Be Mine Seguir história

shigachan Nana Sama

Era parte dele não pedir, não sentir, não demonstrar ou falar de mais... Mas é parte de mim fazer o oposto...


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#dramafic #hisoillu #yaoi #oneshot #illumizoldyck #hisokamorrow #hunterxhunter
Conto
1
5.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Desire

Era parte dele não pedir, não sentir, não demonstrar ou falar de mais... Mas é parte de mim fazer o oposto...

Meus pés apenas seguiram até aquele local, por mais que minha mente estivesse funcionando a mil, em alguns momentos eu me permitia divagar pela lembrança do vento brincando com seus longos fios negro...

Ele não era nenhum idiota, nenhum inocente, sabia muito bem o que estava fazendo quando revelou onde estaria e por quanto tempo ficaria nesse local... Atravessei a grande porta de vidro e fui pelas escadas mesmo, terceiro andar... Eu caminhava como um animal sedento por alguma coisa estava faminto, estava cheio, estava exausto e ao mesmo tempo estava com saudades... Saudades dele... Saudades daquela face inexpressiva, saudades daquela palidez, saudades daquele tom de voz tão calmo... O que aconteceu comigo? Quando foi que percebi isso? Quando foi que comecei a me entregar e a sucumbir por esta louca vontade de ter apenas ele em meus braços? Ah! Quando percebi que talvez essa possa ser a minha última chance de tornar meu violento desejo realidade...

A noite escura e úmida, a calmaria e o silencio, apenas meus passos eram ouvidos naquele corredor de paredes verde água e portas de madeira negra. Expandi minha presença e isso foi o suficiente para que ele viesse abrir a porta, sem se surpreender com a minha presença grotesca diante de seus olhos frios...

- Você está fedendo a sangue podre Hisoka, além disso, está horrível.

- Eu também senti saudades Illumi.

-...

- Ah! Acho que preciso de um banho... - Logo eu... Por que agora estava sentindo vergonha de meu estado deplorável? Talvez vir até aqui tenha sido uma péssima idéia afinal...

Por que Illumi? Por que você? Por que agora me encara com esse ar de piedade? Não era piedade em seu olhar e sim um vislumbre de algo diferente, às vezes consigo identificar algum sentimento em seu olhar que logo desaparece e dá lugar a antiga frieza e apatia de sempre.

- Hisoka... Acho melhor mesmo preparar um banho pra você... Tome uma ducha enquanto eu o faço.

- Quem sou eu para dizer "não"...

A água fria caía sobre o meu corpo ferido e aquilo doía e queimava como o inferno, observava a água de tom avermelhado escorrer pelo meu corpo, aquela água lavava todo o sangue meu e de meus ex companheiros, queria que ela levasse embora esse estranho sentimento também, mas, isso nem mesmo aquele maldito poderia arrancar de mim tão facilmente, mesmo atrás daquele blindex eu sabia que ele estava ali, enchendo a banheira, verificando a temperatura da água, ele estava ali, silencioso, cuidadoso, misterioso como uma sombra... Deixei a água fria me anestesiar mais um pouco, divaguei em lembranças e sua voz me trouxe de volta...

- Está pronto.

Quando saí daquele Box avistei a banheira, estava cheia e a água possuía uma coloração rosada, o cheiro daquele líquido preenchia todo o cômodo, irônico como ele não se importava e ao mesmo tempo se importava... Comigo.

- Qual o veneno você pôs na água?

- Eu não coloquei veneno algum.

Entrei naquela banheira, a água estava em uma temperatura aconchegante e eu já estava bem mais relaxado só com aquele aroma cítrico... Observei o meu objeto de desejo trajado com vestes negras sair daquele cômodo para logo em seguida retornar com uma pequena maleta, realmente irônico.

- Preciso que estenda o braço ferido.

- Agora você virou cirurgião? - Permiti que um riso histérico escapasse de meus lábios, escutei o antepenúltimo fio de sanidade ser rompido, merda. Estendi meu braço.

