bullet Minki Byun

Baekhyun ama cozinhar, por isso convenceu suas mães a matriculá-lo no curso de gastronomia. Só não esperava que iria encontrar um crush lá, um garoto que não desgrudava dele, um professor que de fofo só tem a aparência, e uma turma tarada que só sabe falar de um tipo de assunto.


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#chanbaek #exo #baekhyun #chanyeol
21
5.2mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Aula teórica

Vocês conhecem o programa cozinha pratica da Rita Lobo? Aquela mulher maravilhosa foi uma das minhas inspirações para começar a cozinhar, a outra foi a fome, porque convenhamos, minhas mães mal paravam em casa, e o preguiçoso do meu irmão não servia nem para apertar os botões do micro-ondas. Eu devo ter nascido com dom para a cozinha, pois sempre era eu que cozinhava em casa, e recebia altos elogios da família.

Eu era adotado, e tinha duas mães, Taeyeon e Tiffany. Eu gostava muito delas, Taeyeon era aquele tipo de pessoa bem calma e tímida, totalmente ao contrário de Tiffany, que era bem animada e extrovertida. E tinha o meu irmão, Wonshik, que me faz pensar, com tantos bebês para de escolher, por que justo o mais preguiçoso e maléfico deles? É sério gente, não se deixem levar pela aquela cara de bolacha dele, de fofinho ele só tem a aparência mesmo. Mas tenho que concordar que ele era talentoso, ele produzia música quando não estava dormindo ou se enchendo de salgadinhos em frente a TV.

Mas, voltando ao foco inicial, eu tinha um sonho de ter meu próprio programa de TV sobre culinária, ser um chefe conceituado, viajar pelo mundo para fazer a coisa que eu mais gosto nessa vida, comer. E para isso, eu precisava começar de algum lugar, certo? Foi bem fácil convencer minhas amadas mães a me inscreverem em um curso de gastronomia, mas em vez de me matricularem nesses cursos famosos, ou até mesmo me mandar para perto dos melhores chefes, elas me mandaram para uma instituição religiosa, que oferecia cursos profissionalizantes, e obrigava todos os alunos a participarem da capela todo dia, e missa nas quartas.

A vida adora tirar uma com a minha cara, já deveria estar acostumado.

E lá estava eu, em frente ao espelho, ficando bem gato para o meu primeiro dia de curso. Em um estilo bem pirigótica, com minhas calças de couro, coturno preto, uma blusa do Diaura, minha banda favorita, e uma jaqueta jeans toda surrada.

Na boa, eu estava tão gato, que se eu pudesse, eu me pegava.

E para completar meu visual, passei meu lápis de olho, e fui correndo para sala, onde Taeyeon me esperava, pronta para me levar para o meu primeiro dia de aula.

- Ansioso? - Ela perguntou assim que entramos no carro.

- Não, nem um pouco.

- Fanny mandou uma mensagem desejando sorte, e ela está doida para te ver limpando peixe, frango... - Já que disse ela ficava fofa rindo? Tive vontade de mordê-la.

Não demorou muito, e já estávamos em frente ao curso, me despedi da minha mãe com um beijo no rosto antes de sair do carro totalmente confiante. Eu poderia dizer que todos olharam para mim, me desejando, mas o que realmente o que aconteceu, foi que assim que eu cheguei o sino que mandava os alunos irem para a capela tocou, aquele som irritante, que mesmo vendo que os alunos já tivessem escutado, ele continuava tocando. Na boa, aquele cara sentia prazer em tocar aquele sino, né?

O fato era que, a capela mal tinha começado, e eu já estava entediado, eu já tinha feito curso de panificação naquele lugar antes, e já conhecia toda a rotina deles. Olha só a ironia das coisas, quando eu finalmente me livro daquele lugar, eu volto alguns meses depois para fazer outro curso.

Byun Baekhyun, você realmente gosta de sofrer.

Uma das coisas que eu mais detestava, era aquele dado do amor maldito, na boa gente, na primeira semana, você acha que a ideia do dado é até legal, mas depois de ouvir o mesmo discurso todo dia, você acaba querendo dar um fim naquele dado.

- Quem pode jogar o dado para gente hoje?

Então, o que eu menos esperava que fosse acontecer, aconteceu. Nesse momento eu até virei religioso e agradeci imensamente pela visão deliciosa que eu tinha. O garoto que levantou, era aquele tipo de cara que você só vê nas revistas, e nem acredita que existe realmente, os cabelos compridos até a altura do ombro, a blusa social colada no corpo, mostrando o desenho perfeito de seus músculos, os primeiros botões estavam abertos, e ele usava um cordão de crucifixo que chamava totalmente a atenção.

- O seu nome? - Perguntou o professor de mecânica.

- Jaejoong.

- Bem vindo Jaejoong - Ele fez uma reverência com a cabeça antes de jogar com o dado.

- "Fazer-se um" - O garoto falou assim que o dado parou, e na boa, eu não teria nenhum problema se ele quisesse fazer-se um comigo, viu?

- Muito obrigado por ter jogado o dado - Depois disso eu nem prestei mais atenção no que o professor falava, Jaejoong passou a mão no cabelo, mordendo levemente o lábio inferior, voltando para o seu lugar.

Senhora e senhores, eu vos lhe apresento, Jaejoong, o futuro pai dos meus filhos.

E o causador da minha morte, acho que meu coração chegou a parar de bater por um instante.

A celebração acabou, e nos tínhamos que ir para nossas salas, mas a vida não é muito boa comigo, e assim que eu cheguei à cozinha, percebi que ela estava fechada. Ah maravilha! Todos já tinham ido para suas salas, então presumi que a aula seria em outro lugar, então eu tive a brilhante ideia de perguntar se Jaejoong poderia me ajudar a procurar minha sala, assim eu poderia juntar o útil ao agradável, encontrar a sala do meu curso e ainda de quebra conseguir o kakao do crush. Estava pronto para seguir o meu destino, até ouvir uma voz atrás de mim.

- Está perdido? - Tive vontade de xingar o filho da mãe pelo susto, antes de me virar para responder, vi que Jaejoong já estava na sua sala, suspirei e olhei para a pessoa atrás de mim.

- Sim, você pode-me dizer onde é a sala de gastronomia?

- Sim, será um prazer - O garoto com orelhas grandes abriu um enorme sorriso, e me acompanhou até a sala, e nossa como ele era alto, estava me sentindo uma tampinha ao seu lado, mas mesmo assim eu podia sentir seu olhar sobre mim enquanto caminhávamos - Pronto, está entregue. - Anunciou ao chegarmos à sala.

- Obrigada.

- Aliás, eu me chamo Park Chanyeol.

- Prazer, Byun Baekhyun.

- O prazer é todo meu - Ele ainda tinha aquele sorriso estampado no rosto - Bom, a gente se vê depois, até.

Ele saiu antes que eu pudesse falar qualquer coisa, até que aquele garoto era bem simpático.

Bati na porta antes de abri-la e entrar na sala, todos olharam para mim, apenas ignorei isso, e arrumei um lugar, logo o professor pediu para que a turma se apresentasse.

Tinha os irmãos, que não pareciam ser irmãos, Xiumin e Luhan. Luhan era o irmão mais novo, mas comparado ao Xiumin, ele parecia ser o mais velhos, e ele não parecia ter muita paciência com o mais velho.

Hyoyeon era a tarada na turma, pelo menos essa foi a primeira impressão que eu tive, principalmente os olhares e piadinhas que ela jogava para Yuri.

Yuri, era a que mais tinha cara de adulto responsável, e talvez fosse, mas para a tristeza de Hyoyeon, ela era hétera.

Enxaguante bucal, vulgo Jian. O garoto todo good vibes, bem alternativo de cabelo verde escuro. Eu já gostei dele, pelo pouco que conversamos, ele gostava de my chemical romance, não sabíamos se ficávamos felizes ou se chorávamos juntos pelo fim da banda.

Eu chorei horrores por dentro, mas abafa.

Kim Junmyeon, nosso professor, até que ele era bem fofo com aquele cabelo rosa, dava vontade de apertar as bochechas dele.

E por último, mas não menos importante U-kwon. Sabe aquelas pessoas que quando estão calados tem pose de hétero, mas é só abrir a boca que essa impressão passa? U-kwon era assim, e em poucos minutos conversando, já descobri que ele era o maior fã de A-pop, e que já tinha ouvido alguns grupos de K-pop.

O professor nós explicou sobre os trabalhos que teríamos que fazer e a feira pedagógica ao final do curso. Nosso primeiro trabalho era um seminário onde teríamos que ficar durante 10 minutos falando sobre nosso tema, o meu trabalho teria que ser sobre queijo, não precisa nem dizer que eu amei esse tema, não é mesmo?

Durante o resto da aula, o professor passou um filme que mostrava a realidade na maioria das cozinhas da Coréia. E meu deus, cada uma mais nojenta do que a outra, depois desse vídeo, acho que nunca mais vou comer nessas lanchonetes.

Ao final do vídeo fomos liberados, e eu tive que ficar esperando Tiffany vir me buscar, aproveitei para dar uma passada na padaria e comprar um lanche. Fiquei sentando ouvindo meu visual kei, até que minha mãe chegou.

- Filhote! Eai, como foi a aula? - Ela perguntou toda animada assim que eu entrei no carro.

-Não aconteceram muitas coisas, foi mais apresentação mesmo, o professor falou sobre os trabalhos que vamos apresentar e passou um documentário.

- E o que você achou?

- Não posso falar muita coisa, esse foi apenas o primeiro dia, mas a turma parece ser legal.

Passamos o resto do caminho falando sobre coisas aleatórias até chegar em casa, larguei minhas coisas no canto do quarto e tomei um banho rápido, indo até o quarto de Wonshik em seguida para o perturba-lo, o encontrando em seu habitat natural : o computador. Joguei-me em sua cama enquanto o observava editar alguma coisa. Fiquei mexendo em meu celular, até ele notar a minha presença.

- Já voltou? E como foi lá?

- Foi bem tranquilo... Eu me perdi na hora de ir para a sala, mas um garoto me ajudou a achar a sala, acho que o nome dele era Chanyeol, ele tinha uns olhos e orelhas enormes! – Ri.

- Sério que você se perdeu?

- Sim... Foi aula teórica, então foi em outra sala.

- Aconteceu mais alguma coisa?

- Bom, tinha um garoto lindo na capela, tipo mano... Ele era muito gostoso! - Sorri involuntariamente ao lembrar de Jaejoong.

- E qual é o nome desse ser maravilhoso?

- Jaejoong, acho que ele é da mecânica, tive impressão de tê-lo visto indo em direção a um dos galpões.

- Hum - Wonshik olhou para mim sério. - Preciso te contar uma coisa.

- Diga.

- Eu estou namorando.

- Aê maninho! Parabéns, e quem é o sortudo?

- Então, ele é japonês, a gente se conheceu pela internet, e ele vai vir pra cá daqui a algumas semanas.

Eu estava realmente surpreso pelo fato de Wonshik estar namorando, e estava muito feliz também. Mas em nenhum momento ele me falou quem era, e eu o perturbei muito para que ele respondesse, mas ele permaneceu calado falando que isso era surpresa. Suspirei, e desisti. Vou conhecer o boy dele daqui a algum tempo mesmo. E depois de algum tempo em silêncio, ele me faz uma pergunta bem idiota e aleatória.

- Você gosta de Diaura, não é?

- Sim, é uma das minhas bandas favoritas, por quê?

- Nada não.

- Se o seu namorado quiser trazer o novo CD deles, eu aceito viu?

Ele apenas riu e falou que iria falar com ele. Depois disso eu apenas mexi no celular um pouco mais, e acabei pegando no sono.



****



Aulas teóricas são muito importantes. Se nos estivermos falando sobre a parte de higiene e segurança na cozinha, porque todo o resto é bem chato. Principalmente porque depois de algum tempo você não vai lembrar-se de muita coisa.

Eu tenho cara de quem vai ficar decorando brigada de cozinha?

Na boa, são várias classificações e vários tipos de organizações dependendo do porte da cozinha. Aprender isso na prática seria bem melhor.

Ou não, porque de qualquer forma, eu não vou trabalhar em restaurante mesmo.

Engraçado mesmo, era ver a minha turma tentando falar aqueles nomes em francês: Rotisseur, entremetier, legumier, e por ai vai.

No começo do curso nos compramos uma apostila, para o professor não precisar ficar passando a matéria no quadro, então as aulas eram basicamente: Todo mundo sentado enquanto ele lia a apostila, e explicava algumas coisas às vezes. A única coisa ruim foi quando o nosso amado professor falou: a matéria da prova é a apostila toda.

Ah por favor! De amável ele só tem aparência mesmo.

Como eu vou gravar as 78 páginas da apostila? Minha memória é fraca, eu esqueço as coisas rápido.

Durante esse tempo, nos conhecemos o namorado cara de porta do Luhan. Eu me lembro bem desse dia, eu estava quieto no meu canto durante o intervalo, enquanto a minha turma estava em uma conversa animada, até ouvir o casal conversando.

- Ele não é de falar muito, né?

- Não - Sehun olhou para mim - Ei, oi - Apenas o cumprimentei de forma silenciosa - Qual o seu nome?

Vou admitir, posso ter sido mal-educado? Sim.

Mas eu sou implicante, não podia perder essa oportunidade. Então apenas o olhei sério, e o ignorei.

Eu sou o tipo de pessoa que só consegue falar muito, depois de ter bastante intimidade. E a implicância com Oh Sehun só acabou depois de algum tempo, depois que eu o respondi pela primeira vez.

Ele poderia ter sorrido, sabe? Mas apenas me olhou com aquela cara de porta dele.

Durante o período das aulas teóricas, eu descobri que na minha turma só tinha tarado. Durante o recreio a putaria comia solta, foi até engraçado no dia em que a Hyoyeon estava falando sobre o que ela costumava fazer no seu período de escola, quando o padre passou por nós.

Por sorte ele não ouviu.

Como eu explicaria para minhas mães que eu levei uma advertência porque a minha amiga tava falando que quando ela estudava ela pegava todo mundo que cruzava o olhar dela?

Conhecendo bem a Tiffany, ela iria rir da minha cara.

E ainda tem o Jaejoong, meu marido lindo.

Pena que ele ainda não sabe disso.

E se depender de Chanyeol ele nem vai saber, sempre que eu tento me aproximar dele, o garoto de olhos grandes me atrapalha. Nunca vi ninguém tão grudento, ele sempre ta lá me perturbando durante o intervalo. Os alunos da minha turma pensaram até que a gente tava namorando.

Óbvio que eu falei que não.

Só espero que Jaejoong também não pense assim.

Pelo menos eu teria um dia de folga de Chanyeol. A minha turma vai fazer um passeio para um grande evento de gastronomia, seria a primeira vez desse evento na Coréia, e todos estavam ansiosos para isso.



***



Estava me arrumando para mais um dia de curso, e sinceramente, eu não estava nem um pouco a vontade de ir. O tempo lá fora estava muito ruim, parecia que poderia chover a qualquer momento. Mas mesmo assim, eu precisava ir. Amanhã nós tínhamos prova, e hoje seria o dia para tirar dúvidas e para conversar sobre o evento.

Se fosse apenas para tirar dúvidas sobre a prova, eu não iria. Mas já que tem coisa sobre o passeio no meio, eu precisava ir.

Tudo bem que nós tínhamos um grupo da turma, mas eles só sabiam falar sobre assuntos pornográficos, ou ficar mandando áudios gritando.

Uma coisa que eu aprendi é que eu nunca devo abrir os áudios do Luhan, porque sempre é algo como: “Oi gente!”.

Ou ele fica imitando aqueles vendedores de ônibus:

“Boa tarde senhores passageiros, não queria incomodar a viagem de vocês, mas já incomodando, to trazendo aqui para vocês a promoção da 'blequi fraidei', é só 5 DVD por 2 'real', eu falei 5, não falei 2, não falei 3, são 5 DVD por 2 'real', tem pipoca 1 real, picolé 1 real, paçoca 1 real "

Quando eu ouvia os áudios perto do Wonshik, ele me olhava com uma cara de "Que merda é essa?", e eu tinha que explicar que era só o povo do meu curso. Depois disso eu silenciei o grupo, e parei de dar atenção para eles.

Mas infelizmente não tinha como silenciar ele imitando vendedor de empada na sala.

Eu estava sentado no meu lugar de sempre na capela, encarando o nada, até os alunos suados na mecânica resolverem sentar bem na minha frente, a visão não era a das melhores, e como Jaejoong não estava com eles, voltei a atenção para o meu telefone, que ele muito melhor do que ficar olhando para aqueles garotos. A celebração já ia começar, quando vejo um deus grego, vulgo Jaejoong, sentar a algumas cadeiras de distancia de mim na capela.

Ótimo, estávamos na mesma fileira.

Espero que peçam para darmos as mãos na hora da oração, para eu aproveitar e me aproximar do Boy. Mal podia esperar por isso, sem perceber eu me peguei secando o garoto de cabelos compridos, e percebi que ele me olhava também, mordendo os lábios, joguei o meu melhor sorriso para ele.

E então, depois da oração, eu daria mais coisas para ele.

Calma, eu só estou falando do meu kakao, okay? Eu sou um garoto santo, não fico dando para qualquer um.

Mas para ele eu daria até não conseguir andar mais.

Byun Indeciso Baekhyun.

Mas como felicidade de pobre dura pouco, o olhar de Jaejoong ficou sério, e eu senti alguém do meu lado, me virei para ver quem era, torcendo ser alguém do meu curso, ou qualquer pessoa aleatória, e não Park Chanyeol.

Como a vida não gosta de mim, era o garoto de orelhas grandes que estava sentado ao meu lado. Eu já deveria imaginar isso, por que Jaejoong fecharia a cara se fosse outra pessoa?

Se eu virar religioso, o crush me nota?

Pera, se Jaejoong fechou a cara quando viu Chanyeol, isso significa ciúmes?

Por que eu sou tão Alice?

- Olá - Chanyeol me tirou das minhas fantasias com o crush, com aquele sorriso dele, devo admitir, ele ficava muito fofo sorrindo, eu fiquei com vontade de apertar a sua bochecha.

- Olá.

- O que você tava olhando?

- Hum, nada... Sabe quando você olha para algo, mas na verdade não ta olhando para nada?

- Ah sim, pensei que estava flertando com Jaejoong - Sua expressão ficou séria.

- O que de onde você tirou isso?

- Baek, a pergunta é: Quem não notou os olhares que vocês dois trocam. - Estavam tão na cara assim? Mas acho que isso era só para ele, já que para meus queridos amigos de turma, eu estava quase casado com Chanyeol. - Você gosta dele?

- O que? Não - Ri nervoso - Digamos que não tinha coisa melhor para olhar.

- Eu estou aqui agora, você pode olhar para mim.

- Convencido - Bufei - Quem olha até pensa que nós dois temos algo.

- E não temos?

- O que?

- Nós somos amigos.

- Se você diz.

- Você não me considera seu amigo?

- Nunca disse isso.

- Então me passa seu Kakao.

- Por quê?

- Porque somos amigos.

- E isso é motivo agora?

- Baekhyun!

- Ta bom, calma! Eu vou te passar meu número. - Ele me entregou o seu celular, e eu gravei meu número nele.

Só depois que eu devolvi o telefone que eu percebi a merda que eu fiz, agora além de me perturbar no curso, ele também vai ficar me perturbando em casa. Parabéns Baekhyun, você acaba de ganhar o premio de maior burrada do ano!

Nota mental: Não contar sobre isso para Wonshik, se não ele vai me zoar durante o resto da minha vida, e provavelmente vai escrever algo na minha lapide como: "Aqui jaz um trouxa".

Tentei ignorar isso, e fingir que prestava atenção na celebração. Só fingir mesmo, porque eu não estava entendendo nada do que ele estava falando lá. Até que chegou a minha parte favorita:

- Vamos dar as mãos aos amigos ao nosso lado.

Amigos é igual à Jaejoong.

E foi o que eu fiz, me aproximei de Jaejoong, e peguei a sua mão, ele apenas me olhou com um sorriso sexy, antes de voltar sua atenção para o padre. Eu nem percebi quando Chanyeol segurou a minha outra mão.

Para a minha infelicidade, a oração foi bem rápida, e logo eu já estava no meu lugar novamente. A celebração já estava naquela parte onde eles iriam jogar o dado.

- Na boa, eu detesto esse dado. - Falou Chanyeol, arqueei a sobrancelha surpreso.

- Olha só, nós temos algo em comum.

- Já que nós compartilhamos um ódio por esse dado, nós poderíamos dar um fim nele no nosso último dia de curso.

- Isso seria maravilhoso Sr. Park, mas eu prefiro deixa-lo inteiro para que os próximos alunos sofram o mesmo que nós.

- Ora, ora, quem diria que o Sr. Byun seria tão maligno.

Nós tivemos que parar de conversar, se não poderíamos ser obrigados a ir lá na frente e jogar o dado.

E eu não iria me responsabilizar se por acaso o dado fosse parar na cabeça de alguém, okay?

Na verdade essa é uma boa ideia, mais tarde eu iriei falar com Chanyeol sobre isso.

Ah legal! Olha só, eu já to fazendo planos sobre o que falar com ele.

Tentei afastar esses pensamentos e prestar atenção no que estava acontecendo, um dos garotos da informática tinha ido jogar o dado, nem dei muita atenção quando ele falou seu nome, e logo ele já estava jogando o dado para o alto, e a mensagem do dia era: “Amar o inimigo”.

Eu não iria reclamar se o meu inimigo fosse o Jaejoong. Na verdade, se fosse ele, obedecer a esse dado seria algo muito fácil.

Mas ai então eu me lembrei do garoto do meu lado.

Park Inimigo Chanyeol.

Eu não quero amar ele. Então a partir de agora vou considerar ele meu amigo.

O padre finalmente fez a benção final, e nós fomos liberados para irmos para as nossas salas, Chanyeol me deu um abraço rápido, cujo qual eu até iria retribuir, mas senti os olhares pervertidos da minha turma em cima de mim, e logo tratei de afasta-lo e me despedi de uma maneira formal.

