Teacher Seguir história

sakuu-chan Sakuu-chan Oficial

Quando suas amigas escolheram um cara qualquer no bar para que ela pudesse ter um sexo casual para comemorar a aprovação na prova de residência no Hospital Konohagakure, jamais imaginou que o sexo mais maravilhoso de sua vida, se tornaria seu “professor” dali a três dias.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#sasusaku #professor #aluna #sasuke-uchiha #sakura-haruno
Conto
5
4.6mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Seus olhos não conseguiam desviar do quadril da mulher a sua frente, indo para lá e para cá, em um balançar sinuoso e delicado. Passou uma das mãos no rosto e suspirou em derrota. Não podia se atrever em triscar um dedo nela, ela era sua aluna, sua residente, mas não deixava de ser apetitosa, e se o fizesse como já o fez, Tsunade o mataria.

Sentiu seu autocontrole quase abandonar seu corpo quando a viu, encima daquele palco, tocando o corpo de forma provocante enquanto cantava uma música junto à amiga loira, Ino e lhe olhava nos olhos sorrindo diabolicamente.

Ela sabia como mexer com ele e usava isso sem dó e nem piedade. Maldita hora que aceitou acompanhar os colegas de trabalho até o bar próximo ao hospital, mas precisava se distrair, e conseguiu, até o momento que a viu entrar pela porta de madeira com as outras residentes, retirar o casaco e revelando o vestido de frente única com pregas e um belo decote das coxas e seios, deixando-a mais deliciosa do que já era.

As pernas longas e claras que sempre ficavam escondidas pelas calças do uniforme hospitalar estavam à mostra, chamando atenção por onde passavam, e por mais que ele não quisesse, fitou-a da cabeça aos pés, quando encarou o rosto pôde ver o sorriso malicioso e ao mesmo tempo, vitorioso nos lábios com um rosado natural.

Confessava que a preferia com aquelas vestes a do hospital, se bem que, a observava atenciosamente com qualquer roupa, ela sempre atraiu sua atenção, desde o primeiro dia que a viu, naquele mesmo bar, com umas amigas, comemorando sabe-se lá o que, e quando há viu três dias depois, sendo apresentada como sua “aluna residente” no grande hospital Konohagakure.

Depois de um sexo casual maravilhoso, não esperava vê-la tão cedo, até porque, a garota de cabelos estranhamente rosados não havia lhe dado telefone e muito menos um nome verdadeiro, era só uma brincadeira prazerosa para os dois, mas vê-la a sua frente, mais vermelha que um tomate o pegou desprevenido.

Mas ser pego, dentro do quartinho de descanso pela chefe do hospital tendo suas roupas arrancadas e tentado arrancar as roupas de sua aluna o tinha pegado mais desprevenido ainda, até porque, aquele tipo de atitude era inadmissível dentro do hospital, mesmo que 90% dos funcionários não ligassem para isso, Tsunade que o diga.

Não estava em seus planos agarrá-la ali, no hospital, mas quando tentou conversar sobre a noite que tiveram, ela se fez de desentendida e desconversou, então, não lhe restou outra opção a não jogá-la dentro do quarto de descanso quando passou na frente e a prensar contra a parede e beijá-la, apalpá-la e apertá-la, fazendo-a recordar-se da melhor maneira possível, o que pareceu dar certo, já que quando a beijo, sentiu suas mãos pequenas e macias puxar-lhe o jaleco pelos ombros e tentar erguer sua camisa.

Agora lá estavam eles, naquele maldito jogo de olhares com segundas intenções, e isso estava torturando-o, ainda mais com ela tentando provocá-lo. Suspirou e deu um longo gole na sua bebida enquanto os colegas de trabalho discutiam uma nova forma de fazer uma cirurgia mais rápida. Será que eles sabiam que eles estavam ali para se distraírem e esquecerem o trabalho?

Não prestava atenção na letra música, apenas nos movimentos corporais de sua aluna e isso estava o deixando excitado, por mais que não pudesse, mas acredite, Sasuke era o tipo de cara que acreditava veemente que o “proibido sempre era mais gostoso do que o permitido”.

