anneclaksa Anne Claksa

A terceira e última parte das fundações das nações pelos deuses olímpicos. Esta história será bem movimentada, além de mais países sendo fundados, tem o envolvimento dos deuses nas duas guerras mundiais e a ação de uma vilã, que é considerada até hoje "A Deusa mais temida do mundo". ..................................................................................................................................................... — Aviso!!! Esta história contém fatos históricos, porém, não foram descritos como aconteceram realmente. O Holocausto, as bombas atômicas e as guerras mundiais são citados aqui. Este aviso é para aqueles que são sensíveis ao tema e por isso esta história pode parecer pesada. [História também postada no Nyah! Fanfiction : https://fanfiction.com.br/historia/808398/A_Familia_Olimpiano_e_suas_nacoes_-_Parte_3/]


Drama Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#romance #fantasia #segunda-guerra #primeira-guerra #polônia #irlanda-do-norte #cingapura #guerra-fria
2
23.3mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Stanley e Delayoh

Os cabelos negros, os cristais azuis, o sorriso, a voz. Não havia como negar, Stanley estava encantado por Delayoh. Quando a viu sentiu seu coração bater mais forte, seus olhos azuis elétricos brilhavam, e quando ouviu o seu nome, não conteve o sorriso. Encontrou o amor de sua vida 113 anos depois.

Porém, não vai se declarar logo, a deusa alemã é reservada e discreta, não gosta de atos repentinos e ela poderia se assustar ou achar que era uma afronta. Então, o deus americano decidiu que a melhor forma de se aproximar de Delayoh era conversando. E foi isso que fez.

Um dia foi até a casa dela em Berlim, ele foi recebido por Hera.

— Stanley, que surpresa meu sobrinho. Qual motivo de sua honrosa visita? — Perguntou Hera.

— Olá, tia Hera. — Cumprimentou Stanley. — Vim conversar com Delayoh e a convidar, claro se ela quiser, para um passeio.

Nesse instante, Stanley notou uma música que tocava e perguntou que música era aquela. Hera respondeu que a melodia vinha do andar de cima, pois, sua filha estava dançando ballet, o que deixou Stanley mais encantado. Ela disse que iria falar com a filha e pediu para ele aguardar.

Em um quarto grande, Delayoh fazia alguns passos de ballet, a cada passo que fazia, parecia flutuar; seus longos e negros cabelos estavam soltos e acompanhavam cada movimento. Hera ficava admirada ao ver a filha dançar e também admirava a sua beleza, como ela é belíssima. Gerou sozinha a filha perfeita.

Mutter. A quanto tempo está aí? — Perguntou Delayoh, assim que parou de dançar.

— Não faz muito tempo, meine totcher. — Respondeu Hera. — Eu estava vendo e ficando maravilhada com a sua dança. Tens talento.

Danke. Mas não vieste aqui apenas para me elogiar.

— Eu vim aqui para dizer que o Stanley está na sala, ele veio te convidar para um passeio.

— O Stanley está aqui e quer me convidar para um passeio? Por qual motivo ele quer fazer isso?

— Eu desconfio que ele gosta de você, posso dizer até que ele está apaixonado por você, meine totcher.

— Apaixonado por mim? Ora, mutter, é apenas impressão sua. Afinal, eu e Stanley nos vimos apenas uma vez na minha coroação, não tem como ele estar apaixonado por mim.

— Devo discordar, pois, é isso que vejo nele, quando falou de você, os olhos dele brilharam e mal conseguia disfarçar o sorriso. Também reparei que tu gostaste dele, via seu sorriso, os dois dançando. Estavam se dando muito bem. Então, vai aceitar o convite dele?

Com o que Hera falou, Delayoh sentiu as bochechas ruborizarem e sorriu. Ela disse para avisar Stanley que ela aceitava o convite, só iria trocar de roupa e já ia descer. Hera avisou ao deus americano, que ficou aguardando. Depois de algum tempo, Delayoh surgiu altiva, ela usava um vestido rosa reto, decorado com uma fita de seda e uma flor. Enquanto ela descia a escada, Stanley estava fascinado, seu coração batia mais forte.

Guten tag, Stanley. É um prazer o receber aqui e também será um prazer o acompanhar nesse passeio. — Disse Delayoh.

— Oi, Delayoh. — Disse Stanley. — Também será um prazer fazer esse passeio com você. Então, vamos?

— Vamos. Ah, mutter. Se alguma notícia vier das colônias alemãs na África, você pode as receber e depois passar para mim?

— Claro, totcher. Aproveite o seu passeio. — Disse Hera.

Os dois saíram e deram uma volta na praça. Conversaram muito, sobre diversos assuntos, seus países, seus pais, suas manias e jeitos de ser. Sorrisos eram trocados, risos eram dados. Estavam mais próximos. Stanley tirou uma folha que havia caído no cabelo de Delayoh, se olharam nos olhos, como se sentissem a ligação entre eles.

...

