pelleco Ageu Caetano Da Silva

Adam cresceu ouvindo histórias sobre um Homem de Neve que supostamente vivia na floresta e contava histórias para quem o encontrasse. Mas quando ele finalmente encontra o misterioso personagem, descobre que ele é muito mais do que uma simples lenda. Com essa descoberta chocante, Adam se vê diante de uma série de questionamentos sobre a natureza humana e o papel do Homem de Neve nela.


#13 em Suspense/Mistério #4 em Distopia Todo o público. © Todos os direitos reservados a minha pessoa. Tudo escrito e pensado pelo autor Ageu Caetano da Silva. Nada escrito aqui pode ser copiado, armazenado, divulgado como de sua autoria ou qualquer outro tipo de ação que viole os Diretos de minha autoria.

#horror #sobrenatural #suspense #terror #misterio
36
20.0mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Cap. 1: Neve de Sangue

A floresta de Sullivan ao norte do Canadá era um lugar desolado e perigoso, onde poucos se aventuravam. O frio intenso e a neve que cobria tudo durante grande parte do ano tornavam a região inóspita e hostil. Mas, mesmo assim, havia quem ousasse desafiar a natureza e viver naquelas terras geladas.


O Homem de Neve era um desses indivíduos. Ele não se lembrava de quando tinha surgido, nem de onde tinha vindo. Apenas sabia que passava seus dias contando histórias para quem quisesse ouvir. Sentado em uma cadeira no meio da floresta, ele aguardava pacientemente por seus ouvintes, que raramente apareciam.


Um dia, porém, um jovem de cabelos escuros e olhos verdes adentrou a floresta. Seu nome era Adam e ele estava em busca de aventura. Ao se deparar com o homem de neve, ficou fascinado pela figura estranha e decidiu se aproximar.


O homem de neve não disse nada, mas seus olhos brilharam com interesse ao ver o rapaz. Era raro encontrar alguém disposto a ouvir suas histórias, ainda mais alguém tão jovem e corajoso.


Adam sentou-se em frente ao homem de neve e perguntou-lhe sobre si mesmo. O homem de neve sorriu e começou a contar sua história.


– Eu sou um homem de neve – disse ele, com voz suave e calma.

– Vivo nesta floresta há muitos anos, contando histórias para quem quiser ouvir.


– Que tipo de histórias? – perguntou Adam, curioso.


– Histórias sobre a sociedade – respondeu o homem de neve. – Sobre como ela é cruel e desumana. Como as pessoas são capazes de fazer coisas terríveis umas às outras.


Adam se assustou um pouco com o tom sombrio da conversa, mas continuou ouvindo.


– Já ouvi falar de você – disse ele.

– As pessoas da cidade perto daqui contam histórias sobre um homem de neve que vive nesta floresta. Dizem que você é uma lenda.


– E sou mesmo – respondeu o homem de neve, com um sorriso estranho nos lábios. – Mas as lendas têm sempre um fundo de verdade, não é mesmo?


Adam não sabia o que pensar. O homem de neve parecia inofensivo, mas suas palavras ficavam cada vez mais pesadas e perturbadoras. Ele começou a se perguntar se havia tomado a decisão certa ao se aproximar daquela figura estranha.


Foi então que uma mudança brusca aconteceu no clima. O céu escureceu de repente e a neve começou a cair com mais intensidade. Adam percebeu que o homem de neve estava começando a se desfazer, como se estivesse derretendo.


– O que está acontecendo? – perguntou ele, alarmado.


O homem de neve soltou uma gargalhada macabra e apontou para a neve que cobria o chão.


– É neve de sangue – disse ele.


Adam se afastou do homem de neve, horrorizado. A neve que antes era branca e pura agora estava manchada de vermelho, como se fosse sangue.


– O que é isso? – perguntou ele, sem conseguir desviar os olhos da cena macabra.


O homem de neve não respondeu de imediato. Parecia estar se divertindo com a reação assustada do jovem.


– É neve de sangue – repetiu ele, com um sorriso estranho nos lábios. – Só aparece quando as pessoas más se aproximam daqui.


Adam se lembrou das histórias que ouvira sobre o homem de neve, de como ele retratava a humanidade como cruel e desumana com seus semelhantes. Seria essa a explicação para a neve manchada de vermelho?


– O que você quer dizer com "pessoas más"? – perguntou ele, desconfiado.


O homem de neve deu de ombros.


– Você sabe do que estou falando – respondeu ele. – Pessoas que fazem mal aos outros sem nenhum motivo, que não se importam com a dor alheia. Pessoas que merecem ser punidas.


Adam sentiu um frio na espinha ao ouvir aquilo. O homem de neve parecia estar se referindo a ele, como se soubesse de algo que o jovem não sabia.


– Eu não sou uma pessoa má – disse ele, tentando se defender.


O homem de neve sorriu.


– Talvez não você – disse ele. – Mas há muitas outras pessoas más lá fora. Pessoas que merecem ser punidas.


Adam percebeu que estava em perigo. O homem de neve não parecia estar brincando, e a neve manchada de vermelho só aumentava a tensão do momento.


– Eu preciso ir embora – disse ele, levantando-se da cadeira. – Obrigado pelas histórias, mas eu tenho que ir.


O homem de neve não tentou impedi-lo. Apenas ficou observando enquanto Adam se afastava, com a neve manchada de vermelho sob seus pés.


Adam saiu da floresta correndo, sentindo-se aliviado por ter escapado daquele lugar assustador. Mas algo em sua mente o incomodava, como se ele tivesse deixado algo importante para trás.


Enquanto isso, o homem de neve continuava sentado em sua cadeira, observando a neve manchada de vermelho. Ele sabia que aquela neve significava que havia pessoas más por perto. E ele estava disposto a puni-las.






16 de Março de 2023 às 12:01 2 Denunciar Insira Seguir história
15
Leia o próximo capítulo Cap. 2: Noite feliz

Comente algo

Publique!
Daniel Trindade Daniel Trindade
Saudações! Faço parte da Embaixada Brasileira do Inkspired. Estou aqui para lhe parabenizar pela Verificação de sua história. Espero que ela seja prestigiada por muitos leitores aqui em nossa comunidade. Sucesso e felicidade em sua arte! ♡
March 26, 2023, 18:26

~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 5 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!