***

Há cinco meses, quando suas amigas fizeram aquela proposta a ela, Sakura não acreditava que teria o melhor sexo casual de sua vida, e muito menos que depois de três dias o homem que a levou a delírios inúmeras vezes na melhor noite de sua vida, seria seu professor na nova etapa de sua vida, a vida de residente no Hospital Konohagakure.

Confessava que a única coisa que sentia no momento era vergonha, entretanto, quando transou com o moreno de olhos penetrantes, escolhido por suas amigas em um bar enquanto comemoravam a conquista de terem passado nas provas de residentes em um dos melhores hospitais do país, jamais imaginou que esse tal “moreno” seria seu professor no futuro.

Tentou desconversar o máximo que pôde enquanto o moreno questionava-a se ela se lembrava dele e porque dela ter lhe dado um nome falso, mas quando ele a jogou no quartinho de descanso e a beijou, confessava que não conseguia mais resistir a ele. Será que o grande doutor Uchiha sabia o quão irresistível ele era?

Desde aquele dia, Tsunade, a chefe-geral do hospital a vigiava indiretamente, até porque, se ela não tivesse aberto a porta no momento que Sasuke mordiscava seu pescoço, com certeza ele teriam ido até o final, e ela não reclamaria nunca disso, pode apostar.

Tentava manter-se afastada do Drº Uchiha, mas tornava-se algo quase impossível, já que era aluna residente dele, não podia deixar-se cair em tentação, não depois de se preparar anos e mais anos para conseguir sua vaga naquele hospital.

Agora lá estava ela, depois de o que? Uns dez shots de tequila ou mais? Cantando com Ino no Karaokê e o encarando maldosamente, como se conseguisse ler as cenas obscenas que Sasuke imaginava fazer com seu corpo, mas ela também tinham pensamento férteis, principalmente depois que conheceu o delicioso médico.

Seus olhos estavam grudados nos negros do Doutor, as letras da música saia de acordo com Ino, sua melhor amiga, suas mãos tocavam livremente as coxas, barriga e seios, arrancando alguns assovios por parte da plateia masculina, mas nenhum homem lhe interessava ali, a não ser o Doutor Uchiha.

A música terminou e ela e Ino agradeceram aos elogios que a plateia improvisada lhe oferecia, riu e desceu o pequeno palco, e o olhou, lá estava aquele maldito sorriso de canto, que lhe dava tantas expectativas e insinuava tantas coisas. Mordeu o canto dos lábios e sorriu de volta, dando-lhe uma piscadela de brinde. Talvez precisasse parar de beber.

***

Para seu prazer, Sakura sabia ser provocante e inocente ao mesmo tempo, e isso o agradava e muito, até porque, não queria que outras pessoas pensassem mal da garota que tanto se esforçou para chegar onde estava só porque ele queria usufruir de seu corpo sem dó, e ele sabia que sua querida aluna queria aquilo tanto quanto ele.

Sakura sabia o que Sasuke queria fazer e por mais que não quisesse, entrava no joguinho do Doutor, fazer o que, se ela gostava de brincar? Era contagiante a sintonia que os dois tinham, bebeu um gole de sua água e sorriu quando as novas amigas fizeram a proposta para Ino, que lhe sorria maliciosamente.

— Escute Yamanaka, a única coisa que precisa fazer é se aproximar e lhe sorrir… – Tenten, a residente de ortopedia falou sorrindo, estava tão alta por conta do álcool, quanto às outras. – Todas perceberam os olhares que o Doutor Sabaku No lhe lança.

Foi sua vez de sorrir, encarou a amiga loira que lhe olhava enigmaticamente, apenas ela sabia que Ino e o doutor Sabaku No já tinham inaugurado o quartinho de descanso no primeiro dia de residência, até porque, eles já se conheciam há anos, só que ninguém sabia disso e pelo jeito, Ino queria que continuasse da mesma maneira.

— E o que mais? – Ino questionou começando a gostar da brincadeira, até porque, Gaara era um homem de pegada firme e ela adorava homens assim.

— Você só precisa sair daqui com ele… – Hinata, a futura pediatra falou sorrindo, talvez a tímida morena tivesse bebido demais. – Se o fizer, terá seu almoço pago por nos por um mês.

Riu discretamente, ela também havia caído nessa há alguns meses e agora estava num jogo de olhares com um dos médicos mais competentes e desejados do hospital, assim como suas amigas. Elas podiam não assumir, mas Sakura sabia que Hinata estava chamando a atenção do médico pediatra Uzumaki, e Tenten já havia caído nos encantos do doutor Hyuuga, cirurgião cardíaco.

Viu a amiga loira levantar-se, arrumar o vestido no corpo e ir em direção a mesa dele, do seu médico favorito que estava com os médicos Hyuuga, Uzumaki e Sabaku No bebendo e conversando sobre alguma coisa, que ela desconhecia e pelo jeito, ele também. Ino tocou o ombro do neurocirurgião e sorriu-lhe quando mesmo virou. As palavras trocadas foram poucas e minutos depois já estavam saindo porta afora.

— Eu sabia que ela conseguiria. – Hinata falou rindo abertamente, fugindo totalmente da garota tímida que conhecerá a alguns meses.

Ficaram conversando por algum tempo quando decidiu ir embora, já que havia perdido sua companheira, tinha que aproveitar que não estava tão tarde para ir para casa sozinha, despediu-se das amigas, pagou sua parte e a de Ino e rumou para onde estavam os casacos, quando o viu, a sua frente, colocando o casaco e lhe sorrindo.

— Senhorita Haruno. – Aquela voz a fazia delirar, principalmente sussurrada, mas precisava manter-se firme.

— Doutor Uchiha. – Ouvi-la chamá-lo formalmente o fez rir.

— Tão formal, senhorita Haruno. – Provocou pegando o sobretudo azul da mulher e pedindo para que ela virasse com o dedo, fazendo-a revirar os olhos e ele sorrir, lentamente começou a vesti-la, aproximou bem sua boca da orelha da rosada e sussurrou. – Quando estava em meus braços, essa formalidade não existia.

Tentou não rir, mas infelizmente, não conseguiu, até porque, nem ela e muito menos Sasuke esquecia aquele começo deles, que ela nem sabia se era realmente um começo.

— Obrigada, Sasuke. – Agradeceu virando-se para o moreno e fechando o casaco. – Boa noite.

Deu a volta no médico e rumou para a saída, sabia que suas amigas a observavam de longe, ela não queria que os outros comentassem mais do que já comentavam, ainda mais se a vissem saindo com Sasuke do bar, como já acontecerá antes, por mais que sua vontade naquele momento fosse justamente essa.

Arrepiou-se ao sentir o frio de Konoha bater contra seu rosto, sorriu de canto e a viu andar em direção ao ponto de táxi mais próximo. Quando viu Ino se aproximar da mesa mais cedo, logo imaginou que ela estava atrás de Gaara, não era muito fácil para eles poderem disfarçar o que sentiam um pelo outro.

Quando resolveu ir embora, não imaginou que Sakura fosse querer o mesmo, a desculpa de lhe ajudar a colocar o casaco, fora apenas para poder sentir o perfume da rosada, que ele deveria lembrar-se que era sua aluna e que deveria manter-se longe.

— Quer uma carona? – Perguntou sem ao menos perceber atrás da garota, que agora lhe olhava.

— Você é o meu professor. – Sakura falou após alguns minutos em silêncio, apenas encarando a pessoa que lhe tirava o sono desde que o conhecerá.

— Isso não te impediu há alguns meses. – Sasuke despejou se aproximando, isso não havia importado para nenhum dos dois, porque agora importaria.

Sakura o encarou e suspirou, claro que ela queria ir com ele, mas estava com medo das pessoas comentarem, mais do que já estavam comentando, e outra, não sabia que ele se tornaria seu chefe quando aceitou a “carona” da outra vez.

— Eu não sabia que você seria meu professor… – Comentou encarando o moreno que agora estava na sua frente, com as mãos no bolso.

Sakura era uma garota linda, ainda mais de perto. Deu um sorriso de canto e a encarou firmemente, queria lhe dar carona e a convenceria de aceitar.

