lfrancys_ Francielly Santos

" Para encontrar a cura será necessário se permitir só assim vai conseguir, embarcar em rumo ao desconhecido. Descobrindo a origem do que aconteceu, e como adoeceu ao ponto de se esquecer, do seu verdadeiro eu." 🦋 🦋 🦋 Caminhando em rumo a sua adolescência. Catherine de 11 anos levava uma vida normal assim como qualquer outra criança da sua idade, adorava brincar com os amigos, e era bastante ativa. Tudo muda, quando a menina passa pela experiência da perda de um membro da sua família, mudando totalmente o seu campo de visão sobre tas coisas. Como não fosse o bastante a mesma começa a "sonhar" acordada, tendo visões de coisas macabras sem nenhum sentido, e passando por situações paranormais. Com o passar do tempo, com as coisas fugindo do seu controle Catherine não é mais a mesma de antes, e passa a entender que todas as coisas vivenciadas poderiam ser avisos. Assim tomando coragem, partindo em rumo ao desconhecido, buscando por respostas, descobrindo que existem demônios disfarçados em humanos espalhados por todos os cômodos, inclusive na sua casa. 🦋 🦋 🦋 "Que Deus possa-me proteger de tudo o que eu não possa ver, até mesmo da boa vontade humana." Boa leitura! 🖤🦋


Suspense/Mistério Horror gótico Todo o público.
3
702 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Terças-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

A visita de Greta

"Às vezes o mal pode estar na casa ao lado, ou em si mesmo."

Introdução

Manhã como qualquer outra, vazia, solitária e sem nenhum sentindo... Como de costume levantei-me e fiz os meus inúmeros afazeres domésticos, tudo muito cedo. Ao mais tardar do dia, o sol já estava bastante intenso deixando o dia incrivelmente perfeito. Lá estava eu, já que não houve aula: sozinha na porta da minha casa, com o pensamento distante olhando para um dos lados da rua, quando sou retirada deles por minha amiga (Greta). Como tinha total conhecimento sobre o ocorrido que aconteceu na minha família recentemente, a mesma insistiu para que eu a acompanhasse até a sua fazenda que não era tão perto, e nem tão longe da minha casa, ressaltando que seria um tempo de distração maravilhoso para mim, pois, não era nada bom continuar na maneira que estou atualmente, tão tristonha. Meus pais eram muito conservadores, e antes de irem ao trabalho, já me deixaram avisada que não era para sair de hipótese alguma. Eu tinha tanta certeza que tudo o que (Greta) havia falado era de tamanha verdade, que por fim das dúvidas acabei aceitando seu convite, assumindo os riscos por minha desobediência ao pôr-do-sol. Fui com a mesma ainda com um pouco receio, mas depois acabei-me distraindo observando as coisas do caminho... Todo o trajeto era composto por: uma longa seca estrada de barro, porém, os seus arredores tinham árvores, e flores muito bonitas. Só demorou alguns minutos para chegarmos, era uma fazenda de pessoas humildes, mas muito bem cuidada, e aparentava ser um lugar encantador perfeito para descansar, refletir e recompor energias... era exatamente o que eu estava precisando. Logo fui recebida por (Margot) a sua atual madrasta, não gostava muito dela, mas mesmo assim, a cumprimentei e fiquei ao lado da porta principal. Como já era de se esperar por mim, inciou-se uma pequena discussão entre (Margot e Greta) devido ao atraso para voltar para casa. Sem graça (Greta) pediu-me para explorar o lugar, ela sabia que eu amava essas coisas, e logo ia ao meu encontro, eu assim fiz. Em poucos minutos, já pude perceber que não pensava tanto nos problemas que havia deixado para trás, tentei aproveitar o momento, o máximo, após longas semanas era a primeira vez, que o meu corpo e a minha mente estavam em perfeita união. Quase não conseguia olhar para o céu, ele estava lindo, o sol estava extremamente quente, e mesmo nessas circunstâncias, captei várias fotos no meu celular. Após conhecer toda a parte da frente da fazenda, tive uma pequena curiosidade de ir além-indo a parte de trás, e o lugar era tão interessante que se parecia com um atalho, porém, lá o chão estava lamacento, e para a minha surpresa uma menina lá estava: seus cabelos eram loiros, usava um belo vestido rosa, um pouco sujo. Tinha algo de diferente nessa tal menina, ela parecia está acorrentada numa corrente. Questionei a mim mesma, por qual motivo havia uma criança sozinha naquela situação? A chamei por 3 vezes quando iria tentar a 4 vez, ela para mim se virou e fiquei em choque ao vê-la.




27 de Junho de 2022 às 18:03 0 Denunciar Insira Seguir história
3
Leia o próximo capítulo A menininha de cabelos loiros

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 10 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas