Cor de Outra Galáxia Seguir história

vkookyes Vkook Yes

Com apenas dez aninhos, mas a curiosidade maior que seu pequeno corpo, Taehyung observava, em tese, da janela seu novo (aparente) vizinho: Park Jimin. Em tese, porque o garoto só queria aquele moletom bonito do pequeno hyung; o da Cor de Outra Galáxia. Vmin | Kid!Fic


Fanfiction Bandas/Cantores Todo o público.

#vminnamora #minv #bts #vmin
Conto
12
4.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Único

Gotículas da fina chuva faziam pousada na janela de vidro do quarto do pequeno Taehyung, quem brincava de acompanhar a famosa corrida das gotas, a fim de adivinhar aquela que chegaria no final primeiro.


Ser filho único e de pais moderadamente bem de vida tinha várias desvantagens. Por exemplo, a solidão constante. O fato de morar em uma região mais afastada do colégio de Daegu, enquanto todos os seus amigos moravam bem pertinho dele, era insuportável, porque constantemente não tinha ninguém para brincar.


Chegou a inventar um amigo imaginário, mesmo já tendo dez anos. Mas este foi embora, deixando o pequeno Kim desolado, e dias questionando sua facilidade insuportável de fazer amigos, para não os ter por perto.


Era triste.


Seguia com o dedo indicador a maior gota e observou ela estacionar em um ponto. Curioso, olhou em direção a rua e, coincidentemente, a água estava em cima de um garotinho do outro lado da rua, que portava um guarda-chuva, botas pretas, calça e um moletom de uma cor estranha... Mas era incrivelmente bonita!


Taehyung encheu-se de luz. Quem era aquele?


Observou-o por um tempo curto, pois a Senhora Park – sua vizinha da frente, da casa rosa – apareceu e o tomou pela mão. Seguiu com o olhar todo o trajeto que os dois fizeram, até o pequeno não conseguir mais vê-los.

Seria o neto da noona Park? E que moletom bonito!

Abriu o seu guarda-roupa e observou todas suas roupas (camisas, calças, casacos e pequenas gravatinhas) e nada comparava àquela linda peça que outrem trajava.


Estava encantado! Então, sentindo-se em um dos seus desenhos de investigação, o Kim decidiu investigar sobre aquele garoto e descobrir uma maneira de vestir aquele moletom bonito.




—X—




Ele conseguiu. 


Afinal, era um simpático garotinho; asspara derreteu a Senhora Park pela centésima vez, a dando de presente um desenho que havia feito. Entrou na casa e lá estava o rapazinho que vira do outro lado da rua.


Sentado, assistindo televisão e tomando um copo de suco, atento a cada acontecimento do filme.




— Vem, Taehyung. Vou te apresentar ao meu neto. Ele vai passar um tempo comigo, já que os pais deles vão viajar para o Japão. – O acompanhou até bem pertinho do garoto e induziu um contato visual, ao forçar a garganta e chamar a atenção do menor. – Jimin, cumprimente a visita.


— Oi, Taehyung! – Curvou-se o corpo e obteve ações semelhantes no outro.


— Oi, Jimin. – Como ainda não sabia se ele era seu hyung, preferiu manter assim o tratamento. As formalidade viriam depois.


— Bem, vou deixá-los conversando, porque criança se entende. – Comentou a mulher. – Fico feliz que tenha vindo até aqui, Tae. Espero que sejam bons amigos!


— É claro, senhora Park. Eu também espero. – Sorriu de forma ampla e tão fofa, que a mulher não pode resistir e deu-lhe leves apertos nas bochechas. Após isso, saiu.


— Oi, você é meu hyung? – Jimin questionou e Taehyung dera de ombros.


— Vou fazer onze anos esse ano. E você?


— Eu também! – O Park contou animado, porém, frustrou-se ao perceber que ainda não podia confirmar se recebera um hyung ou dongsaeng.


— Eu faço em setembro.


— Ah, eu faço em dezembro... – Taehyung bufou. Não aguentava mais a vida de dongsaeng de todo mundo. Pelo menos, era o hyung do Jungkook. – Você é meu hyung.


— Ah, verdade! – Jimin deu um sorriso de tal forma fofa, que até Taehyung, quem também era uma criança fofa, sentiu vontade de apertar as bochechas cheias. – Você gosta de filme, Taetae? Ah, posso te chamar de Taetae? Nomes são formais demais. Não gosto. – Confessou.


— Pode.




E assim os dois garotinhos construíram uma relação amistosa naquela tarde, afinal, nosso pequeno Taehyung era muito carismático e cativava as pessoas facilmente. Jimin não saiu ileso.


Porém, quando o mais velho abriu o guarda-roupa que a vovó Park separou para ele, o Kim avistou o moletom que ele desejou ao ver o outro pela primeira vez. Apontou descaradamente e com os olhinhos brilhando.


— O quê? – O Park questionou, observando suas roupas. Apontou várias e recebeu um aceno negativo. Até que o próprio Kim ergueu seu corpo e tocou com delicadeza de quem está vislumbrado, arrancando risadinhas extremamente fofas à vista de qualquer pessoa mais velha. – Esse?


— Sim! É bonito! A cor... Eu nunca vi essa cor!


— Ah, vovó que fez. – O pequeno explicou, retirando do cabide, e entregou a roupa ao mais novo. – Quer experimentar?