— É só uma carona, não tentarei fazer nada, a não ser que você queira. – Sasuke falou, dando o seu sorriso de canto rotineiro, e confessava, era charmoso para cacete.

Mordeu o lábio inferior e encarou Sasuke, era difícil dizer não a ele, olhou envolta rapidamente enquanto balançava a cabeça. O sorriso pequeno de Sasuke deu uma alargada, que passou despercebido por Sakura.

***

Sentiu suas costas baterem contra a porta de seu apartamento e arfou ao sentir os lábios de Sasuke em seu pescoço, suas mãos em sua cintura lhe apertando enquanto suas mãos se perdiam nos fios negros e rebeldes do médico, mal conseguindo lembrar como haviam chegado a aquele estado.

O silêncio no carro estava se tornando insuportável enquanto seguia em direção ao apartamento da Haruno, ela parecia ter tido receio de lhe passar o endereço, mas logo cedeu lembrando-se que precisaria falar para que ele pudesse levá-la. Dirigia com cuidado, porque as pernas da Haruno eram boas distrações, principalmente quando ela cruzava para espantar o nervosismo.

Quando parou o carro em frente ao pequeno prédio de três andares o silêncio que já era constrangedor, ficou pesado, fazendo com que Sasuke precisasse respirar fundo atrás de ar. Sakura ao seu lado parecia esta travada, com os dedos apertando a pequena bolsa. Talvez nenhum dos dois tenha pensado na despedida.

Quando se virou para despedir-se do Doutor Uchiha, sentiu sua boca ser coberta pela dele, no início havia se assustado, mas logo se recuperou e o beijou de volta, deixando a pequena bolsa cair em um baque abafado no piso do carro, suas mãos foram para o rosto e nuca do moreno, enquanto as mãos do moreno foram para sua cintura, quase a puxando para seu colo.

Não precisou de palavras, apenas se olharam quando se separaram, ali, e seus olhos já diziam tudo, eles se queriam e conseguiriam. Saíram do carro em sintonia, enquanto Sasuke travava o carro, Sakura abria o pequeno portão e adentrava o prédio com o Uchiha em seu encalço. Quando chegou a porta de seu apartamento, sentiu Sasuke beijar sua nuca enquanto tentava, a todo custo achar a chave perdida na pequena bolsa, quando achou, destrancou a porta e virou-se para Sasuke, onde teve sua boca capturada pelos lábios do médico, mais uma vez.

Os lábios de Sakura correspondia o contato dos seus com fervor, fazendo-o perder a linha de raciocínio que estava a beira de se romper. Ele a queria, ela o queria, mas os dois sabia que estavam se colocando em risco. Havia se deixado levar pelo desejo, agora estava numa encruzilhada, seguir a diante e matar seu desejo, ou afastar-se e ir embora?

Afastou o Uchiha lentamente de seu corpo e o olhou, ambos ofegantes, Sakura podia notar um pouco de coloração rosada nas bochechas quase pálidas de Sasuke e isso deixou-o mais charmoso do que já era, gemeu baixinho e lutou contra sua vontade de beijar o seu professor mais uma vez e arrastá-lo para dentro de casa, para arrancar-lhe as roupas, usar e abusar daquele deus de ébano.

Sakura sabia que se entregar aquela paixão e alguém importante do hospital descobrisse, ela poderia dar adeus a sua carreira como médica, até porque, ela ainda estava construindo seu futuro, enquanto o de Sasuke já estava pronto.

— Entregue, Senhorita Haruno. – Sasuke falou em um fio de voz.

Estava sendo difícil para ele, vê-la ali, com os lábios entreabertos avermelhados pelo recente beijo, cabelos levemente revoltos e roupa desajustada ao corpo por conta dos amassos, mas não poderia agarrá-la, não quando ela não queria, mas dava para ver em seus olhos verdes que ela o queria tanto quanto ele a queria. Mordeu o canto dos lábios a encarou.

— Não me olhe assim… – Sakura gemeu encostando-se à porta e encarando o Uchiha, que lhe faltava suplicar com o olhar, precisava se decidir.

— Assim como? – Sasuke questionou lhe olhando nos olhos.

Antes mesmo que pudesse falar mais alguma coisa, Sakura agarrou as lapelas de seu casaco e o puxou, beijando-o com fervor, pouco se importando se ele era ou não, seu professor. Ele gostou daquilo, e muito, tantas coisas passaram em sua cabeça, tantas coisas que poderia ensinar a aquela aluna.

Apertou seu corpo contra o de Sasuke e recebeu outro aperto de volta, sem desgrudar, abriu a porta e puxou-o para dentro, sorriu quando o moreno fechou a porta com a espécie de um “coice”, sentiu os lábios de Sasuke abandonar os seus e partir para seu pescoço, gemeu alto e com a ajuda do moreno, retirou o grosso casaco de feltro para os dias frios de Konoha.

Sasuke teve o casaco e logo em seguida a camiseta social arrancada do corpo e jogada ao chão da sala, sem pensar duas vezes, fez o mesmo com casaco e o vestido de Sakura, deixando-a apenas de salto e calcinha a sua frente, os seios estavam firmes e rijos, apenas a espera de seu toque, mordeu o canto dos lábios e segurou o rosto de Sakura, fazendo-a lhe encarar com a boca entre aberta de excitação.

— Você é linda.

Aquela não era a hora ideal para Sasuke dizer que ela era linda, passou a ponta da língua no lábio inferior e sorriu quando os olhos de seu professor se tornarem mais intensos. Desceu as mãos pelo peito definido e abdômen bonito até o cós da calça arranhando e o puxou por ali, fazendo com que ele desse um passo a frente.

Ok, se tinha uma coisa mais sensual do que Sakura desfilando apenas de calcinha rendada e saltos altos enquanto o puxava pelo cós de sua calça jeans, ele queria saber, porque ele acreditava que não tinha. Sorriu quando Sakura o jogou sobre sua cama e sentou-se em sua virilha, sentiu seu corpo arrepiar quando a rosada puxou-lhe os cabelos, fazendo-o lhe encarar.

Sabia que o Doutor Uchiha queria lhe ensinar algumas coisas, mas ela também queria lhe mostrar que não era nenhuma garotinha boba, sorriu e passou a língua sobre os lábios entreabertos do Uchiha e sorriu quando o sentiu pulsar debaixo de si. Sorriu quando as mãos do Uchiha começaram a comandar suas reboladas leves.

Sasuke sabia o que sua querida aluna queria fazer com ele, mas ele quem era o professor ali, ele quem deveria ensiná-la. Soltando sua cintura, Sasuke a beijou e trocou as posições, ficando por cima, antes de Sakura pudesse reclamar, passou a mordiscar, lamber e chupar o pescoço e vale dos seios da rosada, que se arrepiaram com o toque de seus lábios.

Quando pensou em reclamar, sentiu os lábios e a língua molhada de Sasuke sobre o seu mamilo, fazendo-a arquear as costas, apertando seu seio sobre a boca do professor. Gemeu alto quando o moreno mordeu lhe e puxou entre os dentes.

Após satisfazer toda sua carência dos seios da rosada, levantou-se e a admirou. Seus cabelos de cor inconfundível estavam espalhados sobre o travesseiro verde-claro, os lábios entreabertos, peito subindo e descendo em busca de ar, mãos segurando a fronha da cama, e lá estavam, aqueles olhos que poderiam ler a sua alma.

Não queria admiração, naquele momento queria ação, ajoelhou-se na cama ficando de frente para Sasuke, olhando-o nos olhos passou as unhas desde o peito até o cós da calça jeans, fazendo o Uchiha apreciar tal contato, sem desviar o olhar de Sasuke, desabotoou a calça e desceu o zíper antes de puxar a calça para baixo, revelando a ereção coberta pela cueca boxe branca. Mordeu o canto dos lábios e o olhou dos pés a cabeça, seu professor era maravilhoso.

Sentia-se avaliado pela aluna, mas não se importava, ele fizera isso muitas vezes com ela com roupa e agora sem, sem ajuda retirou os sapatos, meias e a calça jeans, jogando-a em um canto qualquer, deitou-se sobre a rosada e a beijou com fervor, apertando os corpos, a carne, os lábios, sentia os pés delicados passear sobre as suas pernas, provocando.

Com os lábios colados nos de Sasuke, Sakura retirou a única peça de roupa que cobria o corpo do professor e sentiu moreno fazer o mesmo com a sua, sorriu e beijou-lhe o pescoço. Por mais que não parecessem, estavam querendo prolongar o máximo aquele momento. Gemeu próxima ao ouvido do moreno quando o mesmo lhe penetrou com cuidado e firmeza.

Aquele momento não precisou de palavras, seus lábios se tocaram mais uma vez, enquanto Sasuke estocava dentro de Sakura, arrancando-lhe gemidos abafados por seus lábios. As unhas de sua aluna marcavam lhe as costas, ombros e nuca, mas ele não se importava, estava apenas saciando a vontade ambos.

Arqueou as costas quando Sasuke foi fundo e gemeu perto de seu ouvido, ele tentava a todo custo tentar controlar a vontade de ir mais rápido, a tempo de prolongar mais aquele momento, os lábios do Doutor Uchiha tocava-lhe o pescoço, ombros e lábios, e ela correspondia.

O suor já percorria os corpos, mas eles queriam mais, queriam mais contato, o desejo era grande demais para ser controlado, Sasuke e Sakura queriam tirar o máximo de si, para que aquela vontade insana uma do outro chegasse ao final.

As estocadas eram firmes e rápidas, os gemidos já eram incontroláveis, as mãos tocavam os corpos, reconhecendo, gravando e saciando qualquer forma de desejo. Sasuke estava próximo ao seu limite e Sakura já estava indo para mais um clímax, os cabelos grudavam nos corpos graças ao suor.

Suas unhas cravaram nas costas firmes de Sasuke mais uma vez aquela noite, e em troca recebeu um gemido rouco e longo enquanto Sasuke apoiado nos cotovelos sentia seus músculos tremerem com o forte orgasmo que o atingiu.

Corpos colados, suados e ofegantes. Eram assim que Sasuke e Sakura se encontravam. Cada um perdido em seu próprio pensamento. Sasuke saiu de cima da rosada e encarou o teto branco, suspirou fortemente e sentiu o perfume doce de sua aluna em seu nariz, e isso o fez sorrir, pouco mas fez.

Ambos sabiam que se aquilo continuasse, a carreira dos dois estavam em risco, e isso não era algo que eles poderiam deixar acontecer, mas estava se tornando impossível negar aquela atração, estavam naquele jogo de sedução ocular a meses, professor sendo seduzida por aluna, e aluna sendo seduzida pelo professor, eles sabiam que deveria parar antes que se tornasse algo maior do que já estava, só não sabiam se tinham forças para isso.

Sakura mordeu o canto dos lábios e encarou o professor que estava olhando um ponto qualquer no teto. Respirou fundo e apoiou o cotovelo no colchão e a mão na cabeça antes de falar.

— Temos que parar… Você sabe. – Despejou.

— Eu sei… – Sasuke confessou encarando-a.

Eles sabiam que deveriam parar, mas será que conseguiriam ou não? Antes mesmo que pudesse falar algo, Sakura o beijou, não pensou duas vezes e retribuiu. Ele tinha certeza que tinha que parar, mas ele não queria, e nem mesmo Sakura e ela sabia disso, pela forma que o beijava, demonstrava isso.

Aquele assunto, no momento, estava encerrado, agora ele a queria e a teria.

***

— Combinamos em parar… – Sakura falou sentindo os lábios do Doutor Uchiha sobre os seus, fazendo-a gemer baixo.

— Uhum. – Sasuke concordou beijando-a.

Estavam dentro do quartinho de descanso, havia combinado de parar com aquele contato há dois meses, mas infelizmente, nenhum dos dois havia conseguido, agora lá estavam eles, um tirando a roupa para aproveitar o pouco tempo de almoço para saciar a fome, um do corpo do outro.

Até porque, Sasuke tinha muito a ensinar a sua querida aluna, e ela estava disposta a aprender.

19 de Junho de 2018 às 00:57 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Sakuu-chan Oficial Aspirante a escritora

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~