daniel-brotas Daniel Brotas

Na pequena cidade de Cravo e Rosa, um jovem tem um encontro com uma entidade que o marca e o cerca de mistérios. Um ancião da cidade identifica que ele é, provavelmente, o ser que fora professado há cem anos e o exila, assim ele deve viajar o mundo e compreender os mistérios de além da vida, para conseguir findar sua missão e fazer o que ele tanto deseja: voltar pra casa. Do lado Oeste das terras um império solidifica uma religião e decide que a magia do mundo pode ser uma ameaça a seu poder convertendo homens para lutarem por seus interesses, cultivando a ideia de caça aos magos e os servos de outras religiões. O mundo das terras conhecidas é repleto de seres mágicos como druidas, feiticeiros e minguantes. Na história conhecemos Jacinto, o monge espiritualista que acompanhando um dos raros minguantes, parte em aventura pela floresta e enquanto lida com os tementes à magia aos poucos vamos conhecendo mais desses personagens profundos. Outras ameaças crescem no mundo como as distorções, que são criaturas que dizem premeditar o fim e, o Rei sem coração que quebra a regra da morte. Ao passo que os perigos da sobrevivência são vencidos, as evidências de um apocalipse conhecido como a Obliteração crescem e ameaçam acabar com todos. Aspirante à Obliteração é uma jornada profunda, cheia de sentimentos, questionamentos, criticas, alegrias, tristezas e, contudo, amor. Alta Fantasia, apocalíptico, um épico medieval com influências soulslike, Last Airbender, Bíblia e fatos históricos. Te espero na leitura.


#33 em Fantasia #6 em Medieval Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#aventura #medieval # #guerra #luta #magia #tolkien #got #fantasia #anjos #profecias #darksouls #berserker #darkfantasy #altafantasia
56
55.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Os 4 Elos- Interlúdio

A cidade de Elosfouth, capital dos reinos, está localizada a Oeste de tudo, e todas as estradas a Oeste te levarão a Elosfouth. Sendo a maior cidade do continente é habitada exclusivamente por humanos. Sua força vinha dos números, pois seus exércitos nas histórias de batalhas, eram como as estrelas de uma constelação no céu de um dia negro.

A cidade é, também, o centro político do país e dela emana muito poder. Tal poder é regido pelos governantes dos quatro elos da cidade. O Elo da Força, Sabedoria, Justiça e o Elo da Fé, este o mais importante, regido pela clériga Valentina Pascoal.

A Fé em Elosfouth é a coluna mais forte de toda sua fundação, dado à devoção de todos, aos Anjos redentores, os padroeiros da cidade. Na época de sua fundação, em um evento foi construído um monumento de mármore das figuras religiosas, solenidade que em representação tornou os cargos dos regentes divindados.

A estátua da Justiça é um anjo com a espada e asas apontadas para cima, a Sabedoria é um anjo dedilhando uma harpa-arco, com as asas lhe cobrindo os pés. A Força, um anjo segurando o machado acima da cabeça, com as asas abertas na horizontal, e o anjo da Fé, um deslumbrante anjo com as mãos centralizadas na altura do peito, com as pontas dos dedos ligadas formando um triângulo, vestindo uma túnica caindo sobre o corpo e as asas recuadas ficando quase imperceptíveis ao se misturar com a vestes.

Além da adoração aos elos, os quais os fiéis acreditam ser a representação em carne de sua crença, muitos vem às estátuas para pedir proteção e providência, acendendo incensos, velas e trazendo oferendas, rogando aos anjos por misericórdia para o dia da Obliteração.


Seguindo uma das estradas rumo Oeste, um comerciante de temperos, seu filho e uma donzela avançavam lentamente num balançar inconforme pela estrada empoeirada, sob o sol forte da tarde.

A jovem Estela esfregava os olhos para espantar o cansaço, ansiosa com a perspectiva de em breve chegar a Elosfouth e oferecer servidão aos Anjos.

Ao seu lado, o também jovem Caruso bocejava, cansado da longa viagem.

— Chegaremos amanhã, Pai?", questionou.

— Tomara — resmungou o carroceiro sem tirar os olhos do caminho. Por mais que faziam esse trajeto a cada início de colheita, o caminho sempre parecia diferente.

Estela parecia alheia às reclamações.

— Logo estarei na cidade sagrada, onde os Anjos protegem o mundo dos males — disse, extasiada.

— Protegem? — Caruso ironizou — Ou só querem manter o controle.

O homem mais adiante na carroça ergueu uma sobrancelha.

— Caruso, cale essa boca! — exortou — Sabe como os elos punem quem contesta.

— Como podem contestar? A fé dos anjos é o que traz balanço ao nosso mundo. Ela trouxe a paz a todo Oeste.

Matheus balançou a cabeça.

— Ou só querem que pensemos assim. E se a verdade sobre os Anjos for outra?

O carroceiro sorriu sem graça, temendo que a língua do filho pudesse coloca-los em perigo em alguma ocasião.

— Cada um é livre para crer no que quiser. Não confunda ainda mais a donzela. O caminho está longe ainda. Por ora, descansem!

E com isso, deixou claro que mais questionamentos viriam, alimentando a curiosidade de Estela sobre os mistérios por trás da fé angelical ou mesmo pra preencher o silêncio da viagem que se fazia tediosa quando só os cascos dos burros que puxavam a carroça faziam barulho ao debandar o caminho.


Quando o céu já estava decorado de estrelas e a lua cheia iluminava as árvores de folhas largas que margeavam a estrada. De vez em quando avistavam raposas ou coelhos fugindo pela mata. Encostaram a carroça a beira da estrada para que o comerciante buscasse um arbusto para aliviar o ventre. Estela retorna a conversa com Caruso.

— Não entendo como pode não acreditar nos anjos. Você não vê como o Leste está perdido com essas abominações e magias?

— Não entendo como pode acreditar cegamente nessa história toda sobre os Anjos, como isso não é claro pra você? — retrucou.

— É que para mim a fé em algo maior. É o que me dá sentido, entende? Se eu não acreditar nos Anjos e na missão deles, no fundo ficarei vazia. Todos nós precisamos acreditar em algo.

— Mas e se for só invenção para controlar as pessoas?

— Claro que isso me passou pela cabeça às vezes, com todo mundo questionando. Mas aí me lembro das palavras da clériga Valentina, de como os Anjos nos protegem e guiam. Isso me acalma. O Elo da fé é como se o próprio anjo morasse entre nós.

— Mas e se te dissessem que é tudo mentira? Como ficaria?

Estela pensa por alguns instantes

— Acho que seria como se apagasse uma luz dentro de mim. Todo esse tempo acreditei que tinha um propósito, que meus serviços aos Anjos renderão minha recompensa no grande dia da Obliteração. Sem isso, realmente não sei o que teria para me motivar.

— Entendo. Acho que todos nós precisamos acreditar em algo maior, mesmo que no fundo tenhamos dúvidas. Mas eu não, eu não acredito.

— E você não sente um vazio?

Caruso podia confirmar que sim, mas escolheu não dar o braço a torcer. Confirmando apenas com seu silêncio.

— Na Obliteração eu acredito. Mas não na que vocês pregam. Como sabem que a sua versão é verdadeira?

Estela ia responder, mas foi interrompida pelo velho comerciante que voltava de seu alívio consertando as roupas.

O carroceiro levou os olhos para Estela, por um instante pensativo. Lembrou-se de tantas outras garotas que já havia levado até a cidade dos anjos, tão ingênuas quanto ela, dominadas pela mesma fé cega.

Resolveu tentar ajudar uma vez:

— Estela, pense bem no que vai fazer. Há outras formas de encontrar propósito, sem precisar se entregar assim. Que tal ficar em minha fazenda? Meu filho está na idade de se casar, poderiam construir uma vida juntos.

