Conto
2
5041 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Our Sin

Avisos Importantes:


1- Essa fanfic contém incesto, uso de religião de forma figurativa, menções ao abuso sexual/coerção, auto-mutilação e tendências suicidas, se qualquer um desses assuntos te agride de alguma forma, NÃO LEIA!


2- Nenhum dos personagens me pertencem e eu não ganho nadica com isso além de maravilhosos comentários.


Fic escrita para o Desafio de Crackships.


Tenham uma boa leitura ♡


☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆



Me sentei em frente às velas apagadas e apenas esperei que ele chegasse.


Está frio e ele sabe que eu odeio o frio, mas mesmo assim, como é de seu feitio, ele insiste em estender a espera, me deixando ali no gelado solitário da noite. Eu acredito - não, eu sei que é de propósito, pois foi ele quem fez com que eu prometesse não me atrasar, a pesada ameaça de nunca mais me olhar nos olhos ou falar comigo novamente caso não cumprisse minha palavra. É claro que, diante da ameaça, eu chegaria na hora; na verdade, cheguei até mais cedo graças a sempre presente apreensão de falhar com alguém, ele sabe disso, assim como sabe praticamente tudo sobre a minha pessoa, e usa essa fraqueza contra mim cruelmente. Mas agora, ironicamente previsível, o atrasado é o próprio.


Já estou pronto para desistir, apenas fechar os olhos na vã tentativa de dormir e fugir do frio em meu subconsciente quando a porta range atrás de mim e, como um arco esticado, meu corpo tensiona. Apenas encaro meus sapatos pretos bem polidos enquanto escuto os dele ecoarem pelo recinto e me encolho quando sua mão me toca, apertando meu ombro - não em um aperto firme ou mesmo doloroso, pois ele me toca com a segurança de que não irei me afastar.


E não irei, não mais.


Ele se curva sobre mim e beija-me o pescoço, um suspiro trêmulo sai da minha boca e vira fumaça no ar em minha frente enquanto ele se senta ao meu lado, chegando mais perto, tudo se tornando desesperador com cada segundo. Eu quero me afastar, mas ele não reconhece isso; e mesmo se reconhecesse, apenas ignoraria por não querer acreditar que tenho vontade própria e sentimentos em relação a tudo isso, em relação a todo esse…


Mas então você me beija e eu aceito.


Nos beijamos, mas evitamos carícias, evitamos algum carinho ou demonstração de qualquer coisa além da necessidade carnal. Não era necessário. Não era esse tipo de relação que tínhamos, ou que você queria, então apenas me deito e permito que fique por cima de mim sem hesitação. Somente isso, não é um ato no qual precisamos de amor.


Mas eu te amo.


Eu te amo eu te amo eu te amo eu te amo.


Tanto que quero matá-lo.


Tanto que, enquanto desabotoa meu uniforme, seus dedos longos e ágeis como sempre, eu sinto um nojo tão grande; o bastante para que eu seja obrigado a engolir o vômito que ameaça subir pela minha garganta. Mas ao mesmo tempo, sou tão dependente dessas sensações, dependente da sua pele tão quente e de suas mãos deslizando sobre meu corpo tão frio; tão dependente de ti como sou da pequena faca que guardo atrás dos livros na prateleira do meu quarto, a lâmina aguardando o retorno do seu dono. Sou dependente de suas investidas tanto quanto sou do amargo absinto que coloco em minha boca quando sozinho. É patético.


E eu me odeio ainda mais por isso.


Você me abraça, você me empurra para trás, no assento da igreja e você me machuca tanto... Mas essa dor me faz sentir tantos prazeres ao mesmo tempo. É tudo tão doentio e confuso que me vejo obrigado a fechar meus olhos enquanto sinto sua palma quente em meu rosto suado, os seus lábios exigindo os meus já inchados e sangrando graças aos seus dentes puxando até rasgar a pele. Junto com a dor, aproveito o calor que emana do seu seu corpo que aquece o meu sempre tão gelado.


Eu não sinto mais frio.


Não quando estou contigo.


"Você gosta?"

Sim.

"Quer mais?"

Sim.


