wesleydeniel Wesley Deniel

Antler Munro despertou na costa de um mundo de escuridão. Um barqueiro o levara até lá, junto de dois outros homens. Suas identidades? Quem saberia dizer? Sem muito mais a fazer que seguir a intuição de um tímido e calado rapaz, o velho farol para o qual apontava poderia ser o único destino. Sua luz mortiça talvez representasse salvação, compreensão... ou danação.


#6 em Paranormal Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#estranhos #suspense #perdidos #morte #isolamento #ofarol #consequências #mistério #paranormal #pós-vida #escuridão #terror
Conto
37
7.6mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A fria luz do esquecimento

Antler chegara desacordado à ilha.

O barqueiro tivera de tirá-lo, com a ajuda – muito a contragosto – do outro homem com quem dividia a embarcação, e lançá-lo na areia.

— Com mil demôn...! — exclamou Antler, ainda no ar, segurado feito um fardo. Não conseguiu terminar a imprecação; no instante seguinte tinha água e aquela areia fétida de algas podres cobrindo-lhe o rosto macilento.

O dândi que segurara seus pés, só o fitava com um misto de desprezo e nojo, limpando as mãos na calça encharcada como se, em vez de um semelhante, tivesse carregado uma carcaça entumescida.

O último passageiro, um rapaz de trajes bufantes, com uma cartola mal encaixada na cabeça, saltava do barco sem querer encarar a ninguém. Cobria o rosto com um lenço de seda e rendas.

Tipo sensível, pensou Antler ao vê-lo. Não sei onde estou, mas esse aí ainda pensa estar num soirées.

O barqueiro, indiferente à cena, se pôs a empurrar outra vez a coisa cupinzenta que ainda teimava em boiar de volta ao mar.

— Ei! — disse Antler, exasperado. Ele tentou se erguer, mas seus pés estavam leves e a cabeça muito, muito pesada. — Que diabos está fazendo? Aonde pensa que vai?

O ancião (talvez Matusalém parecesse um jovem mancebo perto daquele ali) não o respondeu.

— Não pode nos deixar aqui! — Ora! Ao menos um dos distintos senhores com Antler tinha boca, então. Era o homem que o carregara como a um saco de esterco.

O rapazote de cartola parecia perdido. Escondia-se dos salpicos das ondas e dos demais atrás daquele paninho de maricas. Antler mal o conhecia, mas já tinha vontade de dar-lhe um sopapo. Era provável que nem isso o situasse. Deixara-se perder em sabe-se lá quais divagações, estudando algo em meio à escuridão que só ele devia ver.

— Ei, velho surdo! — Antler correu até o barco, aturdido, seus passos lentos e (flutuantes?) desajeitados. Ao ver que seria inútil segui-lo, retornou e parou junto do homem de cara fechada com uma mão erguida. — Chame-o de volta você também!

— Afaste-se de mim, seu... biltre.

— Qual é o seu problema comigo, meu chapa? Acha que é melhor que eu por causa dessa roupa chique? Pois dê só uma olhada ao redor. Está tão metido na merda quanto a eu.

A mim, seu ignorante. É um maldito que nem sabe conversar. — O dândi mirava-o com seu irritante azedume. — Não o conheço, senhor. Mas sei que não gosto de você. Portanto, mantenha essa mão bem longe.

— Alguém aqui comeu o baralho e esqueceu de cagar o Rei.

— Reveja seu linguajar, rufião.

Antler riu daquilo. Incrível como certos tipos não desciam do palanque nem diante uma catástrofe! Sim, pois assim era a situação ali, e se aquele estrôina não podia enxergá-la...

— O que tanto está olhando, amigo?

— Você o conhece? — perguntou Antler.

— Não.

— Mas ele é seu amigo, hein?

O dândi o ignorou. Foi para perto do rapaz e tocou seu ombro. O jovem deu um saltinho, assustado.

— Calma! Eu só quero saber o que tem naquela direção.

Com a mão livre, trêmulo, o rapaz com a cartola (tão fora de propósito no fim de mundo onde os três haviam ido parar, quanto o traje pomposo do Sr. Rei na Barriga) apontou para um pontinho de luz.

