mikhailov Gael Mikhailov

Sinto muito por ter perdido você. Sinto por me culpar de algo que sei que não fiz. Sinto por continuar te amando. Sinto por mim. Por cultivar esperanças suas e de um dia melhor e continuar as regando dia e noite, mesmo quando, olhando em meus olhos, suas últimas palavras tenham sido: — Sasuke, eu não te amo mais.


Drama Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#otp #drama #centric #casamento #sasusaku #angst #naruto #sasuke #tristeza #sakura #anime #2d #mikhailov #oneshot #traição #7mz #songfic #inspiração #abandono
1
2.9mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Único

Desde o dia em que ela partiu, aqui dentro é frio e melancólico.

Já fora mais, como nos primeiros meses em que eu virava pela cama à procura de seu perfume, ou quando colocava a gravata aguardando que ela viesse apertá-la.

Mas não deixa de ser. Ainda é meio marrom e empoeirado, como um armário que há muito tempo não é limpo. Às vezes, quando dou uma passada nele para ver o que sobrou, os ciscos de areia caem sobre meus olhos e me fazem espirrar; não pelo nariz, mas pelos olhos, que lacrimejam numa ardência infinita.

Como mesmo dizia um livro: Eu acho que nunca vou ser capaz de entender como posso amar você mesmo depois de ter sido tão destruído pelo seu amor.

Acho que eu devia ter visto os sinais lá no começo. Não aqueles que ela me enviava quando me queria por perto — mas aqueles que mostravam o quão perto ela estava de partir. Se a intenção era tentar mostrar o quanto um amor não-recíproco dói, preciso dizer que continuo esperando a porta da frente abrir.

Vasculho pelos corredores da minha mente e relembro o rosto dela mais uma vez. A importância se conquista a partir do costume, e eu infelizmente me acostumei a isso — remoer memórias em preto e branco, sonhos perdidos e vozes sem som, borrões rápidos de desespero e algumas lágrimas salgadas que deslizam pelo travesseiro.

Sakura.

A nota musical vibrante do nome dela ainda soa a mesma quando murmuro em noites escuras de solidão. O baque da porta e o motor do carro ainda reverberam em meus ouvidos quando fico em silêncio. Suas palavras, todas elas, são trazidas pelo farfalhar dos lençóis sempre que me deito.

Ainda dói falar seu nome.

É como se uma enxurrada de sorrisos acolhedores e dois oceanos esverdeados perturbasse meu emocional já perturbado. É difícil fechar os olhos para dormir e ter o relance de sua boca resvalando a minha… a vibração de sua voz angelical perto do meu rosto… seus dedos entrelaçando meu cabelo… as promessas de um para sempre.

O cobertor não consegue mais me esquentar, o café não tem mais o poder de me manter acordado, nem mesmo o oxigênio me faz sentir vivo. As paredes se fecham sobre mim num aperto excruciante.

Você não vê? Consigo imaginar a gente numa casinha de tijolos amarelos e chaminé, com uma cerquinha na frente e jardim de violetas. Promete pra mim, Sasuke, que no futuro a gente vai ser assim.

Eu prometi.

Nossa casa hoje está vazia, os tijolos precisam de uma nova pintura, a chaminé provavelmente ficou entupida e a cerquinha da frente e o jardim… Não sei. No meu coração só há ervas-daninhas. Lá não deve ser diferente.

O que fez minha esposa mudar de ideia? Qual foi a última coisa que Sakura pensou antes de pegar as malas e partir de uma vez? Dos seus três amantes, quem estacionou do outro lado da rua e a beijou? Ele tinha um olhar de ternura no rosto, quase de alívio. Será que a esperava há muito tempo? Por que não quis que ela me dissesse adeus?

Ela não olhou para trás quando partiu.

Eu fiquei na janela, observando a chuva cair e os faróis sumirem na curva, na esperança de alguma coisa. Não sei se o vislumbre de seu rosto olhando para mim depois foi de verdade ou apenas uma necessidade interior minha de uma despedida.

Adoro seus olhos. Eles são tão… profundos.

Por que não mergulhou neles como mergulhei nos seus?

Quando você me toca, eu me sinto segura. É como se nada pudesse me tirar de você, do seu carinho, do seu calor. Você é como o sol, Sasuke.

Parece que acabei queimando você, Sakura.

Será que nunca fomos iguais? Talvez decidiu ir embora porque eu tirava sua paz.

Você me acalenta, sabia?

Sinto muito. Sinto por ter perdido você. Sinto por me culpar de algo que sei que não fiz. Sinto por continuar te amando.

Baby, preciso confessar para você…

Sinto por mim. Sinto por cultivar esperanças suas e de um dia melhor e continuar as regando dia e noite, mesmo quando, olhando em meus olhos, suas últimas palavras tenham sido:

— Sasuke, eu não te amo mais.

15 de Maio de 2022 às 00:16 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

Gael Mikhailov Sou escritor em aperfeiçoamento e atuo em vários sites. Extrovertido e tagarela, mas de vez em quando escondido como uma tartaruga dentro do casco. Atualmente trabalho com obras baseadas em animes e filmes, geralmente postadas como fanfics. Adoro romance new adult, livros com temática de fantasia, ação, drama e slice of life. Também gosto de histórias com cenário familiar que aquecem o coração.

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas