredores, apertou sua bunda e suas coxas, chegando até a virar um pouco o corpo do outro para lhe alcançar o membro molhado.


Os gemidos ecoavam pelo quarto pequeno, que os consumia com o calor. Baekhyun tremia, atingido pelo orgasmo e sujando o lençol e a mão de Chanyeol que continuava a tocá-lo em um ritmo lento, concentrado mais em penetrar Baekhyun com a língua.


Baekhyun balançou o braço direito para alcançar os cachos coloridos de Chanyeol e puxar os fios entre os seus dedos.


Ofegou quando afastou o rosto de Chanyeol do meio das suas pernas. O rosto do mais alto se contorceu levemente pela dor, e ele sorriu depois de ser solto e encarar Baekhyun.


O moreno encostou na parede, os braços jogados ao lado do corpo tomado pela letargia do orgasmo recente.


— Espero que não esteja cansado.


— Vai pro inferno. - Baekhyun arfou. Chanyeol tinha sentado em seu colo.


— Eu já estou nele.


Baekhyun rolou os olhos e trouxe o rosto de Chanyeol para si, aproveitando os lábios entreabertos para enfiar a língua em sua boca. Chanyeol correspondeu ao beijo lento, adequando-se ao ritmo de um Baekhyun que recuperava as energias, já que ele estava pronto pra outra.


Os corpos pulsavam, Baekhyun tinha os braços ao redor do pescoço do maior e ora seus dedos tocavam o início dos fios cor-de-rosa, ora raspavam no couro preto do cinto. Chanyeol desceu os beijos pelo rosto, pescoço e ombros de Baekhyun, descendo a mão pelas coxas fartas e estimulando a área sensível.


— Já acabou pra você, labret? - Chanyeol sussurrou, nem tendo consciência do uso do apelido que tinha dado a Baekhyun em suas conversas secretas com Jackson. Estava mais preocupado em ajeitar-se mais perto do pau meio flácido de Baekhyun, rebolando lentamente. Baekhyun prendeu a respiração por um momento.


Ter Chanyeol rebolando em cima de si lhe deixou com uma leve vontade de fodê-lo, contrastando com a urgência que ele ainda sentia de sentar naquele homem. Talvez ele tentasse de outra forma outro dia.


Ou em algumas horas.


Trocaram mais alguns beijos, porque Chanyeol tinha fome dos lábios de Baekhyun e nunca cansava. Era bom.


Talvez fosse bom demais para ter só por um dia.


Agradou Baekhyun com toques, procurando o lugar que parecia melhor pra ele, até que seus beijos passaram a ser mais vorazes. Tão rude quanto da primeira vez, e melhor porque tinham encontrado um bom encaixe.


Baekhyun empurrou o corpo de Chanyeol para o lado, engatinhando no colchão para alcançar o criado mudo. Levou segundos para abrir e tirar o preservativo.


Segurou o pacote metalizado e voltou para perto de Chanyeol, pondo um joelho de cada lado do corpo do maior.


Chanyeol encarou Baekhyun enquanto chupava os dedos médio e anelar, voltando a lhe tocar intimamente, esfregando a fenda enquanto sugava a pele do pescoço alvo do moreno.


O penetrou com um dedo, movimentando-se devagar, dobrando as juntas para encostar na próstata.


A voz de Baekhyun soou perto do seu ouvido, ouvi-lo gemendo era quase divino.


Colocou o segundo dedo dentro de Baekhyun e manteve os movimentos, tendo o menor apertando seu ombro direito com força. Talvez as unhas já marcassem a pele.


Sendo tocado no ponto mais sensível novamente, Baekhyun se sobressaltou, puxando o cinto por reflexo e grudando os lábios para abafar um gemido alto.


Não quis mais esperar, separando as bocas para usar os dentes e abrir a embalagem do preservativo lubrificado o suficiente.


Vestiu Chanyeol com dificuldade - o maior não tinha desistido de mover os dedos dentro dele. Afastou as mãos só depois de preparado.


Baekhyun sentou por si mesmo, devagar, mordendo o lábio com força e se acostumando com o volume ocupando espaço em si. Ousou rebolar uma vez e o gemido rouco de Chanyeol foi um ótimo combustível. Então continuou.


Chanyeol o segurou pela cintura, lhe dando apoio para elevar o corpo quando precisasse, rolando os olhos pelo prazer.


Byun Baekhyun, um dos seus melhores alvos, rebolava em seu pau com vontade, gemendo instável. Gostoso, pra caralho.


A cabeça jogada para trás, os lábios entreabertos, tudo no Byun era atrativo. Chanyeol poderia perder para ele mais vezes se fosse terminar desse jeito.


Baekhyun quicava em seu colo, mantendo um ritmo rápido. As mãos apertavam os ombros largos de Chanyeol e era impossível decifrar qualquer palavra que escapava dos seus lábios.


O maior envolveu Baekhyun com os braços compridos sabendo que ele gozaria a qualquer instante, já que o corpo tremia e seus gemidos ficavam mais altos a cada novo espasmo. Baekhyun gozou, sujando os troncos próximos, e Chanyeol só precisou de alguns segundos levantando o quadril para chegar ao orgasmo.


Baekhyun permaneceu sentado em Chanyeol enquanto recuperava o fôlego e os sentidos, o peito subindo e descendo intensamente, acompanhando a respiração pesada de Chanyeol. O olhar do outro sobre si era intenso, e Baekhyun quis prolongar aquilo. Levou as mãos até o pescoço de Chanyeol para desafivelar o cinto, arrastando o couro pela pele do outro antes de jogar o objeto no chão.


Uma fina linha vermelha estava ali, nada que não sumisse em algumas horas e nada que indicasse qualquer machucado incômodo. Baekhyun sorriu de canto e inclinou-se rapidamente para beijar a pele agora totalmente exposta do pescoço, voltando a se afastar logo depois.


Antes que ficasse estranho, o menor levantou devagar, tirando Chanyeol de si e soltando um suspiro fraquinho enquanto o fazia, deitando logo depois para descansar o corpo. Chanyeol retirou a camisinha e a amarrou, jogando no chão ao lado da cama.


— Muito higiênico. - Baekhyun reclamou, sonolento e arrastando o corpo pelo colchão.


— Disse o coberto de porra.


Uma risada engraçada soou no quartinho e Chanyeol o encarou, com o corpo de lado e o cotovelo apoiado no colchão.


— Que horas são? - o mais alto voltou a falar.


— Não faço ideia, talvez mais de quatro.


— Vai dormir?


— Um pouco. - Baekhyun fechou os olhos, pronto pra tirar um cochilo merecido. Mas Chanyeol quis provocar.


— Cansou tão rápido...


— Se eu soubesse que você era tão insuportável, tinha dado pro Jackson.


Chanyeol riu alto, deixando o corpo cair no colchão. Os músculos estavam cansados também.


— Eu deveria ir embora?


— Eu tenho vinte e quatro horas com você. Quero dormir no mínimo por três delas, me deixe em paz.


— Muito higiênico.


Baekhyun saiu da cama e puxou o lençol, empurrando Chanyeol para fora durante o processo. Esfregou porcamente o pano pela barriga e pelo pau ainda melados e jogou o tecido em Chanyeol, deixando o corpo cair no colchão descoberto em seguida.


Chanyeol deu de ombros, repetindo seus atos. Baekhyun já estava cochilando quando o mais alto voltou a deitar.


Ele poderia aguentar o corpo suado e sujo por mais algumas horas e tentaria se dar ao luxo de dormir. Encarando o corpo nu do seu parceiro de uma noite e sem conseguir parar de pensar que graças a Deus ele ainda tinha um dia quase inteiro ao seu lado.


Faria bom proveito.


***


— Honestamente, foi a melhor foda da minha vida.


— Me senti profundamente ofendido. - Sehun fingiu mágoa, bebendo um gole da sua garrafa de cerveja. — Mas não vou negar que queria.


— Eu deveria ficar com ciúmes? - Jackson levantou uma sobrancelha, com o braço nos ombros de Sehun. Os coreanos riram.


— Claro que não, xuxuzinho. - Sehun mordeu a bochecha de Jackson e ele fez uma careta afastando o rosto. — Mas queria.


— Você é terrível. - o chinês rolou os olhos, mas não estava realmente irritado. Nem tinha motivos para ciúmes, estavam num relacionamento aberto até mesmo para evitá-los. — Chanyeol, o labret está vindo pra cá.


Baekhyun passou em silêncio, abriu o freezer ao lado de Sehun e puxou duas garrafinhas de cerveja. Chanyeol observou seus movimentos. Ele estava bonito, as mechas vermelhas no cabelo estavam visíveis e ele usava uma calça jeans surrada e uma camiseta preta. Muito bonito mesmo.


O maior nem percebeu que Baekhyun estendia uma cerveja a ele, pegando-a assim que tomou consciência. Baekhyun bateu as garrafas, num brinde desajeitado, deu a Chanyeol um sorrisinho malicioso e saiu andando.


Chanyeol encarou o casal de amigos que trocavam risadas em sua frente, olhou para a bebida em suas mãos. Ele sabia que aquilo era um convite subliminar. Tomou um longo gole e virou-se para Jackson.


— Eu quero fazer uma aposta.

28 de Junho de 2018 às 15:02 6 Denunciar Insira 13
Fim

Conheça o autor

kel kel; escreve para o alívio da alma. [ficwriter | exo]. if the morning light don't steal our soul // we will walk away from empty gold

Comentar algo

Publique!
Alice Alamo Alice Alamo
Olá, sou Alice e venho pelo Sistema de Verificação do Inkspired. Sua história possui uma ótima narrativa e com uma escrita fluida e sem erros. Logo, está verificada! Parabéns pelo trabalho! Ah, apenas uma dica, talvez seja interessante rever os diálogos porque tem alguns hífens no lugar dos travessões ;)
15 de Setembro de 2018 às 18:49

  • kel kel
    Obrigada pelo review! Vou revisar a questão dos hífens <3 29 de Outubro de 2018 às 12:48
𝒇𝓪𝓫'𝓼 ✯ 𝒇𝓪𝓫'𝓼 ✯
Okay~ olha, amei. Só isso mesmo. Amo todo esse universo de corridas, carros, apostas e colocar Chanbaek no meio então uf! #likedit
1 de Julho de 2018 às 19:07

  • kel kel
    Adoro esse universo também! <3 Obrigada pelo comentário xuxu~ 29 de Outubro de 2018 às 12:47
Park Chaneko Park Chaneko
Chanbaek fazendo racha é minha religião aaahh Amei demais, que lemon foi esse bicho, perdi até o ar
29 de Junho de 2018 às 05:49

  • kel kel
    Adoro universo de rachaaas, quero escrever mais sobre~ fico feliz que tenha gostadooo <3 obrigada por ler e comentar xuxu ♥ 29 de Junho de 2018 às 09:03
~