— Será possível?

— O quê? — Antler se uniu a eles. — E o senhor, poderia, por favor, dizer vossa graça? Não quero continuar pensando em você por alcunhas.

— Vou lhe responder apenas para que pare de incomodar. Sou Emile Gaston.

— Um nome cheio de garbo, para um cavalheiro garboso. Bem, eu sou...

— Não me interessa.

— Já pensou que nosso colega possa querer saber?

Não parecia. O rapaz delicado, como Antler já decidira chamá-lo, sequer o notava. Na mente dele, deve estar só, numa sauna turca ou algo assim.

— Quer ir até lá? — disse Gaston ao jovem, e este fez que sim.

— Bom, qualquer lugar deve ser melhor que ficar aqui na beira... — De onde? E, por falar nisso, que raios Antler fazia ali?

Seus dois companheiros subiram a praia, o rapaz, com algum custo, aceitando apoiar-se em Gaston, e o que restava era ir com eles.

O luar se escondera deles naquela noite. Tudo era breu e contornos indefiníveis, mas Antler presumia estarem numa ilha. O lugar não tinha jeito de pertencer à civilização. Por qual razão ele achava isso, não sabia.

A luzinha crescia à medida que os três avançavam, tropeçando em raízes e falhas nas rochas. Ao fim de uma hora de caminhada, sob a garoa ininterrupta e o frio, Antler compreendeu que o delicado Lorde Cartola não falava muito, era esquisito, mas não cego: o filho da mãe havia visto a luz de um farol quando ele mesmo, Antler, um matreiro velhaco, não vira.

— Muito bem, Monsieur Cartola!

Contudo, o rapazola não soava feliz com sua descoberta. Pelo contrário: estacou a uns trinta passos da entrada e nem mesmo Gaston o convenceu a prosseguir.

— Eu também não quero entrar — disse Gaston e, pela primeira vez, Antler concordava com ele. — Mas se houver uma lareira ali, ou um faroleiro, podemos pedir ajuda.

— Precisa sair desse tempo ruim, Monsieur Cartola, ou ficará costipado.

Por incrível que pareça, Emile Gaston fez que sim. Um milagre.

— O homem está certo. Temos que nos aquecer. Sinto muito frio, e você... — Gaston tocou a nuca do jovem (Antler não gostou nada daquilo). — Está gelado!

On éro entá lá — balbuciou o rapaz. Era sofrível ouvi-lo. O que teriam feito àquele coitado? — É uun ugar uím!

— O que ele...?

— Shhh!

— Gaston... — insistiu Antler. — O garoto tem razão – se entendi bem o que ele falou. Esse não é um bom lugar. Sente como a luz é... fria?

— Ouça, seu ordinário...

— Antler Munro.

— Como é?

— Meu nome: Antler. Assim também não precisa ficar me ofendendo.

Gaston o fitou com firmeza. Mas arrefeceu. Então disse:

— Devíamos estar num navio, não acha... Monsieur Munro?

Fazia sentido. Mas, se sim, que fim levara a nau? Como podiam restar somente eles três? E o barqueiro, voltara para o naufrágio?

— Talvez. Mas não gostei daquele velho, Gaston. E você?

— Tampouco. Ele parecia estranho, não? Nunca disse uma só palavra.

— E aposto que você não se lembra de ter embarcado, acertei?

Gaston meneou, pensativo.

— Não. Mas esqueça isso por ora, Munro. Vamos entrar, nos livrar dessas roupas ensopadas.

Com muito custo, convenceram ao rapazote de que ficar no escuro de um lugar desconhecido e a ponto de congelar, não seria pior que lá dentro.

"Podemos arrumar a lanterna do farol, buscar por embarcações". A lábia de Antler era boa e a afeição de Gaston ajudara.

A porta cedeu facilmente. Os três homens perdidos entraram.

Assim que cruzou o umbral, o rapaz foi acometido por tremores. Olhou para Gaston, tocou seu peito e então mirou a Antler, sempre com o rosto coberto. Sem aviso, soltou-se do homem que o amparava e voou escadaria acima, rumo ao topo.

Os companheiros, surpresos, logo se puseram atrás dele.

No alto, viram o jovem de costas. Já não tinha interesse em cobrir o rosto.

Um nome veio à mente de Antler.

— Beau.

Ao ouvi-lo, o rapazote chamado Beau se virou.

Oh, Seigneur Jésus! — murmurou Gaston.

Beau não falara muito até agora, e uma explicação bastante razoável fora dada. Beau não tinha mais boca. Toda a frente de seu rosto, o nariz e parte da bochecha direita era um destroço. Carne triturada e ossos. Seus olhos, meio ocultos pela cartola eram opacos.

— Ah, Beau... — disse Antler num tom desolado.

Aaste-ze di meeem!

— Oh, meu doce Beau! Eu sinto...

— Você fez isso. — Emile Gaston falava num fiapo de voz. — Eu me lembro agora, patife!

Gaston levou a mão ao centro do peito de seu casaco caríssimo. A água ainda o empapava, mas havia mais... Uma dor, de repente, pareceu tomá-lo, fazendo-o curvar-se.

— Atirou em nós, Munro!

— Você iria tomá-lo de mim! Ficar com meu querido Beau.

Gaston rasgou a frente do traje e viu o pequeno buraco de bala.

— Eu o amava!

— Matou-nos.

A cabeça de Antler pesava mais que nunca, seus pés perdendo o contato com o chão. Uma marca surgia em seu pescoço.

— Foi. Mas não num barco. Eu os flagrei em minha casa. Mas claro que isso não significa nada para o barqueiro.

— Estamos mortos! — Gaston se desesperava. — Mas e você, Fils de pute?!

Eu? Estou bem ali. Vê?

Gaston olhou para onde Beau não parava de fitar. O canto poeirento do depósito de óleo do farol era agora um quarto rústico, mas bem organizado.

Mon Dieu!

Sobre a cama com dossel, estavam Beau e Gaston, aparentemente prestes a se despirem quando foram flagrados e mortos.

E no armário do quarto, Antler, a pistola caída a seus pés, balançava com um cinto passado ao redor do pescoço.

Beau chorava; Gaston, o sedutor, arrancava os cabelos, e Antler, o traído, sorria. Já compreendia que teria de se acostumar com aqueles dois, para sempre, em seu canto abandonado do limbo.

Lugar adequado para o esquecimento, pensou.

Quantas almas habitavam aquele farol? Só o Barqueiro saberia. E ele não falava muito. Seu trabalho era conduzir os mortos, não se pronunciar.

17 de Agosto de 2023 às 23:25 30 Denunciar Insira Seguir história
34
Fim

Conheça o autor

Wesley Deniel Meu nome é Wesley Deniel, e tenho uma mente cheia de fantasmas. Pelos últimos 20 anos eu tenho vagado pelos recônditos mais escuros deste e de infinitos outros mundos e trazido desses lugares de insondáveis terrores os pesadelos que compõe minhas obras. Embora escreva todos os gêneros e esteja aberto a qualquer desafio, é no horror e no terror que permito que alguns desses fantasmas ganhem força o bastante para atravessar para o nosso mundo.

Comente algo

Publique!
Giovanni Turim Giovanni Turim
Retornei a um dos meus contos preferidos, seu, e quero presentear você, como simbolo dessa admiração. Logo mais, darei um respaldo, assim esperado: a altura dessa história. Saudações literárias, Deniel. Reli essa história pela segunda vez, é, eu gosto de repetir leituras, ainda mais quando desse nível de qualidade e profundidade.
December 23, 2023, 06:37
Anna Barbosa Anna Barbosa
Vim ler essa maravilha, Deniel, e saio daqui admirada com sua propriedade literária. Parabéns.
December 21, 2023, 01:31

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Muito obrigado, Anna ! Fico muito feliz e honrado por você ter encontrado o caminho até meu humilde gabinete dos horrores ! 😊 Agradeço demais por sua leitura e pela gentileza em comentar, curtir. Ah, se todos soubessem como isso é importante para nós, para que saibamos estar no caminho correto; e, claro, como incentivo. É algo tão rapidinho, que as pessoas fazem o dia todo nas mídias sociais, mas muitos não gastam esses minutinhos para fazer sorrir um autor ou autora. Portanto, eu agradeço muito ! Espero que você tenha se divertido e possa conhecer mais de minhas histórias. Creio que encontrará muita coisa que possa gostar ! Eu escrevo mais horror, mas também me aventuro na comédia, drama, crime e suspense. Graças a Deus tenho ido bem, com histórias até narradas em diversos canais pelo Youtube ! A realização de um sonho de quase 20 anos. 🥰 Fique com Deus ! É muito bem-vinda ! 🙏🏻 December 21, 2023, 01:52
dl daniela miriam lopes pereira
Não posso me esquecer de comentar que encontrei a narração de um conto seu no canal do Youtube do fantástico Marcelo Fávaro _ "Conto um Conto"_ Durma em Paz! Adoro o trabalho dele, principalmente por abrir espaço para escritores nacionais! O Brasil precisa de mais literatura e leitura!
November 30, 2023, 21:54

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Que bom que está encontrando mais coisas minhas por aí, amiga ! Eu adoro o Marcelão do Conto um Conto ! Já temos uma amizade antiga. Tenho outras histórias narradas lá nele, como "Destino: Inferno" e "Toxinas da Alma" também. E tenho histórias narradas no Domínio Público Áudio-livros, do fantástico Jaime Maciel, que é meu drama "Um Sol Nascente e um Sol de Adeus", uma homenagem às vítimas das bombas de Hiroshima e Nagasaki, e também "Sonhos Desfeitos", no canal do excelente Carlos Eduardo Valente ! Fica com Deus ! 😊🙏🏻 December 01, 2023, 21:31
dl daniela miriam lopes pereira
Uau! Isso foi insano! Uma reviravolta digna de Cirque du Soleil! Adorei os modos e as falas. E no fim, resta apenas o tormento! Mais um trabalho inspirador! Parabéns!
November 30, 2023, 21:46

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Muito obrigado, amiga ! Fico muito, muito grato por tê-la acompanhando meu trabalho de perto, se divertindo, comentando... Agradeço demais ! 😊 December 01, 2023, 21:26
Marcelo Farnési Marcelo Farnési
Um seriado. Inteiro. Com 3 temporadas no mínimo!!! Isto é um capítulo piloto para a temporada de" O Barqueiro! " Ou algo assim. O pessoal da HBO tá moscando em não te contratar. Parabéns, Deniel! Você é um visionário.
August 31, 2023, 12:16

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Ah, meu irmão, Deus te ouça ! Que um dia as nossas histórias encontrem mais e mais pessoas, talvez até em outras mídias ! Seria maravilhoso ! Sinto por não ter visto antes sua mensagem. Não é sempre que o aplicativo me avisa. Pra ser sincero, vejo que em várias histórias há mensagens que não respondi ainda. E eu prezo muito por isso. Vocês são a razão de minha escrita ! Hoje, vi uma notificação de uma nova amiga que encontrou essa história aqui e, respondendo-a, notei haver mais mensagens. Muito obrigado por seu apoio e gentileza de sempre, irmão ! December 21, 2023, 02:15
Tom Jaqen Tom Jaqen
Já tô seguindo meu chapa! Quero ler com calma. Mais já quis vim te dar os parabéns pela premiação!!! Tamo junto Wesley!! Depois venho comentar a história 🤘🏻
August 25, 2023, 13:26

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Tom ! Olha só você, meu velho ! 😊 Desculpe não ter visto antes que escreveu. Como estava contando ao irmão, Marcelo Farnési, acima (aliás, recomendo demais que conheça as obras dele. São sensacionais !), nem sempre o aplicativo avisa de novas mensagens. Muito obrigado por sua gentileza e por estar sempre dando esse apoio, querido ! Abração ! 😊🙏🏻 December 21, 2023, 02:19
Fábio Everton Fábio Everton
Cara, parada sinistra. Nem depois de morto vamos ter sossego?!?? Parabéns cara!! Sempre tirando nosso sono. 😄
August 22, 2023, 07:15

