0
543 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 2 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Procedimentos

- Como assim? 

- Eu não sei como descrever aquilo, eu não quero voltar lá, mas vou, imagina fazer a porra de um relatório sobre o que eu vi. 

- Você sabe que vou ver de qualquer forma, não é? 

- Que seja por si mesmo então, eu vou vomitar em seus pés se tiver que falar mais 5 minutos sobre aquilo. 

- Tá bom, tá certo, deixa pra lá, tu tá branco igual bunda de freira.

- Prestou atenção no que falei? 

- Sim vou providenciar a desocupação do andar já, tem poucos hóspedes, vão ficar aqui até o final de semana, se precisar mesmo de esclarecimentos já comunico agora. 

- Você querendo facilitar a minha vida, que coisa boa, mas não, vai vir alguém especialmente pra isso, relaxa, o estrago já foi feito.

- E muito, ainda bem que tem seguro, se não eu ia ter que bater a carteira do presunto. 

- Quê, não brinca com isso cara. 

- Piadinha pra quebrar esse clima tenso. 

 Chegaram na recepção, Bruno pegou os telefones, chamou um auxiliar pediu pra ligar em cada quarto ocupado que precisava realocar a todos nos andares seguintes, mas que por gentileza ninguém saísse do quarto ainda porque a polícia ia começar uma investigação e apenas com autorização deles poderiam deixar seus quartos para averiaguação posterior. 

 - Depois que autorizarem você sobe com o policial, acompanha o hóspede até o novo quarto e avisa que descontaremos uma diária em razão do incômodo, se chiarem muito manda aqui falar comigo, chame a equipe de limpeza pesada e deixe de prontidão.  


Almeida ainda estava incrédulo com o que tinha visto, tamanha brutalidade e bizarrice jamais haviam passado por sua cabeça, mas é certo que há muito filho da puta louco nesse mundo. 

Quem sabe não era o caso daquele, mas e a gosma no chão, tanto reluzia como parecia querer se espalhar, como se tivesse dedos pequenos e ávidos por mais e mais o que quer que buscasse ali.  


- Boa noite, por favor mude a solicitação da ambulância para o carro funerário, preciso de uma equipe de legista, fotografo e técnico aqui imediatamente. 

- Você verificou os sinais vitais? 

- Não foi necessário, o cara está destroçado, não mande nenhum novato, aquilo não é brincadeira nem filminho escroto de "true crime". 

- Pode deixar Almeida, você tem algum suspeito, alguma ideia mais concreta do que aconteceu? 

- Nada a declarar, e por favor se apressem, o cheiro está ficando insuportável lá em cima. 

- Perfeitamente, a equipe estará aí em poucos minutos. 


Encostado no carro Almeida tentou respirar fundo e acalmar o coração, diminuir a frequência dos batimentos era essêncial para controlar a ansiedade naquele momento, fazer suas pernas e braços obedecerem o comando do cérebro era uma tarefa árdua, enquanto o tempo corria, a mente divagava em agir e fugir de encarar novamente aquele horror. 

Precisava manter a calma, o pouco que restara, foi treinado para isso, para agir com clareza em momentos de crise, resolver conflitos e se preciso até matar. Ou morrer. 

 Precisava subir e controlar a situação antes que algum engraçadinho fotografasse ou filmasse aquilo pra jogar na internet, se acontecesse tudo estaria perdido, o emprego, a casa, benefícios... A necessidade fez seus membros acordarem, ajustou as 2 máscaras novamente no rosto, pegou a fita e os cavaletes para bloquear a porta e se foi. 


Cumprimentou Bruno e subiu as escadas de 2 em dois degraus, chegou rápido, ninguém no corredor, o fedor lhe dava chicotadas na cara, se aproximou da porta, colou a fita, posicionou os cavaletes e se afastou. Foi para perto da escada e viu quando Bruno voltara agora com uma máscara de siderurgica, onde ele tinha arranjado aquilo? 


Passou por ele foi a frente da porta esticando o pescoço e ficando na ponta dos pés para ver algo além mas não conseguiu, voltando para perto de Almeida, ambos calados e tensos com a espera.  Almeida começou andar de um lado para o outro como um bicho enjaulado, ruminando a raiva da falta de liberdade, quando ouviram um burburinho vindo da escada, a primeira pessoa a surgir foi a Dra Lílian, legista chefe do departamento, vinha com um epi completo, máquina fotográfica profissional, com um aceno cumprimentou os 2 e se posicionou próxima a eles, duas técnicas na fase final do treinamento a acampanhavam, usando o mesmo epi e uma balaclava que escondia seus rostos mas o crachá que portavam tinha foto, identificação até o número do telefone particular se alguém soubesse ler em braile ali escondido no verso. O show off da máscara impressionava outros candidatos a vaga, não ele. 4 soldados destacados para fazer a segurança e 4 técnicos do serviço funerário. Teoricamente o procedimento era simples: fotografar o ambiente, o cadáver, recolher objetos pessoais, digitais e provas materiais.  Buscar por psicotrópicos, armas ou qualquer outro objeto que pudesse ter relação com a morte do indivíduo, recolher o corpo e enviar para a autópsia no IML, lá o assistente social presente entra em contato com algum familiar se o corpo possuir algum tipo de identificação oficial consigo, celular ou outro periférico que permita localizar possíveis responsáveis para o funeral, caso ninguém viesse reclamar o corpo no prazo de 72 horas, ele seria novamente uma propriedade do estado e este seria responsável pelo sepultamento numa cova numerada no cemitério dos indigentes da cidade.  

Tudo isso já tinha sido previamente acordado no batalhão e delegacia junto com as outras competências, as primeiras a entrar na cena seram a legista e sua equipe, quando terminasse a etapa de coleta a chefe faz o primeiro relatório, que será gravado em áudio e indexado ao processo. A seguir os técnicos funerários preparam o corpo para o deslocamento até o IML. Cada etapa precisa ser cumprida com o máximo de rigor para evitar contaminação da cena, ou dos técnicos e chefe por material de risco biológico e encontrar a motivação e possível solução do crime.  

15 de Julho de 2022 às 03:36 2 Denunciar Insira Seguir história
3
Continua… Novo capítulo A cada 2 dias.

Conheça o autor

Siph Ferreira Nerd de maquiagem, amante de música, livros e quadrinhos, amiga de Meia Noite e Qliph, viciada em podcast e buscando seu rumo nesse mundo.

Comente algo

Publique!
Norberto Silva Norberto Silva
Inacreditável a quantidade absurda de detalhes da sua narrativa... um capitulo que enriqueceu muito o Almeida, mostrando, de forma perfeita, os detalhes de uma investigação. Parabéns moça!
August 25, 2022, 21:03

  • Siph Ferreira Siph Ferreira
    Obrigado Norberto, eu ia narrar essa história mas na gravação experimental enjoei qdo li. Foi uma pesquisa absurda pra deixar verossímil. August 27, 2022, 00:20
~