Já havia anoitecido, Delayoh estava em seu quarto, penteando seus cabelos e Stanley estava em seus pensamentos. Como gostou de estar na companhia dele, das risadas que deram juntos, de como foi atencioso ao tirar a folha do seu cabelo. Ela pode até não admitir, mas começava a sentir algo pelo deus americano.

...

Delayoh havia percebido que Stanley estava apaixonado por ela e que queria se declarar. Com o tempo, o mesmo sentimento crescia dentro dela, mas não falou diretamente, primeiro ela precisava ter certeza do que estava sentindo. Foi então que foi surpreendida, Stanley mandou uma mensagem austral, a convidando para um passeio, pois, precisava falar com ela. Delayoh sugeriu que se encontrassem na floresta negra. Se encontraram e Stanley era pura ansiedade.

— Então, você disse que queria me falar algo? — Perguntou Delayoh.

— Sim, mas não sei se vou conseguir falar, estou muito nervoso. — Disse Stanley.

— Pode falar, não tenha medo.

— Eu estou completamente apaixonado por você, Delayoh.

Was?

— Achei que era um sentimento passageiro, mas esse amor foi crescendo, crescendo e tomou conta do meu coração, não tem um dia que passe sem pensar em seus cabelos negros, longos e sedosos, do seu perfume de rosas, em sua boca, nos seus olhos que são como cristais, tudo isso me encanta em você e estou perdidamente apaixonado, suspiro até em ouvir seu nome, Delayoh.

— Nossa, eu não esperava receber uma declaração dessas. — Delayoh estava sem reação diante de Stanley. — Confesso que no início, eu não estava segura sobre o que eu estava sentindo. Mas agora que tenho certeza, estou começando a sentir algo por você.

— Isso é sério, Delayoh? E o que seria? — Stanley perguntou esperançoso e um pouco receoso da resposta dela.

Delayoh caminhou com passos lentos até uma árvore, se apoiou nela e disse com uma voz baixa, quase não dando para escutar.

— Estou começando a sentir amor por você.

— Não ouvi, poderia repetir?

Delayoh respirou fundo, se virou para Stanley e disse:

— Eu disse que estou começando a sentir um amor por você.

Stanley abriu um sorriso largo, se ela começava a ter sentimentos por ele, significava que seria correspondido. Ele tentou fazer uma ousadia, se aproximou dela e tentou beija-la, mas Delayoh virou o rosto, o deixando confuso.

— Sei que está apaixonado por mim, mas sinto que se ficarmos juntos teremos problemas. — Disse Delayoh com um certo receio.

— Que problemas?

— Primeiro: Estados Unidos fica do outro lado do Atlântico, não vai ser sempre que vou te ver. E os nossos pais. Sua mãe não gosta nem um pouco da minha, minha mãe também o mesmo, as duas vivem se estranhando. E o nosso pai não vai gostar nenhum pouco se ficarmos juntos. Sabe que ele tem essa paranoia de romance entre irmãos e de algum jeito, nós somos irmãos.

— Não há barreiras para o amor, pensa bem, meu pai e sua mãe são irmãos, eles nunca poderiam se relacionar, mas se apaixonaram, casaram, tiveram filhos, se amaram muito, mesmo sendo irmãos. — Stanley abriu o coração e ficou reparando em Delayoh, esperando que ela falasse algo, mas a deusa permaneceu quieta. — Pela sua reação não gosta de mim, só disse aquilo porque ficou com pena de mim, declarando o meu amor por você, pelo menos tentei.

— Ô exagero, eu disse que não gostava de você? Não disse que estava começando a sentir um amor por você? E não falei por pena, o que sinto ou o que estou começando a sentir, é a mais pura verdade.

— Está dizendo que me ama?

— Ainda pergunta, Stanley?

— Então posso te fazer uma pergunta, que venho ensaiando a um tempo, quer ser a minha namorada?

— Hum... Vou pensar no seu caso.

— Delayoh!

Delayoh ri e diz:

— Estou brincando, eu aceito ser sua namorada.

Stanley sorriu e deu um beijo romântico em Delayoh. Depois contaram para a família que estavam namorando, Métis, Hera e Zeus ficaram surpresos.

— Você vai namorar a Delayoh? — Perguntou Métis.

— Sim, mãe, eu estou apaixonado por ela e quero ficar junto dela. — Stanley olhou com carinho para Delayoh.

— Filho, posso falar com você? — Disse Zeus.

— Claro, pai.

Hera também aproveitou e conversou com a filha.

Mutter, eu sei que deve estar brava comigo, mas é que aconteceu, me apaixonei pelo Stanley e não há como controlar esse sentimento. — Disse Delayoh.

— Mas não estou brava. — Disse Hera.

— Não?

— Não. Eu já percebido os olhares do Stanley para você e dos seus olhares para ele. Parecia tanto com os olhares que eu e Zeus trocávamos quando nos conhecemos.

— É mesmo?

