Nicotina Seguir história

erincarmel

Itachi é um famoso escritor convidado para um Congresso Acadêmico na Universidade de Oxford. Contudo, sua atenção não estará voltada somente para com sua palestra.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos). © Todos os direitos reservados

#drama #angst #vemprocrack #crackship #yaoi #kakashi #itachi
Conto
14
6.0mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Único

Por que chovia tanto? – Itachi se questionava enquanto esperava a chuva passar protegido em um pequeno café tradicional no centro de Oxford, ele não se referia apenas ao tempo daquele dia, mas sim ao clima de toda a região. Não era um adorador por dias chuvosos, porém esperava que seu sacrifício valesse a pena.

Era um escritor muito famoso e fora convidado pela universidade que um dia estudara para um congresso, iria expor suas ideias futurísticas sobre literatura e palestrar sobre o que os estudantes propunham em uma semana.

O marco de sua carreira era um romance policial retratando, não somente um serial killer, mas também a descoberta da sexualidade de seu protagonista. Ele usara parte de sua vida pessoal – momentos de quando fora expulso de casa por revelar aos pais que era gay ou seu doloroso primeiro relacionamento, tudo isso retratava sua vida e a do seu protagonista.

As pessoas o admiravam por sua capacidade única em tornar o sentimento dele tão sucinto que antes de protestarem com preconceito e repulsa já o estavam apoiando. Itachi se tornou o mestre em manter segredos dentro dos livros, que embora fossem óbvios, eram incrivelmente difíceis de serem decifrados, ele era um gênio.

Estar de volta a Oxford o trazia muitas lembranças e dentre elas o momento mais sombrio de sua vida. Fora ali que conhecera seu primeiro amor, era clichê, mas se apaixonou por seu professor orientador e inocentemente se entregara achando ser totalmente recíproco. Eles se amaram por meses a finco e nunca passara por sua cabeça ser a outra pessoa que invadiu e quase destruiu uma família.

Nunca esqueceria do dia em que descobriu toda a verdade...

Era uma manhã radiante, somente em sua cabeça porque o dia estava chuvoso como em todos os dias, porém, nada o incomodaria. Finalmente conseguira seu estágio tão almejado em uma das maiores editoras do Reino Unido.

Não aguentaria esperar até o horário combinado com seu professor para dividir a notícia com ele, não, ele corria até a universidade. A intimidade de seu namoro lhe dava algumas regalias, como invadir sua casa sem convite e imaginou que seria uma ótima surpresa em seu escritório, talvez fosse repreendido em cima da mesa como tantas vezes já acontecera.

Riu ao imaginar como adorava ser castigado daquela forma, sentia-se leve e em paz com seu relacionamento. Logo completariam dois anos juntos e mesmo que não dividissem um lar – o sonho de consumo de Itachi, eles dividiam muitas coisas. Não existiam fantasias e fetiches que um não se submetesse pelo outro.

Chegou um pouco molhado pela chuva, mas não se importava, só pensava em receber aquele sorriso que tanto o cativou todos os dias para não desistir de seus sonhos.

A euforia em seu coração o movia enquanto corria pelas escadarias magnificas em direção a sala de seu professor, estava tão animado que não queria se recompor e ser um Uchiha, na realidade ali ele não precisava – era totalmente livre do legado de sua família.

Kakashi era seu céu e inferno, ainda que um tanto mais velho, a diferença de idade nunca fora um obstáculo, ele o amava profundamente e faria o impossível para vê-lo feliz, pois sua felicidade era a sua também.

Infelizmente a relação que possuíam era as escondidas, não deixavam de ser professor e aluno e isso comprometia ambos a perder seu espaço na universidade. Itachi carregava grandes expectativas para quando se formasse, talvez dividir um apartamento ou legalizar a união estável.

Por vezes planejaram o futuro juntos e em construir a família que Itachi nunca tivera com os Uchihas. Relembrar todas as conversas, todo o apoio que recebia e todo carinho que ele depositava em si lhe aquecia o coração. Seu batimento cardíaco só aumentava em animação conforme seus passos se acalmavam da corrida pelo corredor extenso, o silêncio das outras salas denunciava que não haviam outras pessoas por ali e lhe dava o passe livre para amar seu professor mais uma vez em sua sala entreaberta .

Sorriu, só podia sorrir, ele o conhecia tão bem.

