(2018) O gosto que a coragem traz Seguir história

alicealamo Alice Alamo

Era o gosto mais próximo que a vitória podia ter, quente, natural, doce, simplesmente o gosto certo, aquele que somente a pessoa por quem o coração clama teria. E essa certeza fez Asahi suspirar, um misto de alívio e felicidade que o permitiram aprofundar o beijo.


Fanfiction Anime/Mangá Todo o público.

#haikyuu #asahi #nishinoya #yaoi #asanoya
Conto
12
5.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único


Os dedos entravam pelos fios dos cabelos castanhos e massageavam a nuca. Era um toque calmo e até preguiçoso podia-se dizer; contudo, era suave, gentil e trazia um conforto que há muito Asahi não sentia dentro daquela quadra.

Deitado sobre o peito de Nishinoya, assistiam, ou melhor, ouviam, um dos treinos após o horário de Kageyama e Hinata. Havia virado um hábito sentarem-se perto da parede para descansar e se perderem admirando a sincronia dos parceiros de time. Entretanto, naquele dia, Nishinoya havia deitado exausto no chão e Asahi o acompanhou, deitando-se primeiro de forma cruzada sobre a barriga do líbero apenas para fazê-lo rir e, depois, subindo e repousando a cabeça sobre o peito dele.

Suspirou, cansado, deixou uma pequena exclamação deleitosa sair pelos lábios ao sentir o elástico que prendia seu cabelo sendo solto e, embora não fosse nunca admitir por pura vergonha, ronronou quando os dedos de Nishinoya voltaram com mais liberdade para o terno carinho que lhe oferecia.

Fechou os olhos sem perceber. Ouvia as bolas cortadas por Hinata, mas agora sua atenção toda estava centrada em outras batidas… O coração de Nishinoya, sob sua orelha, batia rápido, o que ele sinceramente não estranhava. O líbero era uma tempestade, um furacão, nunca que pensaria em encontrar um coração calmo e lento. Era forte, o suficiente para bater mais alto que as bolas no chão, como se reclamassem pela atenção que Asahi não lhe estava dando. E era vivo, fazia Asahi se sentir vivo, como sempre fazia, como sempre tinha feito.

E não era esse o dom de Nishinoya? Ah, sim…

Abriu os olhos, sonolento já, e corou. Viu o outro com os olhos fechados, um sorriso bobo na face, mas sabia que ele não dormia pelo contínuo cafuné que recebia. Moveu-se minimamente para olhar ao redor, buscando os outros, mas, como sempre, só restavam eles, Kageyama e Hinata. Assim, ergueu a mão com hesitação, a ponta dos dedos demoraram até encontrarem a pele lisa da face alheia e foi com timidez que acariciou a bochecha de Nishinoya.

Já havia feito aquilo uma vez, na semana anterior, e tinha gostado de como o corpo sob o seu havia relaxado com o toque. Era simples, discreto, mas tinha esperado que aquilo pudesse mostrar parte do que seu coração sentia. Como se alguém tão agitado e barulhento como Nishinoya fosse reparar e compreender de primeira algo assim… Não tinha coragem, todos sabiam que era um medroso de primeira e que seu nervosismo e sua ansiedade quase sempre botavam tudo a perder. Então, só daquela vez, torcera para que o parceiro de time se atentasse aos detalhes tal como fazia com a bola para uma recepção pós bloqueio, mas Nishinoya não pareceu notar nada, agiu na semana seguinte como sempre, o que, claro, fez Asahi quase surtar de ansiedade em segredo com Sugawara.

Suspirou. Conforme o polegar deslizava pela bochecha de Nishinoya, os músculos dele cediam, relaxavam, como se finalmente ele baixasse a guarda. Sentia um arrepio percorrer suas costas quando os dedos em seu cabelo acabavam por puxar as mechas um pouco e percebeu que agora Nishinoya seguia o ritmo de sua carícia.

Engoliu em seco, os olhos pousaram sobre os lábios do líbero, fechados, aparentavam serem macios e o convidavam a conferir isso. Queria, mas nunca se atreveria… sentiu o próprio coração acelerar e se segurou para não deixar que a respiração saísse do controle. Entretanto, os dedos o desobedeceram, eles deslizaram pelas bochechas e, então, tocaram os lábios rosados.

Mas o que estava fazendo?

Arregalou os olhos, a respiração de Nishinoya havia ficado mais lenta, forçadamente mais lenta, e o coração, Asahi podia ouvi-lo bater mais rápido e forte. Ainda assim, Nishinoya mantinha os olhos fechados, a postura um tanto quanto rígida, as mãos paradas na nuca de Asahi. Os dedos não se moviam, permaneciam entre os fios de cabelos, mas demoraram até voltarem à carícia e, dessa vez, faziam-na mais lentamente.

Asahi espiou Kageyama e Hinata, ainda entretidos demais no treino para sequer perceberem que havia outras pessoas ali também e, só por isso, respirou fundo enquanto o polegar escorregava pelo lábio inferior de Nishinoya, delimitando-o, conhecendo e guardando na memória suas medidas, textura, e as reações que a ousada ação provocava no líbero. Engoliu em seco, sentia a mão tremer, não era bom (nem um pouco) em controlar seus medos e sua ansiedade e não entendia como havia ido tão longe!

E, mais uma vez, como se o conhecesse bem e o desafiasse, Nishinoya usou a mão livre para segurar seu braço, impedindo-o de recuar. Os olhos castanhos se abriram, a coragem neles contrastava com a covardia dos seus, mas Asahi os amava, os invejava… Havia uma beleza singular na determinação que Nishinoya possuía, era como ficar diante de uma fera decidida a lutar, nunca fugir, e, infelizmente, ele, Asahi, era a presa da vez.

Como alguém tão pequeno conseguia ser tão intenso? Asahi era mais velho, maior, era ele quem devia ter aquela presença poderosa que Nishinoya conseguia com tão pouco passar para qualquer um. E, ainda por cima, tinha aquele magnetismo… Não havia nem ao menos percebido quando tinha se aproximado de Nishinoya, apoiando-se no braço enquanto os rostos ficavam um de frente para o outro.

Deitado, Nishinoya mantinha a mão erguida, firme na nuca de Asahi, puxando-o gradualmente ainda mais para baixo. Conseguia já sentir a respiração acelerada contra seu rosto e sorriu, aquilo era o mais perto que já havia chegado de conseguir alguma atitude de Asahi e também seria até ali que ele levaria a situação; o resto deveria ficar por conta do outro, a decisão final deveria ser de Asahi, era ele quem precisava marcar aquele ponto.

Mas ele tinha medo. Asahi não temia apenas que os companheiros de time os vissem naquela situação, temia também o que aquilo significaria. Seu desejo era claro, disso ele não tinha dúvida! Os lábios de Nishinoya estavam convidativos, tinha uma óbvia permissão para que desse seguimento ao que o coração tanto implorava há tempos, contudo, e depois? O que faria depois? Seguiriam amigos? Seguiriam bem dentro do time? Nunca se perdoaria se sua decisão trouxesse algum problema para Karasuno… E o que era aquilo? Estava sendo aceito? Nishinoya também queria? Então por que não falava? Por que não tinha tomado alguma atitude como sempre fazia quando desejava algo?

Ah não… já tinha pensado em tudo aquilo antes, Suga já havia lhe repreendido uma vez por todos esses pensamentos! Tinha perdido mais do que uma noite remoendo aquelas incertezas até que Sugawara arrastasse Daichi para que ambos começassem a discursar sobre como estava sendo covarde.

A mão em sua nuca o conduzia, ou era isso que queria dizer para o próprio corpo, uma vez que justificaria por que ainda se aproximava mais e mais de Nishinoya. A respiração quente dele misturava-se à sua, e Asahi já não enxergava, os olhos haviam se fechado pela ansiedade e o medo de encarar uma rejeição que, lá no fundo, ele sabia que não aconteceria.

O primeiro toque, o encostar dos lábios, foi exatamente como Nishinoya esperava que seria: lento, tímido, temeroso, quase como se lhe quisesse dar tempo de se afastar e até mesmo fingir que as bocas não haviam se unido. Ainda que não fizesse parte da sua personalidade, aguardou pacientemente, como quando se preparava e ficava à espera de um saque forte que deveria receber.

Ah, e foi bom… tão bom quanto de fato conseguir receber um saque potente, tão bom quanto cortar direto em um bloqueio triplo e ver a bola atravessá-lo e marcar para o time. Aquele era o gosto mais próximo que a vitória podia ter, quente, natural, doce, simplesmente o gosto certo, aquele que somente a pessoa por quem o coração clama teria. E essa certeza fez Asahi suspirar, um misto de alívio e felicidade que o permitiram aprofundar o beijo.

