Alguém Para Amar Seguir história

slowqueen

Sasuke não conseguia definir quando, mas ao longo daquela guerra algo havia despertado dentro dele, ver que aquela menina delicada, ingênua, carinhosa e corajosa, não havia mudado, mas sim acrescentado força, determinação, sensualidade, inteligência e principalmente beleza... Aquele misto havia encantado os olhos de Sasuke, ver o quão forte ela havia se tornado e saber que havia lutado tanto por ele, fazia brotar um sentimento bom dentro do peito de Sasuke... Não sabia quando, mas ao longo daquela guerra, havia percebido que não estava apaixonado por Sakura... percebeu que sempre a amou, mesmo quando criança, apenas não sabia o que aquele sentimento significava... Mas agora estava disposto a lutar por ele.!


Fanfiction Para maiores de 18 apenas.

#Drama #Universo Naruto #Haruno Sakura #Uchiha Sasuke #Amor #Romance #SasuSaku
17
7.3mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Bem Vindo de Volta

Fanfic / Fanfiction Alguém para Amar. - Capítulo 1 - Bem Vindo de Volta.



O fato da guerra ter acabado estampava sorrisos em todos os rostos de Konoha, todos estavam felizes, afinal, seus familiares voltaram da guerra, poucos baixas, poucas perdas, e apesar do hospital estar lotado, a cada dia que se passava mais e mais pessoas se recuperavam e voltavam para suas casa... Casas, muitas delas haviam sido destruídas, mas com todos se organizando e contribuindo a reconstrução já estava praticamente terminada, homens carregando enormes madeiras, cortando e encaixando portas e janelas, levantando novamente prédios caídos, pessoas desconhecidas sendo caridosas, contribuindo, ajudando uns aos outros sem esperar por nada em troca, tudo que queriam era voltar a ser a pacifica vila de Konoha...


Mas não era assim do distrito Uchiha, não havia pessoas na rua, conversas sobre como o dia estava bom, crianças correndo ou baldes de tinta espalhados pela calçada, não, o distrito Uchiha estava exatamente como antes, como Sasuke se lembrava.. vazio... em silencio... e solitário, extremamente solitário...

O belo homem dos olhos e cabelos negros levou o braço até a testa, e com este ele tirou o suor que havia em seu rosto, as mãos tão sujas de verniz quanto as roupas que vestia. Sasuke pegou-se pensando por um momento em onde estaria Naruto, afinal era ele o único que ajudava o Uchiha a reconstruir seu lar, mas como de costume, estava atrasado, Sasuke pensou se ele não teria atrasando-se de proposito, pois sabia que iriam colocar o novo telhado naquela manha, e a tarde teriam que pintar toda parte exterior da casa, provavelmente o loiro preguiçoso estava catabolizando o trabalho, e deixando a pior parte para o Uchiha, era justo, afinal Sasuke era o morador da casa, e não o loiro, o Uzumaki estava ajudando-o de bom grado...


Desde o fim da guerra e principalmente após a sua luta contra Naruto, quando finalmente foi convencido a voltar, via olhares amedrontados e pessoas o julgando, até mesmo dos antigos companheiros, muito pouco deles tinham a coragem, ou vontade, de lhe cumprimentar, mesmo que apenas por educação, havia dias em que Sasuke tinha que pensar para lembrar-se do porque estar ali, mas assim que via seus únicos amigos, lembrava-se instantaneamente... Aquelas pessoas que lutaram todos aqueles anos para traze-lo de volta, para dar a ele a família que tanto clamava aos céus... aquelas pessoas valiam aguentar o medo constante nos olhos de todos naquela vila...


Sasuke virou-se e olhou o resto do distrito, abandonado, com madeiras velhas, e casas arrombadas, algumas das paredes ao longo do corredor de casas ainda tinham enormes manchas de sangue... não que aquilo o incomodasse, apenas fazia Sasuke sentir-se apenas mais solitário. Sentou-se na varanda da casa que tanto dava duro para reformar, fechou os olhos e derrubou a cabeça para trás...

Lembrando-se do dia em que o time sete se uniu novamente, do dia em que Naruto finalmente pode cumprir sua promessa de traze-lo de volta... do dia em que seu antigo sensei pode ensina-lo que família não era apenas aqueles que partilhavam o mesmo sangue... do dia em que Sakura perdoou-o por todos seus piores erros e lhe sorriu....


" お帰りなさい "


Enquanto aquelas palavras tão simples saiam de seus lábios rosados...


" Okaerinasai "


Enquanto aquelas palavras que ele tanto desejava eram dirigidas á ele...


" Bem vindo de volta "


Aquelas palavras, que só ela poderia dizer, e que ele respondeu apenas em pensamento... Finalmente, ele tinha um lugar para onde voltar...


...Naquele dia, ele realmente pensou em acabar com a vida do loiro que chamava-o de amigo, depois de um longo e indeterminado tempo lutando com o loiro não só fisicamente, mas mentalmente também, lutando contra aquela vontade que tinha de ter um melhor amigo, alguém para ajuda-lo a suprir aquela solidão, a vontade de ter novamente pessoas ao seu redor, compartilhando momentos bons, vendo os risos descontraídos de Naruto, os ataques de fúria súbitos de Sakura e o terrível habito de se atrasar para tudo de Kakashi..

Sasuke definitivamente conseguiria aguentar todo aquele ódio em suas costas, era forte para isso, sabia que era forte para aguentar isso, mas em seu intimo, não o queria de verdade, queria poder ter uma vida compartilhada com pessoas que o amavam, que desejavam seu bem, queria voltar aos velhos tempos, poder sorrir de novo, queria poder ter seus antigos amigos de volta, queria aquela família tão diferente e defeituosa que haviam formado, aquela família que trouxe alegria para seus dias novamente, aquela família que nunca substituiria seus pais ou seu irmão, mas que de uma forma estranha, no fundo de seu peito sombrio tornara-se tão importante quanto... E ao mesmo tempo, queria livrar-se daquilo, de todos aqueles desejos que sabia que no futuro trariam a ele fraquezas...


Via Naruto caído no chão, aquele enorme ferimento exposto que eles compartilhavam estava deixando tudo mais simples em sua cabeça, no fim de tudo, toda aquela revolta, todos os problemas que ele tinha causado ao loiro não foram o suficiente para fazer o Uzumaki desistir dele... Admitir a derrota era muito pouco para o que ele teria que admitir a si mesmo... No fundo, ele não tinha a certeza de teria aguentado por tanto tempo quanto Naruto aguentou por ele... Queria poder ter tido mais tempo ao lado deles, queria poder mudar muitas coisas em seu passado... Mas naquele momento, quando sentia o carinho que o loiro tinha a lhe oferecer, sentia que faltava alguma coisa, era engraçado, como de todas as coisas, o que ele mais desejava naquele momento eram aqueles olhos verdes... E dê repente ela estava ali...

O corpo ferido, e as roupas pretas manchadas de sangue, a camisa com a manga arrancada mostrando sua pele branca, os cabelos rosados bagunçados com o vento e sujos de areia... e aqueles olhos verdes... aqueles enormes olhos verdes... Sakura estava parada a sua frente, com suas furiosas esmeraldas, dando mais uma vez tudo de si para poder ajuda-lo, para poder protege-lo...


Sasuke viu passar em sua mente a lembrança de sua primeira missão como time sete, quando escutou o grito da Haruno de longe, e colocou-se na frente dela para protege-la dos ninjas da nevoa, aquela mesma missão em que sem pensar se colocou na frente de Naruto e teve o corpo coberto por agulhas... do exame chunin, onde ela ficou ao seu lado e o apoiou quando Orochimaru colocou o selo amaldiçoado em seu pescoço, e quando ela mesmo sabendo que perderia sua vida protegeu Naruto e ele dos ninjas do som... Quando usou todo seu chakra num terceiro chidori e Naruto salvou-o de ser morto por Gaara e Shukaku...

