Além do Tempo Seguir história

larivalk Larivalk .

Sabia que era errado, mas não conseguia conter o que sentia, Shoto precisava lidar com aquele sentimento tão bonito e ainda sim, tão doloroso.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#bnha #bokunoheroacademia #dekutodo #Izuku-Midoriya #Shoto-Todoroki #Deku-Seme #Todoroki-Uke
Conto
11
5.0mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Ao seu lado

As diversas folhas de varias tonalidades estavam espalhadas no chão, indicando assim a estação no ano na qual estavam, Outono era uma das estações favoritas do pequeno de cabelos esverdeados. Ele gostava de ficar juntando folhas e pular em cima delas, sempre fazia isso para se divertir.

Ainda mais agora que tinha ido visitar seus avós na montanha e havia muitas mais folhas do que costumava ter na região onde morava, era bem mais divertido pular nelas. O local era muito seguro, então deixavam que o pequeno de 6 anos andasse sozinho entre o grande bosque de árvores, que seus avós possuíam no grande terreno.

Já sabia de cor todo o caminho que tinha que fazer caso quisesse voltar para casa, então não havia nenhum perigo, ainda mais que o local onde seus parentes viviam era bem seguro e tranquilo. Então andava feliz, cantarolando uma canção infantil qualquer, enquanto procurava um monte de folhas para que pudesse juntar com mais facilidade.

Uma rajada forte de vento fez com que se encolhesse, então sentiu seu chapéu acabar sendo levado, correu tentando pegá-lo, já que acabaria recebendo um bronca de sua mãe caso o perdesse. Era até estranho o vento levar daquela maneira seu chapéu.

Quando finalmente seu chapéu já não voava mais, tinha ficado preso em um dos galhos de uma grande árvore, quando olhou para cima para que tivesse uma certa noção da altura da árvore e em qual dos galhos seu chapéu tinha ficado preso, seus grandes olhos verdes se fixaram em outra coisa.

Sentado na árvore com um olhar sereno, estava uma pessoa, ou era isso que o pequeno Izuku achava que era, mas ainda sim havia algo de diferente naquele estranho. O mesmo possuía cabelos bicolores, na cor branca e vermelho que eram divididos perfeitamente. Um dos lados, no caso o lado que possuía o cabelo vermelho havia uma queimadura no belo rosto, mas não era o suficiente para ofuscar a beleza daquele jovem. Os olhos também possuíam duas cores, um belo azul na parte onde era queimada e um castanho bem denso do outro lado. Em sua cabeça havia um par de orelhas no mesmo tom de seus cabelos e inúmeras caudas atrás de si, balançando devagar como se dançassem ao ritmo do vento que batia em seu corpo.

Reparou que o mesmo utilizava um tipo de kimono, era muito bonito, era um branco com detalhes em pretos. Seus pês estavam descalços e balançavam no topo do galho na qual estava sentado. Izuku simplesmente ficou encantando com a figura a sua frente, reparou então que o estranho o notou e sentiu que estava sendo observado fazendo com que ele olhasse pra baixo.

─ Oi, moço bonito! ─ O esverdeado falou com as bochechas coradas e um sorriso brincalhão.

─ Consegue me ver? ─ O bicolor falou um tanto surpreso pela criança estar conseguindo enxergá-lo.

─ Consigo, não era pra vê-lo aí? ─ Disse tombando a cabeça em dúvida.

─ Não, é que não é um bom presságio conseguir ver alguém como eu. ─ Falou o mais velho, afinal se a criança conseguia ver alguém como ele, poderia acabar sendo caçado por outro youkai.

─ Mas como alguém tão bonito poderia ser um mal presságio? ─ Disse o pequeno confuso.

O bicolor ficou um tanto chocado com aquelas palavras, nunca lhe tinham chamado de bonito ou algum outro tipo de elogio, mas aquela criança humana estava lhe elogiando com um grande sorriso e um pouco de rubor no rosto. De fato, aquilo de alguma forma lhe dava uma certa sensação gostosa em seu peito.

