elias-dias Elias Dias

Sempre colocado com os termos de (estranho),(doido),e talvez eu seja um pouco,me entender é entender uma mente que passou por altas coisas,me entender é decifrar um código de alegria,felicidade,tristeza e raiva,sentimentos que mais senti até agora,eu,sou uma pessoa dificíl de lidar,sou uma pessoa que se estressa fácil,mas sei ser carinhoso e amoroso quando tenho que ser,sei que é difícil de acreditar,mas não cabe a mim fazer as pessoas acreditarem,mas sim a elas se darem uma chance de me conhecer e tirar suas próprias conclusões.


Não-ficção Para maiores de 18 apenas.

#drama #raiva #Biografia
0
2.9mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Nascimento

Nascer é a uma das coisas mais bonitas,tanto na vida animal quanto na humana,mas meu nascimento,foi algo que ninguêm poderia esperar,nasci no ano de 2002 dia 18 de julho,vamos lá,por que meu nascimento foi tão chocante,eu nasci muito pequeno,antes do momento,um prematuro,eu era tão pqueno que minhas fraldas tinham que ser dobradas para caberem em mim,quando minha mãe me teve é óbvio que os médicos já sabiam o que era,mas,evitaram de contar para minha mãe de imediato,pois uma criança prematura corre grandes riscos de não sobreviver,bom,vou explicar o que ocorreu comigo,eu durante o periódo que estava na barriga de minha mãe,estava sendo preparado 'para quando o momento de meu nascimento chegasse eu desse (olá mundo),mas minha mãe durante minha grávidez tomou rémedios para pressão,um ponto para que eu nascesse muito pequeno e muito magro como se já não bastasse,o gênio aqui resolveu defecar ainda quando estava na barriga dela,vou explicar um pouco sobre isso,um recém nascido não defeca fezes pois tudo o que se alimenta são todos os componentes dissolvidos e absorvidos pelo bebê no líquido amniótico,geralmente o recem nascido só expele isso quando nasce,mas no meu caso foi diferente,então,quando os médicos viram que eu havia feito isso ainda na barriga da minha mãe,eles logo a avisaram que eu teria que ser retirado logo ou morreria,então minha mãe acabou tendo que fazer o parto cesárea,que é basicamente cortar a barriga da mãe para tirar a criança manualmente,então,foi isso,eu fui arrancado da barriga da minha mãe,E lá nascia um ser,magro,e pequeno,eu cabia na palma da mão,minha mãe não poude me ver antes de falar com um psicólogo,ela não entendia o que estava acontecendo,logo descobriu que eu não respirava sozinho,pois meus pilmões estavam podres,todos com o liquído amniótico,fiquei em uma incubadora,ligado a milhões de fios,uma sonda no meu nariz que me ajudava a respirtória que quase sempre me incomodava e eu arrancava,então quando isso acontecia era um inferno,eu parecia um peixe que tinha acabado de sair da àgua,tentando buscar ar,os médicos tinham que correr para colocar de volta,eu fiquei conhecido como (o bebê do mecônio),era o chaveirinho dos médicos e das enfermeiras,mas,nem tudo era flores,minha mãe ficava cada dia pior,de vez em quando entrava dentro do banheiro,e para ninguêm a ouvir chorar,em meio a lágrimas ela clamava a seu Deus pedindo para que ele não me levasse,pois ela não iria aguentar,houve até uma enfermeira que disse uma vez para ela.


-Por que está chorando?,você já tem dois


ela claro não ficou quieta,e disse


-Ele é meu filho tambêm!


olhem não é querendo me achar ou o que seja,mas uma pessoa falar algo assim não sabe o que está falando.


Havia uma mulher no mesmo hospital,ela havia perdido seu filho,e depois disso ela começou a agir estranho,nenhuma mãe queria ela perto de seus filhos,e principalmente a minha,é dificíl pensar que você pode perder aquele ser que você tanto espera,veja,você cria tudo que vai fazer para ele, e com ele,então vir a nóticia que ele não está vivo pode ser algo perturbador,se eu visse de perto juro que não aguentaria,mas depois de um tempo no hospital,após ter meu pescoço cortado para colocar uma sonda para eu respirar,tenho até a cicatriz,e sinceramente gosto muito de te la,é pequena mas se fosse grande não teria nenhuma vergonha,é uma prova que quando você acrédita tudo da certo,e para quem crê em Deus,sabe que é um sinal de que quando não é para ser,ele não permite acontecer nada que não deva,ok,não vou foca em religião agora,enfim,depois de um bom tempo na incubadora,ganhei o peso desejado,e pude sair com minha mãe pela porta da frente,cheguei em casa enrolado em um pano,pois não tinha nem roupas direito,então o hospital providenciou uma manta simples,mas isso era o de menos,estava bem,quando minha irmã mais velha me viu quase não acreditou,minha irmã se chama roberta,ela é minha irmã mais velha,ela tinha 14 anos quando eu nasci,então veja bem,eu tenho dois irmãos,Roberta e um irmão mais velho que eu,Ewerton,e um pai,que você vai saber mais sobre ele logo mais.


13 de Março de 2022 às 18:18 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Convulsões e desmaios

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 22 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!