Coroa de Papel Seguir história

delryne Delryne Aligheri

Quando tudo o que ela queria, quando tudo o que ela precisara, quando tudo que ela encontra, quando tudo o que ela é e sempre foi esta comprometido a destruição, a rainha simplesmente ajoelha-se diante do mais completo nada. Porque tudo que ali existia, foi levado pela tua estupidez.


Drama Todo o público. © Todos os direitos reservados.

#Entrepreneur #metáfora #tristeza #rainha #inspiração #musica #papel crown #drama
Conto
3
6.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A Rainha Solitária

Tudo o que aquela pobre garota tinha era uma coroa de papel e um coração feito de vidro. Tuas vestes estavam rasgadas, teus olhos lacrimejavam com a dor que sentia ao ver seu reino ser transformado em cinzas. Ela caminha sozinha sem olhar para trás. E assim se dá início a história de uma rainha cujo o castelo fora tomado pelas chamas, não mais vivendo, apenas sobrevivendo. As cicatrizes que permaneceram deram origem a uma nova garota, que se recusa a acreditar que ainda possa ser amada. A imperatriz já havia se cansado de esperar seu rei, pois não há ninguém para amar-te quando tu mesma constrói teus muros muito altos.

Agora ela observa o lado de fora, enquanto a guerra prossegue pelo lado de dentro. Então teus olhos se fecham e um grito ecoa direto das profundezas de tua alma, uma vez que ninguém sobrevivera ao caos que ela causara.

Quando tudo o que ela queria, quando tudo o que ela precisara, quando tudo que ela encontra, quando tudo o que ela é e sempre foi esta comprometido a destruição, a rainha simplesmente ajoelha-se diante do mais completo nada. Porque tudo que ali existia, foi levado pela tua estupidez.  

21 de Março de 2018 às 23:26 0 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

Delryne Aligheri Apenas mais uma sorumbática escritora vagando por um funébre mundo. A partir do momento em que comecei a ter percepção da existência, prometi a mim criar inúmeras histórias onde o caos e a soturnidade reinavam como verdadeiros imperadores de um vazio já existente. O verdadeiro reflexo de Edgar Allan Poe procurando um espaço maquiavélico e silencioso. Além de autora, também sou artista, poetisa nas horas vagas e futura violinista.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~