Ambos jovens ficaram corados com a sugestão repentina do velho.

Ela balançou a cabeça em negativa.

— É muito generoso o convite, mas meu caminho é servir aos Anjos.

O carroceiro suspirou, desanimado.

— Já ouvi isso antes de outras. Mas uma vez em Elosfouth, se tornam apenas mais um rostinho na multidão de escravos religiosos. Nunca mais saberemos o que será de ti.

— O que quer dizer?

— Significa que provavelmente você nunca mais ouvirá falar de si mesma. Sua vida será consumida pelo culto, como tantas outras. Pense no que realmente importa antes de se doar.

Ela ficou em silêncio, imaginando o destino das outras garotas.

— É justamente isso que vocês não entendem, está escrito “Servir, servir e será servido”. Está tudo aqui nesse livro... — disse tirando um grande livro de sua bolsa, continuou agora com tom de sermão.

— Como devem saber, a catedral de Aphanael contém todos os manuscritos das histórias e profecias registradas ao longo do tempo. No passado, muitas histórias foram contadas a respeito dos anjos e muitos mitos acabaram se misturando com a realidade. A igreja teve que publicar um manuscrito canônico e proibir a divulgação de qualquer outra verdade, contraditória ao seu livro... contraditória à verdade.

— Conhecemos bem... — respondeu Caruso — No entanto, muitos céticos afirmam que a verdade sobre os anjos se perdeu e que muito do que se acredita é fruto das histórias mitológicas canonizadas como você mesmo disse.

Caruso percebeu que irritava a donzela ao contrapor seus fundamentos, e aproveitou pra se divertir um pouco.

— O que o seu “livro santo” diz sobre a obliteração?

Estela colocou o livro no assento da carroça e pegou o candieiro que estava pendurado ao lado.

Se irritou com a incredulidade daqueles dois, e ali mesmo no breu da noite, foleou o livro lendo o texto em voz alta.

— Há menções da Obliteração nas três partes do livro, pretérito, presente e prelúdio... Eis o que diz:


“Há três mil e quinhentos anos o mundo vivia e vivia-se, até que o dia da Obliteração veio.

Nesse dia, a Lua deu um sinal, um halo vermelho apareceu na circunferência interna da Lua, e durante dias inteiros ouviam-se ruídos em todos os cantos, para alguns, os ruídos eram tão fortes que arrancavam-se os cabelos. Um som agudo afligia os nervos demasiadamente e, por não se saber o que estava acontecendo, a loucura era o caminho mais sóbrio para tal dor.

De repente, num dia de céu limpo, um trovão rachou e rasgou o céu, o barulho foi tão grande que derrubou muitas moradas e, num piscar de olhos, o céu escureceu num tom roxo, o desespero tomou conta das ruas. Os viventes corriam e pranteavam-se. E eis que uma luz intensa desceu da rachadura do céu, trazendo as quatro figuras, que desceram à Terra, e o chão onde as criaturas caíram estremeceu e uma cratera se criou, tamanho foi o impacto.


A voz de Estela vacilou diante da cena catastrófica. Caruso e seu pai se olharam, imaginando o terror daquele momento fatídico com olhos arregalados, Estela continuou a ler o relato profético dos tempos primordiais:


Um dos anjos ergueu a mão e cortou o ar com sua espada. Uma energia emanava dessa espada e percorreu todos os campos e cidades, transformando toda vida em pó, todas as plantações, animais, tudo foi consumido.

Os próximos anjos ergueram suas armas e também cortaram o ar, uma nova aura viajou o mundo e novas vidas foram germinadas, nova fauna, nova flora, novos seres.

E ai de quem não foi poupado, lançado à escuridão da não-existência, mas aqueles que ofereceram suas dádivas para os anjos, renascerão das cinzas e viverão novamente”.


Estela percebeu que a profecia trouxe algum temos aos dois, mesmo que não crescem. Ela fechou seu livro com força notável. E foi para o fundo da carroça.

