so-uma-qualquer ( ≧Д≦)

A bela moça perdida não saberá onde esteve esse tempo todo...


Histórias da vida Todo o público.
Conto
3
622 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Onde estou?

ela acordou...estava confusa,naquela irreconhecível cama gigantesca,na sua vida ela nunca tinha visto uma cama tão elegante e grande.

ela se levantou e se perguntará onde eava,ela foi até a porta e avistou um corredor,começou a adentrar naquele lugar irreconhecível,que nunca tinha visto na vida enquanto olhava as milhares de janelas que haviam em sua volta o brilho da lua cheia iluminava aquele corredor,ela continuou a andar...o silêncio pairava naquela casa,um silêncio tão devastador em que ela se assustava com os próprios passos...era devastador...enfim ela chegou ao final daquela corredor e avistou uma porta,era feita com ouro e madeira escura,a madeira era tão escura quanto naquela noite,ela se atreveu a encostar na maçaneta de ouro,a girou...e abriu a porta,ficou incrédula com oque viu...uma outra cama grande só que essa era banhada em ouro,mas esse não era o motivo certo,havia alguém dormindo ali naquela cama,ela se aproximou lentamente,quando o viu ficou cabismada! era um jovem,um homem,estava a mostrar seu peito seus grandes músculos firmes e fortes chamavam a atenção,seu cabelo loiro e macio a deixavam assustada,ela se perguntará qual era a cor do seus olhos...incrédula deu alguns passos atrás,quando se virou em direção oposta do belo homem que não conhecia,para ir em direção a porta...ela houve uma voz grave e pesada mas sexy ao mesmo tempo,se assustou e deu um pulo com vergonha por estar ali,de um jeito tão inconvencional.

ela olhou nos olhos daquele homem,e fazer esse contato visual só a deixou mais louca,o homem se levantou e se aproximou da bela moça,então disse...

-oque faz aqui? disse o homem com um tom de formalidade.

-desculpe-me não queria estar aqui...falou a moça envergonhada por ver o homem tão de perto.

-onde estou? porque estou aqui? a moça queria perguntar tantas coisas,mas não sabia por onde começar.

-tudo será respondido,no seu tempo...o homem disse em um tom muito calmo.

-agora volte a dormir,pela manhã a acordarei para o café.falou o homem...logo depois a moça concordou com sua cabeça,sem falar uma palavra ela se virou novamente e voltou para o corredor seguindo em direção ao seu quarto,até chegar em seu quarto ela não parava de pensar naquele homem esbelto,ela sabia que estava sendo indelicada e pretensiosa,mas queria vê-lo a luz do dia.Mas como a boa obediente que era voltou a sua cama e adormeceu.

pela manhã ela acorda com uma voz familiar,abre seus olhos e avista o homem da noite passada com seus narizes quase se tocando,ele percebe que ela havia acordado e rapidamente se distância,ela senta na cama...

-o café está pronto.fala o homem,logo antes de ir embora.

a moça fica bem confusa pois ele não falou mais nada,ela não sabia onde era a cozinha,ou a sala de jantar,mesmo assim ela foi...naquele mesmo corredor ela olhava para a janela olhando o belo jardim que havia lá embaixo,ela amava flores,ama a natureza e tudo que vêem dela,ela percebeu que estava bem alta do chão,pensou que então não era uma casa qualquer,depois de algumas reflexões a mais ela decide esquecer e vai em busca de uma escada para descer,depois de longos 15 minutos ela acha uma enorme escada seu corrimão era feito a ouro puro,ela nem sequer ousava tocar lá,uma plebeia qualquer tocando em ouro? nunca!...pois era oque ela pensava,ela se perguntará,onde estava,quem era ele,mas até agradecia por não estar na própria casa,mas começou a perceber que o silêncio dessa casa nunca sessava,era como se todos os barulhos e sons tivessem sumido.

ate que ela ouviu uma voz feminina fora de seus pensamentos.Ela se distânciou de seus pensamentos e avistou uma mulher com roupas de empregada.

-olá! o chefe quer que a senho tome café com ele na sala de jantar disse a empregada com ânimo.

-desculpe,mas eu não sei onde é falou a moça com um sorriso fouxo,então a empregada disse-lhe para acompanhá-la...e a levou até a sala de jantar.Era uma mesa cheia de pães doces bolos café chá,muito mais do que um banquete.

ela sentou-se em uma das cadeiras,que por sinal eram de ouro,a moça um pouco desconfortável pelo fato do homem estar a observar sem a menor intenção de disfarçar.

-coma a vontade.disse o homem olhando para a mesa.

-muito obrigada...mas eu queria saber qual é o seu nome? disse ela incerta sobre sua pergunta repentina.

-sou Mateo,dono deste castelo.disse ele com orgulho

-mas e o seu? continuou ele.

-o meu nome é diana.disse ela com incerteza,então o silêncio voltou a pairar por aquela sala,mas o silêncio não durou muito pois os barulhos de talheres em pratos diminuiu o silêncio.

eles comem em total silêncio por sinal,até que os dois ficam satisfeitos,a bela Diana limpa sua boca com um tecido de ceda delicadamente passando por seus lábios carnudos,ela olhou para Mateo e viu o quanto ele era bonito,com seus olhos azuis seu cabelo loiro seu corpo,ela percebeu também que ele não falava muito.

era bem Quieto,mas Diana era tímida demais para puxar algum assunto,e Mateo era reservado o suficiente para não ligar para Diana,mas de certa forma ele ligava,ele eram ligados,mas com oque?

-voce sabe que está carregando um filho meu não sabe.disse Mateo calmo.

-oque!? disse Diana assustada se levanta da mesa incrédula por essa resposta.

-eu sei que pode ser difícil...disse ele.

-dificil!? se isso por uma brincadeira de mal gost- Diana é interrompida por Mateo...

-eu sei,mas sua mãe disse que você era uma barriga de aluguel.alem do mais,eu preciso de um herdeiro.disse Mateo se levantando calmamente.

-como ela pode...falou Diana voltando a se sentar na mesa cabisbaixa.

-eu sei é difícil de acreditar mas eu fiz isso...eu fui até sua mãe para ver se encontrava uma mulher que pudesse carregar meu filho,como uma barriga de aluguel...então sua mãe disse que você era uma...

-porque estou aqui? disse Diana olhando para a torta de morando em seu prato.

-eu fiz sexo com você no bordel de sua mãe,mas logo depois fui embora,no outro dia eu voltei para verificar você,mas no meio da rua tinha uma mulher jogada na estrada,eu parei e vi...era você.disse Mateo gesticulosamente.

-eu não me lembro de nada disso...disse ela.

-sua mãe disse que estava dopada...

-abusou de mim!?disse ela furiosa.

-sim...por um lado sim...e eu peço desculpas...mas...era o único feito de ter um herdeiro.

ele não parecia tão frio quando pensei...foi oque Diana pensou...

-nao considerou meus sentimentos? poderia ter pedido,eu perdi a virgindade com um cara que nem conheço,e agora sinto que nem estava lá.fala Diana com sentimentos de raiva e tristeza.

a conversa acaba ali.Nenhum fala mais nada e o silêncio volta a casa,Diana vira as costas e sai para uma porta que ela não conhecia...Diana só andava pela casa quando abriu uma porta e avistou o jardim,ela foi até aquelas rosas e se ajoelhou perto delas.as cheirou e se acalmou,pensou bastante...e decidiu não falar nada por hora,se sentia triste e magoada por nem sua própria mãe considerar seus sentimentos,estava inquieta,mas se virou para a casa e viu o quão grande era...quando se assustou que alguém disse "ola" em seu ouvido,era Mateo,Mateo se sentou ao lado de Diana e a observou com uma rosa na mão.

-gosta de flores? perguntou ele apontando para a rosa em sua mão.

-desculpe eu a arranquei.disse Diana triste.

-eu ia por fogo nesse jardim,pode ficar com ele se quiser.disse ele à ela em tom de afirmação.

-serio? perguntou Diana assustada.

Mateo afirmou que sim com a cabeça enquanto olhava o céu.

o silêncio era continuo entre eles,até que uma das empregadas chegou no jardim com uma bandeja,contendo chás e biscoitos,a empregada se aproximava cuidadosamente para não derrubar a bandeija.

a empregada com um sorriso alegre apenas colocou a bandeija entre eles e virou-se as costas e voltou para dentro da casa.

-vamos comer.ele disse já pegando um biscoito de chocolate com geleia de morango no meio.

sim...ela disse pensativa mas mesmo assim concordava,no mesmo momento ela pegava uma xícara.

Diana colocava chá na xícara e percebia o quanto a xícara era bonita...era feita de porcelana,sua alça era feita somente a ouro.diana ficava impressionada com a xícara e com o próprios pensamentos.

quando Diana se assustou,pois acabou se queimando,Diana tinha deixado a xícara transbordar,e quando Mateo percebeu ficou perplexo,mas mesmo assim calmo.

Mateo retira um pequeno lenço de seu bolso.

Mateo pega a xícara de Diana e a coloca novamente na bandeija,logo depois Mateo pega a mão de Diana com muito cuidado e a limpa com o lenço.

-eu posso fazer sozi- Diana é enterrompida por Mateo que a olhou com um olhar que ela nunca tinha visto antes,era lindo? aquele olhar...mas no que ela estava pensando?! ela é louca! então Diana se calou imediatamente.

-desculpe-me,eu fasso esse olhar horrível as vezes quanto estou- Mateo é interrompido por Diana.

-é lindo.diana disse levantando a cabeça de Mateo para poder ver o seu olhar novamente.

Mateo muito confuso e assustado,pois nenhuma mulher o tinha dito isso antes.

Mateo sentiu como nunca as famosas "borboletas na barriga"mateo como nunca tinha sentido isso antes ficou mais confuso do que o normal.

e para acabar mesmo com mateo Diana deu um sorriso bem grande e aberto mostrando seus dentes brancos e alinhados.

mateo não conseguia guardar aquele sentimentos pra si,senta-se que iria explodir.

mateo sabia que era loucura mas mesmo assim o fez...mateo beijou Diana quase colocando suas mãos encima dos biscoitos,Diana assustada pois era seu primeiro beijo,e nunca imaginava que seria assim com um homem que nem conhecia,esperando um filho dele.

mas Diana confusa e espantada mesmo assim aceitou aquele beijo quanto e bom.

Diana não sabia oque fazer então teve que interromper,um selinho ela sabia mas nunca tinha beijado ninguém pra valer.

-d-desculpa é...que eu...nunca...beijei ninguém.disse Diana envergonhada mas preparada para ser vaiada.

-tudo bem,ninguém nasce sabendo,todos temos o nosso tempo.disse mateo compreendendo toda a situação atual.

-eu sei que fui rápido demais com isso,e eu peço desculpas.mateo falava isso enquanto se afastava de Diana.

-tudo bem...só fique assustada,pois nunca conheci ninguém antes...disse Diana.

-oque fazia então? disse mateo confuso.

-minha mãe não deixava eu sair muito sabe...e quando eu saia tinha que ser sozinha...Diana falava com o pensamento de isso não era para o seu bem,Diana parou de falar e se afundou em seus pensamentos.

quando é interrompida por mateo alegremente,que enfiava um biscoito em sua boca.

-esqueca esses pensamentos impuros,isso só vai te trazer mais maldições,apenas se divirta,aqui não há nessesidade de se preocupar com coisas tão indecentes.disse mateo em um tom sério mas com um sorriso no rosto alegremente como se ninguém podesse derruba-lo.

Diana esqueceu esses pensamentos como mateo tinha falado,por hora...ela sabia que uma hora ou outra teria que enfrentar de cara esses medos e angústias,passa-se o dia normalmente,mateo quis pessoalmente mostrar a sua "humilde" casa como o próprio mateo lhe tinha dito.o almoço e o jantar foram bem divertidos,a noite depois do jantar,mateo para criar mais um fio de confiança decide jogar baralho com Diana...mas oque ele não sabia...

-é...é...eu n-nao sei jogar baralho.fala Diana envergonhada de si mesma.

-eu te ensino.disse mateo rindo...mas não ria da inexperiência de diana,e sim de como ela agia depois que admitia que não sabia fazer algo...no fundo do coração de mateo ele sabia que achava isso...fofo.

mateo dedicava-se totalmente a ensina-la a jogar,é como se só isso importasse para ele nesse momento,ela como um moço que aprendia rápido começou a entender cada detalhe do jogo,depois de dedicar seu tempo mateo a ensinou tudo,então eles começam a jogar,mateo um pouco orgulhoso por ter quase certeza que iria ganhar pois ele estava escondendo um coringa nas mangas de sua camisa.

-voce acha que irá me parar com esse coringa escondido? falou Diana.

logo depois mateo tomou um susto,ele já tinha escondido esse coringa nas mangas mas doque ele podia contar nos dedos,mas ela descobriu tão rápido,como?Diana tinha um bom olho? era oque ele pensava naquele momento...mas então o jogo começa.

no fundo de seus corações os dois sabiam quem ia ganhar.

minutos de silêncio se passam e...

-ganhei. disse Diana jogando suas cartas na mesa,ela tinha dois coringas...

mateo ficou perplexo com Diana.

-parabens. disse mateo jogando suas cartas na mesa,com três coringas!

-voce já tinha ganhado! disse Diana confusa,mas sabia que ele a tinha deixado ganhar.

-você foi muito boa,ninguém nunca tinha ganhado de mim antes...disse mateo.

-isso foi injusto! eu perdi! disse Diana.

-pra mim foi uma derrota...disse mateo com um sorriso leve,como se estivesse orgulhoso por te-la deixado "ganhar"

-seu bobo...disse Diana sussurrando para si mesma.













4 de Maio de 2022 às 01:34 2 Denunciar Insira Seguir história
1
Continua…

Conheça o autor

( ≧Д≦) Escritora em andamento...

Comente algo

Publique!
DN Daniele Narumy
Eu quero a continuação rápidoooooo
May 04, 2022, 01:10
Renato Doti Baptista Renato Doti Baptista
Continue 😉
March 23, 2022, 22:55
~