Um Ômega Diferente Seguir história

larivalk Larivalk .

Em uma sociedade onde alfas estão no topo e são considerados reis, Bakugou quer mostrar que mesmo sendo um ômega, ele pode se cuidar muito bem sozinho, sem precisar de ninguém. Ele vai aprender com o passar do tempo as mudanças de seu corpo, e vai precisar lidar com o fato de que um certo alfa de cabelos esverdeados não sai de sua cabeça. Inspirado no mangá Abarenbo Honey .


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#My Hero Academia #Boku no Hero Academia #Bakugou Ômega #Bakugou uke #Midoriya alfa #Midoriya seme #Dekubaku #Bakudeku #Bakugo Katsuki #Midoriya Izuku #Bnha #Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
67
8.2mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

1

A sociedade era dividida entre 3 tipos de classes:

Ômegas — Pessoas submissas que tinham que obedecer a ordens dos Betas e dos Alfas, possuíam um charme natural e grande facilidade de seduzir seus parceiros. Eram considerados fracos se comparados as outras classes, ter uma menina Ômega era questão de orgulho para a família, as chances de arrumar um parceiro eram muito altas. Até mesmo casamento arranjados.

Enquanto um menino Ômega era visto como algo negativo, não era fácil que os mesmos achassem seus parceiros e também se negavam a obedecer às ordens dos outros, queriam ser independentes e mandar em seu próprio corpo. Alguns possuíam mais traços femininos e certa delicadeza pelo fato de serem ômegas, enquanto outros faziam de tudo para ficarem mais másculos. Sendo completamente diferentes de garotas ômegas.

Os ômegas eram os que mais sofriam pelo cio que possuía uma duração de 7 dias, além de soltarem feromônios fortes que atraiam principalmente alfas que muitas vezes perdiam o controle pelo cheiro irresistível. Era recomendável para que ômegas sem parceiro ficassem em casa na época do cio para evitar qualquer tipo de abuso. Esse tipo de coisa fazia com que pessoas ficassem relutantes em contratar ômegas para certos locais.

Betas — Eram um pouco mais fortes que os ômegas, mas não a ponto de confrontar um alfa, conseguiam empregos em cargos melhores, mas não importava muito se fosse homem ou mulher a personalidade de ambos eram completamente parecidas.

Diferente dos ômegas, o cio dos betas era quase nulo, conseguiam controlar perfeitamente seus estímulos a ponto de conseguirem sair de casa e trabalhar sem serem notados por alfas ou até outros betas. Entretanto jamais conseguiam seduzir ou estimular um alfa no cio como um ômega conseguia.

As famílias ficavam indiferente quando se tinha um Beta, era já esperado que o mesmo fosse bem-sucedido, o único, porém era a certa dificuldade de encontrar parceiro, o que resultava em betas se relacionando com outros betas, mas não era algo que a sociedade achasse ruim ou enxergasse com outros olhos.

Alfa — O sonho de consumo de qualquer família, eram considerados mais fortes, resistentes e tinham praticamente um ótimo futuro garantido. Os melhores cargos sempre eram para alfas, sem contar na grande facilidade de encontrar parceiros já que todos queriam se relacionar com um.

Seu cio era diferente, praticamente ativado em contato com outro cio assim podiam corresponder aqueles feromônios que estavam sendo soltos, muitos possuíam grande capacidade de controle quando estavam próximos de um ômega no cio, já outros perdiam completamente o controle e queriam de todas as formas marcar o ômega para si.

Muitos possuíam um gênio forte, não gostavam de ser afrontados e sempre que desafiados soltavam seus feromônios para que pudessem deixar os outros desconfortáveis a ponto de cederem a força do mais forte. Até mesmo acontecia entre alfas quando queriam disputar alguma coisa.

Seu poder sobre as outras duas classes era gigantesco, enquanto um Beta incomodava um pouco com sua presença, um alfa chegava a fazer com que alguns desmaiassem ou implorasse para que parasse de ser castigado com tanta pressão sobre si.

Também existia algo chamado de marca, alfas e betas podiam marca seus parceiros, um jeito de mostrar que aquela pessoa possuía um dono. Um jeito meio possesivo de impedir que outros se aproximassem de seu parceiro, a marca geralmente era feita na região do pescoço.

A marca basicamente ligava as duas pessoas, fazia com que ambas sentissem as emoções de seu parceiro, principalmente aquele que havia marcado, já que seus extintos e sentidos ficavam mais apurados e prontos para qualquer ameaça contra seu parceiro a fim de protege-lo. Podiam sentir o cheiro do parceiro a Km sem contar que sabiam quando o mesmo se encontrava em perigo.

Diferente do passado, agora era possível retirar a marca, já que muitos casais acabaram por terminarem seus relacionamentos. Logo foram feitas pesquisas de maneiras de se retirar, era um processo simples, mas um tanto doloroso. Basicamente o parceiro deveria morder a mesma região a fim de retirar a marca.

A mudança foi causada pelo fato de quando um alfa terminava com um ômega o mesmo não conseguia se relacionar com outros, já que sua marca sempre ativava de forma negativa quando outro alfa ou beta tentava se aproximar fazendo com que os ômegas ficassem muito feridos psicologicamente e fisicamente. Era injusto os alfas e betas, pelo menos os não marcados, poderem se relacionar com outros enquanto os marcados sofriam pelo resto da vida.

Mesmo havendo mais betas na sociedade do que alfas, era inevitável que os alfas controlassem os cargos mais importantes e possuíssem mais dinheiro, nasciam em berços de ouro e praticamente já tinham um futuro garantido em uma grande empresa, geralmente procuravam parceiros que possuíam uma linhagem de muita riqueza, era raro ver algum deles se relacionando com pessoas humildes.

Para ajudar os ômegas também fora criado um remédio que suprimia o cio, já que muitos demoravam a achar um parceiro e precisavam passar pela dor que o cio proporcionava isolados, o cio começava aos 15 anos e nessa mesma idade já se podia utilizar o remédio, assim além de controlar melhor os feromônios soltados também conseguiam saber a data exata que ele viria. Afinal, muitas vezes o cio aparecia antes do previsto o que resultava em situações perigosas. Entretanto o remédio não podia conter o primeiro cio, este era considerado forte demais para o remédio.

Katsuki Bakugou podia ser considerado um ômega rebelde, delinquente e sem nenhum tipo de futuro. Era um garoto explosivo e completamente agressivo que vivia entrando em brigas com Betas e Alfas para que pudesse mostrar que era mais forte que ambos, mesmo que fosse um ômega.

Desde muito cedo treinou seu corpo, com seus 1,75 de altura era um rapaz bastante másculo, mesmo sendo um ômega, jamais queria se submeter a ninguém então treinou para que conseguisse ter um corpo atlético, aos 15 anos já era conhecido pelos seus feitos. Possuía um belo corpo atlético e pouquíssimos traços ômega pessoas novas nunca achavam que ele era um pelo seu jeito de ser e seu corpo bem trabalhado.

Não importava a situação ele sempre se metia em briga, sempre voltava machucado para casa fazendo com que sua mãe, um ômega de gênio forte igual ao filho, brigassem, já que a mãe não aceitava o jeito do filho de agir tinha medo que o mesmo acabasse sozinho pelo mal comportamento e tudo o que menos queria era ver o seu menino sozinho no futuro.

Ao longo dos anos Mitsui, mãe de Bakugou, já tentara muitas vezes fazer o filho sair com alguns alfas que a mesma selecionava. Mas não importava, sempre que ela tentava apresentar algum alfa para o loiro explosivo, o mesmo acabava brigando e gritando para que o rapaz sumisse de sua vida. O que tornava cada vez mais difícil a situação de Mitsui.

Seu pai, Masuro não intervia, não queria forçar seu filho a ter algum tipo de relacionamento, se o mesmo queria ficar um rebelde sem causa e viver a vida solitariamente ele que lidasse com isso no futuro. Sua atitude neutra fazia com que a ômega ficasse mais irritada com o filho, afinal se ela não fizesse nada o garoto iria acabar montando uma máfia já cedo.

Apesar do loiro demonstrar ser um garoto selvagem e rebelde, seus gostos eram completamente peculiares, se tinha algo que Bakugou adorava era bichinhos de pelúcia, simplesmente adorava bichinhos de pelúcia, seu quarto era infestado com os mais variados bichinhos fofos que agradavam o loiro a ponto de ele parecer outra pessoa quando ganhava um novo, entretanto ninguém fora seus pais sabia desse gosto, jamais levaria ninguém para aquele quarto.

O que Bakugou não sabia que sua vida estava prestes a mudar, tudo graças a um belo alfa de cabelos esverdeados.

26 de Fevereiro de 2018 às 20:43 6 Denunciar Insira 8
Leia o próximo capítulo 2

Comentar algo

Publique!
sabonetao da nati sabonetao da nati
Finalmente eu achei essa fic, fiquei meses esperando. Já perdi quantas vezes eu li.
21 de Maio de 2019 às 08:21
Larivalk . Larivalk .
Cara eu botei no meu perfil, as demais contas que utilizo, sem contar que avisei no próprio social que tenho conta aqui :v
4 de Maio de 2018 às 15:37
Rosada LoconaDeToddy Rosada LoconaDeToddy
SENPAI SOU EU @RosadaLouca do SPIRIT ;---;
26 de Fevereiro de 2018 às 17:45
Rosada LoconaDeToddy Rosada LoconaDeToddy
SENPAI SOU EU @RosadaLouca do SPIRIT ;---;
26 de Fevereiro de 2018 às 17:45
Rosada LoconaDeToddy Rosada LoconaDeToddy
SENPAI SOU EU @RosadaLouca do SPIRIT ;---;
26 de Fevereiro de 2018 às 17:44

  • Bad Choice Bad Choice
    Mano, me diz que ela é a Lari, do social spirit, se não eu denuncio por plágio 3 de Maio de 2018 às 19:25
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 19 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!