Kakashi Hatake era alguém que se destaca dentre uma multidão, possuíam características tão distintas dos demais e exalava paz – além da nicotina, Itachi ainda tentava mudar o péssimo hábito de seu velho fumante. De fato, aparentava ser mais velho do que realmente era, ele odiava portas fechadas, odiava ser apressado e se atrasava muito, deixava livros espalhados por todo apartamento – seu e de Itachi, não era muito organizado e por vezes discutia com pessoas nas ruas.

Contudo, Itachi o amava e nada disso o incomodava, até o cheiro dos cigarros o acalmavam em dias difíceis.

Já estava a poucos passos da porta e imaginou o encontrar escrevendo uma tese qualquer ou lendo um conto erótico escondido, mas o que realmente viu nunca se passaria em sua mente – ele não estava sozinho.

Os gemidos denunciaram, mas ele não quis acreditar, a mão pareceu perder a força ao tocar a maçaneta e pouco conseguiu abrir da porta. Ainda assim viu por completo o que ocorria ali, a mulher de costas para a porta estava sentada em uma posição um tanto desconfortável com as pernas abertas enquanto o professor estocava ela com violência.

Era a mesma posição em cima na mesa que Itachi fora submetido a duas semanas atrás, ele sempre cedia aos desejos inoportunos de Kakashi, pois sentia que de alguma forma era somente por si que Kakashi perdia o controle e que sempre seria assim.

Não notara que chorava até que um soluço escapou de si, seu mundo estava se desabando, porque seu mundo era construído em cima de uma base chamada Kakashi. Ela ruiu tão forte naquele momento que jurou ter ouvido toda sua construção desmoronar, ele não existia sem isso, sua segurança como pessoa fora desenvolvida pelo outro, em sua mente não havia um Itachi sem Kakashi.

Kakashi também notou seu soluço e o olhar que dirigiu a Itachi foi de puro desejo, ele sorria com malicia e aumentava a velocidade das estocas. Aquilo não podia estar acontecendo, inúmeros porquês se passaram em sua cabeça e quando a culpa o atingiu ele soube o que acontecera entre eles e com o restante de sua dignidade fechou a porta com toda a força que possuía e fugiu.

Fora a última vez o vira, pois Itachi sumiu, ele enfim percebeu o quão bagunçado seu relacionamento era. Necessitou começar tudo de novo, isso incluiu sua universidade em outro lugar e o ponta pé que seu livro recebeu baseado no relacionamento anterior.

Os anos decorrentes a descoberta foram horríveis, não somente pela vida dupla que Kakashi levava e todos os detalhes que descobriu sobre, o que incluía os dois filhos que ele possuía com a mulher da mesa, sua esposa. Mas também porque se descobriu submisso até demais.

Ele que nunca recebera amor de sua família, que nunca recebeu carinho de pessoas que julgou serem próximas de si e que, principalmente, nunca amara a si mesmo. Aceitou a forma de amor que Kakashi lhe propôs, pois não existiam rastros de qualquer coisa em sua vida para comparar – aquilo era o máximo que se permitia merecer.

Contudo, seu relacionamento era abusivo e ele só acreditou após muitas sessões com seu atual terapeuta que Kakashi era a pessoa que mais o amava e ainda assim a mais tóxica para si. Ele o moldara a própria imagem quando lhe impôs sorrateiramente que tipo de vida deveria levar e como ela deveria ser, já que Itachi era muito inseguro de qualquer ação e se preocupava mais em agradar os outros do que realizar suas próprias vontades.

Definiu que sua felicidade era sua base de vida, assim, Kakashi se tornara seu mundo, seu tudo, seu vício, sua nicotina.

O inconsciente de Itachi acatava tudo para agradar quem amava, ele se tornou Kakashi e já não tinha mais autonomia para nada. As coisas que outrora amava e não eram do agrado do mais velho foram abandonadas. Mudou suas roupas, seus hábitos, seus estudos e suas ambições.

Agora, depois de tanto tempo de abstinência, Itachi esperava passar o Congresso sem nenhuma recaída. Ele que prometeu nunca mais voltar a Oxford, mas seria injusto consigo mesmo em não expor sobre seu maior marco.

Ou estaria se enganando?

[...]

A noite chegou e com ela a abertura do Congresso, Itachi precisou se arrumar com grande elegância em um terno negro – estava diferente de anos atrás. Talvez o tempo tenha feito lhe bem, os cabelos mais longos e lisos como nunca, o corpo adquiriu mais músculos e atraia vários olhares sobre si na entrada na Universidade de Oxford.

O evento era pequeno, reunindo alguns poucos autores de fora da Academia, as palestras eram voltadas para os alunos, os quais escolhiam cada tema para os palestrantes. O tópico de Itachi se voltou para com o protagonista de seu livro: Como definir a identidade e a personalidade de um protagonista?

Não sabiam, mas era muito pessoal para si e sentia-se exposto. Porém, sentia também a necessidade de finalizar tudo aquilo em seu coração. Era um absurdo, ele sabia, talvez sofrer estava em seu DNA. Contudo, fora ali que tudo iniciou – começou a viver e não só existir, e também era ali que deveria terminar.

Seu terapeuta, ensinou-lhe a superar seus medos e se abrir mais sobre seus sentimentos. Ele precisava disso tanto quanto precisava de água todos os dias, mesmo que Kakashi também estivesse ali. Se mais pessoas pudessem aprender a viver mais para si e não ao contrário como ele fizera, ficaria muito feliz.

Quando atingiu o hall de entrada do evento, as vozes invadiram sua mente – haviam muitas pessoas ali. Os alunos bajulavam seus autores convidados com agradecimentos exageros e promessas de comprarem todos os seus livros publicados.

Itachi já fora assim, a nostalgia em estar ali de novo lhe entristecia porque ele sentia falta daqueles anos, queria ter concluído seus estudos ali e não em Cambridge. Com um sorriso sutil devolvia a saudação de boas vindas que cada pessoa lhe dirigia, em nenhum momento parou para conversar ou responder qualquer questão que fosse para si.

Atravessou com dificuldade a multidão de pessoas insistentes para chegar em seu objetivo, a sacada com vista a construção circular central com arcos de abóbada. Sempre apreciara a visão a noite daquele local iluminado, algumas vezes sozinho ou acompanhado.

Enquanto ninguém o observava, tratou de abrir, sair e fechar como um ninja faria – ágil e sutil. Ainda com as mãos no trinco se permitiu respirar aliviado, ele só queria um local para se deixar lembrar de todos os momentos que passara ali sem interrupções e não desistir da razão que o levou até ali.

Como sempre, estava equivocado em achar que não o encontraria, suspirou frustrado quando o cheiro da nicotina denunciou outra pessoa ali presente.

– Eu estava o esperando – Kakashi saiu das sombras atrás da fumaça que seu cigarro proporcionou.

Itachi pensou em fugir novamente, mas o professor foi mais rápido e segurou seus braços, o girou para a grade da sacada e o encurralou.

– O que quer de mim? – Itachi perguntou com aflição e raiva.

Sem resposta, procurou pelo olhar de Kakashi que estava hipnotizado sobre si, se assustou com a profundidade que aquele par de olhos o fitavam. Haviam tanto a dizer, mas nada teria maior peso do que o pesar e mágoa que ambos sentiam.

– Por que sumiu? – expressou sua dor pela voz que Itachi notou com facilidade, ele adoraria voltar no tempo e evitar aquele contato – Eu sabia que viria aqui, você é muito óbvio.

Aquilo zangou Itachi que fez de tudo para libertar suas mãos, o professor era mais forte, mas não usaria a força contra si. Quando se viu livre, se encaminhou a porta e novamente fora detido quando Kakashi o abraçou por trás com a voz embargada.

– Por favor, me dê uma chance de explicar – sentiu as lágrimas de Kakashi em sua nuca e não podia evitar o aperto em seu coração, pois ele não fora o único magoado em toda essa história.

– Mas a culpa foi toda sua – Itachi devolveu, ele não permitiria ser enganado por lágrimas.

– Se me ouvir, eu o deixarei em paz – ele apertou o abraço e fez Itachi perceber que não poderia fugir, ao menos por enquanto.

– Então me solte – Kakashi o obedeceu, limpou suas lágrimas e buscou por cigarros. Enquanto que Itachi cruzou seus braços aguardando-o começar.

– Eu... eu não sei por onde começar, – tragou seu cigarro o prendendo por um tempo além do comum, ele estava nervoso com aquela conversa – não me preparei para isso. Não achei que realmente viria.

– Continue – incentivou Itachi quando Kakashi parou para admirá-lo de novo.

– Você mudou – não era uma simples constatação, de fato ele não era mais o mesmo de anos atrás. – Teria alguém em sua vida?

– Eu não aceitei nenhuma entrevista e se quer desperdiçar meu tempo com isso, só posso ir embora – ameaçou sair da sacada, mas seu braço foi segurado.

– Me perdoa.

– Perdão? – Itachi encarava a porta com uma mão tremula sobre o trinco, um gosto amargo surgiu em sua boca e só queria sumir – Pelo que? – Se virou com muitas lágrimas em seu rosto, a brisa fria lhe informou que chorava. – Me diga! Me diga! Me diga! – gritou quando Kakashi negava-lhe o olhar ou responder, o silêncio era perturbador entre os dois e os soluços de Itachi se acentuaram quando se livrou da mão do professor e caiu de joelhos no chão.

Ficou constrangido em estar vulnerável diante dele de novo, odiava ser tão fraco e ser influenciado por apenas estarem no mesmo local. O choro não cessava, tentou a todo custo conter com as próprias mãos, mas só piorava.

Itachi precisava daquela resposta, ele lutava contra a vontade de saber o lado do outro, ele entendia que não deveria mais conviver com Kakashi e sua toxidade. Só que era extremamente doloroso se livrar de todos os momentos que viveram juntos e ele nunca tinha chorado por aquilo antes.

Kakashi notou seu desespero em controlar as lagrimas voltando sua dor para suas pernas – ele as apertava com muito força. O professor se ajoelhou diante de si e segurou com delicadeza suas mãos.

– Me perdoa por tudo, – Itachi o olhou com espanto quando suas mãos foram beijadas no dorso, – eu não queria te magoar, – levou sua mão direita até a própria testa em sinal de arrependimento e beijou cada um dos dedos da mão esquerda de Itachi – mas não queria deixar de ter você. Eu não sobreviveria sem você, eu vivi... não, eu apenas existi sem você por perto. Por favor, me tire desse inferno.

As lágrimas de Itachi cessaram e ele estava em choque, nunca imaginou em ouvir algo parecido, não sabia como reagir. Ele sentia falta de Kakashi e sua vida fora um inferno sem o professor, porque saiu da bolha que viveu com o outro, saiu de sua alienação e se viu perdido.

– Eu me casei porque a engravidei ainda na época em que cursava aqui – Kakashi iniciou seu discurso agora segurando as mãos de Itachi em seu colo, ele as fitava enquanto fazia um carinho em seu dorso. – Mal nos conhecíamos, era para ser algo de apenas uma noite, mas... Eu estraguei tudo, não usei preservativo e confesso que estava muito bêbado para lembrar de algo.

– Mas ficaram juntos por todo esse tempo... – Itachi continuaria se não fosse interrompido pelo toque carinhos de Kakashi em seu rosto para limpar as lágrimas.

– Não entenda mal Itachi, eu não a amava e nossas famílias nos obrigaram a casar. O segundo filho veio quando tentei me separar pela primeira vez, – dizia com pesar enquanto olhava para os olhos negros embargados pelas recentes lágrimas – eu não consegui abandonar ela naquela época.

– Quando me conheceu? – era a questão que Itachi tanto quisera saber desde o momento em que soubera sobre os filhos de Kakashi. O professor desceu sua mão tocando o pescoço de Itachi, seu ombro, seu braço e repousou a mão sobre a do outro.

– Eu te conheci depois do casamento do meu primeiro filho – sorriu mínimo com a lembrança da primeira vez que vira Itachi se matriculando na universidade. – Eu achei que conseguiria deixa-la quando meu caçula entrasse para a Universidade de Cambridge, assim ele não sofreria com isso e só então eu seria somente seu – ainda não encarava Itachi diretamente, mas não soltava suas mãos por nada.

O silêncio voltou, todavia Itachi não tinha mais lágrimas para chorar e sua cabeça latejava de dor. Estava extasiado diante da dor que seu coração sentia, ele não se recordava das outras perguntas que formulou ano após ano na ausência de Kakashi e nem seus discursos ensaiados para tal encontro ele fazia questão em proferir.

– Ela sabia sobre você – Itachi esperar muitas coisas, mas não isso.

– Como... – seu rosto alertava seu espanto e poucas palavras inaudíveis saíram de sua boca.

– Eu contei para ela o que pretendia fazer desde nosso primeiro beijo, não suportaria ficar sem repetir isso com você, – voltou toda a sua atenção para a boca de Itachi – eu me tornei um louco apaixonado desde aquele dia. – Impediu seu ex-aluno de desviar o olhar por constrangimento segurando seu queixo para cima – A culpa de me fazer desejar você todos os dias é sua.

– Eu estava resistindo tão bem – Itachi pensou em ter dito apenas para si, mas Kakashi também ouviu e somente entendeu quando o outro lhe avançou com urgência em sentir seus lábios finos e desidratados pelo tempo. O gosto do cigarro voltou a boca de Itachi e ele estava em casa, o aliviava saber que sempre fora desejado pelo outro e doía ter que jogar fora tantos anos voltados para si diante de um simples beijo.

O que seria simples, se tornara complexo com Itachi sentando-se no colo de Kakashi que tratava de aprofundar o beijo puxando sua nuca com possessão, ao passo que a outra mão se ocupava em percorrem a extensão das costas de Itachi até chegar em seu quadril.

Eram anos de saudade acumulados, anos de abstinência não só para Itachi, pois Kakashi arfava a cada vez que Itachi jogava seu corpo mais próximo do outro na tentativa de sentir o corpo alheio como um todo.

Não era um beijo bonito como nos livros que Kakashi acostumara-se a ler diante da ausência de Itachi em uma falha missão de imaginá-lo consigo, mas sim era atrapalhado com língua demais, respirações trêmulas e cortadas com mordidas obsessivas e gosto de sangue. Tudo compunha a melhor sensação que poderia provar, aquele era Itachi que gostava de sentir o máximo possível a todo momento e não tinha tempo de migalhas.

Kakashi amava toda a entrega do outro em seus braços, não lhe negava coisa alguma e isso só o excitava mais. Necessitava sentir mais de Itachi, em sentir a pele alva sobre a sua e vê-la avermelhar com o aumento da temperatura que ambos causavam um ao outro.

Como se adivinhasse a vontade de Kakashi, Itachi desfez o ósculo e retirou seu paletó para em seguida começar a provocar o professor ao lentamente desabotoar cada botão de sua camisa. Ouviu um pigarro do velho impaciente e riu.

– Por que precisam colocar tantos botões? – Kakashi tomou o trabalho de Itachi que agora gargalhava. Faziam tantos anos que não sorria que se permitiu ao menos nesse momento.

Kakashi lhe sorriu quando se livrou de todos os botões, naquele instante Itachi notou que ele perderia o controle de novo e esse looping sempre se repetiria enquanto o professor estivesse por perto. Sem pronunciar uma palavrar voltou ao colo do outro que levou o nariz ao seu pescoço e inspirou o perfume doce tão característico de Itachi, não conseguiu evitar gemer quando Kakashi arrastava a boca com beijos e mordidas por sua pele.

Os sons que Itachi produzia eram deliciados por Kakashi que já se encontrava com o membro rígido e usava ambas as mãos para obrigar Itachi a mexer o quadril em busca de alivio. Ele era impaciente e por vezes nem preparava Itachi para o penetrá-lo, logo imaginou que esse seria um desses momentos e parou tudo empurrando o professor com as mãos.

– Não – fora tudo que Itachi conseguiu dizer.

– Você parece bem excitado para mim – Kakashi debochou apontando com a cabeça para as calças de Itachi.

– Eu não posso fazer isso comigo, – ignorou Kakashi enquanto as falas simplesmente saiam de sua mente – você não me faz bem e nunca vai fazer. Não importa se planejou ficar comigo, você não o fez e ainda a comia em sua sala – permitiu se sentir irritado pela primeira vez. – Eu faria dessa a nossa última vez, mas não posso e não vou fazer.

– Última vez? – Kakashi se chocou com suas palavras.

– Eu nem devia ter vindo até aqui, – se levantou enquanto abotoava sua camisa – você nunca me escolheria. O que ia me prometer dessa vez? Você me machucou de todas as formas possíveis, não imagina como foi difícil para me reerguer.

Itachi pegou seu paletó jogado outrora no chão e o vestiu enquanto negava com a cabeça toda aquela situação.

– Você sempre soube onde eu estava, eu fui um idiota em tentar crescer apenas para que me encontrasse e você nunca o fez – olhou as mãos de Kakashi que permaneciam ainda na mesma posição no chão. – Ainda está casado e seu filho em Cambridge.

– Como sabe sobre meu filho? – voltou sua atenção para Itachi.

– Ele foi meu colega de quarto por lá, estudei alguns anos a mais para me aproximar dele – informação atingiu Kakashi que olhava Itachi incrédulo. – Bem, ele é muito parecido com você e eu não puder evitar.

– O que fez com Shisui? – Kakashi levantou rapidamente desnorteado.

– Eu o fiz... – Itachi se aproximou lentamente levando a boca até o ouvido do outro para enfim sussurrar o restante de sua frase – gemer muito meu nome.

Kakashi o jogou contra a porta que ecoou com um estrondo, enquanto que Itachi ria descontroladamente da reação alheia, até cair de tanto rir. O professor tinha um misto de sentimentos sem definição, mas as gargalhadas doentias que nunca ouviu antes de seu ex-aluno o perturbaram e queria muito descontar sua raiva nele. Levou suas mãos aos cabelos já brancos pelo tempo e sentiu-se pequeno.

– Por que?

– Você fez isso comigo, – Itachi respondeu apontando para si mesmo – me moldou a sua forma e manipulou tudo a minha volta.

– Eu amei você.

– Amor é algo complicado, – respondeu Itachi diante da frustração de Kakashi – você me tratou como seu brinquedo de alivio para vida que leva. Eu era seu escape, – levantou ajeitando as vestes – como seu cigarro, mas você me quebrou e eu precisava de redenção.

– Precisava ir tão longe? – os gritos de Kakashi poderiam ser ouvidos no hall agora – O que está fazendo com meu filho?

– Ah – fez pouco caso como se tivesse esquecido de algo, passou as mãos pelos bolsos em busca de algo até achar o que queria no bolso interno do paletó: uma aliança – Estamos apaixonados e em um relacionamento sério – agora era a vez de Itachi fazer uso do deboche enquanto colocava a aliança em seu dedo.

Kakashi foi impedido de tentar qualquer resposta verbal ou física, a porta foi escancarada por uma mulher, agora com os cabelos coloridos em um tom de rosa.

– Finalmente te achei Kakashi! – a voz foi reconhecida por Itachi pela lembrança de anos atrás – Shisui está te procurando a um tempo, ele disse que precisa te apresentar alguém... – não terminou sua sentença quando notou Itachi ao seu lado – Vejo que já se conheceram, vamos que ele nos espera.

Ela não esperou resposta alguma e a negação de Kakashi pouco foi percebida também, apenas puxou seu marido e futuro genro para dentro do grande prédio em busca de seu filho Shisui.

Itachi se deixou ser arrastado sentindo de fato conquistar o que fora fazer ali, o tempo e espaço passaram lentamente enquanto se aproximavam de um Shisui preocupado pela ausência de ambos e não pode evitar formar um sorriso em resposta a expressão incrédula de Kakashi.

Ele que fora manipulado, machucado e quebrado. A dor lhe tornou outra pessoa, precisou de todas as suas forças para se erguer sozinho e essas eram as consequências para Kakashi. 

Itachi seria seu eterno inferno.

21 de Abril de 2018 às 22:55 12 Denunciar Insira 7
Fim

Conheça o autor

E C Comecei a escrever por conta dos sentimentos ruins que tenho em mim, mas aos poucos comecei a escrever sobre os bons também. Então tem muito drama aqui, ele vem com facilidade. Mas tenho um pé no fluffy com umas pimentas 🌚 Porque a vida é puramente uma peça de teatro bem trágica 💜

Comentar algo

Publique!
Sonne Sonne
Foram muitos sentimentos misturados ao decorrer da leitura. O Itachi mais novo caindo em um relacionamento com um homem mais velho que o manipulou, enxergando isso e vendo como o fazia mal e saindo de perto, isso foi tão bem retratado nessa história, a forma não-romantizada que o abuso foi tratado pelo lado dele foi um ponto super positivo. Eu vou admitir que QUASE fechei a fanfic sem terminar de ler quando eles se reencontraram, com medo de ser mais uma história onde o abusador é perdoado e o "amor" supera tudo, mas levei outro baque continuando e vendo o Itachi se manter firme, e que o Kakashi não foi tirado do papel de abusador/pessoa ruim. Parabéns por desenvolver a história desse jeito, ficou muito boa!
7 de Maio de 2018 às 22:11

  • E C E C
    Obrigada por ler e acompanhar! Fico bem feliz de conseguir passar o abuso sem romantização nenhuma. Todo mundo quase fecha hehe Ia ser muito injusto, até porque Itachi não recebeu "amor" e ele estar consciente disso o fez se vingar. Quem sabe ele aprenda com o Shisui futuramente. Obrigada <3 8 de Maio de 2018 às 14:40
Vany-chan 734 Vany-chan 734
PORRRAAAAA, QUE PLOT TWIST MANA. OLOCO, BICHO. Tá bom, vamos lá, eu odeio o UA né, mas ok eu relevo isso. Eu fiquei muito feliz que meu shipp KakaIta havia sido feito, mas fiquei triste por ter sido um relacionamento abusivo, e pior, que o Itachi tenha se tornado um projetinho de pessoa abusiva junto (sei q isso poderia vir a acontecer, MAS MEU FILHO SHISUI NAO MERECE ISSO, SAI DE PERTO DO MEU PRINCESO). Enfim, ainda to em choque com o final.
5 de Maio de 2018 às 22:19

  • E C E C
    Agradeço o comentário <3 Realmente foi triste e infelizmente mais forte do eu, foi meio que um descarrego. Itachi se ferrou bonito e aquilo traumatizou ele, aquilo devastou ele de tal forma que não teve jeito ele queria fazer algo sobre. Aqui ele não teve amor algum de sua familia e o único que recebeu não bem isso. Ele meio que deixou se levar pelos sentimentos, ruins eu sei, mas infelizmente ele recorreu a vingança. Foi errado de Itachi, mas eu queria deixar mais real, porque se recuperar de um relacionamento assim é muito dificil. Eu quase fiz um fluffly aqui, mas não gostei do que tinha escrito hehe 6 de Maio de 2018 às 14:42
Alice Alamo Alice Alamo
Oii! Parabéns por ter participado do desafio! Vamos a fic agora! Concordo com você quando disse que Itachi era um gênio, porque, sim, ele é mesmo hahahaha. Nossa, fiquei com o coração já acelerado quando vi que o Itachi tinha sido usado logo no começo. Gostei que você mostrou como o relacionamento deles era abusivo e gostei principalmente que você apontou que não foi fácil para o Itachi se livrar das marcas disso, do trauma. Quando eu vi que ia ter um reencontro, fiquei com medo de que você colocasse um lemon, e fiquei mega feliz por não ter hahahaha O final me surpreendeu. Foi ótimo o Itachi cair em si e recuar o Kakashi, mas fiquei com pena de ele estar agora usando o Shisui porque meio que mostra como se ele ainda não tivesse superado o Kakashi. E nossa que vontade de bater no Kakashi quando ele começou a se justificar... meu deus, eu não sei lidar mesmo com traições, de nenhum tipo, tava com vontade de ouvir o Itachi soltar um "aham, ok, posso ir embora agora?" hahahaha. Enfim! Parabéns pela fic! Realmente foi surpreendente um casal ser abordado dessa forma! Espero que tenha curtido participar do desafio <3
5 de Maio de 2018 às 15:25

  • E C E C
    Muito feliz com seu comentário <3 Fico muito feliz com o desafio por escrever algo diferente para Itachi, e mais feliz por conseguir passar o que queria com esse plot porque você citou todos os pontos principais e entendeu que ele ainda não superou totalmente. Simplesmente amei participar <333333 6 de Maio de 2018 às 14:46
Gabriela Garcês Gabriela Garcês
Itachi e Kakashi? Essa é nova.
28 de Abril de 2018 às 19:10

  • E C E C
    Sim, super diferentão hehe Era para o desafio do inks de crack ship e foi beeem dificil escrever e saiu isso ai kkkk 29 de Abril de 2018 às 13:39
Grid Pudim Grid Pudim
Mano, eu pensei que o Itachi ia voltar com o Kakashi, AAAAAAAAAAAAAAA ME SURPREENDEU MUITOOOO, Amei demais
24 de Abril de 2018 às 15:06

  • E C E C
    AAAAAAH ele ia fazer algo pior, mas quem não ama um tapa na cara desses, eu adoro e mudei o primeiro final que planejei. Obrigada <3 25 de Abril de 2018 às 16:42
Way Borges Way Borges
Céus! Você precisa continuar essa história, por favor 🙏 Conta mais sobre o relacionamento entre o Kakashi e o Tachi, tipo, até culminar nesse encontro desastroso
24 de Abril de 2018 às 10:44

  • E C E C
    Sim isso é possivel, só não sei quando. Acredito que virá em formato de mini contos sobre. <3 25 de Abril de 2018 às 16:43
~