Love in the Dark Seguir história

lollipopmars Lollys Mars

"...Sei que sempre pedi para que olhasse em meus olhos, mas não posso fazer isso com você me olhando. Por favor, fique onde você está. Não chegue mais perto. Não tente me fazer mudar de ideia. Eu estou sendo cruel para ser gentil. Não posso te amar no escuro. Talvez já tenhamos sido derrotados. Mas não quero continuar como se tudo estivesse bem. Por favor não desmorone. Não posso enfrentar seu coração partido. Não me arrependo de nada. Cada palavra que eu disse, não me arrependo de tê-las dito, mas agora, elas não são mais reais. Não pra mim. Só quero seguir minha vida e quero que siga a sua. Não podemos continuar juntos. Desculpe Hermione..."


Fanfiction Livros Para maiores de 18 apenas. © Todos os personagens apresentados pertencem a J.K. Rowling

#Harry Potter #Fanfiction #Draco Malfoy #Hermione Granger #dramione #Ron Weasley
4
6765 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

Believe me, I wanna be with you

Hermione Granger era considerada a mais inteligente de sua idade. Era uma aluna muito aplicada.
No seu primeiro ano em Hogwarts conhecera aqueles que viriam a ser os seus melhores amigos: Harry Potter e Ronald Weasley.
Estavam destinados a viver juntos, muitas aventuras. As quais seriam lembradas por muitos anos.

Mione sempre soube quando algo poderia dar errado, sempre calculou e repensou todas as consequências antes de fazer qualquer coisa.
Vinda de uma família trouxa, ela sempre se esforçou para dar o melhor de si, em absolutamente tudo o que fazia.

Ter um namorado era a última coisa na sua lista de metas.
Mesmo tendo saído com o Krum por um tempo, não era algo que ela quisesse manter. Nunca havia realmente visto um futuro para o que quer eles tenham tido.
Ela pretendia se formar, construir uma boa carreira no mundo da magia, e só depois, que tudo o que pretendia desse certo, então, ela iria procurar alguém com quem se casar e formar uma família.

A meta dela era não se apaixonar e para isso, ela não poderia se apegar muito afetivamente a ninguém.

Apesar de ter uma relação muito próxima à Harry, nunca o viu como algo além que um amigo e também um irmão.
A relação entre Hermione e Harry era totalmente diferente da que tinha com Rony. Eles discordavam em muitas coisas, porém, ela sempre achou que no fundo, bem no fundo sentia algo por Rony, algo que ultrapassava as barreiras da amizade.
Mas tentava ao máximo não deixar isso tão claro.
Não conseguia se imaginar num futuro ao lado de Rony.

***

Draco Malfoy.
Seu sobrenome era muito conhecido.
Seu pai era muito rico e influente.
Bastava uma palavra, e teria tudo o que desejasse.
Seu pai lhe dava tudo o que lhe pedia.
Era o garotinho mimado do Lúcio.

Draco sabia que poderia ter todas as garotas da escola num estalar de dedos, mas não as queria. Elas não eram o suficiente, não lhe agradavam.

Desde o primeiro dia em que se encontrara com Hermione Granger, algo nela havia despertando-lhe o interesse, mesmo quando só tinha onze anos e não fazia ideia do que aquilo era.
No início, dizia que Hermione era apenas uma “sujeitinha de sangue-ruim”. Achava seus cabelos muito armados, parecia as cerdas de uma das vassouras velhas da escola.

No terceiro ano Hermione tornara-se muito mais bonita. Draco começara a se interessar mais pela garota.
E pouco a pouco começou a se dar conta de que estava se apaixonando pela trouxa que tanto desprezara.

Ele odiava que ela fosse amiga do Weasley e do Potter, e também que fosse trouxa.
Se fosse de sangue-puro e tivesse caído na Sonserina, seria tudo mais fácil.
Mas, depois de um tempo, percebeu que se ela fosse assim, ele provavelmente não se interessaria por ela tanto quanto se interessava agora.

Quando Hermione estava com os amigos dela, e Draco com os dele, ele a humilhava, apenas para manter a pose que um Malfoy deve ter.
Mas sempre que repousava sua cabeça no travesseiro, começa a pensar na garota, e no quanto queria poder tê-la.

Quando seus olhos se fechavam e ele era tomado pelo sono, sua mente começava a realizar tudo aquilo que ele não tinha coragem de fazer quando estava acordado.
Todas as noites, em seus sonhos, ele via Hermione. Algumas vezes, eles estavam andando de mãos dadas pelos jardins de Hogwarts. Ele a beijava, e dizia o quanto a amava. Ela sorria e dizia que o amava também.

Outras vezes, os sonhos se tornavam pesadelos e no meio de um passeio pelo jardim, ou entre beijos doces, Hermione o surpreendia e Rony aparecia do nada. Ela o beijava e dizia que Draco era um inútil, que ela não sentia nada por ele, que era Rony quem ela realmente amava.

Quando isso acontecia, ele acordava assustado, com a respiração ofegante e suando frio.
E consequentemente não conseguia mais pegar no sono. Passava o resto da noite andando pelo Salão Comunal da Sonserina, ou em seu quarto, lendo algum livro.

Draco se mostrava forte e corajoso por fora, mas por dentro era fraco, era apenas um apaixonado com medo de revelar seus sentimentos para a garota que amava.

***

As férias de Natal haviam chegado, a maior parte dos alunos havia ido para casa, Hermione era um dos poucos que haviam ficado.
Rony havia ido para casa, seu irmão Carlinhos havia vindo passar o Natal em casa.
Harry optara por passar o Natal na escola como fazia sempre.

Draco decidira passar o Natal na escola também. Não teria nada de interessante em casa. Nunca tinha. E também, Hermione ficaria e talvez ele pudesse tentar conversar com ela.

***

Mione decidira ir até a biblioteca adiantar os deveres que os professores passaram, assim teria mais tempo livre depois.
O lugar estava vazio, exceto por Madame Pince que volta e meia estava passando por onde Hermione estava.

— Você vai mesmo passar o Natal nessa biblioteca Srtª Granger? — Falou Madame Pince assustando Hermione que estava concentrada no que fazia.

— Não Madame Pince, estou quase terminando aqui e já vou.

— Eu terei de sair um pouco mais cedo, e você ainda está aqui. Por isso adiante-se!

— Pode ir se quiser. Quando terminar, eu coloco os livros na estante correspondente e mais tarde o Filch pode trancar a biblioteca. A senhora sabe que eu não vou fazer bagunça nem nada.

— Tudo bem. — Disse a mulher depois de um tempo. — Vou abrir uma brecha para você, mas só dessa vez e por que estamos no Natal. — Completou a mulher com um meio sorriso no rosto.

Mione sorriu de volta.

— Obrigada Madame Pince! Não irei decepciona-la! — Falou a garota sorrindo.

A mulher deu um pequeno aceno de cabeça e saiu dando as costas para Hermione que voltou a se concentrar em seus deveres.

Draco sabia que Hermione havia ido para a biblioteca já fazia um tempo, ele a seguira desde que sairá do Salão Principal mais cedo.
Potter havia ido para a casa de Hagrid e Hermione estava sozinha, exceto por Madame Pince.

Um pouco depois que a garota adentrara, Draco fizera o mesmo, porém Madame Pince estava de olho.
Pegara emprestado um livro de histórias e se sentara um pouco afastado da entrada da biblioteca.
Começara a ler enquanto esperava Hermione sair da biblioteca, já que esperar que Madame Pince sair de lá seria perda de tempo.

Um tempo mais tarde, para a surpresa de Draco, Madame Pince saiu e Hermione continuava lá, o que era estranho, a bibliotecária era estritamente rigorosa e não deixava alunos na biblioteca sem a sua supervisão ou do Filch.

Esperou um tempo, para ver se a mulher iria voltar mas passados alguns minutos, o corredor continuava vazio.
Draco levantou-se e foi em direção a porta de entrada da biblioteca.

Hermione ouviu a porta da biblioteca ser aberta e pensou se tratar de Madame Pince que tivesse esquecido algo e não se importou.

Draco seguiu a passos silenciosos até a mesa em que Hermione se encontrava.

— Olá. — Disse chamando a atenção da garota.

Hermione levantou os olhos e virou-se, vendo Draco a sua frente.

— O que você quer Malfoy? Sabe que não pode estar aqui não é?

— Então por que você ainda está aqui já que Madame Pince saiu?

— Ela me deixou ficar mais um pouco. E de qualquer forma isso não é da sua conta! Agora dá o fora!

— Olha Hermione, vamos com calma tá.

— O que você quer Malfoy? Fala logo!

— Eu sei que isso tudo pode parecer muito estranho pra você. Mas eu quero que muito acredite em mim, independente de todas as coisas ruins que eu já te disse, e das quais eu me arrependo amargamente.

— O que você quer dizer com isso Draco? — Falou a garota interrompendo Draco.

— Deixa eu terminar, por favor. — Hermione manteve-se em silêncio, e Draco tomou como uma iniciativa para continuar. — Eu me lembro de cada coisa horrível que eu disse pra você, e eu te juro que eu não queria as ter dito, cada vez que eu te falava algo grosseiro ou sujo, uma parte do meu coração se desfazia. Por que assim eu estava te afastando mais de mim. E Hermione acredite, eu quero mais que tudo poder ficar com você. 

1 de Março de 2018 às 19:02 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo We need to talk

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 17 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!