Hell in Life Seguir história

tia_nath Sata Nath

E foi tomado por uma dessas crises de loucura, uma das piores que já teve, que Crona se irrita com uma certa garota loira e sua arma que o interromperam em meio a uma missão ordenada por um ser cruel e que o torturaria sem pestanejar caso ele falhasse, e ele falhou...


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#horror #fanfiction #soul #ragnarok #Soul-Eater #Crona #Maka
2
5002 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Segundas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Rotten Mind


Uma presença totalmente ignorada caminhava em meio a noite percorrendo um trajeto pouco usual pelos cidadão comuns em meio a alguns becos escuros e vazios da cidade italiana de Milán, quem arriscava-se a caminhar até a periferia da cidade era Crona, um jovem adulto de características peculiares... Alto, magro, com cabelos curtos e repicados em um bizarro tom rosado, trajado em uma túnica comprida e escura que se assemelhava quase a batina de um padre... O andarilho silencioso seguia até seu destino a passos curtos e abafados ostentando um semblante descontente em seu rosto, ele já preferia andar por becos por que sabia que a qualquer momento seu "parceiro" poderia aparecer e chamar a atenção das pessoas que porventura estivessem ali e mesmo que fossem raros os passantes devido a zona perigosa onde ele adentrava, não era do seu interesse ser observado por humanos normais e ele não saberia como lidar com uma multidão assustada correndo em volta dele...

Seu destino era uma antiga capela já a muito não frequentada onde ele sabia que iria encontrar seus próximos alvos, uma conhecida gangue de motoqueiros que atemorizava a cidade em alguns setores...

E não, isso não era uma missão nobre e ele não era nenhum herói, muito pelo contrário... Meramente esses homens possuíam atrativos para a sua chefe... Estavam todos reunidos de madrugada em um local público, de fácil acesso para ele porém difícil para os demais e o fato de serem conhecidos como um grupo de encrenqueiros violentos envolvidos com toda a espécie de negócio do submundo os mantinham em um permanente status de homens temidos e perigosos, o que resultava que nem mesmo a polícia estaria perto dos arredores da enorme capela uma vez que brigas e mortes entre os integrantes da gangue entre eles e facções rivais eram frequentes e isso estava além do alcance das forças das leis da cidade...

Então se eles por ventura desaparecessem... Nada e nem ninguém sentiria falta deles e não haveria por que chamar reforços, e não teria nada para atrapalhar o andamento do plano de sua mãe, ou como Crona a chamava... Medusa-Sama, a poderosa e temida bruxa das serpentes vetoriais, que sabia ver uma oportunidade quando esta aparecia a sua frente... Por isso mandou seu filho até lá.

Oferecendo a Crona a oportunidade de alimentar sua arma com mais de setenta almas humanas de uma única vez...

— Não estou sabendo lidar com isso... Por que essas coisas estão acontecendo?

Crona sussurrou para si mesmo em meio a alguns pensamentos recentes e confusos que irrompiam em sua mente enquanto caminhava desanimado em direção a igreja passando agora por uma ruela estreita dentro do beco, o bruxo não estava nos seus melhores dias... Havia obtido êxito anteriormente em mais uma missão, porém ainda assim sua mãe não estava satisfeita e não deixava de encarar o garoto como se ele fosse um estorvo... Ou nas palavras de sua própria progenitora...

"Um mero experimento idiota que não estava dando certo."

A ansiedade do adolescente estava as alturas e Ragnarok, o demônio que o acompanhava, resolveu se aproveitar disso para irritar ainda mais o garoto surgindo através de um irrompe de sangue negro bem acima de sua espinha... A dor lancinante ao sentir Ragnarok novamente rasgando sua pele e sua carne de dentro para fora por um momento fez Crona se ajoelhar e apertar o próprio braço de encontro ao seu torso enquanto reprimia um grito... Ele sabia que Ragnarok iria imergir ao exterior sem dar um mísero sinal qualquer de que o faria... Eram os anos forçados de convivência que fizeram o bruxo conhecer melhor a personalidade explosiva e impetuosa da entidade maligna que vivia em seu sangue. Logo o demônio sem face começou a falar para Crona com voz autoritária E com um certo "que" de deboche bem percepível.

