Mãos Dadas Seguir história

vanychan734 Vany-chan 734

O primeiro contato romântico entre Sakura e Sasuke após ele voltar de sua redenção. Nada como um beijo, mas tão significativo quanto.


Fanfiction Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#Sakura #Sasuke #SasuSaku #Naruto
4
7.0mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único - Mãos Dadas

Sasuke que observava as atitudes de Sakura de longe durante o dia, passou a observá-la durante a noite também, na sua saída do hospital.

O Uchiha tinha adquirido - durante suas observações, às escondidas - o hábito de ativar o sharingan e estudar as linhas de chacra dela, descobrindo que haviam dias nos quais estavam mais desgastadas, assim como o seu semblante.

Semanalmente, a via caminhar até sua casa lentamente, provavelmente pelo cansaço, já que as linhas de chacra dela ficavam finas após seus turnos, ou seja, devia usar bastante chacra para cura durante sua atividade médica.

Passaram quase duas semanas, apenas observando na escuridão, quando sentiu a necessidade de se aproximar mais. Só olhar não bastava. Assim, decidiu acompanhá-la até sua casa, numa noite particularmente fria e estrelada, e esperou - apoiado em um tronco de árvore em frente ao hospital - a rosada sair pela porta de vidro do lugar, com o mesmo semblante cansado até iluminar-se ao vê-lo ali.

- Sasuke-kun? - perguntou incerta, após reconhecer as orbes vermelhas dele.

A Haruno observou-o desativar o sharingan, enquanto caminhava até ela e depois continuar a caminhada, seguindo pela estrada.

Em um misto de surpresa e alegria, Sakura estava paralisada. Não sabia bem o que fazer, até o momento que o viu parar de andar e olhar por sobre o ombro para ela, como se fosse um convite para acompanhá-lo, ela sorriu animada e correu até ele, caminhando ao seu lado em silêncio.

Ele mantinha a postura calma, com as mãos nos bolsos e observava-a de soslaio. Sakura chutava pequenas pedras pelo caminho e passava constantemente as mãos pelos fios rosas.

O moreno sabia, com certeza, que a mulher estava nervosa.

Sim, mulher. Sakura estava nos auge dos seus vinte anos, tinha ganhado um pouco mais de busto, mas nada que realmente mudasse seus seios, deixando-os grandes, tampouco medianos.

Ninguém realmente notaria a diferença - por ser tão pouca -, somente ela - a qual deveria estar realizada com a mudança, já que os seios minúsculos lhe incomodavam - e, especialmente, ele. Um exímio observador, ainda mais quando se tratava dela.

Ele se perguntou se preferia seios fartos, como os de Hinata - os quais eram perceptíveis pela protuberância - ou pequenos, como os da Haruno. Essa era a primeira vez que pensava no assunto, afinal, durante sua vida, tinha outras prioridades e não pensava em "mulheres". Assim não sabia dizer seu próprio gosto, mas imaginou que seios grandes deveriam incomodar em momentos como abraços ou corridas.

Sua auto reflexão foi interrompida pelo barulho de uma palma de Sakura.

A garota se encolheu instintivamente e sorriu, como um pedido de desculpa.

- Um mosquito estava me incomodando... - justificou desviando o olhar dele e fitando suas próprias mãos entrelaçadas.

- Hum - ele resmungou.

Após isso, a caminhada continuou em silêncio. Foi então que Sakura percebeu que ele estava fazendo o caminho para sua casa.

Ele a acompanhava. Não o contrário.

Sentiu seu peito aquecer e sorriu amável para ele.

O homem ao seu lado tinha o mesmo rosto impassível, porém os olhos transmitiam certa curiosidade. Intrigava-o o porquê dela estar sorrindo daquela forma para ele, pois não era um simples sorriso, era um sorriso caloroso. Que só ela sabia lhe dar. Sentiu-se estranho e não soube reconhecer o motivo.

Eles chegaram à casa dela e fitaram juntos a porta. A rosada não sabia o que dizer, se o agradecesse ele iria embora, e não queria que partisse tão rápido, se convidasse para entrar ele recusaria, por fim olhou para ele e falou:

- Sasuke-kun, por que você me acompanhou? - ela olhou seus olhos negros de forma intensa.

- Por que não? - ele respondeu tão vago quanto podia.

Ela franziu as sobrancelhas frustrada.

- Vá dormir, precisa descansar - ele virou-se e caminhou de volta pela estrada.

- Sasuke-kun, vai me acompanhar amanhã? - questionou incerta novamente.

- Hum - foi tudo o que ele respondeu.

Ela entendeu que seu "hum" era um "sim", enquanto o olhava meia chocada, por ele agir daquela forma subitamente, meia alegre, por ele se preocupar consigo.

Abraçou a si mesma instintivamente.

Ao abrir a porta da casa, se deparou com Mebuki dormindo sentada em uma poltrona verde da sala, com um livro no colo. Sakura riu da mãe, a qual sempre a esperava voltar de seus turnos naquela poltrona.

- Mãe - chamou, tocando-lhe o braço e retirando o livro do seu colo.

- Sakura... - ela reagiu sonolenta.

- Mãe, já disse que não precisa me esperar... vamos, vou leva-la para seu quarto.

- Ai, como você é rabujenta! - Mebuki reclamou sonolenta.

Sakura sentiu uma ponta de irritação, mas controlou-se para não xingar a mãe. A jogou por sobre os ombros e a levou para o quarto, colocando-a cuidadosamente na cama, para não acordar o pai, o qual roncava alto.

Depois, se voltou para o corredor e lançou as sandálias nele, caminhou para o banheiro, tomou um banho rápido, aliviando a tensão do dia, e em seguida foi para o quarto, se jogando na cama de solteiro.

Olhava o teto e sorria ao lembrar do Uchiha que a esperava do lado de fora do hospital. "É um dia frio, ele podia ter um resfriado depois..." pensou zelosa na saúde do amado.

Dormiu sorrindo, pouco tempo depois.

                                                                   (...)

Nos dias seguintes, a situação se repetia: Sasuke passou a acompanhá-la de volta para casa, causando-lhe uma sensação extremamente confortável.

Em alguns dias, as conversas entre eles se desenrolavam consideravelmente - normalmente sobre o dia da rosada, o qual ele aparentava muito interesse -, porém em outros, eram caminhadas silenciosas. Isso durou por dez dias, até ela ser surpreendida.

Por acaso, o braço direito dele tocou levemente o braço esquerdo dela, roçando um pouco as peles, enquanto caminhavam.

Sasuke notou o contato, sem demonstrar reação, não fazendo esforço para continuar ou cessar o toque. Já Sakura, ficou totalmente rubra e fitou o chão, fazendo as mechas de seu cabelo cobrirem a face, escondendo-se.

Sasuke sorriu levemente, por reconhecer facilmente que era esse o poder que tinha sobre a kunoichi ao lado.

- Sakura - ele chamou - chegamos.

As despedidas entre eles não tinham se tornado menos embaraçosas, porque ela nunca sabia ao certo o que fazer, mas naquele dia resolveu agradecê-lo.

Sasuke a olhou por alguns instantes - que para ela foram horas eletrizantes - e depois fez seu caminho de volta.

Reconhecia o amor dela, e não sabia como retribui-lo, mas tentava ao máximo não magoá-la, demonstrando sempre respeito para com os sentimentos dela. Entretanto, não aceitava o fato dela agradecer pelos pequenos gestos dele, pois quem deveria agradecer era ele, já que ela sempre o esperou e estimou, mesmo após ele quase matá-la... seu sentimento era sublime demais e ele se sentia culpado por não poder retribuir da forma correta.

Antes de voltar para Konoha, pensou em se afastar e deixá-la livre para viver outro amor - e até tentou essa tática, quando chegou na Vila - mas só a fez sofrer mais por tê-la ignorado. Isso foi o que Kakashi e Naruto lhe disseram, além dele mesmo a ver quase chorar ao reconhecê-lo, no dia seguinte a sua chegada, na multidão da Aldeia. Logo, decidiu empenhar-se em nunca mais magoá-la, pois Sakura merecia muito mais dele.

Na noite seguinte, Sasuke a esperou como nas outras vezes, porém nessa percebeu a mulher mais quieta que o normal.

- Sakura, está tudo bem?

- Ah - ela pareceu sair de um transe - sim! Só estou pensando...

Ele assentiu e continuou caminhando.

Então, foi surpreendido: Sakura tinha aproximado seu braço do dele, tencionando tocar-lhe a mão.

Devagar, ela abriu seus dedos, roçando na mão dele, e percebeu anestesiada, que ele fazia o mesmo. O Uchiha abria os dedos da mão, deixando-a se aproximar.

Aquele pequeno - grande - gesto fez o coração da Haruno acelerar e ela tomar coragem para continuar o toque! Sobrepôs sua mão na dele, e fechou os dedos delicados, aproveitando o contato estabelecido.

Não era só um aperto de mãos. Era muito mais. Sasuke estava se abrindo para ela. Conseguia desvendar certas atitudes dele com maestria.

Sasuke sentiu a mão delicada e quente sobre a sua, e a apertou delicadamente, podendo observar o sorriso enorme ocasionado na ninja. Pensou que a mão dela encaixava-se perfeitamente na sua e sorriu levemente.

Eles andaram daquela forma até a casa dela, e novamente a despedida embaraçosa chegou.

Sakura não queria que o toque cessasse, muito menos Sasuke. Tinham apreciado o contato em conjunto, tanto que ainda se mantinham conectados.

A Haruno sabia que convidá-lo para entrar ainda estava fora de cogitação. Só as mãos dadas foram um grande avanço e era melhor não estragar a noite.

Sasuke permaneceu parado em silêncio. Não se atreveria a dar boa noite primeiro e partir, afinal queria deixá-la confortável com a relação deles, assim seria ela a ditar o momento do adeus.

Ela pareceu entender isso, quando percebeu que ele não faria a despedida. Então, olhou para as mãos unidas e depois para ele. Podiam passar o dia - aliás, sua vida inteira - daquela forma, que ela sentiria-se plenamente feliz.

Ela mexeu a mão, fazendo os dedos deles se entrelaçarem, enquanto olhava fixamente em seus olhos. Sasuke correspondia ao toque e ao olhar intenso.

Ficaram minutos se encarando, até serem interrompidos pelos gritos de Mebuki, a qual estava pendurada na janela da casa.

- Sakura! Para de namorar e vem logo pra casa, menina! Eu estava preocupada contigo e você paquerando na rua! Entra logo nessa casa!

Sasuke fez uma cara de desgosto pelos gritos desnecessários da mãe de Sakura e observou ela ficar vermelha, não soube distinguir se de raiva ou vergonha. Optou pelo mais sensato: os dois.

A rosada queria sair correndo dali, porém isso causaria na ruptura do gesto deles, atraindo sua atenção para o rosto do amado novamente. Dessa vez, a pacificidade não estava mais lá e sim uma expressão desgostosa.

"Ah, mamãe, hoje você vai me ouvir..." pensou rancorosa.

- Sakura - ele chamou a atenção dela.

Ela fitou-o curiosa. Estaria indo embora depois desse escândalo?

No entanto, ele apenas apertou seus dedos, transmitindo-lhe confiança e carinho.

- Sasuke-kun - sentiu os olhos umedecerem e chorar em seguida.

Ele queria tocar-lhe a testa, como sinal de que estava tudo bem, mas isso implicaria cessar o contato entre eles - já que só possuía um braço - e estava decidido a não fazê-lo.

Observou ela limpar os olhos com as costas da mão direita e pedir desculpa.

- Não precisa se desculpar por isso - disse sincero, porém soou repreensivo.

Ela encolheu os ombros e desviou o olhar.

Ele apertou novamente os dedos dela, como conforto. O que deu certo. Ela sentiu-se amada. Pela primeira vez, sentiu-se verdadeiramente amada por ele.

Sorriu amavelmente e no calor do momento, desfez a união e jogou seus braços sobre o pescoço dele, puxou-o para si, abraçando-o carinhosamente. Sasuke demorou para retribuir esse toque, mas depois de segundos tocou-a levemente nas costas. Logo, ela se separou percebendo seu deslize e envergonhada correu para dentro de casa, dizendo:

- Desculpe, Sasuke-kun! Até amanhã! - já subentendendo que ele a buscaria como nos outros dias.

O Uchiha observou ela entrar correndo na casa e fechar a porta com um estrondo, depois olhou para sua mão e sorriu levemente, ainda sentindo o formigamento na palma, na região em que ela lhe tocou. Abaixou o braço e refez o caminho para sua casa.

Sakura, por sua vez, fechou a porta e deslizou sobre ela, com a mão direita sobre o peito, como se segurasse seu coração para que ele não atravessasse sua caixa toráxica. Fechou os olhos e sorriu pensando no grande salto que a relação deles tinha tomado naquele dia.

Sentiu-se tão realizada que se esqueceu de brigar com Mebuki pelo constrangimento anterior, caminhando pacificamente até o quarto, onde se jogou na cama e não conseguiu dormir. A mente estava a mil, não conseguiria descansar, pois cada vez que piscava conseguia ver o rosto do amado e sentia o calor dos dedos dele nos seus. Virou a noite acordada, e foi para o hospital no dia seguinte, sem nenhum cansaço, afinal seu espírito estava revigorado como nunca.  

25 de Fevereiro de 2018 às 20:06 3 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Vany-chan 734 Fada do Fluffy e maluca dos angst. Luto pelo fim dos leitores fantasmas, por SasuSaku e por ShiIta, meus OTPs! "KakaSaku - Uma Chance para Nós" não será repostada aqui até ter sido devidamente betada, assim como "O Caminho que Trilhamos".

Comentar algo

Publique!
Quézia Cristina Quézia Cristina
Não consigo não gostar de SasuSaku, eles tem um relacionamento muito interessante! Até no anime mesmo, a Sakura poderia ter desistido que ninguém julgaria, até dariam razão a ela pelo tanto que o Sasuke pisoteou nos sentimentos dela. Mesmo que fossem sentimentos ainda imaturos, na cegueira do ódio ele fez muita besteira principalmente em relação a ela. Mas a idéia dela passar por cima de tudo e ser capaz de perdoá-lo sempre me pareceu tão linda... A Sakura sempre teve um coração muito bom e o Sasuke aaaah se disser que ele não foi seu crushzinho na primeira temporada do clássico mentiu hahahaha ele sempreme encantou, a história, tudo. Mesmo quando tava fazendo besteira não dava pra não dar certa razão a ele :3 to tagarelando já, só queria dizer que amei de montão! bjus Eu volto hein hihihihhih
27 de Fevereiro de 2018 às 11:43

  • Vany-chan 734 Vany-chan 734
    OLAAAAR! AH, pra mim é sempre uma surpresa e uma delicia ganhar comentários, principalmente quando eles são textões assim! Bom, eu amo SasuSaku desde que eu era uma pirralha de 8 anos que assistia o Naruto Clássico, então como virei autora, por que não explorar essa delicia? HAHAHAH Sasuke sempre foi meu crushzinho, MAS QUANDO EU VI O ITACHI CHOREI (não disse por onde kkkkkkk) enfim, eu gosto do romance deles e gosto de explorar isso na melhor fase deles. Enfim, se sinta sempre bem-vinda para voltar às minhas fics, eu amo esse tipo de interação! 27 de Fevereiro de 2018 às 15:49
  • Vany-chan 734 Vany-chan 734
    OLAAAAR! AH, pra mim é sempre uma surpresa e uma delicia ganhar comentários, principalmente quando eles são textões assim! Bom, eu amo SasuSaku desde que eu era uma pirralha de 8 anos que assistia o Naruto Clássico, então como virei autora, por que não explorar essa delicia? HAHAHAH Sasuke sempre foi meu crushzinho, MAS QUANDO EU VI O ITACHI CHOREI (não disse por onde kkkkkkk) enfim, eu gosto do romance deles e gosto de explorar isso na melhor fase deles. Enfim, se sinta sempre bem-vinda para voltar às minhas fics, eu amo esse tipo de interação! P.S: se vc tiver conta no Nyah, pode me favoritar lá, que tem muitas mais fics do que aqui no Ink. É isso. Um beijão no coração <3 27 de Fevereiro de 2018 às 15:49
~