autora_blackmartin Black Martin

Um pacto feito por quatro cavaleiros e um ser anormal, sela o destino de jovens monarcas e seus reinos ao encontro da destruição, elas terão que olhar para dentro da escuridão para achar o caminho. Com um sonho esse trágico destino começa a ser trilhado, um assassinato ocorre e traições que faram as mesmas se questionarem quem é confiável. Agora elas precisaram achar uma maneira para proteger o futuro de seus reinos, mesmo que isso signifique ter que trair seus povos. Amizades e amores improváveis que serão colocados a teste, isso pode acabar com um final sangrento ou finalmente com a paz merecida depois de tantas perdas?


#15 em Fantasia #3 em Medieval Para maiores de 18 apenas. © My

#magia #guerra #aventura #traições #anjos #segredos #dragões #mistérios #rainhas #assassinatos #crescimento-da-personagem #forte-liderança-feminina #um-pouco-de-romance
21
7.3mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

.O sangue pingava no chão já vermelho, corpos de soldados, mulheres, crianças e idosos sem vida espalhados por todo o campo de batalha, que já fora um reino cheio de alegrias. Restando somente quatro soldados ainda de pé no meio daquele mar escarlate, os homens olhavam amedrontados para seus dois inimigos sorridentes, que chegavam a mostrar os pontudos caninos daqueles seres, não humanos.

Um deles transmitia uma cobiçosa malícia no olhar, o outro possuía uma expressão tão inocente, os olhos de uma cor exótica de violeta que eram cobertos por algumas partes do cabelo carmesim do jovem, se não fosse pelos dentes carregados de sangue que chegava a escorrer por sua boca e pelo coração em sua mão, jamais poderia ser pensado que o mesmo pudesse machucar uma mosca.

— Por qual razão nos poupar? — Questionou um dos sobreviventes ali.

— Não poupamos, queremos outra coisa além de suas vidas — disse o ruivo com uma voz tão calma e suave, como se estivesse descrevendo uma belíssima pintura.

— O que querem? — Outro homem perguntou, quase não conseguindo ficar de pé, por conta de seus ferimentos.

— Suas almas — O acompanhante do ruivo respondeu como se não fosse nada. Os quatro homens caíram de joelhos, paralisados por aquelas duas palavras. Há um tempo, os quatro iriam rir daquilo, mas viram em primeira mão o que aqueles seres poderiam fazer. Não duvidavam que realmente poderiam ser suas almas o que eles pretendiam ter. O ruivo caminhou lentamente até os homens, manchando seus sapatos de um tom rubro. Chegando na frente dos humanos, abaixou-se até ficar na altura dos mesmos. O sorriso do ruivo tinha mudado, não era mais tenebroso; ele agora possuía uma expressão tão doce, gentil e um sorriso amoroso.

— Perdoem o meu amigo, ele não sabe explicar as coisas direito — virou o rosto para trás e olhou severamente para o outro, que não se importou com a raiva do amigo.

— De fato, queremos almas, mas não as suas, cavaleiros... O seu rei está escondido no castelo e vocês aqui, essas crianças e mulheres. A culpa é dele, não nossa. Foi ele quem nos atacou primeiro, apenas nos defendemos e foram vocês que pagaram o preço... Mas não precisa ser assim, podem ser como a gente, com poderes para fazer aquele desgraçado do seu rei se ajoelhar diante de vocês... — Com essas palavras, a cobiça enterrada nos corações dos homens começou a mostrar sinais de sua presença.

— Podemos realizar esse desejo, só precisam fazer algumas coisas para nós.

As lembranças das humilhações que sofreram por aquela escória de realeza, o sangue de seus amigos sujando suas botas, foi esse rei quem mandou atacar esses seres com asas... poderiam ter conversado... o reino não precisava virar um mar rubro, corpos banhados pelo próprio sangue e de seus entes queridos. A proposta de ser como aqueles homens alados era desesperadamente tentadora, fazer o rei implorar pela inútil vida dele, os soldados lutaram para conseguir dar a todos a igualdade merecida, uma vida boa, tentavam parar a fome, sem moradia, sem nada... Lutaram para prevenir isso, mas a malícia do monarca era maior que esse desejo de proteger. Agora Thomas Romuald, Dragomir Estivalet, Dalibor Agan e Domenico Leroy tinham a chance de mudar isso, trazer finalmente a verdadeira paz que todos desejavam, mesmo que essa chance estivesse sendo dada por criaturas maníacas.

— Então, meus jovens cavaleiros, temos um acordo? — Perguntou o ruivo para eles, os quatro olharam entre si e viram o desejo de vingança nos olhos dos seus companheiros.

— Se prometer que nos dará os poderes necessários para acabar com essa desigualdade imposta pelo Rei Kaleu de Zyalr, iremos coletar quantas almas quiser. — Pronunciou Thomas e os outros três concordaram, o ruivo sorriu com isso.

— Eu dou minha palavra de que terão cada um o poder necessário para criar um reino justo.

— Temos um acordo.

5 de Dezembro de 2023 às 22:24 4 Denunciar Insira Seguir história
11
Leia o próximo capítulo Capítulo Um - Coruja

Comente algo

Publique!
Mayra Santana Mayra Santana
Curti o começo da sua história
December 24, 2023, 23:50

Daniel Trindade Daniel Trindade
Saudações! Sou membro da Embaixada Brasileira do Inkspired. Parabéns, sua história foi examinada recentemente e está sendo verificada. Desejo que ela seja apreciada por diversos leitores de nossa comunidade. Sucesso e felicidade em sua arte! ♡
December 17, 2023, 13:13

~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 8 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!