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Hahahaha Somos complicados demais, Fábio. Nem mortos ficamos livres de nossas tolices. Muito obrigado pela presença e gentileza ! Grande abraço, amigo ! 😊🙏🏻 December 21, 2023, 02:20
Ellie Abigail Ellie Abigail
Amiguxo, que coisa mais bizarra! Adoreeeei!!! Ao limbo os que pertencem ao limbo!! Será que é o que nos aguarda a todos. 🥺 Parabéns, Wesley!!
August 20, 2023, 09:31

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Oi Ellie ! 😊 É sempre um prazer te ver por aqui, acompanhando minhas pequenas abominações e pesadelos ! Puxa, tomara que o outro lado seja um pouquinho melhor que isso hahaha já basta passar aperto aqui nessa vida hehehe Fica com Deus, minha amiga ! 🙏🏻 December 21, 2023, 02:22
  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Oi Ellie ! Estou acessando sem ser pelo app, mas sim através do site. O app anda zoado. Não me notifica de mensagens, não mostra as coisas que eu respondo a vocês... Então estou testando aqui se minhas respostas estão sendo publicadas. No mais, muito obrigado por sua gentileza de sempre ! 😊 December 22, 2023, 02:50
Daniel Costa Daniel Costa
O Barqueiro! É claro! Eu deveria ter lembrado dele. Sempre a conduzir as almas perdidas e arrependidas! Que história Wesley! É como nossos outros colegas bem apontam: não tem como se decepcionar com tuas obras! É satisfação garantida. Que orgulho, sempre te disse, que orgulho que seja um dos nossos. Um monstro do terror!!! Parabéns 👏🏻🙏🏻👏🏻
August 19, 2023, 08:35

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Oi Daniel ! Que satisfação vê-lo ! Eu fico honrado por recebê-lo em minhas histórias ! Obrigado, companheiro. Espero que um dia, nós, escritores nacionais atuais, cheguemos à realização de nossos sonhos ! Temos talentos incríveis aqui no Brasil. Dois estão aqui mesmo, nesta página de comentários: o meu amigo Le Loustic Hop e meu amigo Marcelo Farnési. Conheça-os. Você não se arrependerá ! São nomes que, creio de coração, ainda ouvirá falar muito ! Obrigado, mais uma vez por dua presença e gentileza, meu velho ! 😊 December 21, 2023, 02:28
Le Loustic Hop Le Loustic Hop
É isso aí, Super Caronte-nanny deixando todo mundo no cantinho da disciplina para aprender que não se pode atirar em ninguém aushuahs. Mais uma grande história para o gabinete de horrores, Deniel! O Caronte é um personagem que me fascina, ele já fez "figuração" em mais uma história minha (não publicada), de tanto que eu gosto. É um prazer ler tudo o que você escreve, Deniel. É sempre uma alegria poder ler aquilo que você tem a oferecer, porque é diversão garantida, é susto garantido, é um "meu DêOZ...!!" garantido aushauhs Parabéns mais uma vez.
August 19, 2023, 03:29

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Fala, Hop ! 😊🤘🏻 Meu irmão, eu peço mil desculpas por não ter visto antes essa sua mensagem. Estou muito sem graça com o app do Inkspired, mano. Tanto que estou acessando agora pelo site da plataforma no celular. O app não avisa da maioria das mensagens que a galera manda (avisa às vezes de coisas tolas, mas das importantes ele deixa passar) e eu fico triste com isso, pois amo conversar com todos vocês e responder-los. Afinal, minha escrita é para vocês. Só sou um escritor por causa de vocês. Para ter uma ideia, nem as respostas que eu escrevo para os que vou sendo notificado, estão aparecendo no app. Parece que não escrevi nada. Só vim ver que ad respostas estão lá aqui pelo site. Mas tá bom. Então, mano, Carontão véio é de poucas ideias. Brabo ! Hahaha Adoro o Barqueiro. Fico muito feliz que tenha curtido também, irmão ! Seu apoio, gentileza e amizade são de imensa importância para mim. Grande abraço, meu querido ! 🙏🏻😊 December 22, 2023, 03:13
Terry O'Ghost Terry O'Ghost
Cara! Que é sempre uma satisfação ler suas obras, isso seria eu fazer chover no molhado kkkkkk mas que bom te ver tão ativo, escrevendo tanto, participando de desafios e narrações nos canais dos manos!! Eu preciso ver você explodir pro mundo, cara. Preciso!!! Não dá pra crer que tenha tanta gente com talento igual o seu perdidos por aí, sem que mais gente conheça! Isso me deixa até puto. Quanto a essa história, um assombro tão brutal e visceral quanto tudo o que faz. Que fita treze, ein cara? Os caras estão no limbo. Me fez lembrar, não sei porque de um conto do King daquele livro Quatro Estações...... Inverno no clube, se lembro bem. O farol me fez lembrar do clube. Demais. Parabéns!!! 👏🏻👏🏻👏🏻
August 19, 2023, 01:20