Silenciosamente ele pegava alguns apetrechos, e os separava sobre a bancada da pia de mármore branco, até mesmo o banheiro era luxuoso não poderia esperar menos do bom gosto daquele Zoldyck. Observei atentamente as luvas cirúrgicas que envolviam suas mãos, as três pequenas agulhas que foram lançadas em partes específicas de meu braço...

- Você é mesmo um grande idiota Hisoka.

- Talvez eu seja... Eu arranquei a cabeça do Kurtopi com essas mãos...

- Quando começou a matar os seus amiguinhos?

- Matei o idiota do Shanark na mesma noite...

- Agora vai caçar as patas da aranha?

- Sim! Até que eu consiga esmagar a maldita cabeça...

- Sabe que não será fácil.

- Sim.

- Não vou te concertar da próxima vez.

- Acho que isso não será necessário, não tornarei a incomoda lo Illumi, porque talvez não aja uma próxima vez.

Nem assim os olhos negros desviaram de seu foco, ainda costurava minha pela com a mesma velocidade, de fato, Illumi foi muito bem treinado ou talvez eu me iludisse em achar que ele poderia ter alguma empatia por mim, só porque consegui roubar lhe um beijo há anos atrás... Senti uma pontada de desgosto e ao mesmo tempo em que contemplava aquela cena e constatava a sua frieza eu me excitava com aquilo. Queria tanto toma lo ali mesmo, enterrar-me violentamente em sua carne e faze lo meu de uma forma que jamais iria esquecer-me... Delírios.

- Você está febril, vou pegar alguns remédios.

- Fique.

- Não seja idiota.

Mais uma vez observei sua figura esguia sair para logo retornar com dois comprimidos e um copo de água pela metade...

- Você sabe que odeio tomar essas porcarias.

- E você sabe que posso força lo.

- Seria melhor se eu ganhasse um prêmio por ser um bom menino.

- Já passou da idade de receber prêmios por obrigações cumpridas.

Acabei rindo de sua forma prática e apatia inabalável, será mesmo que ainda há um coração batendo em seu peito? Engoli aquelas coisas contra a vontade.

- Que tal um beijo como recompensa Illumi?

- Que pena que não arrancaram sua língua Hisoka.

- Ora vamos lá! Talvez meus beijos lhe viciem de forma que possa se render a isso...

- Já terminei isso aqui, quando parar de sonhar estarei na sala.

Observei mais uma vez aquela figura sair do cômodo, me deixando sozinho com meus pensamentos...

Devo ter ficado por mais meia hora, antes de me enrolar na toalha para me secar e depois me vestir com as roupas que Illumi havia deixado para mim... Sentia mais uma vez o peso do infortúnio em meu coração e um gosto amargo em minha boca, talvez aquilo fosse pelo fato da distancia entre nós permanecer a mesma. Como aquilo silenciosamente me afetava, como me envenenava e como me torturava... Que inferno quando foi que fiquei tão sentimental assim? Ah! Quando me perdi na imensidão de seus olhos negros, pena que não consegui olha los tão profundamente e descobrir o que se esconde dentro deles...

Quando cheguei à sala admirei a cena inusitada, havia um Illumi despreocupado, sentado de forma relaxada no sofá de couro negro assim como suas vestes, em sua mão havia uma taça de vinho enquanto a outra corria pelos seus próprios cabelos, tudo nele me chamava atenção e despertava de forma avassaladora a minha libido, que inferno escutei o penúltimo fio de sanidade se romper, que grande merda!

Caminhei em passos lentos e me sentei ao seu lado, aquele sofá era grande o suficiente para nós dois. Encarei sem a menor descrição sua faca lívida, agora com um leve rubor em suas bochechas, acredito que este feito milagroso seja obra do vinho...

- Há quanto tempo mesmo nos conhecemos? - Me surpreendi com tal pergunta vindo de alguém como ele...

