Ágape Seguir história

whipjk Gab

Onde Jeon Jeongguk, um namorado extremamente bobo apaixonado, resolve levar seu tão adorado híbrido de gatinho ao trabalho. Uma pena que Jeongguk nunca tenha aprendido a se concentrar no mesmo ambiente que os sorrisos fofos e as orelhinhas de gatinho


Fanfiction Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#hybridhoseok #fluffy #jeon-jeongguk #jung-hoseok #babzgift #hopekook
Conto
3
4.9mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

— Perdeu os últimos neurônios que te restavam? Isso não vai dar certo!

O tom direto e ríspido de Jimin foram o suficiente para aumentar a já tão grande indignação de Jeongguk. Havia feito a Seokjin a mesma pergunta e igualmente fora respondido em um tom óbvio de exasperação e negação.


Por que ambos não podiam apoiá-lo em uma ideia tão simples? Ele apenas queria levar seu híbrido ao trabalho, nada demais.


— E por que não? O Hoseokie já tem vinte anos e aprendeu a falar na primeira pessoa! — Jeongguk rebate enquanto cruzava os braços emburrado.


Infelizmente tal fato era verdade, seu tão amado híbrido de gatinho já estava em seus vinte anos de idade e tinha aprendido tanto que sequer usava a terceira pessoa como antigamente.


O último detalhe deixava Jeongguk um tanto nostálgico e talvez até sentisse falta de ouvir a entonação adorável quando o outro murmurava “Hoseokie” como o sujeito em sua frase.


Em resposta a sua indagação pode ver Jimin suspirar antes de revirar os olhos como se tivesse feito uma pergunta idiota. Na realidade, Jimin sempre parecia assim.


— O Hobi não é o problema, Gukkie! — Ele estica o braço direito em sua direção, apontando-lhe um dedo em riste. — Você é. Acontece que desde o segundo que ele entrou na sua vida, você é cento e um por cento dedicado a ele. Se por acaso ele fosse um idol, você seria o tipo de fã que ficaria feliz só de respirar o mesmo ar que ele.


— Não seja tão exagerado, Jimminie. Claro que eu o amo como o meu gatinho e o meu namorado, mas eu não sou nenhum tipo de babão! — Soltou um bufar exasperado ao que apanhava alguns livros de receita para uma possível consulta.


— Ah, não? — Ele riu com um ar sarcástico antes de encarar seu dongsaeng com as sobrancelhas arqueadas. — Preciso te lembrar a vez que desistiu de viajar com a gente só porque ele disse “tchau” e te encarou demais?


— Ei! Não é minha culpa se ele parecia muito desolado naquele momento. — Jeongguk tentou argumentar, mas sabia que estava sendo em vão.


— Babão. Você é a definição de namorado babão, Jeon Jeongguk!


— Ah, calado. Eu vou fazer isso com a aprovação de vocês ou não. — Declarou por fim já frustrado demais com toda aquela mini discussão.


Recapitulemos toda a informação e todos os acontecimentos até o momento atual.


Acontece que Jeongguk tem um namorado e também híbrido de gatinho cujo nome é Jung Hoseok. Desde o momento que o ganhou do casal de melhores amigos, sempre esteve exageradamente fascinado pelo garoto e seus amigos faziam questão de lembrá-lo.


No passado, Jeongguk era uma pessoa solitária e deveras pessimista para um universitário em pleno primeiro ano da faculdade. Tudo isso gerado pelo seu trágico histórico de relacionamentos amorosos em sua vida, afinal quem gosta de ter um coração partido tantas vezes seguidas? Ninguém, é claro.


Mas quando conheceu Hoseok, o híbrido simplesmente transformou sua vida melancólica e monótona em algo cheio de luz.


O positivismo e o sorriso de covinhas sempre presentes no rosto alheio foram a grande salvação na vida de um Jeongguk afundado em suas próprias inseguranças. Ele pode finalmente ver que a dor precisava ser sentida para acharmos alguém para curá-la.


Provavelmente tais pensamentos eram melosos demais, assim como Jimin afirmava inúmeras vezes, mas ele não conseguia evitar de sorrir como um idiota sempre que pensava no Jung e todos os seus detalhes.


E agora, queria apresentar ao gatinho uma nova parte de sua vida, o seu tão amado trabalho temporário na faculdade.


Não era grande coisa visto que ainda não havia se formado em seu curso de gastronomia, mas era algo divertido e fácil para conseguir algum dinheiro extra para as despesas da casa e os gastos extras de cada mês.


