O Ofanim Seguir história

R
Rodrigo Spinelli


Ofanins são os nossos anjos da guarda e nós somos reguardados por suas missões aqui na terra, uma breve história sobre Délos, um Ofanim, em uma de suas missões


Fantasia Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#anjos #fantasia #religioso
Conto
3
6786 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capitulo Único

       Preto e Branco, para não dizer cinza, essa era a visão que Délos conseguia enxergar naquele corpo, sentia-se mais baixo que normalmente estaria, estava com seus quatro membros apoiados ao chão e sentia algo metálico envolta de seu pescoço, seu olfato e audição se encontravam bem aguçados, o primeiro indicava um cheiro calmo de terra molhada, aquele cheiro caracteristico de chuva, mas não estava chovendo, o segundo mostrava o estresse dos seres humanos a sua volta, buzinas, gritarias, passos apressados, esse ritmo acelerado provavelmente proveniente da chuva que viria.

           Demorou alguns minutos para Délos se sintonizar no mundo de novo e o que aquele novo avatar significava naquele instante, ele se encontrava agora em uma portaria de um prédio, toda iluminada, dificultando ainda mais sua visão, mas conseguiu identificar, atrás de uma cabine, o porteiro já cansado de seu expediente, seguiu então o olhar pela sua coleira até a mão de seu dono, na verdade, sua dona no caso, era uma senhora de seus 60 anos, apresentando um semblante feliz, com cheiro de sabonete de Aveia e um cabelo arrumado e encaracolado, um pouco roxo, provavelmente devido aos produtos que usava, ela não parecia vaidosa apesar de ter uma postura de "madame", Délos a sentiu com certa preocupação, como se esperasse alguém, provavelmente sua filha? Neta? Bom, seja la o que fosse não importava, por que naquele instante ele observou ao lado da senhora, uma figura, com pelo menos 50 anos a menos que a senhora, talvez fosse seu neto, não sabia e não importava por que, de todo o cinza claro daquele cenário, aquele garoto apresentava um vermelho vivo, a cor que Délos esperava encontrar, era ele sua missão.

           Délos era um Ofanim, ou como os seres humanos gostam de chamar, um anjo da guarda, casta de anjos de extrema humildade, sem pecados, sem invejas e nem rancor, de extrema pureza e livre de qualquer contaminação humana ou celestial, esses seres etéreos vivem pada cuidar e zelar pelo bem estar da raça humana, para esse fim, os Ofanins criaram a habilidade de se materializarem como algo palpável na terra, muitas vezes aparecem como um animal de estimação, naquela missão, um cachorro, que para Delos ficou sendo a forma de um pequeno Poodle de pelagem escura e olhar dócil. Os Ofanins tinham suas missões demarcadas pela cor vermelha e ficaram sendo a única casta divina com a liberdade de se materializarem na terra como um avatar em carne e osso, mas só usavam essa habilidade quando se era necessário e, naquele momento, aquele garoto precisava de ajuda, ou precisaria.

           A chuva começou e com ela os sentidos caninos de Délos se atiçaram, ele sabia que estava perto de agir, mas qual era o perigo que aquela criança corria? Ele permanecia como um cachorro inquieto, chorava e ficava andando para la e para cá, a senhora puxava a coleira e fazia um "shhh" com a boca, mas não importava, era a sua missão e ela chegava em seu ápice, pois do portão preto que dividia a senhora e a criança da rua, um Pitbull, aos olhos mundanos, adentrava a portaria, mas Délos logo sentiu, aquele cachorro sem a focinheira na verdade era a mais vil das criaturas, o que um dia foi um anjo agora se apresentava como um demônio na pele de um cachorro, babava enquanto andava com os olhos fixos na criança, era conduzido por um dono que não fazia ideia da criatura que guiava, o portão foi aberto, o porteiro com um falso sorriso comunica um "boa noite" para o condutor e durante alguns poucos segundos, com o cachorro tendo seu objetivo marcado, antes mesmo que o dono pudesse agira, ele atacou o pobre garoto. Para Délos os portões que foram aberto eram os próprios portões do inferno e o Ofanim não teve muito tempo de pensar em agir, logo se atirou na frente do garoto, sentiu os dentes cravarem a sua falsa carne que envolvia seu pescoço, o sangue jorrou de cada buraco que os dentes do demônio fizeram e um som esganiçado e involuntário saiu do anjo.

        O choque da senhora, o grito do garoto, a chuva, a reação instantânea do porteiro de sair de sua cabine para fazer algo, tudo isso ficou em câmera lenta, se o Pitbull fosse uma criatura terrena aquela dor não seria intensa, mas aquele era o avatar de um anjo caído, um dos seguidores de Samael, o que indicava que a missão era mais importante do que parecia ser e aquela criança tinha que sobreviver... O Ofanim levou o demônio em seu pescoço para fora do prédio, as gotas de chuva se misturavam com o sangue que escorria pela calçada e ele tentava se livrar da criatura, em um momento os seus olhos se encontraram com os do seguidor infernal e ele viu ódio? Não, ele viu tristeza, um sentimento que só um caído poderia ter em tamanha intensidade, aquela missão era tão aleatória para o demônio quanto era para o anjo, mas nada podia ser feito a não ser um dos dois tentar alcançar o objetivo.

        A luta seguiu até a esquina quando o anjo resolveu com a pouca força de seu corpo canino arremessar o Pitbull no meio da rua, percebendo que seu sangue celestial estava pelo corpo de seu adversário ele começou a, mentalmente, usar de sua fé, mas não foi necessário, pois de suas costas o dono da criatura e a senhora vieram correndo, as pessoas transeuntes conseguiram conter o cachorro, as orações feitas por Délos fizeram com que o corpo do Pitbull fosse liberado da vil criatura e, então, Délos foi acolhido por sua dona.

       Infelizmente, o acolhimento foi tardio, muito sangue ja tinha deixado o corpo do pequeno Poodle, o anjo se viu fraco após a adrenalina perder seu efeito, ele se acomodou no colo de sua dona e conseguiu ver, vindo de trás dela, o garoto, garantiu uma ultima imagem em sua memória da criança, com seus cabelos loiros, olhos verdes e inocentes, era magrilo e não parecia ser especial, mas no fundo o anjo sabia que sua missão não fora em vão... Um ultimo suspiro foi dado e os olhos caninos do Poodle se fecharam, mas os de Délos continuavam abertos, mas agora em um novo avatar, com uma nova missão, parecia tudo de novo, mas não era, o Ofanim tinha na memória uma pequena vida que viveu e uma grande vida que salvou.

25 de Março de 2018 às 15:29 1 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
ella, MICA ella, MICA
23 de Maio de 2018 às 12:20
~