- Há alguns anos... Por quê?

- E agora vai mesmo investir nessa idéia de caçar Kuroro?

- Hum... Por acaso estaria preocupado comigo?

- Obviamente você continua sendo um sonhador... - Um sorriso fraco surgiu em meus lábios, o que mais eu poderia fazer se não rir da minha situação patética?

- Sabe Illu chan? Eu poderia usar minha Bunge Gun em você e prende lo aqui...

- Poderia morrer tentando Hisoka, entretanto me deixou curioso sobre o porquê faria tal loucura? - Mais uma vez um riso escapou de minha garganta e só então me dei conta de que realmente estava sendo um tremendo idiota ou talvez fosse o desespero batendo a minha porta. Logo eu que deixei tantos caírem de joelhos por mim, eu que sempre parti corações e reinei sobre seus cacos, eu que sempre fui um verdadeiro e perfeito Casanova, agora estava totalmente caído de joelhos sobre os cacos do meu próprio coração que se quebrava mais e mais à medida que ele me olhava com tamanha indiferença. Aquele homem era um castigo por tudo o que fiz...

- Estou apenas brincando Illu chan. - Limitei-me a mentir de forma descarada e engolir aquele bolo que se formava em minha garganta, porém, obtive atenção total dos orbes negros que me encararam de forma tão profunda como se estivessem enxergando o meu âmago... Lentamente colocou a taça sobre a mesa de centro, sem parar de me encarar, fui surpreendido pelo peso de corpo que agora estava sobre o meu e o gélido toque de suas mão que seguravam meu rosto com sutileza, seu movimento foi tão rápido que se quer puder ver quando ele o fez, os olhos negros ainda a me encarar, acho que meu coração estava errando algumas batidas...

- Eu odeio quando você mente pra mim. Achei que tínhamos algum pequeno fio de confiança... - Mais uma vez sorri de canto...

- Me desculpe, mas não tenho outra escolha. É melhor que seja desse jeito. - Por um momento pude vislumbrar um leve ar de surpresa em seu rosto que desapareceu tão rápido quanto havia surgido...

- Que pena. - Observei ele se distanciando. Retornando a sua posição de antes, meu corpo tremia por dentro pelo contato recente. Por que tenho que me sentir assim?

- Eu vou me retirar ainda tenho algumas horas de sono.

- Acho que vou ficar por aqui esse sofá parece confortável...

- Tem outro quarto ao lado do meu, pode usa lo.

- Obrigado por me receber Illu chan...

- Oyasumi... Hisoka...

Observei a figura de Illumi sumir no corredor escuro e me joguei naquele sofá, pensando se realmente deveria dormir no quarto ao lado...

Lembranças doloridas começavam a infestar a minha mente e de todas elas a que mais apertava meu peito eram os olhos negro me fitando daquela maneira, mesmo que fossem frios eram tão calmos, como quando se olha para o mar de águas escuras e percebe se que aquela calmaria toda o leva para as profundezas de um oceano misterioso. No fundo eu sempre soube que Illumi era assim, que jamais diria alguma coisa, que jamais colocaria seus "ses" em questão, foi então que um súbito desespero tomou conta de mim, eram esses exatos "ses”, era o "e se?" que estava me matando aos pouco e no caso e se eu nunca mais pudesse vê lo? E se nunca mais pudesse olhar naqueles olhos? E se eu deixasse de existir? Ele jamais saberia o que faz comigo, jamais saberia como me deixa, jamais saberia o caos que se forma em meus pensamentos... Eu precisaria mergulhar fundo naquele oceano desconhecido e descobrir se há algum sentimento ali...

Oh inferno! Não tinha medo algum de enfrentar Kuroro ou de aniquilar um por um os membros da aranha, mas, estava com medo de encarar meus próprios sentimentos por Illumi, castigo divino.

