amanda-kraft1664221938 Amanda Kraft

Poesia cançao, que retrata a perda de um amor, composta para o Desafio vigente.


Poesia Todo o público.

#amúsicadaalma
7
2.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Um Coração Que Só Sabe Amar

Introdução:

Quando eu te encontrei a alegria fluiu, despertando o meu ser.

A vida se encheu de encantos e risos bobos.

O vento nos levava ao infinito e, na certeza dos tolos,

O amor se fez presente, carente, inconsequente e,

Durante o tempo que perdurou, foi meu único consolo.



Bastava apenas eu mirar seu sorriso nas tardes a findar

E a brisa serena surgia balançando seus cabelos, a dançar.

Em seus olhos sublimes e luzidios havia mais que um calar.

No beijo, o tempo parava ao levar minha alma a planar.


Por verdes campos distribuías beijos doces em candura.

Sua face plácida em meus olhos marejados ainda perdura.

Está cravado em mim seu corpo, seu gosto seu beijo.

Não posso sequer pensar viver sem a sombra do seu desejo.


Felicidade chegou sem se apresentar, entrando de mansinho

Pelas portas que, sem imaginar, eu havia deixado aberta.

Coração explodiu no peito e a vida pareceu-me tão certa.

E tudo o que queria é que você percorresse comigo o caminho.


Refrão :

Como esquecer tua voz no vento a me chamar,

Salpicando estrelas na noite cândida à luz do luar?

Como posso esquecer seu corpo que aquece e queima

Em meio aos sussurros entrecortados, no sabor

Que fere a carne e a macula levando consigo toda a dor?


Quando eu te encontrei escrevi o teu nome na palma da mão

Como parte de mim, ou de um doce sonho de verão.

Nas asas do tempo bebi e me afoguei na fonte do amor

Já não posso e não quero viver sem teu carinho e calor.


Enquanto houver o céu e o mar, serei para você a estrela Dalva.

Enquanto houver uma estória a contar, eu serei a sua flor mais alva.

Enquanto houver amor entre nós, serei para você a janela aberta.

Enquanto houver um leito vazio, esperarei você se deitar, alerta.


Venha comigo e me conta uma história de ninar.

Cante a luz, a cor, a dor, a alegria de um moinho a girar.

Serei para ti a paz das montanhas, dos vales e campinas.

Serei para ti aquela que confia feito criança, feito menina.


Refrão:

Por onde você estiver, não duvide que sempre irei te buscar

Por entre vales e montanhas ou mesmo nas brumas do mar.

Nas sombras e nas relvas, não importa por onde você caminhar,

Serei a tua estrela, a canção, o ar, o mar e o céu, serei teu par.

Serei a tua estrela, a canção, o ar, o mar e o céu, serei o teu lar.


Sim, o amor veio atrás de mim quando não quis encontrá-lo.

Não fugi, enfrentei-o, deixei-o se aproximar, esperei, e ele veio para ficar.

Não sabia onde encontrá-lo, ou mesmo onde o procurar.

Apenas atendi as promessas da tua voz a me calar.


Você chegou em uma tarde e se pôs a minha alma alimentar.

Traduziu-me, reinventou-me, até que me entreguei devagar.

Você disse que veio para ficar e eu acreditei, sorri, vibrei,

Cantei e dancei e então me vi só, já não mais sorri nem amei.


Você se foi e tudo o que havia em mim desmoronou

As sombras me abraçaram e o silêncio me dominou.

Não quero, não posso mais viver sem o seu amor.

Por que me encontraste? Agora apenas sei sentir rancor.


Refrão:

Volta para mim, cruel amor que esfarelou ao vento,

Como pétalas mortas que para longe se foi, meu tormento.

O que fazer agora que estou cativa na luz que havia em ti?

O copo se partiu e o líquido vermelho ao chão

Fez-me crer que tudo o que fez não passou de ilusão.


Por que me deixei levar sabendo que tudo poderia acabar assim?

Mesmo crendo, a vida se fez cruel, amarga, fria e desorientada.

A mim restou apenas a lembrança daqueles dias de amores sublimes

Que se perderam no tempo algoz que o levou para longe, para o fim da estrada.


Já não sei, não posso, não quero viver sem o teu olhar a me mirar.

O destino atroz, mesquinho, levou a luz que havia em ti só para me magoar.

A vida perdeu o sabor e em nela, infeliz amor, meu pranto se enredou.

A saudade, vingança dos dias, que dilacera o peito foi tudo o que me restou.


Diga-me, amor meu, como posso viver sem o teu calor?

Como lhe devolvo a vida se o fogo que ardia em ti se apagou?

Para sempre é muito tempo e combater o frio manso que se instalou,

Só fez meu coração se empedernir diante do eco da voz que se calou.


Refrão:

Como posso te encontrar e romper o véu da minha dor?

Diga-me onde está e eu juro que irei te procurar e te buscar.

Mostre-me o caminho que leva a ti e irei, saberei como chegar.

Subirei montanhas, caminharei entre espinhos, navegarei no mar.

Farei o impossível, não me importo, só me faça te encontrar.


Quando eu te encontrar, creio que o céu se abrirá e nos saudará.

A alegria repousará, o reencontro se dará na fonte cálida do amor.

Nem mesmo os anjos deixarão de contemplar o véu que se rasgará

Trazendo-me você, resplandecente, a me abraçar em todo o seu esplendor.


Quando eu te encontrar seremos apenas uma alma divina

A morte não será mais capaz de nos separar, pois não existirá a dor.

Jamais te deixarei novamente partir, pois serei para ti a cadência do amor.

Que embala o silêncio na prece que tudo transforma em flor!


Por favor, morte! Devolva-me meu amor, sem ele não sou ninguém.

Leve-me também, pois não sei viver sem aquele corpo a me abraçar,

Sem o eco da voz que embalava, a sussurrar, palavras doces ao luar.

Não sei viver sem ele, meu poeta a vagar nas doces ondas do coração, a quebrar.


Refrão:

Perdoe-me, morte! Faça-me forte na luz da manhã, mas antes ouça-me.

Faça-me sonhar e me ater à esperança que rompe o véu a me cegar.

Faça-me vê-lo uma vez mais e, na fantasia diáfana dos mundos, ele se aproximar.

Assim suportarei a saudade que enlouquece, rasga o peito e me faz delirar.

Assim saberei que tudo é possível nesse coração que só sabe amar.


Perdoe-me, morte! Faça-me crer na luz da manhã, mas antes peço-te.

Faça-me saber e esperar o dia em que eu mesma poderei romper o véu que nos separa.

O dia em que verei e, dessa vez para todo o sempre, ele se aproximar.

Assim suportarei a saudade que enlouquece e me faz delirar.

Assim saberei que tudo é possível nesse coração que só sabe amar.

Que tudo é possível nesse coração que só sabe amar.

Que só sabe amar,

Amar.

23 de Fevereiro de 2024 às 22:34 2 Denunciar Insira Seguir história
6
Fim

Conheça o autor

Amanda Kraft Participo com mais de cem contos em diversas antologias de várias editoras. Livros lançados: Somente eu sei a verdade; Traição; Uma Segunda Chance; A Noiva da Neblina e o Segredo de Lara pela buenovela.com e também contos e livros inéditos na Amazon kindle.

Comente algo

Publique!
Le Loustic Hop Le Loustic Hop
Isso aqui é incrível. Desborda para muito além dos fins ao qual se propôs primeiramente. A dor, a angústia insuportável e o arrependimento, tudo junto. Impressionante. Parabéns, Amanda!
February 25, 2024, 20:57

  • Amanda Kraft Amanda Kraft
    Mto obrigada, meu querido! ❤️❤️❤️ February 25, 2024, 22:12
~