Eu perco o controle cada vez que sinto-o entrando e saindo de dentro de mim. Os teus movimentos são como chicotadas, profundas e eficazes, tirando o sangue e a razão do meu ser e levando com cada um os pedaços da sanidade que tanto prezo, deixando somente a dor e o desespero necessitado nos buracos da minha mente. Então tudo fica quente, quente demais; nossos corpos estão unidos e eu não me permito deixar escapar qualquer som muito alto da minha boca - não posso permitir que algo nos denuncie, ou a freira irá escutar e ele ficará tão irritado comigo por terem descoberto o nosso (o seu) ato de grande pecado.


"Quer que eu pare, Regulus?"

Não. Não pare, não pare.


Não pare, não me tire essa dor.


Você volta a se mover, e você me abraça e esse calor tão intenso me faz te querer o mais longe possível de mim; ainda assim, eu te amo ainda mais por isso.


Tudo queima e eu sinto que estou prestes a explodir. "Perto, estou tão perto", sussurro para você, chorando com a aproximação da liberdade, o gosto tão doce que forma um peso grosseiro em minha língua.


E então os movimentos param e ele se afasta, sentando ao meu lado, escondendo o rosto em suas mãos; talvez com vergonha por suncumbir, mas não sei ao certo se posso acreditar que ele seja capaz de sentir algo próximo ao remorso. Encaro o teto, as gravuras de belos anjos parecem vivas em minha visão embaçada, mas foco especialmente em um deles, porque seus olhos ônix me encaram de volta com atenção, ou seria repulsa? Seja qual for, ele parece um anjo bem cruel. Me lembra você.


Não estou ciente dos arredores enquanto ele se arruma ao meu lado, ignorando tudo, e só percebo sua ida quando escuto seus passos em direção à porta. Típico, saindo sem nenhuma palavra, nenhum aviso. Assim como ele já sabia que eu estaria ali hoje, ele sabe que estarei novamente amanhã. Sentado no frio, sempre o esperando. Então por quê falar? Não era necessário.


As portas se fecham, sendo o único barulho que você deixa para trás. O calor se transforma em frio, me fazendo desejar o seu retorno.


Sento-me, não era seguro e nem valia a pena demorar mais tempo aqui. Respiro fundo, apreciando a ardência do contato do ar frio com o corte que ele fez em meu lábio inferior, passo a lingua sobre o machucado fresco, sentindo o inchaço quente e o gosto de ferro; eu estremeço com a sensação, então mordo o corte e o sangue enche a minha boca mais uma vez. Fecho os olhos extasiado, é o melhor que terei até voltar para a minha faca.


Me levanto quando me sinto estável e mais calmo, me ponho então a abotoar meu uniforme, ignorando o vazio que tenta se agarrar a mim, pois sei que essa sensação de impotência é tão perigosa quanto as palavras que nunca digo para você. Por isso apenas a ignoro e esqueço. Quando termino, olho para meus pés e encaro o terço que havia trazido agora estendido no chão sagrado, provavelmente tendo caído quando me deitei e não percebi, ou sequer lembrei da sua existência. Me curvo e o pego, sentindo suas contas frias e a cruz de ouro queimarem a pele da minha mão.


Chorar, chorar é errado.


Mas pecar também o era e eu já havia ultrapassado esse limite há muito tempo; pois nojento e errado era tudo o que vinha dele, mas eu o adorava como nunca poderia adorar o homem pregado na cruz no centro do altar. Essa fatalidade era o quê me matava um pouco mais a cada vez que meus olhos se abriam para outro dia.


Eu adorava o pecado porque era o quê ele representava e ele era tudo para mim.


Eu desejava que não fosse assim.


"Me perdoe..."


É o que sussurro todas as noites no frio, Sirius Black.


Por favor, nos perdoe.


☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆

Notas Finais


NÃO ACREDITO QUE FINALMENTE PUBLIQUEI ESSA FIC! GEZUIS! Sério eu demorei demais pra escrever a fic para esse desafio e só consegui porque algum ser divino me deu inspiração no 5 minutos do último tempo pqp DX estou me odiando, mas ao menos escrevi e contribui para essa desafio maravilhoso, cheio de fics lindas e ships super criativos (o meu é bem méh comparado a tantos outros)


Admito que só foi uma fic no fandom de HP porque to viciada em Hogwarts Mystery e não posso pensar em mais nada ultimamente, por isso me enrolei tanto ai ai, mas pelo menos saiu.


Enfim, espero que tenham gostado, sou apaixonada por blackcest, mas sempre imagino coisas darks e trágicas com a Família Black então nenhum ship meu deles será 100% alegre lol talvez eu tenha exagerado? Oh bem, é a vida.


Comentários são sempre bem vindos, see ya~♡

30 de Abril de 2018 às 18:44 9 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

LiNest Meu nome é Aline, também conhecida como Linest e eu estou realmente feliz por poder compartilhar meu trabalho com tanta gente agora!!! Você só precisa saber 3 fatos sobre mim: Amo Angst. Sou Nerd. Sou Army.

Comentar algo

Publique!
Karimy Karimy
Olá! Escrevo a você por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A Verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se não quiser modificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através do Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada em revisão pelos seguintes apontamentos retirados dela. 1)Uso de dois tempos verbais na narração: "Estava frio e ele sabe" — "estava" é pretérito, "sabe" é presente, o ideal seria, de acordo com o verbo predominante da sua história, "Está frio, e ele sabe"; "Não era esse tipo de relação que tínhamos" em vez de "Não é esse tipo de relação que temos"; "eu estaria ali hoje" em vez de "eu estava ali hoje"; "não era necessário" em vez de "não é necessário"; "não era seguro" em vez de "não é seguro"; "nem valia a pena" em vez de "nem vale a pena"; "pecar também o era" em vez de "pecar também o é"; "adorava" em vez de "adoro"; "essa fatalidade era o quê" em vez de "essa fatalidade é o que"; "meus olhos se abriam" em vez de "meus olhos se abrem"; "adorava o pecado porque era o quê ele representava e ele era" em vez de "adoro o pecado porque é o que ele representa e ele é". 2)Falta de vírgula na repetição "Eu te amo que te amo" — elementos de mesma natureza pedem vírgula. "com cada uma dela" em vez de "com cada uma delas". Falta de vírgula em "sangrando graças" em vez de "sangrando, graças". Observar frase "a freire irá escutar". 3) Falta de crase em "em direção a porta" em vez de "em direção à porta". "por quê falar" em vez de "por que falar". "lingua" em vez de "língua" Obs.: São apenas esses apontamentos; se for corrigi-los, basta me avisar depois que terminar que volto aqui para fazer uma nova verificação. Aconselho que procure um beta reader; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, assim como ajudar-nos com a gramática e ortografia. Caso se interesse, esse recurso também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Gostei muito da sua história. Acho que tem muita gente que ainda se martiriza por causa da religião e adorei a forma como você abordou o assunto. Bjs!
12 de Março de 2019 às 14:45

  • LiNest LiNest
    Olá muito obrigada pelas correções, realmente é muito necessário uma revisão, não imaginei que tinha tantos erros D: mas estarei revisando minhas fics nas próximas semanas. Again obrigada, esse sistema é muito útil. E que bom que gostou <3 23 de Março de 2019 às 07:01
  • Karimy Karimy
    Imagina. Parece ser muita coisa, mas são apenas os que foram apontados acima. Não tem jeito, sempre acabamos deixando alguma coisinha passar mesmo. 23 de Março de 2019 às 15:55
  • LiNest LiNest
    Olá, to comentando aqui de novo pra avisar que dei uma revisada no texto e mudei o corrigi o possivel, espero que tenha dado um jeito na maior parte dos erros visiveis 17 de Julho de 2019 às 18:28
  • Karimy Karimy
    Prontinho! E parabéns pela história incrível. 19 de Julho de 2019 às 05:35
Alice Alamo Alice Alamo
Oii! Primeiramente, parabéns por ter participado do desafio! Espero que tenha gostado de escrever ;) Eu gosto muito do casal, já li e escrevi sobre eles há muito tempo. Tenho uma paixão por HP que você não imagina hahahaha. Eu gosto muito do Sirius e tenho sentimentos conflitantes sobre o Regulus (rsrsrsrsrsrs). É a primeira vez que vejo o Regulus sendo tão submisso ao Sirius, normalmente eu os vejo sempre como rivais ou algo assim nas fics, foi bom tê-lo apresentado de uma nova forma =) Deu para entender a dependência do Regulus, mas acho que seria legal ter explicado de onde ela veio, sabe? Assim a gente poderia entender melhor a dor do Regulus, e isso ajudaria o angst a ficar mais forte na história. Acho que o contexto da cena, se aprofundado, daria uma visão melhor da relação e dos sentimentos dos personagens. Deu para entender o que queria passar, mas poderia ser mais impactante se fosse estendido um pouco mais. A condução da fic é muito boa! Sua narrativa não cansa e você tem uma escrita muito bonita aliás. Gostei das comparações feitas e do pensamento do Regulus à medida que o Sirius falava com ele. E eu amei os conflitos do Regulus! Faz todo sentido ele ter essas dúvidas e devaneios! Ah, tem um "vc" perdido na história e aconteceu de vez ou outra ter verbos no passado e no presente durante a narração. E, no começo, você fala do Sirius e no meio da fic fala com ele; no começo parece que você fala com a gente (leitor), mas depois muda para como se o Regulus estivesse falando o que pensa pro Sirius. Foi proposital? A proposta da fic foi muito boa, havia muitos tópicos, o incesto, o angst, a religião, talvez numa história um pouco maior isso tudo, esses conflitos, fossem sentidos melhor, o que acha? Enfim, parabéns por ter participado do desafio e por nos trazer HP, eu adorei isso <3 Parabéns pelo plot e por trazer também angst (amo!). Espero que tenha curtido o desafio ;)
9 de Maio de 2018 às 21:59