Agora estava na sala do curso, sentado ao lado de U-kwon. Junmyeon tinha perguntado se nós tínhamos alguma dúvida em relação a matéria, já que a prova era amanhã, e como ninguém disse nada, ele nós deixou livre durante o resto do dia. O que significava que nós iriamos passar o dia todo falando sobre o evento que nós iriamos depois de amanhã.

- Eu estava pensando ir de bermuda.

- Se não for muito curto, tudo bem, não se esqueçam que terá chefes muito importantes lá, e a aparência é tudo.

- Ah, mas ela não é tão curta, olha só professor - Xiumin pegou o seu celular e levou até o professor.

- É, não é tão curto, mas você tem que pensar na possibilidade de ficar frio.

- Nem tinha lembrado disso.

- Eu comprei uma roupa especial para o evento. - Falou Hyoyeon com um sorriso no rosto.

Eu estava rindo por conta da conversa deles, eles estavam se preocupando tanto com que roupa usar.

- E você Baek, já escolheu que roupa vai usar? - Falou U-kwon enquanto se virava para mim.

- Não, ainda não, vou deixar para escolher amanhã mesmo.

- Eu já, tava pensando em usar uma blusa...

Parei de prestar atenção no que ele falava e apenas concordava com a cabeça. Talvez o fato de ter uma mãe fashionista como a Tiffany, me fazia não me importar muito com aquelas coisas, já que eu sempre pedia ajuda para ela.

Depois de confirmar uns detalhes sobre o passeio, o professor resolveu nos levar para a cozinha, onde nós fizemos um bolo de chocolate. Foi uma maravilha, sem duvida uma das melhores coisas que aconteceu naquele dia.

E sabe qual foi a pior delas?

Uma tempestade horrível começou a cair perto do horário de ir embora. Eu não teria me preocupado tanto com a chuva, já que eu vou embora de carro, o problema é que do caminho da cozinha até a portaria, nós teríamos que passar por um pátio que não era coberto, e para piorar, justo naquele dia, eu tinha esquecido de colocar o guarda-chuva na bolsa.

Mas você também é muito inteligente viu Sr. Byun Baekhyun? Pra que foi tirar o guarda-chuva da bolsa.

Fiquei parado na área coberta em frente à cozinha pensando se haveria possibilidade de eu correr até a portaria e não chegar lá ensopado. A resposta era óbvia: Não.

Só que, por um minuto, eu comecei amar aquela chuva, pois do outro lado do pátio, em frente ao galpão da mecânica, um ser com a roupa toda molhada que grudava em seu corpo e revelava todos os seus músculos chamou minha atenção.

E não poderia ser ninguém mais que Jaejoong. Ele percebeu que eu estava o olhando e sorriu, apenas para depois tirar a blusa que ele vestia, relevando as suas tatuagens. Eu estava com um pouco de inveja das gotas de chuvas que deslizavam pela sua pele.

Olhei rapidamente para o lado, para que meu coração tentasse se recuperar da cena, e percebi que meus queridos amigos nem tinham reparado na presença dele ali, o que era estranho, já que quando se tratava de macho, eles logo ficavam animados.

Eu tive vontade de ir até ele, e o agarrar ali mesmo na chuva. E acho que ele nem iria reclamar, porque a forma que ele me olhava dava para perceber que ele sentia o mesmo.

É a segunda vez do dia que o crush me nota, da próxima é bem capaz que eu acabe morrendo de vez.

- O que nós estamos olhando?

Olhei para o lado e vi Chanyeol segurando um guarda-chuva olhando em direção aos galpões, olhei novamente para Jaejoong, que agora tinha uma expressão seria, enquanto vestia um jaleco, e corria até a portaria.

- Hum? Nada.

- Estava flertando com o Jaejoong de novo Baekkie?

- Não é culpa minha se ele resolveu ficar sem camisa por ai, seria um desperdício não olhar.

- Me deixa adivinhar, não tinha nada melhor para olhar de novo?

- Exatamente. - Isso já era algo previsível, mas ai eu me toquei - Você está com ciúmes?

- O que? De onde você tirou isso?

- Só hoje você já implicou com o Jaejoong duas vezes, sem falar nas incontáveis vezes que eu tentei me aproximar dele, você brota do nada e me leva para longe.

- Eu só estou tentando te proteger.

- Você fala como se a gente se conhecesse a anos.

- Já fazem 2 meses, e eu sinto que preciso fazer isso.

- Você se apega rápido as coisas. - suspirei - Espera, você sabe algo sobre Jaejoong?

- Nada relevante, mas o suficiente para te manter longe dele.

- Você não vai me dizer o que é?

- Ele só quer te levar para a cama Baekkie.

- E você acha que eu quero outra coisa com ele? Ele não é o tipo de cara que a gente apresenta para a família, mas você sim.

Só depois que eu falei que eu me toquei. Droga. Mas era a verdade, eu tinha noção de nunca teria algo sério com Jaejoong, eu não era trouxa o suficiente para me iludir com isso, só queria dar uns beijinhos e acabou.

- Então quer dizer que você me apresentaria para a sua família como seu namorado?

- Se nós namorássemos sim, mas somos apenas amigos. - Tentei dar bastante enfase para "amigos", mas ele apenas abriu um sorriso enorme.

- De qualquer forma, eu não vim aqui para discutirmos sobre isso, e sim para te levar até a portaria, visto que eu tenho um guarda-chuva e você não.

Eu tinha até esquecido disso. E como eu não estava a fim de ficar doente, obviamente aceitei a oferta, e me ajeitei junto a Chanyeol em baixo do guarda-chuva, estávamos praticamente abraçados ali. E por sorte, meus queridos amigos de turma nem viram a cena, já que eles tinham dado um jeito de ir embora enquanto eu falava com o garoto dos olhos grandes.

Taeyeon é tão amorzinho, ficou com pena de Chanyeol ter que voltar para casa a pé naquele temporal e ofereceu uma carona para ele.

Eu queria ser como ela, ser um amor de pessoa, mas se dependesse de mim, ele iria voltar para casa sozinho naquela tempestade. Eu só não falei isso para ela, porque ela iria me dar um tapa, e me mandar ser mais gentil, já que ele já me ajudou algumas vezes.

Pelo menos, eu tinha alguém que concordava comigo, meu amado parceiro de crime e irmãozinho Wonshik.

Nos reinávamos na arte da implicância, principalmente quando estamos com nosso melhor amigo Kyungsoo. Três mentes malignas juntas. Isso deveria ser proibido, mas né, fazer o que.

Nós descobrimos que Chanyeol morava a apenas algumas ruas da minha casa, e então a Taeyeon teve a brilhante ideia de que a partir de amanhã, eu iria para o curso com ele.

Mãe eu te amo, mas às vezes não da para defender, viu?

Logo estávamos em casa novamente, e eu me encontrava na cama do Wonshik, mexendo no celular, enquanto ele estava ouvindo as baladinhas chorosas dele.

Estive pensando, eu passo mais tempo no quarto dele no que no meu, talvez nós devêssemos dividir o quarto logo e deixar transformar o meu no sonhado estúdio dele. Mas eu estaria sendo muito bonzinho se fizesse isso, mas não vou esquecer essa ideia, pode ser um ótimo presente de natal, não é mesmo?

Na pior das hipóteses, eu levaria um belíssimo não como resposta.

Mas acho que ele não seria capaz de falar isso, porque se ele se cansasse de mim, ele poderia se trancar no estúdio.

Como ele estava quieto, resolvi mandar uma mensagem no nosso grupo do Kakao.


Baekkie:

Olá pessoas <3

Dodo:

Baekkie <3

Baekkie:

Vocês não sabem o que aconteceu hoje: Por causa da chuva, o delícia do Jaejoong ficou desfilando por ai sem camisa, com o corpo todo molhado.

Dodo:

Que cena maravilhosa, tirou foto?

Baekkie:

E você acha que deu tempo? Chanyeol logo apareceu para acabar com a minha alegria.

Ravi:

E pensar que eu gostava do Chanyeol.

Mas ele só faz burrada.

Acho que ele ta afim de você

Baekkie:

Que ?


- Que? - Olhei para Wonshik, que não parava de rir.

- Foi isso mesmo que você leu. - Ele fez uma careta, e logo meu celular vibrou.


Dodo:

Eu concordo com o Ravi, acho que ele ta afim de você.

Baekkie:

O que vocês fumaram?

Ravi:

Infelizmente nada.

Dodo:

São apenas fatos fofo, aceite-os.


Eu apenas joguei uma almofada em Wonshik, quanta audácia! Se bem que eu já estava desconfiando disso.

Senti meu celular vibrando novamente, e dessa vez não era uma mensagem do nosso grupo.


Chanyeol:

Oi Baekkie.


Ah droga, eu tinha esquecido que tinha passado meu número para ele.

- Quem te mandou mensagem? - Falou Wonshik, com um olhar pervertido.

- Você já vai descobrir.


Baekkie:

CHANYEOL ACABOU DE MANDAR MENSAGEM AHHHH

Dodo:

Desde quando ele tem seu número?

Baekkie:

Eu passei para ele hoje.

Ravi:
Pensei que você o detestasse.

Baekkie:

Ele me pegou em um momento desprevenido.

Dodo:

Tava olhando para o Jaejoong, né viado?

Ravi:

Que nada, ele deveria é estar perdido nos enormes olhos de Channie oppa <3

Socorro, que irmão mais bipolar, diz que odeia, mas na verdade ama ele.

Baekkie:

Vai se ferrar Ravi.

De fofo só seu rosto mesmo.

Ravi:

Também te amo maninho <3

Dodo:

Você já respondeu ele?

Baekkie:

Ainda não, vocês não deixam.


Fiquei olhando para o chat de Chanyeol, pensando se deveria ou não responde-lo.

Se dependesse dos meus queridos amigos shippers, sim, eu deveria responder, aproveitar para casar e ter filhos logo com ele. Suspirei e já tinha tomado a minha decisão.



***



Eu deveria ter estudado para a prova? Deveria.

Mas o que eu fiz? Passei a noite toda mandando mensagens para Chanyeol, e prints da minha conversa com ele para o Tokyo Dome - Esse era o nome do meu grupo com Kyungsoo e Wonshik.

Por sorte, eu sabia a matéria, então não estava tão preocupado por causa da prova, diferente dos outros, que estavam desesperados. Não sei porque tanto desespero. Até ontem eles nem ao menos davam bola para essa prova.

Vou admitir, eu estava sentado no meu canto rindo da desgraçada deles. O professor entrou na sala, com um sorriso fofo, e nós entregou a prova, vou admitir que eu ri enquanto fazia as questões de tão fácil.

Diferente dos meus amigos, que assim que Junmyeon saiu da sala, começaram a colar.

Eu terminei a prova bem rápido e Junmyeon me liberou mais cedo, estava indo todo sorridente para o pátio quando eu lembrei que eu teria que esperar Chanyeol para voltar para casa, bufei, e sentei em um dos bancos do pátio, senti alguém se aproximando de mim e sentando ao meu lado. Quem é a única pessoa que sempre faz isso? Chanyeol.

- Finalmente, eu pensei que teria que te esperar a tarde toda. - Olhei para o lado e não era Chanyeol, mas sim Jaejoong. Eu posso morrer agora? - Jaejoong? Ah me desculpe, eu pensei que fosse outra pessoa.

- Pensou que fosse seu namoradinho?

- Ele não é meu namorado, somos apenas amigos.

- Isso é ótimo, porque eu estava pensando, e talvez nós devêssemos sair juntos, o que você acha?

Quem diria que a minha morte chegaria tão cedo.

8 de Junho de 2018 às 18:53 1 Denunciar Insira 4
Leia o próximo capítulo Evento de gastronomia

Comentar algo

Publique!
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Olá! Escrevo-lhe por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para verificar o cumprimento das Regras comunitárias e ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se você não quiser verificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através de Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada "Em revisão" pelos seguintes apontamentos retirados dela: 1)Pontuação: "porque convenhamos, minhas" em vez de "porque, convenhamos, minhas". Vírgula para separar conjunção aditiva "e", como em "eu que cozinhava em casa, e recebia" em vez de "eu que cozinhava em casa e recebia". Falta de pontuação para separar vocativos de frases, como em "É sério gente, não se deixem" em vez de "É sério, gente, não se deixem". 2)Acentuação: "pratica" quando deveria ser "prática". 3)Outros: uso de dois tempos verbais na narração, como "era" - no pretérito - e "é" - no presente. Éimportante escolher apenas um tempo verbal para a narração. Observação: os apontamentos acima são apenas exemplos retirados de sua obra, há mais o que ser revisado. Aconselho que procure um revisor; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, e os revisores do Inkspired, quando contratados, fazem uma correção aprofundada e profissional, realizada por revisores capacitados e experientes. Caso se interesse, o serviço de Correção editorial e de estilo também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Também disponibilizamos o serviço de beta readers, que fazem uma análise detalhada de pontos específicos da história (como enredo e construção de personagens) e a enviam através de um comentário privado. Além disso, também temos o blog Tecendo Histórias, que dá dicas sobre construção narrativa e poética, e o blog Esquadrão da Revisão, que dá dicas de português. Confira! Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas

Mais histórias

Café da Tarde Café da Tarde
Receios do amor Receios do amor
Sete Vezes por Noite em Baker Street Sete Vezes por Noite...