— Simples, você é um fracassado chorão, por que não faz alguma coisa divertida e que seja diferente de reclamar? Querendo ou não estou preso ao seu corpo e isso também me limita... Mas acho que você poderia começar pegando algumas garotas depois dessa missão... Sabe... Só para relaxar...

Ragnarok o xingar de fracassado e insultar sua competência já era algo habitual ao qual Crona sabia mais ou menos como levar... Mas essas sugestões pervertidas definitivamente não... De uns tempos para cá Ragnarok andava batendo demais nessa tecla e isso estava irritando o bruxo ainda mais...

O rapaz enrubesceu já que ele entendeu imediatamente aonde sua arma estava querendo chegar, não que isso fosse novidade para o garoto, sua vontade sexual era praticamente nula e ele não tinha quase a menor vontade de fazer nada relacionado a esse tema, Crona tinha outros problemas para resolver e também a simples ideia de fazer qualquer coisa com seu sexo enquanto observado por Ragnarok também não lhe agradava em nada!

Mas algumas raras vezes ele se permitiu levar por algumas emoções algo fora de seu controle, isso o envergonhava profundamente e têm ficado cada vez pior conforme sua idade avançava... E o demônio que vivia em seu sangue não deixava nada passar barato...

— Ragnarok, vamos mudar de assunto... — O bruxo disse tentando aparentar indiferença e continuou falando de forma arrastada, seguido logo por um suspiro cansado. — Eu simplesmente não sei como lidar com esse tipo de situação.

Ragnarok puxou-lhe então os cabelos e obrigou o mais novo a encarar sua face negra formada pelos coágulos de seu próprio sangue... Crona estava abaixo de protesto e começou a esbravejar com Ragnarok para que este o soltasse, o que o demônio claramente não fez.

— Você está querendo enganar justamente a mim?! Eu sou parte de você desde seu nascimento! Sei cada pensamento pervertido que passa por sua cabeça! E não só isso! Inclusive sei como você fica quando está lutando realmente a sério...

Um intento de sorriso abriu-se então na forma lisa onde deveria ser a face de Ragnarok, intento esse denunciado pelo movimento de seus enormes olhos esbranquiçados desprovidos de pupilas enquanto ele ainda mantinha os cabelos de Crona seguros por sua mão proporcionalmente muito maior que as mãos do seu próprio hospedeiro, obrigando Crona a encara-lo todo o tempo, o bruxo agora parecia não querer ouvir Ragnarok de jeito nenhum e sua paciência estava chegando ao limite... Ragnarok estava querendo incitá-lo a ser cruel de novo, e não era só isso...

Ele também conhecia esse lado pervertido do demônio e as tentativas dele de fazer o bruxo aproveitar-se do sexo, ele deveria saber que Crona estava no ápice de seus hormônios, mas o garoto era simplesmente contido demais e nas poucas vezes em que tentou algo ele se arrependia amargamente apenas por lembrar que Ragnarok o veria e provavelmente debocharia dele... Inclusive as frequentes ereções noturnas o estavam deixando de muito mal humor como se já não bastasse seus problemas habituais, ele sabia que isso seria mais um motivo de deboche e possíveis investidas de Ragnarok que voltaria a bater na tecla do sexo enquanto o bruxo não estivesse saindo em missões... Crona então cessou sua caminhada, sozinho por uma estreita ruela do beco, encarando Ragnarok fixamente quando começou a falar em voz baixa e em um tom diferente do habitual de seu timbre para que sua arma o soltasse.

— Me larga agora, pedaço de merda...

O demônio não o soltou... Ele gostava de provocar Crona e tomou isso como uma das suas atividades favoritas do dia, tornar a existência de seu empunhador caótica e miserável ajudava a despertar nele aquilo que a mãe de seu mestre havia dito a ele quando o fusionou com Crona ainda criança... Ragnarok já havia percebido desde cedo que o bruxo ficava diferente quando tomado pela loucura adjacente a sua natureza mágica perversa herdada de sua mãe, ele ficava mais forte, mais impetuoso, mais rendido a sua essência demoníaca e o realmente importante... Mais sedento por sangue! E isso era tudo o que Ragnarok, como uma arma demoníaca queria! Almas e mais almas para que ele pudesse se fortalecer e fortalecer também seu empunhador já que um dependia do outro mesmo contra a vontade! E se tocar em um assunto tão normal para o demônio centenário como o sexo fazia Crona se incomodar a esse ponto... A arma continuaria testando-o até o limite! Logo Ragnarok continuou.

— Você mesmo já tocou uma no banho não faz muito tempo enquanto pensava em uma daquelas bruxas gostosas que volta e meia apareciam com sua mãe, fora as surpresinhas de madrugada não é? — Ragnarok riu sarcástico, o bruxo se irritava cada vez mais. — Você tem 19 anos e é um homem inexperiente Crona... Não tente lutar contra sua natureza já que esse é um dos poucos prazeres que realmente valem a pena... Devorar o corpo de uma mulher é quase tão bom quanto devorar almas!

— JÁ MANDEI CALAR A BOCA!

O garoto então desferiu um soco direto no maxilar de Ragnarok, a arma imediatamente se calou, seu mestre sabia ser bem intimidador quando irritado mas ainda dependia dele no fim das contas...

Não adiantaria dialogar com Crona agora, ele ainda estava no seu maldito jeito são, e quando ele estava assim... Ragnarok já sabia que não adiantava lhe desferir socos, tagarelar ou mesmo mandar imprimir uma lista de sugestões com coisas que o demônio achava divertido ou gostava de fazer, o bruxo não lhe daria ouvidos e provável que se encolhesse em um canto qualquer dizendo que não saberia lidar com aquilo, ou em raras vezes como agora, lhe daria um soco depois de ser muito irritado...

Mas uma coisa animava o demônio de sangue... A sanidade do bruxo tem sido cada vez mais abalada devido a diversos fatores, a própria influência da espada demoníaca, Ragnarok, em seu sangue também auxiliava nesse processo uma vez que quanto mais a arma se alimentasse de almas, mais a mente de Crona se fusionaria a suas vontades.

Na última crise de loucura o adolescente inclusive conseguiu afundar um navio fantasma e todos os seus tripulantes poderosos enquanto observava o caos, rindo alucinadamente e voando em meio a explosões e gritos com as asas de sangue que brotavam em suas costas pela transformação de Ragnarok, sua espada demoníaca, inclusive a tripulação fantasma dizimada em instantes pelo bruxo era poderosa e temida incluso por caçadores experientes... E o ataque de risos psicóticos foi depois de Crona tomar a alma de todos eles a força e fazer um verdadeiro estrago para todos os lados, inclusive matando diversas crianças humanas que haviam sido capturadas pelos tripulantes do navio antes de sugar a alma de todos eles sem exceção nenhuma... E por mais que Crona não comentasse nada depois das crises de loucura que o atingiam, Ragnarok sabia que seu empunhador recordava a maioria das coisas que ocorriam depois delas...

"Ele apenas não sabia como lidar com a situação."

O jovem bruxo, apesar de tudo, tinha algo de bondade em seu corpo e isso com toda a certeza do mundo não foi herdado de sua mãe... Era exatamente esse vestígio de bondade que tanto incomodava Medusa com relação a seu filho ser um "experimento fracassado" ela ansiava poder torna-lo um Kishin e definitivamente, ser bom não poderia fazer parte disso...

Ragnarok temia Medusa e Crona também não era diferente dele nesse aspecto, apesar de ser seu filho biológico ele podia dizer com toda a convicção que um rato de esgoto seria melhor tratado por ela do que ele... A insatisfação de Medusa com a personalidade fraca de seu filho e os constantes insucessos a irritaram muito, então ele agora estava dando o seu melhor para tentar conseguir de volta a única coisa que ele tinha, mas ao mesmo tempo se perguntava se isso realmente já lhe pertenceu... O respeito de sua mãe...

Porém, quanto mais Crona obtinha êxito, quanto mais ele matava, mais ele torturava, mais ele alimentava Ragnarok e a si mesmo, mais e mais sua mente ficava colapsada...

Inclusive ao ponto de entrar em diversas crises recorrentes, onde sua própria mente o subjugava e ele acabava atordoado, sem ter ideia de como havia feito as coisas que fez... Quanto mais ele tomava vidas de inocentes e oponentes, mais ele se convencia de que era só isso que ele poderia fazer, porém em contrapartida, sua própria mente ansiava para que ele parasse, era um ciclo sem fim!

A cabeça do bruxo entrava cada vez mais em colapso o afundando em um inferno particular e ele não sabia como lidar com a maioria das coisas ao seu redor, muito menos como lidar com relação a sua própria conduta que estava cada vez mais instável mesmo para ele, a pressão em sua mente, as ordens e comportamento contraditório de sua mãe, o fato de que ele sabia que uma parte dele adorava estar com sangue das vítimas em mãos, que ele tinha medo disso, que talvez ele não gostasse... Mas talvez também poderia gostar... E até mesmo as provocações do demônio também acabaram por ceder algo para o seu lado ...

Ragnarok emergiu de volta para o corpo de Crona, o adolescente agora foi seguindo até a capela com um olhar azul gélido e vítreo... Suas pupilas envoltas pelas orbes azuladas em seus olhos contraiam-se cada vez mais a medida que ele se aproximava de seus alvos, ele estava começando a se quebrar de novo por dentro...

Crona então respirou fundo, suas pupilas voltavam aos poucos as dimensões normais e por fim após mais alguns minutos de caminhada agora entre trilhas arborizadas que levavam até a periferia de Milán ele pode observar a igreja abandonada próxima aos limites que levavam até o fim da cidade e o começo de uma mata cerrada e vazia... Crona ouvia agora também os sons de música alta, as luzes e a baderna dentro da capela....

O bruxo então respirou fundo e seguiu nervoso até as portas da igreja...


Ele só queria entrar lá agora e acabar logo com tudo isso...

27 de Maio de 2018 às 20:00 3 Denunciar Insira 2
Leia o próximo capítulo Black Blood

Comentar algo

Publique!
Neeca Ashcar Neeca Ashcar
Ahhhhhhhhh... Nath sua linda... Que maravilha ♥️... Tipo eu sei que se já postou essa antes, mas meu Deus que narrativa, que delícia de se ler, nem preciso dizer isso né mesmo? Ragnarok é dos meus, bota fogo na lenha, se for para obter vantagens tamos juntos... HAHAHA. Acho que já te disse 1000000000000 de vezes que amo sua narrativa, ela é única, você leva a história com uma facilidade grandiosa, que vale a pena cada linha! Sempre é bom lembrar. ;) Nota mil que cinco é pouco! Vê se agenda os capítulos please que quero continuação! ♥️ Te amo sua linda! ♥️
3 de Junho de 2018 às 12:33

  • Sata Nath Sata Nath
    Eu te falei que viria atrás de você, não falei? ^^ Que bom que você gostou de ler ela XD essa é particularmente uma das histórias mais tresloucadas e perversas que escrevi até agora < 3 (eu nem gosto disso, magina...) Nicca, my best, vou te caçar em qualquer lugar < 3 kkkkkk (logo mais vou me att com as suas fics também < 3 < 3 ) 8 de Junho de 2018 às 14:28
  • Sata Nath Sata Nath
    Love you My best < 3 8 de Junho de 2018 às 14:28
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!