— Podemos continuar a viagem ou vamos acamar aqui?


O restante do percurso foi bem mais silencioso e reflexivo do que a viagem durante o dia. Cada um naquela carroça se isolou em seus pensamentos e nos conceitos de suas verdades.

Caruso preferia acreditar que muitas histórias como essa são contadas, mas com tanta variação da mesma história que a real verdade não se sabe, muitos acreditam que as raças mágicas existentes no mundo são sobreviventes da lâmina do anjo, e que a cada Obliteração novas versões de humanoides são criadas, sendo essa última geração, com a megacidade reduzida. Crendo como o povo do Leste que crê que Elosfouth usou do medo que tem, para estabelecer o medo nos povos e consumiu a sua própria verdade.

O velho comerciante acredita que Valentina Pascoal, responsável pela manutenção da fé angelical. É uma figura popular conhecida por sua caridade e temperança. Como líder da Fé, orienta os presbíteros do reino a coordenar as ovelhas no caminho de obediência e doação, enquanto, continuamente, expandem seu poder pelo mundo. E isso requer muitos homens, o que para os negócios dele é um bom sinal, visto que um exército custa pra alimentar.

O fato comum aos três é que durante o tempo, todas as pessoas que não proclamaram a fé angelical foram expulsas da cidade, não sendo permitido também magos, meio-humanos, druidas e minguantes, e toda variação não puro humana existente nesse mundo.

Já Estela mantem seus conceitos, e acredita no que a Fé prega. Que os anjos voltarão à Terra e suplica por misericórdia no passar da próxima lâmina de Obliteração.




9 de Junho de 2022 às 01:53 21 Denunciar Insira Seguir história
19
Leia o próximo capítulo Cais de Erel

Comente algo

Publique!
Bella Oliveira Bella Oliveira
Amei
September 26, 2023, 23:19

Sabrina Andrade Sabrina Andrade
Olá, sou a consultora Sabrina. E trabalho para uma plataforma de livros digitais. Gostei bastante da sua história. Se estiver interessada em saber mais. Entre em contato comigo através do WhatsApp: 92984759876
July 17, 2023, 01:26
Um Colombiano Um Colombiano
Pq sinto que essa mulher é uma alargada?
March 20, 2023, 16:14

  • Daniel Brotas Daniel Brotas
    Oi amigo, como vai? me diz, continuou lendo? September 27, 2023, 12:40
Daniel Trindade Daniel Trindade
Olá, Daniel. :) Achei fantástico e adorei saber sobre os quatro elos. Sua escrita é sublime, a fluidez fez com que eu chegasse ao fim sem ao menos perceber, ficando aquele gostinho de quero mais. O lado bom é que existem próximos capítulos, então aqui vou eu!
January 02, 2023, 21:29

  • Daniel Brotas Daniel Brotas
    Estou com um sorriso no rosto por seu comentário. Tem bastante CAPS pela frente, seja bem vindo! Te prometo uma boa jornada January 02, 2023, 21:34
E. M. Vicente E. M. Vicente
Ótimo começo, já estabelecendo um pouco da mitologia.
October 29, 2022, 14:04
OmniMan Rabudo OmniMan Rabudo
Porra, muito massa essa introdução. To curioso pra ler o restante. Mas parece que e bem mais leve que a ultima historia que eu li aqui do top 10, n sei se vou gostar tanto quanto a anterior.
September 11, 2022, 12:25

  • Daniel Brotas Daniel Brotas
    Fala cara, beleza? Então, que bom que tenha achado interessante. Eu acredito que sei de qual história está falando " o cavaleiro herege" eu também leio ela e troco ideia com o autor no face. ( vi seu comentário lá) Bom, de fato exploro um outro lado da fantasia, mais dirigido pra uma aventura, com alguns mistérios e magias, no entanto, sempre busco oferecer um passeio entre altos e baixos em sentimentos. Peço que dê uma chance a leitura. E conheça meu mundo. ⚔ September 11, 2022, 12:34
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 42 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas