igorazevedoescritor Igor Azevedo

Inspirado na música "hope is a dangerous thing for a woman like me to have - but I have it", de Lana Del Rey. Data de publicação original: 14/02/2019. PLÁGIO É CRIME! TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À © 2019/2022 Igor Azevedo.


#23 em Conto Impróprio para crianças menores de 13 anos. © 2019/2022 Igor Azevedo

#igor #igorazevedo #igorazevedo1997 #literatura #literaturabrasileira #literaturamaranhense #Embaixador #EmbaixadorPT
Conto
9
3.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Eu estava lendo Clarice enquanto ouvia o silêncio da noite e pensava que talvez eu ficaria menos estressado e seria de alguma forma feliz se eu fosse menos testado como todos esses garotos que sorriem da vida por motivo algum, bem vestidos com suas regatas e shorts curtos nos seus carros medianos, indo à praia exibindo seus belos corpos e bronzes, sustentados por um bom emprego. Mas eu não fico, amor. Eu não fico. Porque eu, eu não sou assim - não sou.


A vida seria bem melhor se eu me exibisse com um corpo escultural ou uma mente vazia - mas ele se faz cheio e ela anda uma bagunça. Mesmo que eu tente consertá-los incansavelmente e chore de madrugada por isso.


Estive ameaçando os meus pulsos todos os dias e horas com os meus sonhos na mão, escrevendo com sangue nas minhas paredes porque a tinta da minha caneta não funciona mais no meu velho caderno. Nunca ouse, nunca me pergunte se estou feliz - você sabe que não estou. Mas pelo menos posso dizer que não estou triste. Ainda assim, esperança é algo perigoso para um homem como eu ter.


Eu não tive o aniversário-surpresa de 15 anos, nem os romances nos fundos da escola. Desabafava tudo com alguém que hoje desconheço – um antigo eu. Ele foi o único amor que sempre conhecerei - exceto aos meus sonhos em mãos - a qual eu também chamo de lar quando não estou servindo Deus. "Olá, é o homem mais sonhador que você conhece chamando além do túmulo. Só quero ouvir e dizer, 'Eu te amo, de verdade.'"


Mas não, eu não sou igual a todos eles. Me faço tímido e me destruo nessa timidez, a evitar falar sobre o que sinto, onde dói, como possivelmente pode melhorar.


Amo alguém que não me ama em segredo. Eu choro pela saúde dela, o retorno dele ao vício me faz preocupar.


Estive destruindo a minha vida com a porra do silêncio - não é foda virar um sociopata. Pôr palavras no papel é a única coisa que faz meus demônios me deixarem em paz. Eu não poderia me importar menos, e eu nunca me importei tanto. Então, não há mais nada a dizer sobre isso, exceto que a esperança é a coisa mais perigosa para um homem como eu ter.


Nunca fui quem um dia eu quis ser. Tudo se fez de breves momentos e se esvaíram como aquela velha areia que escapou das palmas das minhas mãos da última vez.


Mas nunca foi a última vez. Nunca será.


Estive sangrando todos os dias para dar o meu melhor. Mas você sabe, amor, nunca será o suficiente. E esperança de que seja o suficiente é muito perigoso para um homem como eu ter.


Tem existido uma nova revolução, uma evolução alta que eu vi nascida da confusão e da conivência tranquila das quais eu conheço principalmente um homem solitário com uma constituição fraca - Porque eu a tenho. Mesmo que monstros ainda estejam embaixo da minha cama, dos quais eu nunca poderei lutar contra – mas eu a tenho. A esperança.


E isso, de alguma forma, me faz revolução. A revolução que só mora em mim e eles nunca entenderão. Porque eles não se importam, amor. Eles não se importam. E jamais se importarão. Eu não sou aqueles caras, aqueles que inspiram.


Logo, ainda tenho ameaçado os meus pulsos todos os dias e horas com os meus sonhos na mão, escrevendo com sangue nas minhas paredes porque a tinta da minha caneta não fica legal no meu novo caderno. Aquele livro nunca me foi tão entediante. Eles gritam que estou feliz enquanto sabem que não estou. Pelo menos você pode dizer que não estou triste, nem mesmo feliz, pois nunca estive, mas a esperança que tenho é algo perigoso para um homem como eu ter. Mas eu tenho - sim, eu tenho. Eu a tenho. E por ela, eu vivo.

18 de Outubro de 2022 às 01:05 2 Denunciar Insira Seguir história
12
Fim

Conheça o autor

Igor Azevedo Professor e escritor. Autor de 6 livros publicados. Poeta, contista e aprendiz da vida. 🌊✨

Comente algo

Publique!
Caio Vinícius Caio Vinícius
Gostei, me identifiquei com a questão da esperança, podemos criar uma relação tóxica com ela.
October 18, 2022, 21:08

  • Igor Azevedo Igor Azevedo
    Obrigado pelo seu comentário! E sim, às vezes a esperança dá as mãos para a toxicidade. October 21, 2022, 21:36
~