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Meu querido amigo ! É sempre uma alegria ver você em minhas histórias ! E a honra que me faz sentir com votos sempre tão preciosos... Que Deus te ouça, amigo. E não só por mim, mas por cada um aqui que merece seu lugar no hall da fama, pois são muitos os iluminados ! E por falar em luz, que bom que gostou dessa história. Eu achei que um farol no meio do nada (ou a meio caminho do inferno) seria um bom lugar para aquelas três almas. Ou ao menos é o que eles pensam. Pois que terrores maiores que a própria morte veriam se pudessem compreender de fato aquele lugar ? Obrigado por seu prestígio, mano velho ! August 21, 2023, 08:49
  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Oh, Terry ! Aí você foi fundo ! Aquele conto do tio King é simplesmente demais ! Aliás, todo o livro Quatro Estações é sensacional ! E você sabia que tem outra história naquele clube de cavalheiros ? É a "O homem que não apertava mãos", se não me falha a memória. Se passa lá também. King é incrível, não tem jeito ! Obrigado por estar sempre dando seu apoio, meu amigo. Significa muito pra mim ! Abração, cara ! 🙏🏻😊 December 21, 2023, 06:23
Virgínia Tess Virgínia Tess
Que coisa sinistra Wesley! Além de terem se dado conta de quem eram, ainda vão passar a eternidade ali naquele purgatório!! 😰 Como sempre, nunca decepciona!!! 👏🏻👏🏻
August 18, 2023, 09:33

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Oi Virgínia ! Tudo bem ? 🙂 Pois é. Desgraça pouca é bobagem hahaha Não basta morrer, tem que penar no limbo também. 😄 August 21, 2023, 08:37
  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Oi Virgínia ! Tudo bem ? 😊 Te respondi outro dia, amiga – e também a alguns outros amigos –, mas não sei o que houve que os comentários sumiram. Outras vezes o app simplesmente não informa que tenho mensagens. Fico triste, pois gosto muito de responder a todos vocês. Mas aqui estou eu de novo. Vou tentar mais uma vez. 😄 Obrigado, muito obrigado por estar sempre por perto, acompanhando meu trabalho, sendo tão gentil em comentar e curtir. Importa muito para mim, tenha certeza ! Fica com Deus ! 🙏🏻 December 22, 2023, 02:30
Giovanni Turim Giovanni Turim
Gostei da história, seu apelo trágico, escatológico. Um umbral em toda forma, cuja narrativa, sobretudo, ainda encanta. Grato, pelo ótimo conteúdo.
August 18, 2023, 07:00

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Giovanni, você é o cara ! Tenho conversado muito sobre você ultimamente, seu talento e polidez com a escrita. Sempre recomendo. Sua presença me honra. Obrigado por reservar um tempinho para ler esse seu admirador ! Grande abraço, irmão ! August 21, 2023, 08:36
Mariana Prado Mariana Prado
Adorei a história. ❤️🥰
August 18, 2023, 00:51

  • Wesley Deniel Wesley Deniel
    Muito obrigado, Mariana ! Agradeço muito sua presença. A história nem era para existir, eu não estava sabendo do desafio. 😄 Meu querido amigo Hop foi quem me fez saber. August 21, 2023, 08:33
~