Por alguma razão, Sasuke sentiu que todo aquele tempo esteve no extremo errado da lamina, ele não deveria ter apontando espada alguma para eles... deveria estar na frente dela em todos aquele momentos, protegendo-a de qualquer um que a ameaçasse... Como poderia continuar com aquilo? Com aquela farsa de que era superior... Se ela ao menos estivesse com os olhos fechados e o rosto virado... Mas não, ela não era mais aquela garota medrosa... Ela o encarava com aqueles enormes olhos verdes, quase desafiando-o a continuar com aquilo...


O nome dela saiu pela sua garganta antes mesmo que ele pudesse pensar em algo para dizer a ela, como era tolo, ela estava furiosa e ele não havia percebido tal detalhe... furiosa... Depois de todos aqueles anos e todos aquele erros, ele finalmente conseguiu deixa-la furiosa...


"Me desculpe... Por tudo o que fiz."


Ele a viu tentar, mas as lagrimas logo rolaram seu rosto, e pela primeira vez, ele não se sentia culpado por isso, ele sentia-se aliviado, pois sabia que ela sinceramente estava deixando tudo para trás com aquelas lagrimas... A libertação de todas as pessoas presas foi cansativo, mas ele teria que aguentar tudo aquilo... apenas não sabia como, não sabia como olharia para todos, não sabia se teria coragem de volta a aquela vila, sabia que naquele momento todos estavam voltando a si e em todas aquelas pessoas, ninguém lutaria por ele, em seu intimo sabia que todos se voltariam contra ele e por um momento perguntou-se se seria capas de aguentar aquele ódio...


Sentiu aquele cheiro adocicado lhe cercar, e os braços finos passarem por debaixo dos seus, baixou a cabeça deixando os cabelos negros lhe cobrir os olhos e tudo que ele pode ver foram aquelas delicadas mãos segurando sua roupa com força, podia sentir o corpo dela colado ao seu, e lembrou-se do quão pacifico era a sensação que aquele abraço lhe trazia... Ela era como um remédio para sua solidão... Aquele abraço era a única coisa que havia conseguido para-lo antes, e pelo jeito, ainda era a única coisa que conseguia para-lo agora... Aqueles braços confortáveis lhe arrancaram do meio de todas as suas duvidas e lhe trouxeram uma única certeza... Ele não estava mais sozinho...


Acordou de seus profundos pensamentos quando escutou aquela voz ao fundo, abriu os olhos e pode ver aquela mulher que tanto o acalmava aproximando-se lentamente... pedindo permissão para continuar. Aquele era o distrito Uchiha afinal, ninguém deveria entrar naquele lugar... Ele levantou-se e esperou ela se aproximar, vestindo as roupas que costumava usar no hospital, ele não pode não reparar no obentô delicadamente embrulhado em um lenço rosa que ela trazia nas mãos...


— Bom dia Sasuke.


Ela falou com um sorriso no rosto, mas ele não respondeu, apenas limitou-se a soltar um "humpf", e apesar disso ela não parecia incomodada com a falta de resposta, estava acostumada a não ser respondida, ou talvez, feliz de mais que ele estava ali, foi um longo tempo que ele havia ficado fora naquela vez... Suas idas e vindas pareciam cada vez mais distantes umas das outras... Algo tão bobo não a incomodaria de qualquer forma, ela continuou...


— Kakashi pediu a Naruto para fazer algumas coisas para ele esta manha, então ele não pode vir, eu mesma vim trazer seu almoço...


Ela entregou-lhe o pequeno embrulho, e Sasuke pegou virando-se e entrando na casa, sabia que era ela quem os preparava, mas nunca tinha recebido de suas próprias mãos, diariamente Naruto trazia dois almoços, e um deles sempre tinha o nome de Sasuke, ele virou-se e viu a mulher parada ainda na rua o olhando, ela não entraria até ele se pronunciar...


— Entre...


Disse bruscamente, mas ela não se importou com o tom de voz, subiu o pequeno degrau e tirou os sapatos entrando no local, caminhou calmamente pelo corredor atrás dele, quando o homem finalmente entrou na cozinha e sentou-se diante da baixa mesa de madeira, ela encantou-se com a pia... lá estavam os vários potinhos em que ela havia lhe mandado seu almoço, todos lavados e empilhados, com os lenços de varias cores dobrados a sua frente, ela caminhou até a mesa e sentou-se em sua frente, enquanto tentava inutilmente disfarçar o sorriso em seu rosto.


Ele desamarrou o nó do pano e dobrou-o colocando ao lado do braço protético que Tsunade havia levado algum tempo aperfeiçoando, tirou a pequena tampa e começou a comer, em silencio e sem olhar para ela, não sabia o porque, mas não queria olha-la. Apesar de estar sempre sorrindo, mandando seu almoço por Naruto, pedindo a todos para dar a ele mais uma chance, ele sentia que ela estava diferente, distante... Não conhecia essa Sakura distante... era como ela o tratava, com distancia, evitava encontrar com ele, sempre que o Uchiha chegava ela dava um jeito de se afastar, ele imaginou por um momento o quão difícil estaria sendo para ela estar ali, não podia deixar de perguntar-se mentalmente se isso era por ele não ter deixando-a ir junto com ele na primeira vez que partiu... Levantou os olhos e discretamente olhou para ela, Sakura estava com as mãos uma sobre a outra na mesa e a cabeça baixa, ele não conseguia reconhecer essa Sakura distante, mas uma coisa não havia mudado, em todos aqueles anos afastados, aquela vermelhidão em seu rosto permanecia a mesma, toda vez em que ele se aproximava, podia ver seu rosto ficar gradativamente mais vermelho...


— Naruto disse que estão reformando duas casas... - Ela começou...

— Sim. Fica a poucas casas daqui...

— Ele não entende o porque... - Apesar de estar falando, seu rosto ainda estava baixo, escondido entre os cabelos coloridos...

— Quando voltei a Konoha, este lugar estava inabitável como você sabe... - O Uchiha explicava sem olha-la também... - Naruto me ofereceu para ficar na casa dele aquelas semanas, a casa dele é pequena, escura, suja e com cheiro a mofo... Eu vou dar aquela casa que estamos reformando para ele...

— Um Uzumaki vivendo no distrito Uchiha?

— Esse lugar é enorme, e ele paga para morar naquele lugar horrível...

— Eu pensei que você iria reconstruir seu clã... - Ela ficou ainda mais vermelha ao concluir a frase...

— Mesmo que eu e minha futura esposa começássemos amanha, levaria anos para essas casas serem uteis... Além do mais... eu posso estar fazendo isso apenas para não me sentir sozinho nesse lugar...


Sakura bateu as mãos na mesa e debruçou-se sobre esta, com os olhos decididos e uma voz forte, ele quase assustou-se com a reação dela, mas tinha que admitir a si mesmo... ela ficava linda com as bochechas vermelhas misturando-se com aquele ar firme que emanava dela...


— Você nunca vai estar sozinho, eu nunca deixarei que você se sinta sozinho de novo.


Sasuke escorou o rosto sobre a mão e o cotovelo na mesa, sorriu com o canto de sua boca e ergueu a mão, tocando o queixo dela e sentindo ele tremer ao seu toque, e em um tom provocante e involuntariamente sexy ele disparou...


— Seu futuro marido não iria gostar nada de ouvir isso...

26 de Fevereiro de 2018 às 19:45 0 Denunciar Insira 2
Leia o próximo capítulo Os Portões da Vila

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 4 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!