Todos os fins de semana Jeongguk oferecia aulas práticas de culinária em uma das salas da faculdade e assim, todo o material era bancado pelo curso desde que os oferecesse certa porcentagem considerável do dinheiro.


O casal Jinmin, como carinhosamente apelidara os amigos em um relacionamento sério, participava de tais aulas mesmo que Jeongguk insistisse que os ensinaria de graça. Mas apesar da teimosia de ambos, aquecia o coração de Jeongguk receber tanto apoio.


— Está bem, faça o que quiser, mas se a aula se tornar pior que a cidade de Nova York em qualquer filme de super herói, saiba que eu farei muitíssima questão de dizer que eu avisei! — É a última coisa que Jimin declara antes de seguir em direção ao próprio apartamento.


Jeongguk respirou fundo e retirou a chave do bolso do moletom antes de destrancar a porta sem qualquer cerimônia prévia.


Assim que o concluiu, soltou uma pequena risada quando um vulto de orelhinhas castanhas pulou em sua direção, envolvendo-o em um abraço apertado e cheio de saudade.


— JEONGGUKKIE! Você demorou, eu fiquei preocupado! — O tom aliviado somado às orelhinhas se movendo de maneira hiperativa no topo da cabeça do mais velho, apenas serviam para deixar a recepção ainda mais adorável.


O moreno nem se deu conta de quando correspondeu ao abraço do acastanhado e acariciou suas costas em um pequeno pedido de desculpas por deixá-lo aflito.


— Me desculpa, Hobi. Estava conversando com o Jiminnie no caminho e acabei perdendo a noção do tempo. — Ignorou o bufar enciumado do mais velho e se afastou levemente para encarar Hoseok nos olhos. — Não fique irritado, eu tenho uma proposta pra você.


Hoseok piscou confuso e inclinou a cabeça para o lado por alguns segundos antes de separar o abraço e puxar Jeongguk para dentro, não esquecendo de fechar a porta com um cuidado que poderia ser considerar hilário.


Desde que Jeongguk o contou para tomar cuidado com ladrões, o meio gato parecia estar sempre preparado para ser atacado por um deles.


O Jeon até o flagrara encarando o carteiro com olhos semicerrados, mas preferiu não comentar a respeito para o bem da dignidade do outro.


— Uma proposta? Pra mim? — Repetiu agora mais animado ao que encarava o namorado com os olhos castanhos cintilantes, a cauda peluda se movendo atrás de seu corpo. — Espera...Você vai me pedir em casamento? O Jin hyung disse para não aceitar antes dos vinte dois!


— O que? Não, Hobi. — Interrompeu em meio a uma risada espontânea perante a ingenuidade que ainda restara no mais velho. — Eu apenas estava pensando em te levar comigo ao trabalho. Você não gosta de cozinhar comigo?


— Eu amo cozinhar com o Jeonggu-com você! — Esses momentos no quais Hoseok se atrapalhava por conta da animação, eram os favoritos de Jeongguk, sem sombra de dúvidas. — Mas...Eu posso mesmo ir?


Hoseok segurou as mãos de Jeongguk entre as suas e o olhou com olhinhos pidões como que para ter certeza que teria uma resposta positiva.


Era aceitável sua dúvida e insegurança visto que o mais novo sempre o deixava sozinho no apartamento quando ia ao trabalho. Não que não quisesse levar o híbrido, mas não tinha certeza se ele ficaria bem em um ambiente com tantos desconhecidos o rodeando.


No entanto, não custava nada tentar, certo? Ele parecia tão animado com uma simples possibilidade que o Jeon se sentiria extremamente culpado em negar-lhe essa oportunidade agora que já havia feito a proposta.


— Vá se trocar e se apresse porque hoje nós vamos ao trabalho, mocinho! — Sorriu deixando todos os dentes à mostra, assemelhando-se a um coelho enquanto recebia as covinhas alheias em resposta.


— Jeonggukkie-ah, você é o melhor namorado do mundo! — Hoseok deixou um selinho desajeitado nos lábios do namorado antes de subir as escadas pulando de dois em dois degraus por conta da ansiedade.


Jeongguk suspirou um tanto bobo enquanto assistia o meio gato sumir do seu campo de visão de maneira apressada.


Jung Hoseok era uma bola de alegria arrasadora de pobres corações inocentes.


*

Jeongguk se continha com todas as suas forças para manter seu autocontrole em seu máximo e não voar na imagem adorável que era Jung Hoseok com um avental e os óculos redondos pendendo sobre a ponta do nariz.


