Histórias Eróticas...Ou nem tanto Seguir história

carmem-ortiz8460 Carmem Ortiz

Mulheres que contam seus encontros eróticos... ou nem tanto... As histórias são contadas por mulheres, que dão uma visão bastante feminina aos momentos vividos por elas.


Fantasia Para maiores de 18 apenas.

#fantasia #erotismo
12
18004 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Que delícia de homem!

Tenho hoje, trinta e cinco anos, sou uma mulher de  um metro e sessenta e cinco de altura, peso 63 quilos, sou loira, cabelos lisos, abaixo do ombro, olhos cor de mel, pele bronzeada, adoro o mar, então sempre que posso vou para minha casa de praia. 

Estou solteira há seis meses, portanto, estou um tanto, carente. 

Este é o primeiro feriadão do verão, e eu vou para casa de praia, que é numa praia, digamos quase deserta.

Adoro ficar lá sozinha. Mas convidei duas amigas para virem comigo, me disseram que vão vir amanhã, só quero ver.

Resolvi não espera-las. Peguei o carro e fui. Já estava na estrada quando percebi que estava sem água... Ah! Sem água não fico de jeito nenhum. Resolvi parar no primeiro posto e pegar a santa bebida.

Um pouco antes de chegar ao posto, passou por mim um carro com placas da Argentina, nesta época "los hermanos" começam a chegar, olhei para dentro do carro e quase parei! O motorista,que era argentino certamente, era também um "deus grego", lindo, lindo demais!

Mas eu consegui respirar, e pensei: Calma! Isto deve ser a minha carência, te acalma mulher!

Continuei. Avistei um posto a direita, e me coloquei na pista da direita para entrar. 

Já no posto, estacionei. Fui ao banheiro, à conveniência e peguei a água.

Estava saindo, quando vi saindo também, o deus argentino...

Olhei...

Ele também...

E o mais louco!Sim! Ele era mesmo muito lindo!

Alto, elegante, pele bem clara, cabelos grisalhos naturais, e os olhos... os olhos eram azuis...

Usava uma bermuda jeans, camisa leve de cor verde clara, uma correntinha de ouro no pescoço, tênis com meias soquete.

E agora, babem... Ele me olhou e sorriu!

Que coisa mais linda aquele sorriso.

Meu Deus do céu... Ele está se aproximando... Senti meu coração começar a pulsar. Quase gritei: Estou viva, viva, viva de novo.

Quando ele chegou perto de mim, meus olhos se fixaram nele, não conseguia nem escutá-lo e ele me mostrando no celular o nome de uma praia, disse em "portunhol":

-Conhece esta praia?

Eu olhei rapidamente para o celular e respondi quase sem tirar os olhos dele.

-Eu tô indo para lá.

-Que sorte! Posso segui-la? Ele disse com um sorriso maldoso.

-Quer ir no meu carro? Despejei a frase como um rugido e com olhos de lince.

Ele, experiente que era, sorriu e me pediu que esperasse um pouco. Se aproximou do carro dele, falou com alguém que estava no carro e voltou dizendo: Podemos ir?

Eu que tinha ficado observando-o larguei essa: Só se for agora!

Entramos no meu carro e eu pensei que não ia nem conseguir dirigir:"É muita areia pro meu caminhãozinho, mas não importa eu faço em dez vezes se for preciso, mas vai rolar sim!" Eu estava trêmula. Pensei."O que faz seis meses sem sexo, na cabeça de uma mulher!" Respirei e tomei um gole da santa bebida e disse sem pensar: Eu tenho uma casa nesta praia, num lugar praticamente deserto. Aproximei minha mão direita da coxa dele.

-Vamos até lá?

Ele me olhou. E no olhar ele tinha um misto de sacanagem e malandragem.

Eu senti que ele ia aceitar, mas...

-Bem, veja que meu sobrinho está no meu carro, nos seguindo para chegarmos até a praia. O que faço com ele?

...Ele vai aceitar.

-Bom eu posso deixar ele no centrinho da cidade, tenho que passar por lá mesmo, mas se ele quiser vir junto...Eu disse mordendo o lábio inferior e olhando pelo retrovisor. O sobrinho dele, apesar de muito jovem era bem bonitão também.

Ele me olhou e disse: Pensei que o alvo era eu... Mas me parece que podemos compartilhar...

-Nããããoooo... Eu gritei. -É você, é você. Aceita ou não? Prometo que não vai se arrepender.

-Aceito. Ele disse colocando a mão esquerda dele na minha coxa(agora era a vez dele). Só que aquela mão subiu... e eu senti a pegada...

-Ai...ai...espera eu estou dirigindo, espeeeraaa....

-Falta muito para chegarmos?

-Não.

Conforme combinamos deixamos o sobrinho dele no centrinho da cidade.Dali fomos para a minha casa, que era uns vinte quilômetros mais ou menos.

Chegando lá, dentro do carro nos beijamos ardentemente, pois estávamos sedentos um pelo outro.

Ainda na porta, eu destranquei a chave, e mesmo antes de entrar ele me arrancou a blusa e baixou o shorts com calcinha e tudo, e foi ali de pé que eu quase desmaiei nos braços dele.

Ai, aquele argentino me amou a noite inteira.Foi na sala, no banheiro, no chão da varanda, na rede, na cama, ai na cama ele quase me matou de prazer.

Cheguei ao êxtase em todas as vezes...Ah! Que argentino...

Amanheceu, mas ainda estava escuro, acho que era por volta de cinco horas da manhã, acordei, percebi que ele não estava na cama. 

Olhei pelo vidro da janela e o vi tomando banho de mar nu... Acenou me chamando e eu fui...Nua... De novo...Rolando na areia...De novo... Mar a dentro...

No final da manhã estávamos naturalmente famintos. Fomos almoçar na cidade. No carro ele aproveitou para me dizer que não voltaria comigo, pois tinha que seguir viagem com o sobrinho.

Aceitei bem e depois do almoço voltei para minha casa.

Quando eu chegava, as minhas amigas chegavam também.

Descemos dos carros e entramos para a casa, contei a elas tudo com detalhes sórdidos.

Elas me olharam, se olharam e começaram a gritar.

Eu respirei, fechei os olhos e disse: Que delícia de homem!        

8 de Março de 2018 às 01:16 0 Denunciar Insira 1
Leia o próximo capítulo O sócio do meu marido!

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 5 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!