Não havia pressa, ainda, Nishinoya gostava de como Asahi explorava bem o terreno antes de se jogar com tudo nele. Por isso, aproveitava-se para saborear o momento, a língua buscando roubar a cada encontro um pouco mais do medo que ainda fazia Asahi refém, os dedos voltando a acariciar-lhe a nuca num delicado incentivo, que funcionou.

Asahi acariciou a bochecha de Nishinoya e deslizou a mão por ela e pela nuca, segurou-lhe e aproveitou para incliná-lo de modo que o beijo encaixasse melhor. Nishinoya arfou, o que para Asahi era só uma posição melhor, para ele havia sido mais… a mão em sua nuca não tremia, não havia hesitação no modo como Asahi o guiava. Ah, como amava quando ele tomava atitude, como amava quando enfim podia desfrutar cem por cento dele. A boca agora movia-se sobre a sua com mais certeza, gradualmente liberando a fome que detinha e exigindo de si uma resposta à altura! E isso o arrepiava… gemeu baixo, grato pelos lábios de Asahi roubarem sua voz e não deixarem mais ninguém o ouvir, envergonhado pela resposta tão sincera que o corpo não conseguia esconder.

Os corpos tocavam-se; pela posição, Asahi permanecia parcialmente sobre Nishinoya, o tórax subindo e descendo de acordo com a respiração do líbero, e, céus, ele podia jurar que conseguia sentir o coração dele batendo! Estava assustado, mas agora por outro motivo, estava com medo da confusão em que tinha mergulhado, dos sentimentos e das sensações em que agora se via imerso. O coração de Nishinoya batia acelerado, a respiração dele era irregular e atropelada pelos beijos que se seguiam cada vez mais exigentes e apressados, suas mãos não se mantinham mais paradas, desejavam tocar, apertar, sentir, puxar Nishinoya para si sem lhe permitir qualquer chance de afastamento. Além disso, havia desejo, e não o carnal, quer dizer, não somente esse, mas ia além… era simplesmente o desejo de poder continuar, de se permitir aproveitar, de se achar merecedor daquele momento de prazer. O gosto dos beijos era de longe o melhor sabor que já tinha experimentado, e o modo como Nishinoya parecia correspondê-lo tornava tudo perfeito. E era tão bom, mas tão bom, que até mesmo conseguia vislumbrar um feixe de coragem, mínimo, para ousar…

Os dentes se fecharam com delicadeza ao redor do lábio inferior de Nishinoya, os dedos entraram pelos fios rebeldes do cabelo e os seguraram com mais força, e Asahi suspirou deliciado quando ouviu o pequeno gemido de satisfação, que até podia ter sido baixo, mas que ecoou em sua mente de forma bem audível…

Os olhos não resistiram ao desejo de espiarem, e Nishinoya sorriu de canto ao se ver sendo observado com a mesma surpresa e o mesmo carinho com que admirava Asahi. Sorriram, a voz de Hinata ao longe os fazendo enfim lembraram onde estavam e com quem. Nishinoya ainda puxou Asahi mais uma vez pelo uniforme para um último e desajeitado beijo, mas se afastaram em um feliz e mútuo silêncio em seguida. E eu devo dizer que foi uma decisão inteligente, sabe? Afinal, Hinata ainda não era muito bom em seus saques e não demorou para que Kageyama gritasse, os olhos de Nishinoya se arregalassem e Asahi enfim conhecesse a sensação que Kageyama já conhecia bem: a de ter uma bola sacada diretamente em sua nuca…

Asahi riu, nunca imaginaria que seu primeiro momento com Nishinoya seria daquela forma e, certo, certo, tirando essa última parte e a nuca dolorida, ainda era uma boa lembrança...




Notas Finais: 

Comentários? Críticas? Sugestões? 

Para quem não sabe, tenho uma page! Posto lá informações sobre novas histórias se quiserem acompanhar: 

https://www.facebook.com/mypieceofdream/

Beijoss

8 de Junho de 2018 às 22:34 13 Denunciar Insira 8
Fim

Conheça o autor

Alice Alamo 23 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Comentar algo

Publique!
Nactis Aoneko Nactis Aoneko
Ai meu deusu que coisa mais fofinha eu tô até meio sem rumo, não sei voltar pra vida real mais. Eu comecei Haikyuu tem pouquinho tempo e logo de cara me apaixonei pelo Noya (a gente tem exatamente a mesma altura e somos pinschers intensos e explosivos, me identifiquei demais). Por causa disso acabei prestando mais atenção nele e fiquei doido de amor pela relação dele com o Asahi. Mesmo pq o Asahi é meu marido, eu posso provar, e como eu e o Noya somos a mesma pessoa, logo, Asahi é marido do Noya Huahuahuhahu. Enfim, num surto de abstinência de imaginar esses dois eu vim procurar fics deles e morri de alegria de ver que vc tinha uma, pois era garantia de ler uma história boa ;) De verdade, agradeço, pois eu tava muito necessitado de ler esses dois nenéns sendo amorzinho, mas de uma forma que não fugisse do canon (eu tenho essa cisma) e sua história era exatamente isso. Consigo facilmente fechar os olhos e ver essa cena inteira. Tô muito soft, a fic é muito chuchu.
29 de Julho de 2018 às 21:18

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Olá! Eu assisti Haikyuu ano passado acho e devorei, amei o anime. Eu tenho a altura do Hinata <3 Mas o Nishinoya me conquistou à primeira vista, ainda mais porque ele é líbero e eu amo os líberos hahaha. O Asahi é um personagem que eu achei muito engraçado porque para mim ele é super de boinha e achei o máximo colocarem as pessoas achando que ele tinha cara de marginal. Fico feliz que tenha curtido a história, eu quis muito escrever algo bem fofinho deles, imagino que é um casal cheio de momentos fofos considerando as personalidades envolvidas. Muito obrigada pelo comentário! Beijoss 2 de Agosto de 2018 às 18:30
Mandy Mandy
Primeiramente antes de ler esse comentário você tem que saber que ele era pra ser publicado no wattpad porque foi por lá que eu li mas não foi na hora de eu comentar então eu corri pra cá pra espalhar meus berros ALICE DO CÉU COMO ASSIM VOCÊ TEM UMA FIC COM MEU OTP E EU NUNCA LI? Ok vamos por partes. Falta pouco mais de meia hora pro início do camp e eu tô aqui tremendo na base então falei "preciso de algo que me distraia" até aqui ok. Então fiquei pensando no que fazer e "ah, vou ler uma fic" como tô na vibe abo e tô juntando experiência pra me aventurar um pouco nesse mundo, catei a listinha de recomendações e percebi que já tava na hora de ao menos eu começar doce veneno né! Corri pra cá e levei uma vida pra lembrar que você tinha um H entre o Alice e o Álamo (e isso eu só lembrei porque por acaso notei numa postagem qualquer no Facebook mas enfim), tu me fez abrir o wattpad tem noção do quanto isso é raro? (Podia ter ido no Ink? Sim, mas o print da tua conta no wattpad foi o primeiro que veio na mente) aí eu chego aqui caçando pela fic E BUM PORRA MEU OTP LINDO DE CARA EU JÁ QUIS CHORAR Ai ok, abri a fic com o coração quentinho e tomei UMA FUCKING SURRA DE AMOR ALICE EU NÃO TÔ BEM ESSE ASAHI FROUXO E ESSE NOYA QUE COMPREENDE ELE E DÁ ESPAÇO PRA ELE FAZER SEUS MOVIMENTOS ISSO É TÃO CANNONICO QUE EU PODERIA EXPLODIR OK ESSA FRASE NÃO TEVE SENTIDO MAS EU NÃO LIGO PORRA olha essa doçura, essa descrição, eu senti meu coração batendo juntinho com o deles e berrei no meio da sala com o Noya fazendo carinho nos cabelos do Azumane (NINGUÉM VAI OLHAR NA MINHA FUCKING CARA E DIZER QUE O MEU FILHO NÃO É APAIXONADO PELO CABELO DO ASAHI) porra acertou meu headcannon todinho, quer me foder pelo menos paga um jantar antes ❤️ Ai me desculpa os modos péssimos mas eu fui fodida com classe e não há outra maneira de dizer isso. Quer dizer, até há...mas no meu estado de surto eu não possuo nenhuma classe. Fui completamente envolvida pelo cenário, a escrita, os sentimentos...eu juro que quase li tudo sem respirar porque tava tão ansiosa pelo que viria (o momento do beijo e as comparações com vôlei foram uma flexa certeira no meu coração) que mds! Só não fiquei sem respirar até o fim porque não tenho fôlego pra isso :v E PRA FECHAR COM CHAVE DE OURO OLHA ESSA BOLADA DKAMXKAKD HINATA E SEUS SAQUES ARRASANDO O MOMENTO ROMÂNTICO COM BONDADE Eu super imaginei a cara bobinha do Asahi com a mão na nuca incapaz de sequer fazer cara feia pela dor e o Noya rindo porque ele não tem vergonha nenhuma, enquanto isso o Kageyama com aquela cara de assassino e o Hinata pedindo desculpas com medo de morrer akdkakdkiaof ALICE VOCÊ ME MATOU COM FOFURA eu acho que isso ficou muito grande e acabei falando mais que o necessário, mas acabei me empolgando...Sorry :v Só mais uma coisa: AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA EU TO MUITO SOFT CARALHO
30 de Junho de 2018 às 21:37

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Mandy!! Eu nem acredito que não respondi o seu comentário aqui! Ainda bem que abri um monte de guia para ir checando os comentários hahahahaha. Esse "H" no meio sempre confunde hahahaha, perdão ^^' Nossa, eu fico tão feliz de você gostar desse ship porque eles são tão fofos, tão queridos e ahhhhhhhhhh, eu explodo de fofura falando, lendo ou escrevendo sobre esses dois! Esse Asahi todo medroso é muito engraçado, eu lembro de ter rido muito quando conheci o personagem no anime hahahaha. E o Noya é meu deus Guardião, amor à primeira vista com toda certeza! E eles se entendem, e o Noya sabe sim como ajudar o Asahi, como agir perto dele para incentivar e dar aquele empurrão básico. Eu amo o cabelo do Asahi!! Nossa, imagino muito o Nishinoya lá perdendo a hora porque estava penteando o Asahi ou brincando com o cabelo dele! Pode surtar à vontade! EU AMO ISSO! Hinata e seus saques! COMO EU AMO ESSE TAMPINHA!! Mano, no episódio do saque, foi tudo tão engraçado hahahahaha a expressão do Kageyama de "não há nada pior que sacar na minha nuca" foi a melhor parte do meu dia hahahhaha, precisei trazer isso para a fic. Muito obrigada pelo comentário e desculpa a demora em responder ^^" 16 de Julho de 2018 às 18:09
Takkano Takkano
Caramba, meus olhos se moveram tão rápido que confesso que foi difícil ler pela primeira vez. Acho que estava tão ansiosa quanto o Asahi e o Noya pelo beijo, que acabei correndo os olhos, desesperada pelo contato; e me perdi. Me perdi tanto nas palavras quanto nas sensações. E quando as encontrei ai já era tarde... acabei me perdendo de novo. Narrativa linda, a personalidade dos dois perfeitas, e as sensações que as suas palavras passam... adorei!!! *w*
24 de Junho de 2018 às 14:56

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Oii! hahahaha eu gosto muito dessa ansiedade, sabe? Porque eu acho que nos leva à cena, traz um pouco de realismo (acho hahaha). Ahhhh fico muito feliz mesmo que você tenha gostado tanto da fic quanto da escrita e dos personagens! Muito obrigada pelo comentário <3 Beijosss 30 de Junho de 2018 às 14:22
Ariane Munhoz Ariane Munhoz
Olá, você já ouviu a palavra KurooTsukki hoje? AAAA EU NÃO VIM PANFLETAR O MEU SHIP, MAS PELAMORDEDEUS ME DA! Caramba, que fic fofa! Eu abri pra ler na segunda, como costumo fazer usualmente, ja que fins de semana eu costumo dedicar a escrever. Mas to doente, de cama, com dor de ouvido e longe do mozão e pensei: why not. E que fic quentinha! Eu adoro fics quentinhas que envolvem a gente num manto de fofura tão gostoso quanto o meu pijama do baymax. Mas parando de falar bobagens, vamos aos meus pontos favoritos: 1 - A narrativa bem construída e a maneira como você utilizou um momento cotidiano para tornar em algo mais. O que eu mais gosto em animes de esportes é isso: eles fazem parte do nosso cotidiano, então podemos facilmente pegar o recorte de um momento simples e transformar em algo lindo como o que você fez aqui! 2 - O ship escolhido e o desenvolvimento da história a partir das personalidades contrastantes. Asahinoya é uma religião! Como que não se apaixona por esse baixinho birrento e por esse atacante covarde que tiveram suas personalidades trocadas? Eu simplesmente AMO como eles se completam! É algo tão singelo e natural que eu não imagino um sem o outro! Ponto pra você que soube trabalhar perfeitamente esse relacionamento de ambos, tornando algo interessante e leve de ler. O que eu mais gostei foi de como o Nishi se controlou pra deixar Asahi agir aqui. Foi tão lindo! Porque mesmo sendo contrastante ao gênio tenpestuoso do rolling thunder é algo que você imagina perfeitamente com Asahi! Eu to simplesmente apaixonada pela maneira como você desenvolveu a história e a tornou uma leitura tão agradável! São histórias nesse estilo que me encantam mais que tudo! Parabéns pelo excelente trabalho aqui! Principalmente com o final com um toque de comédia, haha. Nos vemos em breve!
9 de Junho de 2018 às 20:05

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Oi, Ari!!! Mano, eu já vi umas fics e umas artes maravilhosas KurooTsukki!!! Eu amo os dois personagens, principalmente minha criança incompreendida que é o Tsukki (ai que vontade de abraçar e apertar ele, meu deus!) <3 Eu amo fics quentinhas e amo conseguir escrever algumas assim, acho um encanto. Sim!! Eu curto muito isso nos animes de esporte, principalmente em como o Japão lida com esporte, os clubes, etc. Nos dá certa liberdade também para escrever porque eu já fiz um monte de esporte e acontece muita coisa em quadra, nos vestiários, em qualquer lugar. E nem to me referindo ao pessoal se pegando, mas sim à confraternização, amizades, essas coisas. São momentos que fazem parte da nossa vida. Eu amo o Shishinoya desde a primeira vez que o vi no anime, nossa, me apaixonei por esse chaverinho deus guardião da Karasuno <3 E eu amo demais como eles se completam! É tão perfeito! Ahhhhh o Nishinoya lá, quietinho, se mordendo para dar a chance do Asahi agir!! Eu quis muito essa cena porque é como no jogo, quando ele sabe que tem que ser o Asahi a ganhar a batalha no ar e que só cabe a ele estar ali, para ganhar a do solo se a bola cair. Ok, parei, desculpa, eu me empolgo hahahaha. Fico muito feliz que tenha gostado! Muito obrigada pelo comentário <3 beijosss 30 de Junho de 2018 às 14:29
  • Alice Alamo Alice Alamo
    Nossa, empolguei tanto que escrevi Shishinoya em vez de Nishinoya hahahahaha Finge que não viu <3 30 de Junho de 2018 às 14:29
Biurifu Chan Biurifu Chan
ITI MALIA QUE FOFÍNEOOS! Morro de amor por esses dois e nunca encontro nenhuma fic deles. Ainda ficou tão Canon, os dois estão iguaizinhos, sério. Você colocou tudo de um jeito bem natural, e eu AMEI isso. Até eu quase esqueço onde eles estão haushaua. Hinata sacando em nucas alheias, não me surpreendo mais. TÃOO FOFO, ain que amorzinhoo, fiquei até quentinha com esses xodó meu. Que hino de one, AMEI <3
8 de Junho de 2018 às 21:51

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Oii! Eu morro de amor por quase todo mundo em Haikyuu hahahaha, mas te entendo porque quase não tem fic desses dois. Ah que alívio! Eu quis muito que não ficasse OOC, então fico bem feliz de ter conseguido. Hinata não nos surpreende com seus saques errados! Muito obrigada pelo comentário <3 Beijoss 30 de Junho de 2018 às 14:19
AnnyeCS AnnyeCS
MEUS BEBÊS!!!!!!!!! Eu me derreti toda com essa one tão fofa. Só amor. Eu tô completamente apaixonada pela sua descrição deles. Tão fiel a eles. O Asahi (meu crush) ficou tão real, os medos dele, o amor pelo Nishinoya(meu filho lindo). O primeiro beijo em um momento tão fofo. Mds eu já disse que isso aqui tá fofo? Eles esqueceram onde estavam, olha que bonitinho. Juro que pensei que isso ia acabar com o Hinata gritando e pulando feliz pelos dois hahahaha mas você fez muito melhor, terminou com uma bolada na nuca do Asahi. Tadinho. Ahhhhhhhh isso tá tãããooo lindo. Tô apaixonada.
8 de Junho de 2018 às 20:18

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Oii! Me desculpa pela demora em responder, o mês tá bem caótico rrsrsrsrs. Ahhhh que bom que ficou fiel! Eu gosto muito desses personagens, acho que Haikyuu tem essa mágica de te fazer gostar de todo e qualquer personagem <3 Eu quase fiz o Hinata comemorando hahahaha Mas achei muito melhor o Asahi levando a bolada! Fico muito feliz que tenha curtido <3 Muito obrigada pelo comentário! Beijosss 30 de Junho de 2018 às 14:19
~