— Sim! – Taehyung tirou a própria blusa de frio e esperou ansiosamente poder vestir. – Eu achei ele tão legal!


— Sério? Eu também. – Ajudou-o a vestir e sorriu com a felicidade alheia.


Jimin sempre foi ensinado a compartilhar suas coisas, mesmo não tendo nenhum irmãozinho para isso. No entanto, crescera com Namjoon – que era uns aninhos mais velho que si – e seus pais amavam o garoto como um filho, mesmo sendo seu sobrinho.




— O que quer em troca por esse moletom?


— Eu não posso te dar, Taetae. – O Chim refutou, recebendo um bico enorme alheio. – A vovó ficaria triste.


— Verdade... – O Kim entendeu, mas ainda sim sentiu-se frustrado. Bem, pelo menos Jimin era legal e não foi tão ruim fazer amizade com o garoto.


— Mas... – O Park não gostava de ver outras pessoas tristes. Portanto, sua cabecinha engenhosa e bondosa logo tratou de arrumar uma alternativa. – Eu posso alugar para você.


— O quê? – Empolgou-se. – Em troca de quê?


— De...


— Já sei! Você tem passe livre para o meu quartinho de brinquedo! – Taehyung deu um abraço caloroso em seu novo amigo e olhou nos olhos dele, apertando as bochechas do mesmo entre suas mãos. – Tenho muitos brinquedos e ninguém para brincar.


— Poxa! – Disse meio engraçado por ainda ter suas bochechas nas mãozinhas um tanto grandes para a idade do dongsaeng.


— É. Você pode escolher aquele que quiser, menos o homem-de-ferro e o equipamento dele, porque o Jungkook já usa. Ok?


— Quem é Jungkook?


— Um amigo. – Revirou os olhos com uma lembrança. – Ele é um bobo. Enfim...


— Ah, ok!


— Hyung, você topa?


— Sim! – O que o Park diria também? Tinha um quarto de brinquedo ao seu dispor, simplesmente por emprestar seu moletom ao seu novo amigo. Talvez o bobo fosse Taehyung...




—X—




Jimin faria seus vinte anos em três dias, mas sua vovó era muito ansiosa para esperar. Havia feito outro moletom para seu netinho – não perderia nunca esse costume – e havia terminado. Queria entregar e o fez. Qual era o problema, não é mesmo?


O rapaz sempre fora em demasia amoroso com sua avó; logo, recebera com grande carinho e um abraço caloroso.


O vestiu – era um dia frio – e foi arrumar seus fios negros, a espera de seu namorado. Sorriu com esse pensamento, enquanto mirava seu presente.


— Ai, ai... Se não fosse esses moletons...




Pôde escutar, após uns minutos, a senhora Park abrindo a porta e saudando alguém, quem respondia animado e com grande amor.


Ah! Mal pôde conter o sorriso apaixonado.




— Onde está meu próximo aniversariante? – O Kim entrou no quarto; o sorriso estonteante e encantador fez Jimin sorrir em resposta. – Aí está!


— Estou! – Recebeu um selinho.


— Oi, gatinho, vem sempre aqui? – Taehyung deu-lhe outro beijo, reparando então em algo diferente.


— Você está na casa da minha avó... Ué!


— Que coisa linda é essa? – Extasiado, o Kim admirava a tal “coisa”.


— Sou eu. – Jimin deu uma voltinha e riu, sabendo bem do que o outro falava.


— Não, amor... Aliás, você também, mas estou falando do moletom. – O namorado riu, revirando os olhos para o óbvio. – Desde quando...?


— Vovó me deu hoje. – Comentou. – Por quê? Quer aluguel deste também?


— Quero!


— E o que eu ganho em troca? – Sorriu, beijando seu dongsaeng bobão.


— Hmm... – O Kim colocou as mãos na barra da roupa e fez menção de levantá-la.


— Não quero seu brinquedo, Taehyung. – Jimin riu com a carinha indignada lançada para si.


— Mas eu só quero pegar o moletom. – Refutou a ideia errada que o Park tinha. – Você ganha em troca passe livre para... Meu coração.


— Ahmm... – O Park retirou o moletom e entregou seu namorado. – Acho que esse eu já consegui, hein? – E mais um beijo.


— É, definitivamente, conseguiu. – Taehyung direcionou o outro até a cama e mantivera os beijos.


— Ei, eu disse que não quero brincar com seu brinquedo! – O Park empurrou o Kim, enquanto gargalhava alto com os sons de insistência que o mais novo fazia em seu cangote.


— Mas... Ah, mas eu ainda só quero o moletom! – Apoiou a testa na do Park, abraçando-o de forma carinhosa. Não havia qualquer malícia no olhar de seu namorado; sabia que ele só queria brincar consigo.


Jimin sabia e queria que o Kim entendesse isso algum dia: não era aquele moletom que possuía uma cor de outra galáxia; mas sim o Kim quem lhe dava cor a sua vida. Esta, sim, era de outra galáxia. A mais brilhante de todas. 

25 de Junho de 2018 às 22:04 0 Denunciar Insira 4
Fim

Conheça o autor

Vkook Yes Taekook, Minjoon e Vmin SPIRIT FANFICS: https://www.spiritfanfiction.com/perfil/vkookyes WATTPAD: https://www.wattpad.com/user/vkookyes

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~