— Sim. Ali nosso amor estava nascendo. Um lindo amor. Uma pena que não deu certo. Mas com você e o Stanley, sinto que esse amor é verdadeiro, sincero e que dará certo. Quero viva esse amor e seja muito feliz, meine totcher.

Danke, mutter. — Delayoh abraçou a mãe.

Na outra sala, Zeus conversa com Stanley.

— Stanley, essa história de que está apaixonado pela Delayoh, é sério mesmo? — Pergunta Zeus.

— Sim, pai. Quando olhei para ela, senti um amor dentro mim, como se só ela importasse. — Respondeu Stanley convicto do amor que sentia por Delayoh.

— O mesmo aconteceu comigo, quando me apaixonei por Hera. Mas devo alertá-lo, Delayoh é igual à mãe, se você se interessar por outra mulher, enfrentará um ciúme monstruoso, igual eu enfrentei.

— Não se preocupe, não existe outra em meu coração, te prometo, farei sua Lilica muito feliz.

— Está bem, mas lembre-se do que te falei, quero que seja muito feliz, meu filho.

Thank you, father.

Os dois se abraçaram. Um tempo depois, Zeus e Stanley, Hera e Delayoh saíram das salas, mas antes de tudo Stanley pediu a opinião de Métis.

— Meu filho, eu, como mãe, devo pensar na sua felicidade, se está feliz ao lado de Delayoh, não vou encrencar com o namoro de vocês. — Métis foi sincera.

Stanley sorriu e abraçou a mãe, Delayoh também fez o mesmo.

— Então já que nossos pais aceitaram nosso namoro, já posso te chamar de namorada? — Perguntou Stanley ansioso pela resposta.

— Tudo bem... namorado. — Disse Delayoh.

Os dois se beijaram com amor. A notícia se espalhou e chegou até Elisabeth que ficou arrasada, mas ainda não desistiu de ter Stanley.

— Quero ver até quando vai durar esse namoro, a Alemanha fica a quilômetros dos Estados Unidos, eles mal vão se ver, não vai durar. — Disse Elisabeth com firmeza.

Mas Delayoh e Stanley davam o jeito deles, Delayoh ia para os Estados Unidos, Stanley ia para a Alemanha e em um desses encontros, aconteceu a primeira vez dos dois, eles foram para o castelo Von Venandre.

— A minha primeira casa, tenho tantas lembranças daqui. — Disse Delayoh emocionada. — Vivi aqui durante a minha infância até... o dia em que tentaram me colocar em inércia.

Stanley sentiu que Delayoh ficou triste, seu olhar ficou um pouco nebuloso, estava um pouco tensa.

— Não fique assim. — Stanley deu um beijo no rosto de Delayoh. — Sei que isso mexeu com você, mas agora você voltou, está bem e é isso que importa.

— É, você tem razão. — Delayoh desfez o rosto triste e se animou novamente. — Ah, quero te mostrar meu antigo quarto.

Delayoh levou Stanley até o seu quarto. O quarto era majestoso, cortinas de tecido grosso, móveis de estilo delicado, almofadas de veludo e o retrato de Delayoh com cinco anos de idade em uma moldura de ouro.

— Nossa, tia Hera caprichou, parece quarto de uma pequena rainha. — Stanley fez um gracejo.

— Pequena rainha não, pequena deusa. Mutter preparou esse quarto, cada detalhe, com todo o carinho e vou confessar, eu amava esse quarto. — Disse Delayoh suspirando.

Stanley e Delayoh estavam sozinhos, em um quarto, não demorou muito para surgir um clima entre eles, pensamentos rondavam a cabeça de Stanley, em um momento se beijaram, o desejo crescia entre os dois e Delayoh percebeu.

— Stanley, devemos ir com calma. Tem certeza de que quer isso? — Perguntou Delayoh.

— Perdão Delayoh, mas é que eu te amo tanto e nós dois aqui sozinhos, com esse clima de desejo no ar, senti vontade de te ter em meus braços, em beijá-la, em ama-la com todo o meu amor. — Respondeu Stanley. — Mas não tenho certeza se quer o mesmo que eu.

Delayoh beijou Stanley com fervor, e diz:

— Sinto o mesmo. Eu quero ser sua, Stanley.

Ele a deita na cama, entre sussurros, declarações de amor, no momento de amor, ela era a sua Alexandra. Delicadamente Stanley tirava as peças de roupa de Delayoh e ela também fazia o mesmo, estavam totalmente entregues um ao outro, a paixão dele aumentava ao sentir o corpo dela. Nesse clima de paixão e desejo, Delayoh e Stanley se amaram. Ao final, deram um beijo e fizeram uma promessa de não contar para ninguém o que fizeram, principalmente para os seus pais. Seria um segredo dos dois.

28 de Dezembro de 2022 às 00:20 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Inimizade entre primas

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 40 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

New Mitology
New Mitology

Um universo reimaginando a mitologia grega, colocando os deuses gregos fundando nações e tendo uma nova vida fora do Olimpo. Leia mais sobre New Mitology.