Mesmo estando na mesa do professor e o híbrido de gatinho em uma das últimas mesas do local, podia ver a cauda do outro ereta e com a ponta inclinada como sempre fazia quando estava de bom humor com algo.


Um suspiro inconsciente escapa pelos lábios do moreno, mas antes que pudesse continuar a apreciar a bela vista que tinha, é acertado por um livro grosso de receitas exatamente em sua nuca desprotegida.


— Você quer parar de babar e iniciar a aula de uma vez? Estão todos te encarando, seja mais profissional! — Jimin sussurrou em tom baixo, porém ríspido para chamar a atenção de seu dongsaeng. — Você está demorando tanto que o Jin está flertando comigo a distância, olhe.


Jeongguk desviou o olhar do garoto de madeixas rosadas e flagrou em uma cena cômica, o exato momento que Jin mandava um beijo voador na direção de um Park que desviava o olhar constrangido com a situação.


— Você diz coisas pervertidas o tempo todo e está com vergonha de um jeito soprado? — Jeongguk não perdeu a oportunidade de alfinetar o outro.


— Porque são coisas perfeitamente normais, mas ele...Argh! — resmungou frustrado ao que pressionava as mãos sobre as bochechas. — Esse hyung...Às vezes sinto que namoro um tio, as piadas dele me ajudam nessa teoria.


O Jeon resolveu acabar com a agonia do amigo e chamou a atenção dos alunos com um simples bater de palmas que estranhamente calou a todos no mesmo instante. Tentou sorrir da maneira mais amigável possível enquanto informava a receita do dia a todos e distribuía folhas de sulfite nas quais constavam as instruções que precisariam.


Uma parte de cada grupo seguiu em direção aos fornos posicionados sobre o balcão no canto esquerdo e os colocaram para pré aquecer assim como pedido nas instruções.


Entretanto, enquanto Jeongguk seguia andando ao redor das mesas para supervisionar o desempenho de cada um de seus alunos, foi mais uma vez traído por sua mente ao se pegar encarando Hoseok por tempo demais.


Era para ser uma cena normal do Jung amassando um pedaço de manteiga com uma colher, mas a mente de Jeongguk apenas focava nas orelhinhas abaixadas e a testa franzida em concentração.


E nem vamos falar nas mãozinhas, nem pensar.


Ele não podia olhar para elas, de jeito nenhum, era um caminho sem volta e ele precisava ser forte perante as tentações da vida.


...Merda, por que ele tinha olhado mesmo assim? Agora ele iria ficar pensando por meia hora a respeito das mãos de palma gordinha e de dedos longos e delicados. Ele estava tão perdido nessa dura vida de amar Jung Hoseok.


Balançou a cabeça fortemente e imediatamente se repreendeu por perder a concentração no próprio ambiente de trabalho. Se continuasse dessa maneira seus hyungs iriam provocá-lo pelo resto do mês e isso não lhe soava nem um pouco agradável.


Ele só precisava se distrair e tudo ficaria bem. Esse era um ótimo plano e com certeza o ajudaria a fugir das garrinhas diabólicas de Hoseok e a atração natural que ele parecia emanar sem sequer se dar conta.


Determinado passou a ajudar alguns alunos que se atrapalharam com a receita e até mesmo tirou as dúvidas aleatórias de outros para então seguir na direção de Seokjin na primeira mesa do lugar.


— Ei, Jin hyung! — Chamou calmamente e o outro terminou de despejar a massa já espantosamente pronta nas forminhas, logo o encarando em questionamento. — Está tudo bem aí?


Antes que o mais velho pudesse responder algo, sentiu uma pontada de ciúmes ao ver Hoseok tendo as orelhinhas acariciadas pelo garoto que supostamente seria sua dupla na tarefa de cozinhar alguns cupcakes.


Cruzou os braços em frente ao peito e semicerrou os olhos em uma ameaça muda que fez o aluno retirar a mão sem graça, mas quando o Jung ameaçou olhar em sua direção, Jeongguk instantaneamente voltou a encarar o Kim que tinha as sobrancelhas arqueadas.


— Eu quem pergunto. Você está todo avoado hoje e acabou por ser tão óbvio que as pessoas não param de olhar pra cá! — Seokjin limpou as mãos em um guardanapo antes de apontar para o banquinho em um pedido claro que foi atendido pelo Jeon. — Gukkie, eu sei que você o ama, mas não tem como ser um pouco mais discreto?


— Eu tento, hyung. Eu juro que eu tô tentando muito, mas antes que eu perceba o meu cérebro está pensando no quanto ele fica lindo mexendo a massa e...MEU DEUS, OLHA AQUILO, ELE TÁ FAZENDO DE PROPÓSITO, NÃO É POSSÍVEL!


— JEONGGUK!


— Okay, okay. Eu tô focado agora...— Mais uma vez sacudiu a cabeça e apoiou as mãos sobre os joelhos em meio a uma respiração profunda.


Seokjin acabou por rir ao encarar o estado de calamidade de Jeongguk, mas o moreno não o culpava já que nunca foi tão apaixonado por alguém dessa maneira. Até mesmo se sentia problemático por agir dessa maneira, inúmeras vezes suas bochechas coraram em um ato de vergonha alheia mesmo sendo ele mesmo ali.


— Você tem sorte de que estamos fazendo cupcakes e não trabalhando em uma usina nuclear ou você já teria derretido o planeta Terra há essa altura...— Jin murmura em um tom risonho e Jeongguk acabou por acompanhá-lo ao ouvir a risada tão única do amigo.


— Se eu trabalhasse em uma usina nuclear eu não o levaria ao trabalho, seria perigoso até mesmo pra mim. — Respondeu casualmente em um dar de ombros.


— Que tal pararmos de pensar em híbridos e você me ajudar a colocar esses cupcakes no forno? O Jiminnie já está até decorando os dele, não quero ficar para trás! — Declara antes de se levantar com as forminhas em mãos e ser seguido por um Jeongguk indiferente.


O mais novo abriu a porta do forno e deixou que o Kim colocasse os cupcakes dentro deste, mas mais uma vez teve sua atenção roubada ao ver Hoseok se aproximar para retirar seus próprios cupcakes do forno ao lado.


Os olhos negros encontraram os castanhos e o híbrido sorriu gentilmente em sua direção antes de acenar com o seu habitual ar iluminado.


Jeongguk imediatamente agarrou as luvas de proteção ao seu lado e puxou o híbrido para perto, surpreendendo-o ao colocá-las em suas mãos.


— Você sempre esquece, não é? Você estava prestes a se queimar de novo! — Tentou usar um tom de repressão, mas ao ver o olhar atônito do outro, acabou por sorrir de lábios fechados.


— Desculpa, Jeonggukkie. É só que eu queria ver os bolinhos logo! — Hoseok gesticula com as luvas já vestidas e abre o forno antes de pegar a forma que realmente se encontrava quente.


— Está bem, só tome mais cuidado, okay? Eu posso nem sempre estar por perto para te ajudar!


— Se você não estiver, eu vou lembrar de tanto você dizer e assim estará me protegendo mesmo estando longe! — O meio gato dá de ombros como se fosse algo completamente claro. — Eu confio que você não deixaria eu me machucar.


Certeiro. O tiro havia sido certeiro no coração já tão sofrido de Jeon Jeongguk, mas ele obviamente disfarçou e fez um leve carinho no topo da cabeça do mais baixo mesmo que seu coração estivesse esmigalhado de amor.


Mas claro que alguém tinha que interromper o seu mundinho feliz de arco-íris e Jung Hoseok sorrindo, afinal estamos falando da vida real e não de um conto de fadas.


Infelizmente o parceiro de Hoseok decidiu que o híbrido estava demorando demais e em um ato sem pensar agarrou a cauda alheia e a puxou com força desmentida, fazendo-o saltar de dor e surpresa.


Só havia duas coisas que o meio gato conseguia juntar forças para odiar em meio a sua constante bolha de felicidade: ser ignorado por Jeongguk e ter sua cauda puxada. Então, logo o menino gatinho adquiriu uma expressão emburrada enquanto acariciava sua pobre caudinha com olhos semicerrados.


Entretanto, não pense que a história se acabou por aí, longe disso. O Jung poderia até se contentar em deixar suas ameaças em pensamento, mas Jeongguk era diferente.


A expressão do mais novo imediatamente escureceu e alguns alunos até pensaram terem visto chamas acesas em seus olhos.


Por sorte, Seokjin agiu rápido e agarrou os braços do amigo enquanto esse freneticamente se debatia afirmando que iria explodir o pobre indivíduo que recuava para trás assustado.


— Me solta, Jin! Eu não vou matar, eu juro! — O mais novo tentava com todas as suas forças se soltar do aperto do amigo.


— Machucar gravemente também pode te dar problemas, idiota! — Jin revirou os olhos e olhou ao redor da sala notando que todos os alunos, fora Hoseok e ele próprio, tinham terminado a tarefa. — EI! O JEONGGUK DISSE QUE ESTÃO TODOS DISPENSADOS, JÁ PODEM IR PRA CASA.


Todos instantaneamente juntaram suas coisas e saíram apressados pela porta da frente, sequer ligando para toda a confusão que rolava bem diante de seus olhos, afinal tinham presenciado tanta coisa naquele mesmo dia que nada mais os surpreendia. Até mesmo o parceiro de Hoseok apanhou sua mochila em um canto e praticamente saiu correndo em uma clara maneira de fugir da ameaça a sua vida.


Quando apenas Jimin, Jin, Jeongguk e Hoseok se encontravam na sala, o mais velho permitiu que o moreno ficasse livre de seu aperto, vendo-o resmungar emburrado por não poder concluir suas vontades deveras violentas.


No entanto, logo sua carranca se desmanchou ao ouvir um fungado baixo, seu coração imediatamente se partiu ao notar que Hoseok era a origem do som.

O acastanhado tinha as orelhinhas abaixadas e deslizava as costas das mãos pelo rosto enquanto mantinha o olhar focado em seus pés.


Antes que Jeongguk pudesse agir, Jimin agarrou o braço do namorado e o arrastou para fora da sala em uma cena que dava ao mais novo certa nostalgia.


Jeongguk se aproximou do outro e sem hesitação o envolveu em um abraço apertado, permitindo que o híbrido afundasse o rosto em seu pescoço.


Agora podia sentir as lágrimas quentes em contato com seu pescoço.


— Ei, Hobi! — Chamou em tom brando enquanto deslizava a ponta dos dedos pelas orelhas felinas. — Por que está chorando?


— O H-Hoseokie estragou o trabalho do Jeongguk e agora ele vai ser demitido! — Hoseok sequer se dera conta que voltara à terceira em meio ao tom choroso e trêmulo.


— Hobi, está tudo bem...— Jeongguk pousa o indicador sobre o queixo alheio e ergue seu rosto, rindo baixinho ao ver seus óculos embaçados. — Amor, eu sou o meu próprio chefe não tem como eu me demitir.


— M-Mesmo? O H-Hosek-Eu não estraguei tudo? — Perguntou em um tom esperançoso mesmo com o rosto molhado de lágrimas.


— Claro que não, seu bobo. É só que...— O moreno suspirou constrangido ao que coçava a nuca com a mão livre. — Eu não conseguia parar de olhar para você.


— Por que? Tem farinha no meu rosto de novo? — Sua testa se franziu enquanto esfregava o rosto de maneira desajeitada como se realmente a farinha realmente fosse o motivo do olhar fixo do mais novo entre eles.


— Não é isso, Hobi. É que quando amamos alguém nós tendemos a ficar meio...Bobos, sabe? — Tentou explicar da maneira mais simples para o híbrido confuso.


— Oh, como quando o meu coraçãozinho disparou agora mesmo? — Ele perguntou em tom baixo como se Jeongguk não pudesse ouvi-lo dessa maneira, mas o moreno processou cada uma das palavras.


— Seu coração está disparado?


— Claro que não! Quem disse isso? — Hoseok sorriu divertido e tentou fingir inocência, as orelhinhas agora se mexiam felizes no topo das madeixas acastanhadas.


— Você é impossível! Vem, vamos terminar de decorar os seus cupcakes! — Segurou o abraço do parte gato, mas quando tentou puxá-lo o mais velho não se moveu.


Quando olhou para trás foi surpreendido ao ver o Jung fazendo um biquinho fofo enquanto fechava os olhos fortemente.


— Jeonggukkie, beijinho!


Jeongguk revirou os olhos carinhosamente e segurou o rosto alheio antes de selar seus lábios em um beijo terno e sem qualquer malícia.


Apenas um sentindo o outro da maneira mais pura existente.


Tudo isso porque eles se amavam dessa maneira melosa que só eles entendiam.


Jeongguk amava Hoseok ágape, assim como constava na religião: de maneira incondicional e voluntária, um amor de corpo, mente e alma para com o garoto gatinho.


Afinal, Jeongguk poderia ser um bobo apaixonado e tanto, mas ele apenas seria assim por certo garoto de sorriso de covinhas e orelhas felinas.

26 de Junho de 2018 às 00:17 1 Denunciar Insira 4
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
ay Sena ay Sena
mds tomara q eu exploda com toda essa fofura 🥺
29 de Setembro de 2019 às 16:06
~