Decidido, levantei me e fui até o seu quarto a porta estava aberta, quando cheguei à porta vi que ele estava deitado sobra à cama e aquela cena causou uma revolução no meio das minhas pernas...

- O que você quer Hisoka? - Me aproximei sentando ao seu lado naquela cama...

- Acho que estou tendo um surto de ansiedade... E... - As malditas palavras fugiam de minha boca e as borboletas faziam uma guerra em meu estômago... - Perdi o sono...

- Então resolveu não me deixar dormir também... - Ele se aproximava de mim... - Francamente. Você é tão idiota que me dá nos nervos...

- Percebi que posso perder uma coisa muito preciosa pra mim... - Colocava se sobre o meu colo, uma perna de cada lado do meu quadril...

- Todos perderemos algo valioso um dia... Seja uma pessoa ou a própria vida... Por isso se for à última vez faça valer à pena ou então...

Sua respiração se chocava contra a minha pele e pude perceber o ar nostálgico em sua face, pela primeira vez tinha certeza de que expressão estava vendo...

- Volte vivo. - Os grandes orbes negros pela primeira vez tinham um brilho, não estavam opacos como de costume e sua voz parecia possuir um tom mais sério do que o normal... Abracei aquele corpo a minha frente como se fosse minha própria vida, enterrei meu rosto na curva entre seu ombro e pescoço e para o meu espanto seus braços me envolveram, me permitir tremer e ofegar...

- Não importa o quanto eu tente sempre acabo vindo ao seu encontro...

- Não importa o quanto seu tente você sempre consegue me ler... - Sim, eu o lia, mesmo que com dificuldades, mas, eu o lia. Como um aluno jovem que está aprendendo a falar outra língua era assim com meu Illu chan, eu o descobria aos pouco...

- Acho que além do fato de sermos assassinos temos mais algumas pequenas coisas em comum...

- Hisoka... Até quando vai caçar o Kuroro?

- Até que ele esteja morto...

- Então... Até lá... Dei me algo que possa acalentar me nos dias que sentir sua falta. - Ele nunca pedia nada, mas, estava pedindo. Ele nunca falava de mais, mas, estava falando. Ele nunca sentia nada, mas, estava sentindo. Ele nunca demonstrava nada, mas, estava demonstrando... Escutei, senti e vi o meu último fio de sanidade se partir, que maravilha.

Afastei me para encarar seu olhos, porém ele me surpreendeu ao capturar meus lábios com tamanha delicadeza que derreti ali mesmo, meu coração acelerou como se eu estivesse prestes a ter um infarto, meu estômago gelou e meu inconsciente sorriu como nunca havia feito antes. Então era isso, então esse era o seu desejo, a sua vontade. Estava tudo implícito, subentendido em suas pequeninas ações e eu... Como pude ser tão cego por todo esse tempo? Sempre imaginando que ele não sentisse nada quando na verdade ele é o brinquedo que sente tudo. Transformei aquele simples selar em um beijo mais cálido, acariciei seus lábios com a língua pedindo passagem e ele logo permitiu, nossos lábios se encontraram com calma, pois, queríamos aproveitar cada minuto. Explorávamos a boca um do outro com paciência, mas também com desejo. Paramos para respirar, pois, o ar insistia em faltar e as lufadas de ar quente de alguma forma nos acendeu ainda mais o desejo e foram o estopim para iniciarmos um beijo mais cheio de desejo, onde nossas línguas lutavam sabe se lá pelo quê.

Deitei o na cama macia e me coloquei sobre ele, meus beijos iam descendo fazendo uma trilha de acordo com as reações do corpo de Illumi me surpreendi como ele era tão sensível respondendo com vigor a cada toque meu em sua pele alva... Pescoço, clavículas, peitoral, mamilos, barriga... Eu explorava cada pequena parte de seu corpo com calma, queria demorar todo o tempo do mundo ali, queria que ele sentisse tudo e de forma intensa para que eu ficasse gravado em sua pele, em sua memória, em seu âmago...

