krishnagrandi Krishna Grandi

Ep. 03 - Após Gilson Dorneles concluir o caso de Hercule Parrot, conseguiu uma companhia para seus casos especiais. Dessa vez, uma criança ansiosa e triste pelo roubo do seu pirulito favorito. Como essa dupla vai encarar esse caso?


Humor Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#Hercule-Parrot #comédia #escritora-de-comédia #Gilson-Dorneles #casos-especiais #detetive-de-casos-especiais #cidade #humor
Conto
1
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Único

O papagaio verde dormia empoleirado na pilha de papéis do escritório de Gilson Dorneles. Os roncos de Gilson eram ouvidos pela porta entreaberta que dava para o corredor. Sentado em um banco, com um jornal sobre o colo, estava ele: o renomado detetive de casos especiais Gilson Dorneles.

A soneca depois do almoço era um hábito frequente na vida de Gilson, e agora, papagaio verde. Alguns dias se passaram desde o caso estrambólico da ave. O relacionamento entre eles cresceu exponencialmente em questão de horas. Era a lábia do papagaio, pensava Gilson. Era as ponderações de Gilson, pensava o louro.

A campainha toca. Em um pulo, de atleta, Gilson ajeita os óculos e corre até a porta.

-ROUBARAM O MEU PIRULITOO ÔÔÔ!!! – Uma pausa. O berro. – UAAAAAAÁÁ Á!

O papagaio acorda. Pousa no ombro de Gilson.

-Aliás, meu nome é Hercule Parrot.


O detetive de casos especiais

O que precisar, procurar, ele faz

Nenhum mistério

Por mais caótico

Gilson Dorneles

Atende tudo

Até o gótico


-Miniño, primeiro... Sente-se aqui, sim! – Já no escritório, Gilson não sabia lidar muito bem com crianças. Ainda mais aquela.

-Meu pai conhece você! – pausa - E eu conheço você! – A bolha de ranho estourava na ponta do nariz.

Hercule Parrot foi para o parapeito da janela e pulou. Abriu as asas e voou. Enquanto o detetive fazia suas perguntas de praxe.

-Deve ter visto o rosto do suspeito, sim.

-Por baixo, apenas.

-Como ele era?

-Metido! Estava de bicicleta e um moletom amarelo.

-Quando aconteceu?

-Há vinte minutos.

-Certo. Acontece... Que bom que nos procurou logo.

-O que você vai fazer?

-Encontrar seu pirulito, oras.

-Não era melhor encontrar quem pegou o meu pirulito?

-Sente-se aqui, certo? – Gilson levou George para o outro escritório, onde havia um sofá. Notou que sua mãe ainda não chegara.

-O escritório da tia é legal, né?

-Sim, sim... Fique à vontade!

-Tio Gil...

-Hm?

-O pirulito era grande - grande e amarelo. Daquela marca nova, sabor de banana.

-Claro! O único pirulito na cidade inteira.

-Sim, ganhei como prêmio de bom aluno.

-Vamos encontrar seu pirulito, sim?

Gilson foi para frente do computador. O street view era atualizado em tempo real, então foi fácil procurar pelas redondezas uma bicicleta com moletom amarelo. No mesmo instante que localizou a meliante, Gilson também viu que Hercule Parrot sobrevoava a mesma bicicleta.

O pirulito amarelo sabor banana era da marca Caramelows que produziu uma única unidade como desafio do Paladar da Ciência Contemporânea. Era uma bola enorme amarelada, com textura de banana e caramelo. O palito era feito de cascas recicladas e a embalagem era a própria folha de bananeira. “Uma graça” era o slogan.

Enquanto Hercule Parrot atraía a atenção da meliante para o escritório, Gilson Dorneles entra em uma plataforma de um compra e venda da região. O anúncio mais recente era exatamente o pirulito. Entretanto, já estava vendido.

-As pessoas são as pessoas e não tem o que fazer em relação a isso. – resmungava o detetive de casos especiais.

Como George era seu parente, tinha a família nas redes sociais e logo achou uma postagem de sua prima Gabriela na escola com a turma de George. Gabriela tinha uma filha que estava marcada nessa mesma foto.

-Interessante... Mas ao mesmo tempo, óbvio.

Gilson precisava pensar. Retornou até a sala onde George estava e lhe deu um beliscão. O menino abriu o berreiro novamente e Gilson Dorneles segurou o rosto da criança.

-Ahá! Miniño, acredito ter solucionado o seu caso.

Gilson esperou que a ave voltasse com a meliante. Serviu um chá de camomila para o seu ilustre cliente. Nessas conversas de chá da tarde, Gilson e George compartilharam seus amores por bolo de banana com cobertura de caramelo.

Hercule Parrot voltou glorioso de seu passeio. O papagaio destrambelhado pousou na mesa com o enorme pirulito no bico e logo depois, a campainha tocou. Gilson foi abrir a porta.

-Entre, Miñina. – a garota de moletom amarelo adentrou o escritório. – Sente-se aqui, sim.

-Giovana! – George levou um susto.

-Sim, George... – Gilson apontou o sofá para que ela sentasse do lado do menino.

-Vou te explicar o que aconteceu. Vocês dois estudam na mesma sala, certo? -as crianças balançaram a cabeça concordando. – George, você ganhou o prêmio de bom aluno, mas a Giovana queria esse prêmio, porque ela também é uma boa aluna e sua prima. Era uma competição de família acima de tudo. Entendo isso perfeitamente. – Gilson colocou a mão sobre o peito e suspirou. – Enfim, Giovana se aproveitou que você está sem os dentes da frente e puxou-lhe o pirulito de sua boca enquanto andava distraído. Menino, você não sabia que não se pode chupar pirulito enquanto há janelinhas, ou porteiras no seu caso, na boca? O risco de o doce cair no chão, ou pior, ser roubado é imenso! Perigoso! Ainda bem que você me chamou! E você, menina... Como anunciou aquele pirulito online assim? Não sabe dos perigos de conversar, e negociar, com estranhos?

As crianças estavam embasbacadas com a reação nervosa de Gilson. Nunca o viram daquele jeito. Isso porque Gilson Dorneles ganhara um prêmio de aluno zen na escola e o certificado estava atrás dele, na parede.

O papagaio verde pousou no ombro de Gilson com o pirulito no bico. Gilson pegou o pirulito e o entregou para George.

-Aqui está, Miniño. Seu pirulito.

-Você vai contar para as nossas mães? – Giovana lamentou.

-Meus clientes têm seu sigilo garantido. Mas prometa que isso não irá acontecer de novo.

-Tudo bem... Desculpa, George. Eu só queria ser a melhor da turma.

-Tudo bem, Giovana... Tenta no próximo ano se a gente não estudar juntos.

Gilson pegou o telefone e ligou para o Despacha Criança, serviço de entrega de crianças de volta para suas casas. Não demorou muito e Gilson os acompanhou até a porta. Giovana foi a primeira a entrar no carro.

-Tchau, tio Gil!

George ia saindo com o pirulito na boca quando Gilson o parou. Gilson puxou o pirulito e o bateu de leve na parede. Fazendo conchinha com a outra mão, pegou um terço do pirulito.

-Os honorários, Miñino. Pode ir agora, sim! – Gilson sorriu.


O detetive de casos especiais

O que precisar, procurar, ele faz

Nenhum mistério

Por mais caótico

Gilson Dorneles

Atende tudo

Até o gótico



27 de Fevereiro de 2022 às 00:54 7 Denunciar Insira Seguir história
5
Fim

Conheça o autor

Krishna Grandi Sou escritora, atriz e publicitária. Gosto de escrever sobre tudo um pouco, mas tenho focado em escrita erótica, contos de terror/horror e comédia. São os meus favoritos. Quero fazer amigos, contatos e parcerias. Um beijo.

Comente algo

Publique!
SD Sig Dartani
Hercule Parrot certeiro em busca da meliante que se pirulitou. Um verdadeiro drone analógico. Um caso embananado, mas solucionado. Grato pelo relato!!
LIPSTTER LIPSTTER
Olá? Faço parte da Embaixada brasileira do Inkspired e estou aqui para parabenizar pela verificação da sua nova história. Para começar, como sempre adoro ressaltar: toda obra tem um convite. E com certeza, a sua está esplendorosa. Casa muito bem com a proposta do conto. Cores, imagens, fontes! Uma sensibilidade de estética certeira. Parabéns pela dedicação! Agora, vamos falar sobre o conto. Sua escrita é adorável e leve igualmente como o pirulito de banana do George. É perceptível sua paixão exalando em cada palavra e pontuação, em cada novo enredo que surge através de suas mãos. Meus olhos sorriam a cada novo parágrafo; e algo que foi o ápice da meiguice, por mais que pareça simples, se encontra no trecho que Gilson pega o pirulito, bate suavemente na parede e pega um terço como um forma de agradecimento. Aquilo soou brasileiríssimo! Formidável. E, querida autora, nem preciso citar em relação a sua ortografia e gramática, pois você sempre se encontra arrasando em cada nova publicação. Parabéns mesmo! Agora fico por aqui. Até mais, querida autora. Te desejo muito sucesso, porque você merece!
April 12, 2022, 01:16

  • Krishna Grandi Krishna Grandi
    Oiiie de novo, Lipstter!! Comecei inversamente e agora aqui estou! ahhahaha Muito obrigada pelo seu comentário. Meu coração fica bem quentinho e muitos pensamentos fofinhos surgem nessas horas. O Gilson é especial para mim e essa dupla ainda tem muito o que falar. Os honorários são sempre bem-vindos, ainda mais quando se trata de banana com caramelo hahahaha Obrigada pelas suas observações! Adoro a plataforma e tem muita gente querida e legal aqui! Bjbjbjs <3 April 12, 2022, 16:53
Max Lake Max Lake
Olá de novo! Hercule Parrot é um ótimo nome para papagaio (e acho que o Hercule original iria se orgulhar de não ter seu xará sendo chamado de Hércules) Adorei essa história, Gilson está certo em todas as broncas. Que coisa essas crianças irresponsáveis! Mas a melhor parte é ele pegando seu pagamento haha Parabéns pela história! XD
March 31, 2022, 22:18

  • Krishna Grandi Krishna Grandi
    Oiee!! Muuuuuito obrigada pelo seu comentário! Eu fico muito feliz, porque o Gilson é mto especial pra mim, hahaha, em todos os sentidos. Eu tenho mais casos pra ele resolver. Pode deixar que vou me dedicar pra trazer aqui pra vocês <3 bjbjbjs April 01, 2022, 00:30
RR Ramon Rodrigues
É apenas impressão minha, ou este conto tem influências de Ed Mort?
March 24, 2022, 17:14

  • Krishna Grandi Krishna Grandi
    Eu fui pesquisar essa referência, pq eu não conhecia e achei demais!!! Agora fiquei doida pra ler o Ed Mort! Eu sou muito fã de Agatha Christie, por isso criei o meu detetive se passando no Brasil kkkkkkkkk até o papagaio tem nome trocadilho em homenagem. Curti, valeu pela referência! March 24, 2022, 19:37
~