─ Oh, moço bonito, poderia pegar meu chapéu? ─ Falou apontando para o chapéu preso no galho que estava próximo do bicolor.

O youkai então olhou e pegou com delicadeza o chapéu, até mesmo passou a mão para retirar qualquer sujeira que o mesmo pudesse ter. Então, graciosamente ele pulou da árvore, tocando o chão e vendo o olhar animado da criança. Afinal, a altura na qual ele estava era bem alta.

─ Como conseguiu fazer isso?! ─ Disse o pequeno com admiração.

─ Eu só pulei, é algo fácil para mim, mas não tente me copiar, pode se machucar. ─ Falou com um pequeno sorriso, não era de seu costume dar atenção para humanos ou se importar com seu bem estar. Só que aquele pequeno a sua frente, de certa forma era diferente dos demais da qual já conhecera na vida. ─ Qual seu nome, pequeno?

─ Izuku Midoriya! ─ Falou abrindo um sorriso grande a ponto de fechar os olhos. ─ E o seu, moço bonito?

─ Shoto Todoroki. ─ Respondeu se agachando para que pudesse ficar na altura do pequeno e estendeu o chapéu para o mesmo que o pegou feliz.

─ Quer brincar comigo? ─ Falou ainda com sua animação.

Aquilo havia feito com que Shoto ficasse mais uma vez surpreso, geralmente crianças quando viam youkais não ficavam tão calmas e admiradas daquela forma como Izuku se comportava. De fato, aquele garoto era diferente de tudo na qual ele já tinha visto em sua vida.

Então, pela primeira vez em sua pacata vida, o bicolor fez algo que ele jamais faria, ele aceitou brincar com uma criança humana. Ficaram o dia todo se divertindo, tinha que aceitar que a companhia do menor era completamente radiante e acolhedora.

Quando tiveram que se despedir pelo horário, Izuku prometeu voltar no dia seguinte para que pudessem brincar novamente, nunca em sua vida Shoto ficou tão animado pelo dia seguinte como estava naquele momento. Era tudo tão estranho para si, não entendia o motivo de se sentir daquela maneira perto do pequeno, ou até mesmo a sensação de querer protegê-lo de qualquer um que pudesse fazer mal.

Tinha até ficado com medo que outro youkai pudesse vê-lo, então o seguiu para que chegasse seguro em casa, colocou uma barreira na casa para que nenhum youkai ousasse entrar na casa e atacar o pequeno na qual tinha cativado tanto sua atenção. Então voltou para a floresta para que pudesse dormir e encontrar Izuku no dia seguinte.

Então os dias foram passando, Shoto e Izuku sempre brincavam e passavam a tarde inteira se divertindo pela floresta. O pequeno de cabelos esverdeados já entendia o que o maior era, ainda si não se importava ou demonstrava repudiar o que Shoto era. Gostava da forma que o mesmo possuía, achava lindo sua forma meia humana, assim como achava belíssimo a enorme raposa na qual ele se tornava.

Só que Izuku estava ali apenas para fazer uma visita a seus parentes, ele tinha que voltar para casa, só que ele não queria precisar se despedir de seu amado amigo. Então a despedida tinha sido bem dolorosa para ambos, só que Izuku prometera que todos os anos, naquela mesma estação, ele voltaria para ver Shoto.

Os anos foram passando, Shoto sempre esperava ansioso pela volta do seu pequeno, era a única coisa na qual ele parecia se importar e ficar animado, já que tudo a sua volta parecia tão triste e solitário. Izuku havia se tornado uma luz quente e confortável para ele, já não conseguia mais retirar esse sentimento de si.

Shoto foi vendo o crescimento de Izuku de perto, o jeito que ele foi ficando mais velho, mais bonito e de alguma forma começara a chamar mais atenção de si do que antes. Ele já possuía um frio na barriga sempre que via o adolescente próximo de si corando e sorrindo.

Não fora difícil para entender o que se passava consigo, mesmo achando aquilo um certo tabu, ele sabia que estava apaixonado pelo humano de belos cabelos esverdeados. Adorava a presença do mesmo e sabia que Izuku sentia o mesmo consigo.

O primeiro beijo de ambos tinha sido algo completamente inesquecível e mágico. Shoto nunca se sentiu tão vivo, era até estranho aquele sentimento que há séculos estava adormecido. Sua razão de continuar vivendo parecia ter se tornado Izuku, sem ele ao seu lado, não conseguia imaginar continuar vivo.

Shoto amou Izuku, como jamais pensou amar alguém em sua vida. Quando o garoto ficou mais velho, o mesmo se mudara para aquela região para que pudesse ficar mais tempo junto ao seu amado. Aquela noticia não podia fazer o youkai mais feliz, finalmente teria seu amado todos os dias do ano.

Só que Shoto começara a perceber que quanto mais tempo passava, Izuku ficava mais velho, enquanto ele mantinha a mesma forma e aparência de sempre. Então o choque de realidade finalmente tinha chegado a si, era uma questão de tempo até seu amado morrer e deixá-lo. Aquilo deixou o youkai raposa sem chão, como poderia continuar sua vida sem aquele na qual tanto amava?

Izuku também se sentia mau ficando com o youkai, afinal o mesmo veria a idade chegar a si e logo após veria sua morte. Lhe doía ver seu amado tão triste, só que era egoísta demais para deixá-lo seguir com sua vida, amava tanto Shoto que queria passar o resto de sua vida ao seu lado.

Shoto também pensava o mesmo, não conseguia se afastar do esverdeado, mesmo que soubesse qual seria o fim de seu romance, preferia sofrer no final do que ficar sem Izuku mais um dia.

O dia que Izuku morrera, fora o dia mais triste na vida de Shoto, o mesmo tinha morrido velho e com um sorriso no rosto. Nunca deixara de amar o pequeno, mesmo que ele já estivesse com cabelos brancos e uma quantidade considerável de rugas, sempre o acharia adorável e lindo.

Então o youkai se lembrou de algo que o fez se motivar a continuar vivo, Izuku iria de alguma forma reencarnar, afinal, era da natureza humana fazer aquele tipo de passagem. Então chegaria o momento na qual Izuku estaria ao seu lado novamente, ele sabia que o amor que eles possuíam era forte e certamente continuaria após sua morte.

Shoto esperou, ficou séculos esperando o retorno do seu amor, então em uma tarde de outono aconteceu. Como há séculos atrás quando conhecera seu amado, lá estava o chapéu preso na arvore. Seu coração bateu mais rápido ao ver seu pequeno a sua frente, só que havia algo de diferente, ele parecia não se lembrar de si.

Aquilo incomodou Shoto, mesmo o mesmo tendo a mesma surpresa, ele parecia não se lembrar do youkai a sua frente, aquilo machucou e muito o coração da raposa. Só que ela não deixaria que aquilo lhe abatesse, então ele fez de tudo para que Izuku mais uma vez se apaixonasse por si.

Não fora difícil, já que o menor parecia pelo menos ter o mesmo sentimento, ele podia não se lembrar, mas seu coração se lembrava de Shoto. Então mais uma vez, o youkai raposa teve seu amor em seus braços, não poderia conter sua felicidade ao estar nos braços do mesmo.

Só que havia um problema e Shoto só foi notar isso mais tarde, Izuku era humano e sempre seria, logo ele teria que fazer esse mesmo processo inúmeras as vezes. Falou a si mesmo que seria forte e aguentaria toda a espera que teria que fazer, afinal para um humano se reencarnar levava pelo menos 10 ou até mesmo 20 anos.

Durante mil anos, Shoto fez aquele processo, a cada século que passava de alguma forma seu coração parecia mais desgastado. Já não aguentava mais aquilo, lhe doía ver seu amado partir, doía vê-lo pequeno novamente sem se recordar quem ele era. Aquilo estava acabando consigo, chorava quando estava sozinho, não aguentando a dor em seu peito.

Mas era fraco, ele podia muito bem seguir sua vida e esquecer de uma vez por todas o humano, mas não conseguia. Amava tanto Izuku, que se recusava de todas as formas esquecê-lo, sabia que não teria motivos para viver, voltaria a ser alguém frio e solitário e isso lhe machucava tanto.

Izuku havia entrado em sua vida para de alguma forma lhe amaldiçoar, para que ficasse sempre preso ao mesmo. Não conseguia entender como um humano podia ter feito tanto consigo, era completamente dependente dos beijos, das caricias e de todo o amor que Izuku lhe proporcionava.

Sentia uma necessidade de tê-lo em sua vida, mais do que o próprio ar, chegava a ser doentio toda a situação. Afinal o único que se machucava e sofria era Shoto, afinal Izuku morria e ficava dormindo por anos até que voltasse a vida, enquanto isso o youkai ficava sozinho sem ninguém para lhe confortar.

Shoto estava tão ferido, em todos os sentidos, que ele de alguma forma pediu para que toda sua dor parasse. Que de alguma forma, os deuses pudessem fazê—lo ser feliz, nunca tinha feito nada a ninguém, então por qual motivo ele precisava sofrer tanto? Por qual motivo Izuku não podia ficar ao seu lado para sempre?

Era pedir demais para que fosse feliz? Ou o fato dele ser uma criatura considerada das trevas, merecia todo aquele sofrimento? Ele não sabia responder aquelas inúmeras questões, não sabia o motivo da perda de memoria que seu amor também possuía, não conseguia compreender o motivo de sofrer tanto.

As vezes se perguntava como teria sido sua vida, caso não tivesse sido visto por Izuku naquele dia. Se ele estaria em uma condição melhor, se ele sofreria menos com aquela terrível dor em seu coração. Só que não conseguia ver sua vida sem o pequeno, o mesmo tinha sido a razão de seu viver, seu raio de sol.

Seus dias sempre eram frios e solitários, Izuku tinha aparecido e enchido tudo com uma luz reconfortante e quente. Não queria imaginar sua vida sem o mesmo, sabia que aquilo lhe machucava. Mas doía mais imaginar um mundo sem Izuku.

Naquele dia, ele dormiu com aquela dor em seu coração, a dúvida que ele teimava em não questioná-la, pois ele amava Izuku e jamais o abandonaria, mesmo que isso acabasse o matando algum dia. Ele dormiu chorando o nome de seu amado.

Quando acordou, Shoto sentiu uma certa dor, espalhada pelo seu corpo todo, abriu os olhos notando que as coisas pareciam diferentes. Piscou os olhos um tanto confuso com o local a sua frente, parecia outro e não o mesmo na qual havia se repousado.

Sentiu um vento gelado, fazendo com que ele abrisse os olhos em certo choque, estava nevando la fora. Ele tinha dormido na primavera, há quanto tempo ele estava dormindo? Um medo se apossou de si, será que tinha realmente passado só alguns meses?

Cambaleando, por conta de ter ficado todo esse tempo deitado, ele conseguiu sair do local onde repousara. Estava tudo diferente, as árvores estavam maiores e até mesmo a paisagem parecia diferente do que ele se lembrava.

Um grande pânico começou a se manifestar dentro de si, ignorou até mesmo a fome que possuía, precisava entender quanto tempo tinha se passado, ele olhava para os lados procurando alguém que pudesse responder sua pergunta. Quando encontrou um pequeno youkai, acabou caindo por conta de seu corpo fraco, o deixando ainda mais assustado, afinal ele nunca tinha sentindo tanta fraqueza assim a ponto de cair no chão.

─ Em que anos estamos?! ─ Falou com certa dificuldade, sua garganta estava completamente seca, implorando por um gole de agua.

─ Nossa, o senhor finalmente acordou! ─ Falou o youkai surpreso, Shoto ficou confuso pois não o conhecia, acabou fazendo uma careta com aquilo. ─ Oh, pelo que vejo, não se lembra de mim. É normal, afinal já faz tanto tempo. Acho que quando o senhor me conheceu, eu era apenas um tanuki pequeno.

Shoto então tremeu com aquela informação, a pessoa a sua frente era um Tanuki enorme, beirando aos 3 metrôs. Sabia a demora para que eles conseguissem chegar naquela forma, sua respiração ficou mais pesada. Ele não podia acreditar no que estava acontecendo.

─ Quanto tempo eu dormi? ─ Falou tremendo, com medo da resposta, desejando que aquele Tanuki de alguma forma estivesse lhe confundindo.

─ Mil anos. ─ Falou o Tanuki com um sorriso gentil.

Shoto começara a chorar, fazendo com que o youkai ficasse preocupado, afinal tinha falado algo errado para que o mesmo chorasse a sua frente?

O bicolor tinha ficado dormindo durante mil anos, quantas vezes Izuku não teria já reencarnado? Quantos anos o mesmo não teria ficado com outra pessoa que não fosse si? Inúmeras coisas passavam pela sua cabeça o deixando completamente em pânico, precisava saber o que tinha acontecido com seu amado.

O Tanuki vendo o estado do youkai a sua frente, lhe ajudou o levando para que pudesse se alimentar e beber água, afinal ficara muito tempo dormindo. Mesmo tendo conhecimento que o youkai era uma raposa de 9 caldas, sabia que a mesma não havia se preparado devidamente para uma hibernação tão grande quanto aquela, então certamente estaria completamente exausto e no limite de sua magia.

Depois de recuperar sua energias, Shoto agradeceu o Tanuki e foi correndo em direção a cidade, afim de saber se conseguia achar alguma informação de Izuku. Afinal, nada lhe garantia que o mesmo teria morado ali durante os últimos séculos. Ele então pesquisou e foi atrás de qualquer informação que pudesse ser útil.

A cada nova descoberta, Shoto chorava e sentia que seu mundo desabaria, Izuku tinha casado, tinha feito uma família. Aquilo tinha lhe incomodado tanto, o mesmo tinha se esquecido de si e continuado a vida, enquanto ele estava ali sozinho e sem ninguém.

Seu coração parecia que a qualquer momento pararia de bater, sua mente lhe pregava peças, querendo dizer que deveria fazer o mesmo que Izuku e seguir com sua vida e esquecê-lo de uma vez. Só que seu coração lhe culpava, afinal ele sumiu por mil anos, o humano pode ter achado que ele que fora esquecido e abandonado, seguindo então com sua vida.

Eram tantas coisas atormentando Shoto que ele estava ficando louco, ele precisava saber se Izuku ainda estava vivo ou se estava na fila da reencarnação, procurou os dados que continha essa informação. Não fora fácil ter acesso aquilo, visto que era um tipo especial de youkais que lidava com aquela informação.

Pelo preço para saber sobre Izuku, Shoto teve que perder 3 de suas caldas, um preço pequeno para si. Já que nada importava, contanto que soubesse o que teria acontecido com seu amado. Quando viu a lista de reencarnação de Izuku, mais uma vez chorara em desespero.

Já fazia um bom tempo que o mesmo não reencarnava, o que aquilo queria dizer afinal? Os youkais não poderiam lhe dar aquela informação, fazendo com que Shoto ficasse em pânico achando que nunca mais veria seu amado, por conta de sua hibernação e por algum motivo na qual ele não entendera, Izuku só tinha voltado mais duas vezes, depois disso ele nunca tinha retornado.

Agora Shoto estava sozinho novamente, já não havia mais seu amado por perto, como poderia continuar a viver? Ele queria ter pelo menos a chance de se despedir, sentir mais uma vez os braços do amado a sua volta, os beijos e todo amor na qual sentia junto a ele.

Ele foi até a floresta na qual havia conhecido seu pequeno, chorando e com uma extrema dor em seu peito. Nada mais parecia importar, ele estava tão cansado e se sentindo tão culpado pelo o que fizera. Agarrou a roupa na região de seu coração enquanto chamava baixinho seu amado, lhe pedindo perdão por ter esquecido de sua promessa de continuarem eternamente juntos.

─ Shoto? ─ Falou uma voz conhecida, fazendo Shoto levantar o rosto encarando a figura a sua frente, não acreditando no que estava vendo.

Na sua frente estava seu amado, mas ele estava diferente, o mesmo usava um kimono verde musgo e ele possuía um par de orelhas e uma cauda mais volumosa atrás de si balançando, não podia acreditar no que estava vendo.

─ Izuku?! ─ Perguntou ainda chorando, não acreditando no que seus olhos estavam vendo, podia muito bem ser tudo fruto de sua imaginação.

─ Sim, meu amor, sou eu! ─ O esverdeado se aproximou, se agachando e ficando próximo ao amado, limpando suas lagrimas e abrindo um pequeno sorriso. ─ Eu te esperei por tanto tempo.

─ Mas… O quê?… ─ Estava confuso com toda aquela situação, afinal, Izuku havia se tornado um youkai? Como ele havia conseguido isso?

─ Quando eu morria, os deuses me perguntavam se eu gostaria de reencarnar para que pudesse ficar consigo novamente, só que em troca, eu perderia sempre minhas memorias e teria que depender de você para que pudesse lembrar de todo nosso amor. Durante séculos eu fiz isso, mas eu vi como você estava ficando mal cada vez que eu morria. ─ Falou com um semblante triste. ─ Enquanto na última vez que eu morri, eu perguntei se havia outro jeito, se eu poderia assim como você me tornar um youkai.

─ Eu… ─ Izuku não deixara o mesmo continuar, pois ainda tinha coisas a falar, fazendo com que Shoto entendesse e ficasse quieto.

─ Eles disseram que era possível eu me tornar um youkai, mas para isso, eu teria que ter um herdeiro para que ficasse no meu lugar como humano, afinal, eu nunca tinha tido herdeiros, só é possível para um humano virar youkai em sua próxima vida se o mesmo ter um herdeiro. Então eu o fiz, fiquei com uma mulher e tive dois herdeiros. ─ Falou com um sorriso pequeno. ─ Para que você não sofresse com minha partida, eu pedi aos deuses que de alguma forma, fizessem seu sofrimento ser reduzido até eu estar pronto. Até porque, fora difícil eu ter um romance com outra pessoa na primeira reencarnação, eu só consegui na segunda, pois eu sabia que assim poderíamos ficar juntos, mesmo que me doesse lhe trair eu… Eu precisei fazê-lo.

─ Eu lhe dou perdão! ─ O bicolor falou com um sorriso, não poderia ter raiva daquele esverdeado, ainda mais pelo mesmo ter abandonado de sua humanidade para se tornar um youkai.

─ Então eu virei um youkai, um pequeno lobo, foi me explicado o que eu precisaria fazer para conseguir uma forma mais humana. Então, eu fiquei todos esses séculos treinando, eu nem vivia, eu só treinava para que chegasse a sabedoria necessária para ter um corpo mais humano. ─ Falou fazendo um carinho no rosto do amado que sorriu para si. ─ Quando finalmente consegui me tornar um lobo capaz de me tornar um meio humano, eu lhe esperei acordar de seu sono profundo, eu sempre ia ver como você estava, limpava sua toca para que não ficasse encoberto com ela, só não podia infelizmente lhe alimentar, então quando fui lhe visitar não lhe encontrei. Tentei procurá-lo em toda a floresta e não o achei.

─ Eu tinha ido atrás de informações suas, até mesmo sacrifiquei algumas de minhas caldas para saber seu paradeiro. ─ Disse dando uma risada nasal, sentindo os braços fortes lhe abraçarem, como tinha saudade daquilo.

─ Me desculpe por ter feito você esperar tanto meu amor, agora podemos ficar sempre juntos. ─ Falou dando um selinho em seu amado que sorriu e puxou o mesmo para mais perto.

Izuku estava como ele lembrava, um rapaz alto e forte, era tão estranho vê-lo daquela forma, sendo que ele tinha o conhecido quando era uma criança pequena e fraca, sem contar que não conseguia acreditar que que o mesmo havia ficado lindo sendo um lobo.

─ Vamos para casa! ─ Disse o esverdeado pegando com cuidado no colo o bicolor que ficara um tanto envergonhado, fazendo o maior rir ─ Eu fiz uma casa para nós enquanto você dormia.

Shoto apoiou a cabeça no peito do amado e sorriu docemente com os olhos fechados, parecia tudo um sonho na qual ele jamais queria acordar. Seu pequeno estava ao seu lado, ainda mais como youkai e ainda tinha feito uma casa para eles, não poderia estar mais feliz. Viu o mesmo levá-lo a uma árvore, na qual ele recitou uma magia fazendo com que o tronco se abrisse em uma passagem na qual eles entraram.

O local tinha o cheiro e a presença de Izuku, de alguma forma aquilo lhe passava uma sensação nostálgica. Percebeu os pequenos móveis que enfeitavam o local, afinal, como eram youkais, não precisavam de muita coisa para que pudessem sobreviver.

Mas pelo jeito, Izuku deixara o local parecendo muito uma casa humana, tendo até mesmo uma cozinha. Uma coisa na qual Shoto não sabia, era que muito youkais começaram a copiar o modo de vida dos humanos, tendo muitos aparelhos humanos em suas casas, deixando de ser algo um tanto anormal ter uma geladeira, por exemplo, dentro de uma toca.

Tinham conseguido fazer um tipo de magia, que era semelhante a energia que os humanos utilizavam, fazendo tudo ser mais fácil e prático. Shoto foi colocado gentilmente em uma cama enorme, percebeu que ela praticamente ocupava o cômodo todo, percebeu também as paredes que eram a própria arvore, que tinha sido lascada para que tivesse aquela aparência lisa, alguns móveis na qual ainda não estava muito bem habituado.

Shoto gostou da maciez do local onde estava deitado, estava acostumado a dormir no chão em sua forma de raposa, ou até mesmo a sua meia humana, já que utilizava suas caldas para que pudesse se cobrir ou até mesmo usar como travesseiro.

Viu o esverdeado esboçar um sorriso malicioso e ficar sobre si, fazendo com que o bicolor ficasse envergonhado, sem contar como estava ansioso, afinal fazia muito tempo que não via seu amado, ou tinha algum tipo de contato íntimo com o mesmo.

─ Eu senti tanta sua falta, meu amor. ─ Falou o esverdeado gentilmente, beijando o rosto do bicolor, enquanto fazia uma leve carícia em sua cintura. ─ Estava com tanta saudades de tê-lo em meus braços novamente, de amá-lo e dizer o quanto eu te amo.

Izuku selou seus lábios com o amante, enquanto ficava sobre o corpo do mesmo, aos poucos foi retirando o kimono, deixando a pele pálida exposta. Shoto sentiu um leve arrepio ao sentir os dedos do amado passando em seu corpo, o deixando de certa forma sensível e ansioso pelo o que estava por vim.

Há quanto tempo não sentia o mesmo? Há quanto tempo não sentia os beijos e o toque doce do mesmo? Estava tão feliz que não conseguiu conter suas lágrimas. Sentiu o esverdeado beijar cada lagrima e logo ir no seu pescoço, onde chupou a pele e mordeu com certa força, utilizando seus caninos.

O youkai lobo marcava a pele do amado, afim de mostrar para todos que o mesmo já tinha dono. Estava se sentindo nas nuvens ao ter novamente aquele corpo tão próximo de si, sentiu as mãos de Shoto começarem a puxar com certo desespero sua roupa para que também ficasse nu.

Quando ambos os corpos ficaram sem nenhum tipo de roupa, a sensação de desejo havia voltado com mais força. Shoto puxava os cabelos esverdeados enquanto segurava com suas pernas a cintura do maior, se esfregando no mesmo fazendo ambos gemerem pelo contanto íntimo.

As caudas de Shoto, assim como a cauda de Izuku estavam balançando com certo nervosismo e desespero. Os toques selvagens em ambos os lados, fazendo com que marcas começassem a surgir, deixando o ambiente cada vez mais quente.

─ Izuku, eu preciso de você… ─ Falou o bicolor suspirando, sentindo o esverdeado fazer um caminho de beijos até um de seus mamilos.

─ Não vai deixar que eu mate as saudades de seu corpo? ─ Falou com um tom rouco, puxando um dos mamilos com certa força escutando o parceiro gemer alto.

─ Eu lhe esperei séculos, não me faça esperar mais alguns minutos, eu preciso tanto de você!… Sentir você dentro de mim novamente!… ─ Falou ofegante e encarando as íris verdes que brilhavam em desejo. ─ Quero quebrar essa cama, de tanto ser fudido por você e…

Shoto não conseguiu terminar a frase, Izuku havia começado um beijo mais selvagem e desesperado. Virou o corpo abaixo de si para que ficasse de costas, viu as caldas se recolherem, dando a bela visão das nádegas brancas de Shoto, que logo começaram a ser marcadas pelas mordidas e pelos chupões que Izuku dava.

Mesmo que quisesse judiar do parceiro, ou simplesmente brincar um pouco mais com o mesmo, acabou por dar logo o que o mesmo desejava. Então, começou a lamber a entrada de Shoto que gemeu mais alto, sabia que o mesmo possuía uma lubrificação natural, mas ainda sim estava apertado demais e não queria machucá-lo.

Mas Shoto não pensava o mesmo.

─ Eu mandei, parar de ficar brincando! ─ Falou entre dentes, irritado pela demora, estava ficando louco com tudo aquilo, odiava o fato de Izuku achar que o machucaria por falta de preparo. Ele sempre estaria pronto para o esverdeado.

─ Tão apressado… ─ Falou risonho dando um beijo nas costas do bicolor que gemeu baixinho. ─ Não me deixa nem ao menos usufruir desse belo corpo.

─ Tem séculos pra fazer isso, no momento apenas me foda. ─ Falou irritado logo sentindo as garras do esverdeado apertarem sua cintura com mais força, aquilo certamente deixariam marcas na qual Shoto adoraria possuir.

Então, em um movimento rápido, Izuku entrou de uma vez em Shoto, fazendo com que ambos gemessem alto por conta daquilo. Uma das caldas do youkai raposa voltou a aparecer, para que pudesse envolver a cintura do esverdeado.

O mesmo já começava a se movimentar, sentia até mesmo a cauda da raposa lhe ajudar a se movimentar ficando ainda mais animado com tudo aquilo. Se inclinou ficando próximo ao pescoço do bicolor, onde começou a beijar e chupar a pele, enquanto ia com força e rapidez dentro do parceiro que só gemia seu nome manhosamente.

Afim de proporcionar mais prazer ao bicolor, agarrou o falo do mesmo e começou a masturbá-lo na mesma proporção que estocava o corpo. Shoto gemia cada vez mais alto enquanto se contorcia de prazer abaixo do corpo do amado, estava adorando todas aquelas sensações que ficara séculos sem sentir.

Não demorou muito para que gozasse e sujasse a mão do parceiro, Izuku sentiu seu membro ser completamente apertado lhe dando uma ótima sensação, ele mordeu com força a nuca de Shoto, era algo que sentia que precisava fazer, seu lado lobo implorava por aquilo então o fez, marcando a pele branca com seus dentes pontiagudos.

Se retirou de dentro do amado, vendo seu próprio gozo começar a se expelido fazendo com que abrisse um sorriso malicioso. Virou Shoto de barriga pra cima, vendo o mesmo ofegar e lhe encarar ainda com extremo desejo.

─ Espero que ainda tenha fôlego, raposa. ─ Disse lambendo os lábios e se aproximando novamente do corpo coberto por suas marcas.

─ Estou louco para compensar o tempo perdido, lobo. ─ Disse retribuindo o sorriso do amado, logo sentindo o mesmo voltar a selar seus lábios.

Ainda estavam longe de matar a saudade que tinham um do outro, tinham tempo de sobra para fazer tal ato, afinal, a eternidade estava ao lado deles no momento, fazendo com que não tivessem mais pressa alguma. Finalmente, os dois amantes poderiam usufruir do amor que lhes fora negado por tantos séculos.

Já estava na hora deles merecerem tal felicidade eterna.

19 de Abril de 2018 às 21:48 0 Denunciar Insira 5
Fim

Conheça o autor

Larivalk . Local, onde as fics estão em dia >https://www.wattpad.com/user/LariValk

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~