  • LiNest LiNest
    OMG QUE COMENTÁRIO MARAVILHOSO! AMO COMENTÁRIOS GIGANTESCOS (*≧▽≦) E eu dei uma revisada e concertei alguns errinhos, então o "vc" (urgh) e outros já foram corrigidos. Sobre a fic ser mais detalhada, eu realmente escrevi ela sem muito cuidado porque fui ter a ideia em cima da hora, foi uma mistura de tentar terminar a tempo + a falta de inspiração, Blackcest nem era o ship com o qual iria trabalhar, só para vc ter uma ideia, mas foi o único que saiu alguma coisa D: por isso ficou tão ambíguo, mas acho que da forma como idealizei a cena (um momento solto pelo pov do Regulus) não tinha muito mais para onde ir, mas entendo seus pontos, e sobre o tempo verbal, não foi proposital, é mais o meu estilo de escrita, mas desde o inicio a intenção era o Reg falando com o Sirius, agora nessa revisão resolvi transformar essa mudança em algo prosital sim e a mudança entre "ele" e "você" é bem importante, mas ainda é o Regulus falando para/com o Sirius. E BLACKCEST É MARAVILHOSO! Quero muito ler agora suas fics deles, mas confesso que eu sou o contrário de vc lol amo o Regulus e tenho problemas com o Sirius, mas a forma como vejo a relação deles é bem co-dependente e obsessiva, meu Regulus é tão submisso porque ele sempre seguiu o Sirius, ele confia plenamente no seu irmão mais velho e o idealiza como o tipo de pessoa que queria ser, corajoso e impertinente, por isso meu Reg permite que o Sirius faça muitas coisas que com outra pessoa ele se defenderia, é um misto de querer agradar e não saber como ver qualquer coisa relacionada ao Sirius como algo ruim, e isso só muda quando o Sirius deixa ele para trás, já no contexto dessa fic em particular tem a adição do abuso então o Regulus já foi levado a acreditar que lutar ou ser algo além de submisso é inútil, não ajuda que junto com isso venha a auto-aversão por ter sentimentos não fraternais pelo irmão, foi mais ou menos isso que quis passar. Mas muito obrigada por suas correções e elogios, além desse comentário lindo <3 foi muito bom e divertido participar do desafio, adorei muito! See ya~ 10 de Maio de 2018 às 14:38
Hime  Hime
Porra, olha isso ashuahsas Eu estou muito chocada, porque minha nossa, é muito bom. Eu estava tentando achar uma fanfic com uma escrita agradável de ler nessa tag dos crackshipps, e estava meio difícil, mas essa me salvou. Muito bom, e obrigada por ter me salvado indiretamente ahjahsja <3
1 de Maio de 2018 às 08:03

  • LiNest LiNest
    Oh bem, salvar vidas é sempre um bom incentivo para continuar escrevendo sghsaghsa fico feliz de ter te salvado e que minha escrita tenha te agradado, muito obrigada por comentar~ 😁 1 de Maio de 2018 às 18:32
~