Removi suas vestes e as minhas e vê lo deitado daquela maneira, tão vulnerável, tão lívido, tão entregue... Aquela era sem dúvidas a mais bela de todas as obras de arte... Illumi meu amor caído, meu melhor amigo e pior inimigo, minha única fraqueza foi mergulhar de cabeça nas profundezas de seus olhos negros e me deixar ser hipnotizado pelo doce som de sua voz... No fundo eu não poderia ser mais eu do que estava sendo naquele momento, me entregando total e cegamente a este sentimento que tenho por você...

Meus atos seguiam instintos assim como os seus. Seus gemidos inebriantes e apaixonantes eram a única melodia naquele cômodo, ele arfou profundamente e arqueou suas costas quando levei seu membro molhado até a minha boca, quantidades enormes de pré gozo eram expelidas e eu me deliciava com aquilo, poderia atingir me ápice apenas observando e atuando naquela cena magnífica, porém, eu queria me enterrar fundo em sua carne e em sua memória... Reuni forçar dentro de mim para me focar em seguir adiante, levei dois de meus dedos a minha boca e salivei sobre eles, levei os até sua pequenina entrada e comecei a explora la tirando o de seu estupor... Comecei a preparar sua entrada embora Illumi desse mostras de seu desconforto por meus dedos estarem ali, trabalhei aquela área até escutar um gemido que saiu mais alto do que ele podia conter, havia encontrado o seu ponto e ele estava pronto para me receber...

Encaixei me entre suas pernas e procurei recuperar o máximo do meu alto controle, entrei o mais devagar que pude, sendo o mais paciente possível, embora eu soubesse que ele já havia sentido dores colossais, aquela seria uma dor prazerosa.

Quando estava dentro, tomei lhe mais um beijo dessa vez ávido e repleto de paixão, nada precisaria ser dito apenas sentido e interpretado por nossos corpos... Estocava o de forma lenta e funda, saía quase por inteiro de dentro dele e retornava suas paredes apertando meu membro com toda força, aquela sensação me levava ao céu e inferno ao mesmo tempo, deliciosa tortura...

- Hi... Hisoka... Então você finalmente percebeu o que esperei por todo esse tempo...

- Perdoe me Illu chan por faze lo esperar por tanto tempo...

- É maravilhoso finalmente poder senti lo e ao mesmo tempo assustador como estamos ligados agora...

- Preciso que seja meu! Somente meu! Até que não existam mais dúvidas ou arrependimentos...

- Prometa que irá voltar vivo... Ah! só pra mim...

- Só seu...

Palavras desconexas soavam entre nós, eu o amava, desesperadamente, loucamente, eternamente... Ele não precisava dizer estava escrito em seu olhar, no modo como seu corpo correspondia, em seu jeito de me amar, silenciosa e calmamente... Esse era o seu tipo de amor.

Estocava o de forma mais rápida e mais forte, atingiríamos o ápice em breve e por mais efêmero que fosse naquele momento éramos um único ser com um único coração que batia fortemente de forma esperançosa... Eu havia enterrado nele minhas emoções, meus medos, meus desejos mais profundos e meus sentimentos mais sublimes... Illumi é o único para mim... Mais uma forte estocada e atingimos o êxtase juntos preenchendo um ao outro com memórias imutáveis...

Nos permitimos mais carícias, mais beijos e mais toques sutis, ele estava adormecendo, sua cabeça repousava em meu peito escutando as batidas de meu coração e eu extasiado com o momento...

- Illu chan...

- Hum...

- Eu te amo.

Apenas seu ressonar ecoou pelo cômodo e naquele sono tranquilo repousava o homem de sentimentos misteriosos, o homem que amava ao seu modo, o homem que por muito tempo me tirou o sono e agora me fazia dormir o melhor dos sonos...

- Oyasumi... Hisoka.

10 de Abril de 2018 às 14:44 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Nana Sama crazy cat lover

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas